e se fosse eu?

Não pretendo debruçar-me sobre uma questão tão complexa como é o problema dos refugiados. Para analisar esta “ferida” que marcará para sempre o tecnológico e absurdo século XXI, existem muitos peritos na matéria.

Pela minha parte, assumo que inicialmente não tive a noção da tragédia que se estava a passar e ainda hoje me considero uma ignorante, simplesmente porque não a estou a viver nem a sentir na pele. Sinto um aperto no peito e um nó na garganta perante certas imagens que os meios de comunicação mostram diariamente, mas estou na minha casa, no meu país, com a minha família e bem aconchegada. Sou apenas mais uma teórica, cujo envolvimento prático não passou de um pequeno apoio monetário para a Plataforma de Apoio aos Refugiados.

moch2

O que me leva a esta reflexão é a campanha E se fosse eu? recentemente divulgada e que se baseia no que cada um guardaria na sua mochila caso tivesse que fugir da sua casa e do seu país. Não apetece pensar em tal, mas acontece, está a acontecer.

Sendo todos diferentes, as escolhas seriam o reflexo das vivências que nos constroem. Aquilo que para mim tem significado, não terá certamente para o outro. Mas para muitos, aceitar essas diferenças é tão difícil como aceitar que tudo é relativo e que ninguém é detentor da verdade.

Voltando à mochila, provavelmente haveria um certo número de objectos que seriam comuns à maioria, como os documentos de identificação, uma muda de vestuário e de sapatos, alguns artigos de higiene pessoal e um saco cama ou um cobertor.Provavelmente também um telemóvel e o respectivo carregador, como reflexo dos tempos que correm. Para além disso algum dinheiro ou pequenos objectos com algum valor, mesmo que sentimental, passíveis de serem convertidos em dinheiro em caso de grande necessidade.

Mas resta ainda algum espaço na tal mochila. Cada um guardaria a esperança de um regresso através de alguns objectos que lhes recordasse o tempo de paz, um momento especial ou um prazer sentido nos dias tranquilos. O que quer que fosse.

Com a mochila às costas, os braços e as mãos ficariam livres para “agarrar” a família, o bem mais precioso. Difícil é imaginar que, neste momento, muitos desses braços estão a segurar um filho de colo por centenas ou milhares de quilómetros!

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s