Marcelo Rebelo de Sousa

 

MRS

 

A política partidária dificilmente entra no âmbito dos meus interesses e muito menos será temática de um post neste blog. Mas o termo “política” é bem mais vasto que a visão limitada e pouco clara que os partidos muitas vezes nos oferecem, na medida em que pode ser encarada como a arte ou a capacidade de orientar, partilhar e dirigir, seja um espaço, um estado ou uma nação. Nesse sentido, a este termo podemos associar os valores que devem reger um país e, indirectamente, os valores e a forma de actuar da mais alta figura do estado, o Presidente da República.

É sobre esta figura que me apetece falar neste post, numa análise muito pessoal e totalmente apartidária.

Quando, pela televisão, observo calmamente o nosso Presidente da República (porque a sua imagem e postura são tão fundamentais como as suas palavras), vejo uma personagem dupla, ou seja, dois Marcelos Rebelos de Sousa.

O primeiro parece um miúdo ainda na fase de encanto após ter chegado a um lugar que não conhecia e que, com um pouco de imaginação, poderia ser um parque temático. Sendo uma criança muito comunicativa e sociável é aceite por todos, tornando-se facilmente no leader dos que com ele partilham esse espaço. Como detentor desse estatuto, ocupou naturalmente a “casa da árvore”, a mais desejada do parque, decisão que foi bem aceite por todos. Dado o seu espírito de abertura, deixa todos visitá-la e retribui com satisfação essas visitas. Quase sempre feliz, não pára quieto, fala muito e revela imensa curiosidade sobre tudo o que o rodeia.

Entretanto, e porque comentou que gostava de ter um cão, ofereceram-lhe um pastor-alemão chamado Asa, com o qual certamente irá interagir imenso, para ambos gastarem a muita energia que possuem. Como gosta muito de praia, é provável que o leve até lá e com ele tome um banho ou dê umas corridas na areia. Isto se os adultos o deixarem…

Este miúdo tem hábitos de leitura fora do usual, gosta de livrarias e de bibliotecas, pelo que lhe oferecem muitos livros que lê com avidez e interesse. Para além disso tem sempre um sorriso para oferecer, um olhar vivo e franco, gosta de afectos, de beijos e de abraços. E como está sempre aberto a todas as experiências, durante as suas aventuras até participa com alegria nas tão modernas selfies ao lado de outros miúdos. Com todas estas características, é bem possível que os adultos que o acompanham fiquem estafados e por vezes se sintam incapazes de o controlar.

Mas ao lado do miúdo, vejo o segundo Marcelo Rebelo de Sousa, o homem, o Presidente. Vejo um adulto muito atento, com um discurso simples, conciso, muito bem elaborado e que chega a todos. É um homem de fé e que ainda acredita, sentimento pouco habitual num adulto português dos tempos actuais. Assume que acredita num Portugal unido, que acredita e vai lutar por consensos partidários, que os portugueses podem e devem ter uma vida melhor e que este país pode recuperar o orgulho nacional, o espírito de aventura e o lugar que já deteve no mundo, qualidades que entretanto se perderam no tempo, por cansaço, escolhas erradas ou por falta de incentivo.

Marcelo, o presidente, mostra ser um homem de esperança. Mostra-o por exemplo, ao incentivar e dar força aos menos conhecidos, sejam pessoas, associações ou eventos que considere terem potencial de crescimento. Nessa linha, também tenta ver os emigrantes de uma forma diferente. Acredita que eles vão voltar ao nosso país e, creio que será o primeiro presidente que se lembrou que o dia de Portugal também é o das Comunidades, tendo a intenção de o comemorar este ano junto dos portugueses que vivem em França.

Ele acredita num novo tempo e faz o que pode por isso. É possível que nos momentos de introspecção ou de solidão que certamente terá, lhe surjam dúvidas, inquietações e quebras de energia. Afinal ele é humano e em todos existe essa dualidade. Mas a parte positiva, a da luz, deve prevalecer e levar vantagem sobre a oposta. Creio que essa será uma característica da sua personalidade, não só enquanto primeira figura do estado, mas como pessoa.

É provável que a fase de encanto e de euforia se atenue com o tempo. Afinal o futuro é o presente modificado. Também o entusiasmo poderá desvanecer-se ligeiramente, em especial nos momentos em que se depare com situações mais complexas e com a necessidade de tomar posições, de optar, de dizer sim ou não. Não vai ser fácil, mas não vai ser grave, pela simples razão que me parece que ele possui todas as características para conciliar a criança e o adulto que vivem dentro de si. A criança vai crescer um pouco, mas o adulto saberá ajudá-la nesse crescimento. Acredito nessa simbiose, porque neste momento Portugal precisa desse equilíbrio e, especialmente, da energia positiva que ele transmite. Espero não me desiludir.

Não votei em Marcelo Rebelo de Sousa, mas estou a gostar do nosso novo Presidente da República.

 

Imagem retirada de  http://ccilj.pt/noticias/almo%C3%A7o-debate-prof-doutor-marcelo-rebelo-de-sousa/

 

Advertisements

3 thoughts on “Marcelo Rebelo de Sousa

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s