para o novo ano…

 

img_7936

 

Nos primeiros segundos do ano, os votos pessoais mais comuns são saúde, tranquilidade, amor, partilha, trabalho e mais algum dinheiro, aspectos que não dependem apenas de nós e que estão sujeitos a factores aleatórios que não controlamos, caso da saúde e da postura de outros com quem interagimos. Por isso, e pela sua incerteza, eles são tão desejados!

Pacificada a euforia desses primeiros segundos, surgem na nossa mente outro tipo de desejos, aqueles que nascem da sensação de termos pela frente um novo e “limpo” tempo…similar a uma “agenda em branco” na nossa vida. Surgem então as promessas de fazer isto e aquilo ou de alterar determinada situação, que no final do ano serão cumpridas… ou não, deixando nestes casos alguma frustração.

Existem contudo pequenas coisas que dependem apenas de nós e de uma mudança de atitude, podendo contribuir para que nos sintamos melhor com a vida e connosco. O leque é imenso e depende da personalidade, necessidades e gostos de cada um. Diria que nos ajudam a estar mais atentos e a melhor apreciar cada dia que passa. Não podemos esquecer que o tempo flui e não volta para trás. Por isso, tudo o que lhe acrescentarmos de melhor e mais saudável será certamente uma experiência positiva.

Deixo alguns exemplos:

– andarmos mais a pé (ou de bicicleta!)

– passear mais pela natureza e dar mais  atenção aos seus pormenores

– respirar profundamente e aprender a dar atenção a esse momento

– beber com prazer e concentração um copo de água matinal

– apreciar o prazer de um chá quente calmamente saboreado

– sorrirmos mais

– seguirmos o que nos diz o coração

– estimular os pensamentos positivos

– afastar pensamentos negativos e destrutivos

– não alimentar conversas baseadas na “má lingua”

– partilhar afectos

– ajudar os outros

– proporcionar momentos agradáveis e surpreender os outros

– dar as boas vindas ao dia que começa

– agradecer cada dia que termina

– apreciar o aconchego da nossa casa e da nossa cama

– explorar as potencialidades do nosso corpo e das nossas mãos

– explorar a nossa mente e a nossa criatividade

– dar tempo ao que mais gostamos em nós…e tentar sempre melhorar o que menos gostamos!

Ou seja,

Não há nada que nos impeça de apreciar em cada dia a vida e o estarmos vivos neste planeta. Este tipo de atitudes, que não exigem dinheiro nem recursos, ajudam-nos a ser mais positivos, a melhorar a nossa energia e, certamente, a melhorar também a energia deste mundo!

 

Experimentem!