valor relativo

 

IMG_3474

 

Talvez as nossas mãos sejam o principal meio de transporte que lhes permite “mudar de casa”, seja para uma caixa registadora, para um porta-moedas, um mealheiro ou uma algibeira, sendo o tempo de permanência nesses lugares uma verdadeira incógnita. Mas no período que permeia entre o chegar e o partir, podem mudar de cidade ou de país, sendo por isso as melhores turistas do acaso da nossa sociedade.

As moedas vêm e vão, passando por nós de uma forma quase indiferente. Apenas nos apercebemos da sua real importância em situações muito específicas, como no momento de “alimentar” um parquímetro ou qualquer outra máquina automática que delas depende para cumprir a sua função. Apesar de tudo, nenhum mecanismo actual consegue destronar as verdadeiras “comedoras” de moedas como eram as antigas cabines telefónicas, clássicas referências de um tempo em que a moeda virtual ainda estava bem longe do nosso dia-a-dia.

De vez em quando sentimo-las de uma forma mais emocional e menos fria ou metálica. É o caso daquela moeda que segue o seu caminho como recompensa pelo momento agradável que uma performance artística nos proporcionou no meio da cidade, ou a moeda que damos a alguém mais necessitado e cujo olhar, ou silêncio, nos tocou especialmente. Estas serão recebidas com uma energia diferente, mais humanizada e provavelmente trocadas por um sorriso ou por um obrigado.

De certa forma, as moedas são a parte mais visível, palpável e até “pura” de uma enorme engrenagem que tudo controla sem dó nem piedade e cujo objectivo é o lucro, quantas vezes desumano e desenfreado. Se, para muitos, elas são míseras e não valem nada, para outros valem imenso e podem contribuir para que as suas vidas sejam menos miseráveis.

É estranha e tão injusta, esta dialéctica da sociedade em que vivemos.

 

 

Advertisements

2 thoughts on “valor relativo

  1. Tendo sido um colecionador de moedas a minha visão sobre elas é um pouco diferente daquela aqui descrita. No entanto não deixa de ser interessante pensar na “outra face” que elas podem ter.
    E a forma como o fazes está muito bem conseguida.

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s