violeta parra

Capturarviol parra

Ultimamente tem sido divulgado um espectáculo de entrada gratuita, que se irá realizar no próximo dia 8 de Abril no teatro Capitólio em Lisboa, em homenagem a Violeta Parra pelo centenário do seu nascimento.
Conhecia um dos seus temas mais populares, como é Gracias a la vida, mas relativamente pouco do seu percurso. A curiosidade levou-me a procurar um pouco mais e não resisti a escrever este post

…Violeta del Carmen Parra Sandoval (1917-1967) foi compositora, cantora, artista plástica e activista política, sendo considerada a fundadora da música popular chilena, gosto que herdou dos pais. Bem cedo começou a tocar e a compor, optando logo na juventude por se dedicar à vida artística.

Teve uma vida emocional algo complexa, com três casamentos e vários filhos, alguns que se dedicaram também à música, cantando com eles durante um certo período da sua vida. Foi igualmente a grande precursora da música de intervenção, produzindo letras revolucionárias que incidiam maioritariamente na injustiça social e nas condições de vida dos pobres.

Na sua curta mas intensa vida, em que intercalaram os momentos bons e os muito difíceis, como o da morte de uma filha, foi sempre uma mulher de grande energia e força, lutadora pelos direitos dos mais desfavorecidos, mas também irreverente e que sabia o que queria.

No final dos anos 50, num período em que esteve doente e mais inactiva devido a uma hepatite, explora as artes visuais, dedicando-se a criar as arpilleras, curiosas tapeçarias bordadas que, mais tarde, foram associadas à resistência das mulheres chilenas no período da ditadura do General Pinochet. Através da figuração que nelas inseriam, iam transmitindo o que estavam a viver e a sentir enquanto os maridos estavam presos. Mas foram igualmente uma forma de sobrevivência material.

As arpilleras, assim como a pintura, o papier maché ou as esculturas em arame, foram as técnicas artísticas que Violeta Parra escolheu para expor, juntamente com as letras e canções que escrevia, tudo o que sentia, os princípios em que acreditava e pelos quais lutou toda a vida.

Estranhamente, suicidou-se aos 49 anos, não muito tempo depois de ter composto Gracias a la vida, o que de certa forma é um pouco paradoxal. Mas, a separação dramática do seu terceiro companheiro e ainda um projecto que não terá corrido bem, poderão ter contribuído para tão drástica decisão.

Pelo facto de ter deixado um grande legado, em Novembro de 2014 foi criada a Fundação Museu Violeta Parra, a fim de preservar e difundir a obra desta mulher que teve um papel tão importante na sociedade chilena.

Não poderia terminar este post sem a sua  belíssima voz. Escolhi dois temas já compostos na década de sessenta, Gracias a la vida e Run run se fue pa’l norte, criados sob emoções bastante opostas. O primeiro surgiu na sequência do grande amor que sentiu pelo seu último companheiro, o antropólogo e músico suiço Gilbert Favre; e o segundo, depois de ele a ter deixado, separação que teve fortes repercussões na sua vida.

Foi uma mulher de força e de paixões. Mas foram também essas atitudes que a levaram ao suicídio.

Foto retirada de http://www.nosgustaelvino.cl/museo-violetaparra/?age-verified=50f5b1d0a0
Advertisements

9 thoughts on “violeta parra

  1. Um nome maiúsculo na música e no folclore chileno – Nueva Cancion Chilena – com Victor Jara, Inti Illimani, Quilapayun e Patrício Manns, seus filhos Angel, faleceu em Paris este ano, e Isabel. Obrigado pelo post, Violeta merece. O meu abraço.

    Like

  2. Não conhecia a Violeta Parra nem o trabalho dela, mas o teu post e a informação complementar dos links é excelente para conhecê-la. A música fez-me lembrar, por alguma razão, os tempos em que ouvia Atahualpa Yupanqui. E há tanta música e cultura da América do Sul que deste lado é praticamente desconhecida…

    Fiquei curioso pelo teu post e reparei que havia um vídeo de um concerto no Museu Violeta Parra justamente pelos filhos de Violeta – Isabel e Ángel Parra. A acompanhá-los está a geração seguinte, os seus filhos – Ángel Parra hijo e Tita Parra. Parece-me que não há melhor homenagem que a dos filhos … e, neste caso, também a dos netos.

    Like

    1. Não sabias que os netos também seguiram a tendência da família. A música está realmente nos genes de todo eles! Para mim, contudo, a sonoridade da voz de Violeta Parra não se compara com a da sua descendência. Era muito melhor!
      O facto de te fazer lembrar Atahualpa Yupanqui tem sentido porque, de certa forma, ele foi a versão argentina de Violeta Parra. Ambos foram muito importantes na divulgação das músicas etnográficas e do folclore dos seus respectivos países.
      Obrigada pelo comentário e informações complementares.

      Like

  3. Conheci Violeta Parra há já alguns anos, através das interpretações de Mercedes Sosa que muito admiro.
    Dois grandes nomes, duas grandes mulheres.
    Não conhecia este vídeo de “Volver a los 17”, tão bonito!…
    …ditosa América do Sul que tais filhos teve!!
    Obrigada
    Aquele Abraço

    Like

    1. Sem dúvida dois grandes nomes! E este vídeo “Volver a los 17” com que complementaram o post, é realmente muito bom, porque são todos fabulosos. Não sei se reparaste na data, mas tem 30 anos…. quando todos éramos jovens como eles!…
      Muito obrigada pelo comentário e…outro abraço!

      Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s