árvores do mundo

 

fuji 123a
Hondonero, um dos centenários castanheiros de Temblar, Segura del Toiro, Espanha

 

A Conservação da Natureza teve ontem o seu dia mundial, mas é nossa obrigação dar-lhe atenção todos os dias. Nesse sentido, hoje darei a palavra às árvores, seres que partilham o planeta connosco e que criam raízes neste substrato que também nos recebe e dá guarida. A natureza é una, pelo que tudo o que possa ser realizado no sentido de a preservar, é defender todas as espécies que dela dependem.

A organização Botanic Gardens Conservation International reúne cerca de cinco centenas de Jardins Botânicos de cem países e foi criada para proteger a flora de todo o mundo. Para além de catalogar e descrever as espécies encontradas, tem como objectivo reforçar a plantação das que se encontram em vias de extinção, assim como actuar de forma preventiva sobre espécies que estejam a ser demasiado consumidas ou usadas.

Esta instituição fez há relativamente pouco tempo um recenseamento de árvores a nível mundial, que levou à contabilização de 60.065 espécies diferentes.

Em países como o Brasil, a Colômbia ou a Indonésia, foram encontradas respectivamente 8715, 5776 e 5142 espécies diferentes e, por exemplo, do número contabilizado no Brasil, 4333 são espécies unicamente aí existentes. Por sua vez, 2991 espécies só apareceram em Madagáscar e 2584 apenas na Austrália.
Concluíram ainda que em todo o mundo estão ameaçadas cerca de 9600 espécies.

Estes são apenas alguns números globais desse grande estudo realizado pela primeira vez. Para nós, não especialistas em botânica, eles funcionam como factor de sensibilização e um acréscimo ao conhecimento restrito que possuímos, e que se limita a saber que as árvores formam uma grande família, que são importantes no equilíbrio do planeta e que algumas são magníficas. Porém, há uma floresta “enorme e silenciosa” que nos sustenta apesar de passar indiferente ao nosso olhar e atenção.

Qualquer acção que possa contribuir para que as árvores comecem a ser melhor cuidadas é importante, especialmente numa época em que as alterações climáticas são visíveis, a desertificação uma realidade, e os fogos e a desflorestação continuam cruelmente a destruir muitas das árvores do mundo.

Este estudo, creio que poderá ser um bom contributo.

 

 

 

 

Advertisements

dunkirk

 

 

“Pátria…espaço telúrico e moral, cultural e afectivo, onde cada natural se cumpre humana e civicamente. Só nele a sua respiração é plena, o seu instinto sossega, a sua inteligência fulgura, o seu passado tem sentido e o seu presente tem futuro.

Miguel Torga, in O Dia, de 11 de Setembro de 1976

 

Por regra, não vou ao cinema ver filmes de guerra, centrando as minhas escolhas noutras temáticas. Mas fui ver Dunkirk, um filme que conta um episódio ocorrido na Segunda Guerra Mundial, nos areais que se localizam na costa norte de França, perto da fronteira com a Bélgica.

Em 1940, ainda no início dessa guerra, a progressão rápida e eficaz das forças alemãs, empurrou franceses, ingleses e belgas para essa longa faixa de areia, deixando-os encurralados. Apenas por mar poderia vir a ajuda e a sua salvação. Mas uma certa contenção por parte da Inglaterra no envio de meios que permitissem a recolha dessas tropas (uma vez que iriam ser necessários no prosseguimento da guerra), levou a que o governo inglês solicitasse a ajuda de embarcações civis de todo o tipo, para fazer essa operação de evacuação. E eles foram, com a pátria no coração buscar os seus, atravessando o canal em condições dificílimas porque os bombardeamentos aéreos dos alemães eram constantes. Foram e salvaram milhares e milhares de homens nos poucos dias em que durou a missão.

O filme, muito bem dirigido por Christopher Nolan, é contado de forma a entrosar perfeitamente os diferentes momentos e acções, vistos e sentidos a partir de terra, mar e ar. O medo e a esperança de quem está em terra à espera de ser evacuado, mistura-se com a força de quem se meteu no seu barquinho para resgatar compatriotas, ou na coragem necessária para os desafiadores e arriscados combates aéreos.

É nos momentos difíceis que o melhor e o pior das pessoas vem ao de cima, seja a maldade e o egoísmo, seja a sensibilidade, a compaixão e a solidariedade. E a força ou a perda de controle. Tudo isso está sobriamente filmado nesta película, tal como o medo da morte, o cansaço ou a força necessária para enfrentar uma situação extrema.

Porém, o que mais me marcou em toda a película, é a força e as formas que o sentimento de ligação à Pátria podem ter. Manifesta-se na vergonha de uma possível derrota, na luta pela sobrevivência (luta essa que pode incluir a ocultação da própria nacionalidade), na vontade férrea de salvar outros em memória de um filho falecido ao serviço do país ou, ainda, na decisão de lutar até ao último momento para defender e salvar compatriotas, mesmo sabendo que essa pode ser a sua derradeira acção.

A frase de Miguel Torga com que iniciei este post é uma notável descrição de Pátria, desse espaço físico e de afectos com as melhores condições para “sermos e crescermos”. Teoricamente, pelo menos.

De certa forma, todos sentimos diariamente esse sentimento de patriotismo de um modo doce, subtil e indolor. Pessoalmente, esse sentir é pouco consciente e até inconsistente, porque nunca lhe “medi o pulso” em situações limites, ou seja, nunca fui posta à prova. Estou certa que será apenas no terreno e nos momentos “nus e crus”, que essa ligação “telúrica e afectiva” poderá mostrar (ou não) a sua real força.

Este filme, quanto a mim, mostra-o muito bem.

 

 

pela beira-mar…

 

IMG_0933

 

À beira-mar, a areia, a luz do sol e o mar convivem numa harmoniosa parceria, dando origem a belíssimas “obras de arte” especialmente durante a maré vazia.
Um olhar mais atento encontra pinturas…desenhos…baixos-relevos…ou apenas simples detalhes que alimentam a imaginação em tempo de férias e de disponibilidade.

Pessoalmente deliciam-me esses momentos com cheiro a maresia!

 

IMG_0899

 

IMG_0839

 

IMG_0863

 

IMG_0929

 

IMG_0903

 

IMG_0882

 

IMG_0958

 

IMG_0874

 

IMG_0898

 

IMG_0905

 

Agradeço o vosso olhar!

 

 

(Dulce Delgado, Julho 2017)

 

 

 

palavras

 

palavras

 

Entender os gestos,
as palavras
e o olhar do outro
num sereno exprimir,
poderá ser a verdade
que merecemos
e teremos
que ouvir.

Mas as palavras
verdadeiramente capazes
de apaziguar o nosso sentir,
são as que dizemos a nós próprios
a chorar ou a sorrir,
aceitando sem receio
o que somos
o que sentimos,
e o que o futuro nos oferecer a seguir!

 

 

(Dulce Delgado, Julho 2017)

 

 

 

areia sentida

 

IMG_0913a

 

A cada estação do ano associamos determinados rituais. Com o final da Primavera e o início do Verão, o corpo ganha um protagonismo diferente, desnuda-se e solicita um vestuário e calçado mais leve, num ritual que leva a pele a inspirar lentamente a sensação de “ar livre”. Esse progressivo arejamento permite também uma maior fluidez de gestos e atitudes.

Uma das melhores sensações que estas estações do ano nos oferecem, é o momento em que, depois de meses de recolhimento entre meias e sapatos, os nossos pés finalmente libertos penetram na macieza da areia seca de uma praia. Eles ficam felizes…e riem…apertam a areia… afagam…quase dançam!

É uma sensação que dura segundos, apenas o tempo dos primeiros passos ou até a mente se distrair e nos levar para outro sentir.

Momento bastante efémero, sem dúvida…talvez até indiferente para muitos…talvez desagradável para os que não gostam de areia…mas pessoalmente, um momento marcante, inspirador e deveras libertador!

 

 

…200!

 

As letras e os números, são símbolos que nos permitem comunicar.

Com as letras comunicamos ideias, sentimentos e emoções; com os números, damos ordem ao nosso mundo, gerimos economicamente os recursos que temos, organizamos os dias e contabilizamos a nossa existência, sendo certo que a duração desse tempo é um símbolo/incógnita que sempre desconheceremos.

Talvez por isso, gosto de ir aproveitando as possibilidades desses símbolos e com eles “sublinhando” os dias.

Por um lado, juntando as letras e construindo palavras e frases que permitem exprimir o que sinto; e por outro, dando uso aos números e com eles pontuando o tempo e os momentos que a Vida decidir que eu “mereço”. Talvez por isso aprecio agendas, almanaques e afins, gosto de lembrar datas e muito de festejar aniversários. E gosto de encontrar momentos que, não sendo importantes, passam a sê-lo dessa forma.

É exactamente isso que estou a fazer hoje.

Comemorei com alegria o centésimo post… comemorei com mais alegria o primeiro ano deste blog …e hoje comemoro com gratidão o ducentésimo post.

Porque não fazê-lo?

 

 

 

ser imagem

 

IMG_7657ab

 

Antes do nascimento
somos uma imagem,
ecográfica
idealizada
imaginada
de luminosa esperança
uma ideia-criança.

Ao nascer,

saímos desse estado de matéria
etérea,
e passamos a concretos seres
humanos
emocionais
racionais
espirituais
banais ou especiais
e pontualmente ideais!

 

Passa a vida…

Chega a morte…

 

E naturalmente,
voltamos ao virtual
fluído
e intemporal
estado de imagem,
talvez recordada com saudade
presente na ausência
que habita numa moldura
envolta em ternura
que se desvanece no tempo…

…imagem história

…imagem memória

 

Ou imagem, apenas.

 

 

(Dulce Delgado, Julho 2017)