final de agosto…

 

IMG_8239a

 

Para quem vive no hemisfério norte…termina hoje o mês mais ambíguo do ano!

Sendo o mais desejado para gozo de férias pela maioria, é sobre ele que recai o receio de que não cumpra devidamente os atributos meteorológicos que a fama lhe foi dando ao longo do tempo. Apesar disso, normalmente ele presenteia-nos com alguma chuva!

Curiosamente, ele também é desejado pela minoria que não o escolhe para férias, sendo tranquilamente saboreado nos locais de trabalho, nos transportes públicos agora mais vazios ou pela fluidez do trânsito de acesso às cidades. Porém, para quem é visitante e pretende ver os locais mais turísticos, Agosto é um mês insuportável!

Em Agosto, muitos vêm…e voltam a partir! Refiro-me aos milhares de emigrantes que regressam aos países de origem para descansar e rever a família. Com essa chegada, permitem que temporariamente as saudades se anulem ou que saiam voando pelas janelas das suas habitações, agora abertas e deixando o sol entrar. No final do mês é novamente altura de partir, de agarrar a saudade, fechar as janelas e deixar esses refúgios voltarem à solidão a que já estão habituados.

No entanto, são muitos também os que partem… e depois regressam! Vão para a praia, para o campo, para a cidade de sonho ou para a viagem planeada durante meses. Todos envoltos em expectativas. Depois voltam, cheios de muito, cheios de mundo, talvez com outro olhar, quiçá com alguma desilusão. Mas as suas casas voltam a sorrir e as janelas dessas casas a abrir!

Em Agosto, o Verão atinge o auge e entra rapidamente em decadência. Literalmente. Com o seu fim a sociedade muda de “canal” e de prioridades. Para muitos, as férias e a praia dão lugar ao “cansaço” do início do ano escolar, aos problemas do dia-a-dia e aos problemas do país, às quezílias político-partidárias regressadas de férias ou, ainda, ao campeonato nacional de futebol que entretanto recomeçou. Por outro lado, as preocupações com o fato de banho, com o bikini ou com a celulite, dão lugar às preocupações com a nova colecção Outono/Inverno que felizmente tudo tapa e que, curiosamente, já em Julho estava nas lojas a dar um ar da sua graça e ansiando um olhar.

Agosto chega hoje ao fim. Neste período o mundo deu trinta e uma voltas sobre si próprio e rolou mais um pouco no vazio cósmico..sem suspeitar que leva consigo alguns loucos em fase crescente de loucura!

Eu diria que, para muitos, foram trinta e um dias de…

…chegadas e partidas

…idas e regressos

…saídas e entradas

…abraços e separações

…saudações e despedidas

…desejos e desilusões

…sonhos e realidade

…descanso e cansaço

…amores e desamores

…relaxar e preocupar

…olhares e suspiros

…inspirar…

…expirar…

…e simplesmente perceber… que em breve… o Natal estará a chegar!

 

 

gaivotas

 

1

2

3

 

Levantam e pousam
as jovens gaivotas
na superfície do mar.

Aprendizes do vento,
da liberdade
da sobrevivência
e da vida,
repetem ruidosamente
esse jogo de crescimento.

Mas tudo na vida tem o seu tempo.

É ainda nos pais
que procuram o alimento,
num estranho ritual
de sons
de movimentos
e disputado entre irmãos
de modo agressivo
e turbulento.

A vida e a natureza
entrando pelo meu olhar,
pura
dura
real,
mas sempre,
sempre a me cativar!

 

(Dulce Delgado, Agosto 2017)
(Fotografias de Jorge Oliveira)

 

 

votar

 

3

 

Este post é essencialmente dirigido a cidadãos nacionais ou a estrangeiros residindo legalmente em Portugal, e pretende recordar que faltam apenas duas semanas para terminar a votação do primeiro Orçamento Participativo de Portugal (OPP).

Seguindo a filosofia dos Orçamentos Participativos incrementados por alguns municípios e acolhidos com agrado e boa participação pela população, o Governo decidiu realizar este ano algo semelhante mas a nível nacional. Depois de dezenas de reuniões nas diferentes regiões do país, foram apurados os projectos que agora estão a votação.

Para isso, basta ir aqui com alguma disponibilidade de tempo, ver os projectos com atenção e depois votar em dois, um a nível nacional e outro a nível regional, que pode ser ou não da região onde residem.

É bom lembrar que, numa democracia, mais importante do que a liberdade de criticar o que é realizado pelo governo ou outras entidades a nível nacional ou local, é a possibilidade de participar em actos públicos, sugerindo, votando e respeitando o resultado final.

Por tudo isto, até 10 de Setembro façam a vossa escolha!

 

 

experiência sushi…

 

3

Degustar Sushi, está na moda. Isso é facilmente perceptível na quantidade de restaurantes que surgem com essa opção, mas igualmente pelo interesse que desperta em muita gente.

Apesar de já ter provado pontualmente essa especialidade, nunca o tinha feito no local mais apropriado. Contudo, porque os anos e as oportunidades passam rápido e, além disso, gosto de fazer experimentações para formar uma opinião, decidi que era altura de partilhar com alguém conhecedor dessa linha alimentar a minha primeira e verdadeira experiência sushi da vida. Como guia e orientadora tive a minha filha, uma grande apreciadora desses sabores orientais.

Não vou nomear o restaurante, porque ele não tem culpa do que eu vou dizer. Apenas posso referir que era muito agradável, bem decorado, com um serviço eficiente e atencioso, e bem cotado nos sites da especialidade.

Optamos por um “All you can eat”, que permitia experimentar várias espécies de sushi e sashimi, o ideal para esta situação, tendo em conta o objectivo da refeição.

Algum tempo depois, depositarem na mesa uma grande e lindíssima tábua cheia de iguarias com vários formatos, cores, texturas e harmoniosamente dispostas. A primeira sensação foi simplesmente não apetecer comer nem destruir tal empreendimento artístico, mas… era para isso que estávamos ali, pelo que, mais ou menos insegura peguei nos hashi e comecei sistemática e calmamente a provar tudo o que nos fora disponibilizado…com todo o tempo…muita conversa pelo meio….e tentando apreciar cada bocado com a devida concentração e atenção.

Com o passar do tempo, a tábua foi ficando vazia…nós suficientemente alimentadas…e eu, definitivamente consciente do que já “desconfiava”… sushi e sashimi não são a minha onda, tenham eles mais ou menos qualidade!

Na verdade, o que sinto sempre que coloco uma daquelas obras de arte na minha boca é algo que sei tratar-se de uma enorme “afronta” para a filosofia sushi: qual é a piada de ser comido frio? Quente seria muito melhor! Por alguma razão, os rolos mornos e estaladiços incluídos no pack, foram os que achei mais interessantes.

Ao verbalizar muito baixinho este sentir do corpo e dos sentidos..sou imediatamente alvo de risota…e quase “expulsa” da mesa, exagerando um pouco, obviamente. Mas, a verdade…é que é exactamente isso que o sushi desperta em mim!

Confesso: viverei até ao fim dos meus dias envolta numa nuvem de “culpa” por não apreciar sushi e afins…serei estigmatizada pelos apreciadores dessa iguaria como uma “pecadora”… mas, definitivamente… o sushi quentinho era muito melhor!

 

 

dois tempos

 

IMG_1340

 

Esta imagem conta uma história, para além das histórias incógnitas de cada uma das pessoas que nela aparecem.

Entre a inauguração desta ponte sobre o rio Tejo que ocorreu em 1966 e a inauguração em 2016 do Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia (MAAT), cuja fachada aparece parcialmente à esquerda, passaram cinquenta anos na história da cidade. Nasceram duas gerações de cidadãos, saímos de uma ditadura para uma democracia, o país aprendeu a respirar e a explorar o seu potencial, e Lisboa, sempre na vanguarda desse processo, acompanhou com grande disponibilidade essa abertura ao mundo.

Nesta imagem, a ponte e o museu, o passado e o presente, estão em profunda harmonia. Sente-se na cumplicidade das linhas que “desenham” ambas as estruturas, no rio que justifica a sua presença nestes locais ou, ainda, na forma como atraem o nosso olhar, que se deleita com tal elegância.

A luz que tudo envolve, não é passado nem presente, é eterna presença.

É simplesmente a luz de Lisboa!

 

 

olhar neblina

 

nebla

 

Atraente,
espreguiça-se a praia pela beira-mar
levando consigo o meu olhar.

E ele vai,
leve
livre
feliz
voando pelo ar
ou nas ondas a saltitar.

Ao longe,
encontra as neblinas
e com elas se envolve
num breve dançar.

Muito breve…

…depressa ele se esfuma
na magia do ar,
perdendo-se
na luz
na maresia
e no amar,
belo e com sabor a sal,
que une a areia e o infinito mar!

 

 

(Dulce Delgado, Agosto 2017)

 

 

vamos plantar uma árvore?

 

IMG_1252

 

Perante os fogos que continuam a atingir a floresta portuguesa, muitos de nós já sentimos o desejo de colaborar na recuperação desses espaços, mas não sabemos exactamente como o fazer. Nesse sentido, e partindo do princípio que a plantação de espécies autóctones pode fazer toda a diferença no futuro da floresta, a Associação Nacional de Conservação da NaturezaQuercus, em parceria com os CTT – Correios de Portugal, SA e com o apoio do Programa Cidadania Activa, têm em curso pelo quarto ano consecutivo uma campanha de reflorestação que nos permite de uma forma simples e cómoda, contribuir para a plantação de uma ou mais árvores.

Para tal, basta ir a uma estação dos CTT e adquirir o kit Vale uma árvore  ou comprá-lo online (disponível apenas para cinco ou mais unidades). Por cada um vendido, a Quercus planta uma árvore em bosques, cujo desenvolvimento poderemos acompanhar durante cinco anos, bastando para isso registar no site da campanha o código incluído em cada kit.

Por apenas três euros, estamos a contribuir para algo de concreto e passamos das palavras à acção. Por esse valor, poderemos ainda oferecer uma prenda diferente a alguém que, por sua vez, pode sensibilizar outros de igual forma. Muitas árvores poderão assim ser plantadas e cuidadas por quem o sabe fazer.

O número de árvores oferecido à natureza em cada ano no âmbito desta campanha tem aumentado, mas é ainda muito pequeno num país em que a floresta precisa tanto de ajuda. Diria que Uma árvore pela floresta – Uma árvore vale muito, é uma excelente ideia…  mas pouco divulgada. Na verdade, os milhares de portugueses que diariamente se deslocam a uma estação dos CTT e que seriam potenciais “plantadores de árvores”, desconhecem-na por ausência de publicidade directa. Eu própria o verifiquei in loco, em três postos de atendimento na área de Lisboa, em que não havia absolutamente nada a referi-la.

Para além das árvores que entretanto ofereci à floresta, com este post estou a tentar dar uma ajuda na sua divulgação. Tenho esperança que até ao próximo dia 30 de Novembro, alguns dos meus leitores também colaborem e, quiçá, plantem finalmente a árvore da sua vida!

 

 

escolhas

 

IMG_8281ab

 

A vida é uma escolha
livre,
entre caminhos que se bifurcam
pessoas que nos tocam
opções que nos atraem
emoções que se negam
ou razões
que não se encontram.

Conscientes ou inseguros
seguimos por aqui
ou por ali,
acertando
errando
aprendendo
mas sempre tentando
e sempre escolhendo.

Difícil
é viver com a escolha errada,
ter coragem de o dizer
humildade para aceitar,
força para resolver
ou para seguir por outro lado!

 

 

(Dulce Delgado, Agosto 2017)

 

 

 

a procissão

 

a

 

Em Portugal, a primeira procissão do Corpo de Deus (Corpus Christi) decorreu em Lisboa em 1389, atingindo esta celebração o seu auge no séc. XVIII durante o reinado de D. João V. Nessa época incorporava as ordens religiosas, mas igualmente as militares e as corporações profissionais da cidade, reflectindo a organização do reino e, sobretudo, a grande importância da igreja e do rei.

No século seguinte houve um período em que não se realizou, mas foi posteriormente retomada ocorrendo a partir daí anualmente por ocasião do dia do Corpo de Deus, festa do calendário católico que se celebra na quinta-feira a seguir ao Pentecostes.

Desde sempre que o Município de Lisboa se empenhou nesta procissão, tradição que se mantém ainda hoje com a participação no cortejo das principais forças da autarquia.
Deixo aqui a história deste evento, sugerindo a sua leitura para melhor perceber a importância que teve na vida da cidade.

A recriação dessa procissão, através de 1587 miniaturas em barro não cozido, encontra-se actualmente exposta numa enorme vitrina da sala do capítulo do Convento da Graça, no bairro com o mesmo nome.
O autor de tal empreendimento foi o empresário e ceramista Diamantino Tojal (1897-1958), que as elaborou entre 1944 e 1948. Nessa época todo o conjunto esteve exposto no Palácio Galveias, o que não mais se repetiu até à actualidade.

Mais do que a qualidade ou pormenor das peças, esta exposição tem um notável valor documental, pois permite perceber a dimensão e a organização do cortejo. A cargo da imaginação de cada visitante ficará a visualização do que não está recriado, como a multidão que seguia na cauda da procissão ou as ruas completamente engalanadas por onde passava.

A sala onde se encontra esta mostra foi recentemente restaurada, tal como a portaria e um dos claustros do convento, espaços que podem ser visitados gratuitamente. De notar que as miniaturas apenas estarão expostas até ao próximo dia 1 de Outubro.

Também a zona envolvente ao Convento/Igreja da Graça foi requalificada, oferecendo agora mais zonas pedonais. Vale a pena dar uma volta pelo jardim, espreitar a vista do miradouro ou descansar na esplanada aí existente. O bairro da Graça tem muitos detalhes arquitectónicos interessantes, alguns relacionados com as vilas operárias que acolheu no início do século XX e que ainda preserva. Deambular por ele e pelas áreas circundantes, permite juntar o passado com a modernidade que nos é transmitida por algumas pinturas murais realizadas no âmbito da street art.

Termino com uma imagem da cidade obtida a partir do miradouro da Senhora do Monte, localizado a poucas centenas de metros do Convento da Graça. Na foto, este espreita à esquerda e olha para o Tejo e para o seu vizinho castelo, implantado numa colina adjacente.

 

IMG_1127a