páscoa

 

1a               2a

Eles não são propriamente discretos como este blog aprecia, mas bastante vistosos, coloridos e algo kitch. Contudo, são umas boas almas que vivem felizes na minha casa no meio de uma colecção de muitos e variados coelhos.

Esta é a sua época de eleição, em que andam por aí numa azáfama a distribuir ovos, amêndoas, desejos e magia. A cenoura não, essa é só deles!

Pedi-lhes para aparecerem no Discretamente e, com alegria, desejarem a todos…

… uma doce Páscoa e uma tranquila vivência deste tempo de passagem e transformação, afinal a ideia que alicerça esta época;

… que essa renovação seja sempre no sentido positivo e para algo de melhor, mesmo que mínima e muito subtil;

E ainda…

… que todos os vossos desejos sejam doces… já bastam os “amargos” que vagueiam pelo mundo!

 

 

 

 

Advertisements

viagem…

IMG_5352

A vida passa algemada
entre sonhos de grandes viagens…

…como o rio corre apertado
cansado das suas margens…

…como eu vivo neste lado
sonhando com outras paragens!!

 

 

(Dulce Delgado, Março 2018)

 

 

 

nome de tempestade

 

e

 

Ultimamente ficou mais humanizada a nossa relação com a meteorologia e com as tempestades que nos têm visitado. Sendo conhecidas até aqui apenas como depressões ou “zonas de baixa pressão atmosférica”, estes eventos meteorológicos adquiriram desde o dia 1 de Dezembro de 2017 nomes humanos e um estatuto muito mais interessante. Com esta decisão e associando alguma imaginação, diria que passaram a ser encarados como mais uns visitantes que integram o contínuo fluxo turístico que alimenta o nosso país.

Primeiro vieram a Ana, o Bruno e a Carmen, estes um pouco mais espaçados no tempo. Mas é provável que tenham gostado da recepção e das saudades que tínhamos das suas chuvas/neve e vento forte, que passaram a palavra a outros e, mais exuberantes, visitaram-nos depois o David, a Ema, o Felix e a Gisela. Este fim-de-semana foi a vez do Hugo e, a seu tempo, será a vez da Irene, do José e de outros mais, estes últimos ainda pensando e planeando a sua futura viagem pelo Atlântico.

Prevendo-se antecipadamente as características de uma depressão, como por exemplo a velocidade dos ventos associados, ela será considerada ou não tempestade e tomará o nome humano seguinte caso se apresente com alguma força e agressividade. E nós poderemos “preparar” a casa para receber tal visitante, seja fechando portos e barras à navegação, protegendo as habitações, fazendo alertas meteorológicos ou colocando de prevenção equipas de socorro e protecção.

Desta forma, seja o que for que suceda em dias de mau tempo mais evidente, sabemos que resultou do humor da Carmen, do Felix, da Gisele ou de outro nome constante de uma lista previamente escolhida, e não apenas daquele B maiúsculo, impessoal e normalmente de cor vermelha, que conhecemos das cartas meteorológicas disponíveis nos sites da especialidade.

Apesar da indicação de nomes para as tempestades geradas no Atlântico ou no Pacifico já ser antiga e não ter nada de original, a sua adopção por Portugal, Espanha e França é uma novidade e uma forma de melhorar a troca de informação e a comunicação entre estes territórios quando afectados por depressões mais extremas.

Por último, apenas quero acrescentar que me agrada bastante esta resolução…apesar de não apreciar alguns dos nomes escolhidos para tão respeitáveis visitantes!

 

(Imagem retirada do site do IPMA)

 

 

árvores… criatividade… poesia…

 

3

 

Hoje, no primeiro dia completo de Primavera, entre outros eventos celebra-se o Dia Mundial da Árvore e das Florestas, o Dia Europeu da Criatividade e o Dia Mundial da Poesia, três áreas que aprecio e muito valorizo.

Contudo, não vou falar directamente desse meu gosto, mas dar a palavra a outros e à forma como expressaram ou ainda expressam o seu sentir nestas áreas tão importantes.

Para lembrar o Dia Mundial da Árvore e das Florestas deixo-vos o artigo Hoje o Pedro é um Bosque, publicado no Jornal Público no dia 17 de Março e da autoria da jornalista Margarida David Cardoso. Nele se conta a história de Pedro Figueira, um professor falecido precocemente, que manifestou em vida um desejo que a família e os amigos estão a cumprir. Em breve, Pedro terá um bosque na Serra do Buçaco.

No Dia Europeu da Criatividade, e apesar da artista não ser europeia, partilho o delicioso trabalho da canadiana Sharon Nowlan que revela uma relação muito próxima com a natureza. Vivendo junto a uma praia, desde muito cedo que se dedicou a apanhar pequenas pedras e vidros rolados para posteriormente criar obras de uma enorme ternura e simplicidade. Vale a pena conhecer o seu trabalho e de nos enternecermos com a sua criatividade.

Por último, e dedicado ao Dia Mundial da Poesia, recordo Sophia de Mello Breyner Andresen, que muito aprecio. Porque escolher um poema seu é sempre difícil, optei pelo mais alusivo a este dia, intitulado O Poema e incluído no Livro Sexto (1.ª ed., 1962).

E assim, entre árvores e bosques… que a criatividade se manifeste e faça nascer poesia na nossa vida!

 

 

Pormenores de imagens retirados respectivamente de:
http://institutoip.com.br/home/dia-da-arvore-preservar-a-natureza-e-valorizar-a-vida/
https://www.sharon-nowlan.com/
https://escritores.online/escritor/sophia-mello-breyner-andresen/

 

 

olá, primavera!

 

IMG_5311ab.jpg

 

O calendário da natureza vive da passagem das estações e hoje, no hemisfério norte, mais uma vez iremos assistir à chegada da Primavera, evento que ocorrerá exactamente às 16 horas e 15 minutos.

Para a receber condignamente, as abundantes chuvas com que Março nos tem presenteado deram uma pequena trégua, estando previsto o reaparecimento do sol a partir do meio da manhã, para quebrar a humidade e o cinzento das últimas semanas.

Na natureza, voltam a expandir-se as energias do renascimento e da procriação entre espécies. E será o tempo da sedução, do namoro e dos afectos sentidos e partilhados. O tempo do Amor.

Hoje detenho-me nesta última palavra, ou não seja a imagem que escolhi o detalhe de um vaso de “amores-perfeitos” que me foi oferecido por uma amiga de infância da minha filha, uma bióloga com a natureza no sangue, que os elegeu como forma de agradecer uma lembrança dada pelo seu casamento. Eles são o simbolismo de um amor, estão plenos de vigor e, visivelmente felizes, partilham a sua beleza com a vista da minha janela.

Gosto da ideia de começar a Primavera com estes “amores-perfeitos” por perto, apesar de não acreditar em amores perfeitos. Acredito em amores trabalhados, amores construídos e amores partilhados no dia-a-dia. Com risos e com momentos difíceis. Com verdade e respeito. E com muitas palavras ditas, porque há palavras que não devem ficar guardadas sob pena de se transformarem em mágoas. E acredito nos momentos de felicidade sentidos nos amores imperfeitos!

Nesta renascida Primavera, a trilogia “amor-sentir-energia” irá manifestar-se em cada um de nós de acordo com a passagem do tempo pelas nossas vidas, ou melhor, consoante o número de Primaveras já vividas. Nos mais novos, estará mais presente na vitalidade dos corpos, dos afectos e dos sentidos. Na minha idade, eu diria que ela entra pela pele e pelo olhar, alimenta o fervilhar das ideias que querem ser, intensifica a vontade de partilha, reanima a necessidade de viver mais intensamente o exterior e a natureza, e como consequência, o gosto em observar a vida em ebulição que nela renasce em cada recanto.

Que mais poderemos querer?

 

Por tudo isto, que seja essencialmente um tempo de descoberta e de renovação!

(Para outros, que este equinócio se revele um refrescante e aconchegante Outono!)

 

 

 

arco-íris

 

IMG_5372a

 

A atmosfera é rica em eventos meteorológicos ou luminosos, que vão de um tranquilo nascer ou pôr-do-sol a um destruidor furacão. Estas situações desencadeiam em nós sentimentos de prazer ou de bem estar, mas igualmente de desconforto, receio ou medo. E muitas vezes de pura indiferença…

Existe porém um fenómeno que tem a capacidade de nos provocar um certo encantamento, como é o caso do arco-íris. Sejamos velhos, novos, sensíveis ou um pouco mais rudes, esse fenómeno retém o nosso olhar como um íman, provocando um sentimento de admiração, talvez um sorriso ou mesmo um certo prazer interior. Os mais fantasiosos facilmente deixam a imaginação tocar-lhe ou percorrê-lo numa breve, longa ou alucinante viagem. Quantos de nós já não fizemos isso!

Sendo o arco-íris um fenómeno óptico, o mais curioso é que cada um verá o seu arco-íris, consoante o lugar onde se encontra. Para uns será maior, para outros menor, eventualmente duplo, de cores fortes ou atenuadas, apenas com algumas cores, etc.

Perante esta realidade…

… sempre que vejo um arco-íris gosto de imaginar a atmosfera não apenas com o “meu arco-íris”, mas igualmente com todos os que estarão a ser vistos por outros observadores naquele momento e região… formando esse conjunto de arcos de luz uma força positiva, envolvente e com a capacidade de melhorar a energia deste nosso planeta ou de atenuar um pouco o sofrimento nele existente.

Uma utopia certamente…mas no mínimo, é uma imagem bonita!

 

(Esta foto foi captada ontem nos arredores de Lisboa)

 

arte bruta /arte outsider

 

Capturarmig bomb

Desenho de Alexandre da Fonseca, 1934, Museu Miguel Bombarda

 

A arte assim denominada foi concebida em 1945 pelo pintor Jean Dubuffet, que a considerava a forma de arte “mais pura” pelo facto de estar associada a criadores livres e sem influências, não se prender a qualquer estilo oficial e ainda, por não seguir os parâmetros do circuito comercial. Este último facto, só por si, era suficiente para levar os artistas ao uso de técnicas e de materiais menos habituais ou mesmo improváveis.
A maioria das obras assim consideradas, estão ligadas a doentes psiquiátricos internados ou a indivíduos isolados.

Existem várias colecções importantes deste tipo de arte. Em Portugal, serão duas as que têm mais relevância:

– Em S. João da Madeira, no Núcleo de Arte da Oliva Creative Factory, foi instalada em Maio de 2014 a Colecção Treger/Saint Silvestre, que inclui algumas centenas de obras que podem ser diariamente visitadas.

– Em Lisboa, no Museu Miguel Bombarda, a Associação Portuguesa de Arte Outsider  possui milhares de obras no seu acervo mas, infelizmente, o espaço não está aberto ao público apesar de o site assim o indicar.

Esta associação continua a aguardar o projecto de musealização do edifício principal do antigo Hospital Miguel Bombarda, já classificado como de interesse público juntamente com o Balneário D. Maria II e o Pavilhão de Segurança, outras importantes estruturas existentes no local.

O avanço desse projecto permitiria expor toda a colecção em boas condições, mas são muitos os interesses impeditivos, nomeadamente os imobiliários, que cobiçam uma parte daquele espaço que se encontra bem localizado no centro de Lisboa.

Seria do interesse de todos, seja dos que habitam a cidade seja dos que a visitam, que impere o bom senso e se opte por uma solução que, por um lado, permita parar com a degradação em curso e, por outro, fomente a valorização deste importante património arquitectónico e artístico.

Lisboa ficaria certamente a ganhar.

 

 

(Imagem retirada de http://aparteoutsider.org/?page_id=28)