a linha…

IMG_4600ab

Há uma linha que tudo une. Por vezes é bem perceptível e sentida, noutras invisível e ignorada.
É nossa obrigação, enquanto passageiros do Tempo e da Vida, procurar as pontas dessa linha, tentar uni-las e dar-lhes um sentido ou uma leitura. Seja a que nível for.

Em 2019, entre erros e acertos, espero continuar a construir/compreender a minha história, cujo espírito está subjacente na imagem inicial deste post e que foi composta a partir de pedras que a natureza me ofereceu. Ela revela algo muito simples porque, neste caso, é apenas a história de uma linha.

Oxalá que em 2019 a história de cada um de nós respire essa simplicidade. Seria bom para as energias do mundo. Quanto ao Ano Velho… diria que não foi fácil mas que está perdoado. Que siga em Paz!

Um bom 2019 para todos!

 

 

 

Advertisements

mãe natal

IMG_2117b

Há muitos anos, quase trinta, vesti-me de Pai Natal e fui descoberta como sendo a mãe… Natal!

Traiu-me essencialmente a voz e o sotaque algarvio, o que contribuiu – creio que sem grandes traumas – para acelerar o sentir já latente nas crianças da família que o Pai Natal não vinha da Lapónia nem de trenó pelos céus do mundo.

E talvez por ter participado nesse episódio, transformei-me naturalmente em Mãe Natal, fazendo anualmente a distribuição das prendas, papel que cumpro com “rigor” enfiando na cabeça o barrete do fato usado nesses idos anos oitenta.

Neste Natal, mais uma vez se repetiu esse delicioso e longo ritual, porque na nossa família as prendas são dadas uma a uma e alvo da atenção comum. Damos tempo à abertura de cada uma, à reacção provocada, à apreciação da criatividade posta na sua realização ou à partilha de qualquer história a ela associada. E a uma segue-se outra, numa distribuição equilibrada que vai contemplando todos, tarefa facilitada pelo facto de, no geral, cada um de nós usar o mesmo papel em todas as suas prendas.

Para além do significado simbólico que esta época tem para cada um, é bom sentir o “calor” do ambiente, seja através das decorações, da vela que ilumina o presépio, das luzes da árvore ou ainda da música de fundo que nos envolve; sabe muito bem o estar calmamente à mesa e apreciar os pratos já tradicionais ou as inovações que sempre aparecem todos os anos; é bom o estarmos juntos, as conversas e a partilha sentida, apesar de sermos todos tão diferentes; mas também é muito bom e por todos desejado, o longo ritual da distribuição das prendas pela dinâmica que se cria. Além disso, quem é que não gosta de receber umas prendinhas?

Este ano, esse momento repetiu-se. E mais uma vez, eu fui orgulhosamente a Mãe Natal!

 

 

 

olá inverno!

 

IMG_2032

 

Despida
fria
e num silêncio interno,
hoje a natureza
recebe o Inverno.

E com este olhar
em imagem e palavra,
fica o meu desejo
que ele seja doce
aconchegante
e fraterno!

 
Um bom Inverno para todos os que, como eu, vivem na metade norte desta gigante esfera…e um tranquilo Verão para os que habitam na metade oposta!

 

(Dulce Delgado, a poucas horas do solstício de Inverno)

 

 

livrar

 

Capturarlivrar

 

Disponibilizar livros que já não queremos ou ter acesso a outros que gostaríamos de ler é o que a plataforma digital LIVRAR permite desde meados deste mês.

Basta criar uma conta, escolher o que queremos fazer e posteriormente combinar a melhor forma de dar ou receber determinado livro. As bibliotecas também têm acesso a esta plataforma.

Este projecto, intitulado Cultura para todos, venceu em 2017 o Orçamento Participativo de Portugal (OPP) na Área da Cultura, e resultou de uma ideia dos cidadãos João Gonçalo Pereira e Tiago Veloso. Tem o apoio do Ministério da Cultura.

O início de novo ano é o momento ideal de olharmos para as nossas estantes e encontrar os livros que já pouco nos dizem e podem ir com o “ano velho”. E, quiçá, encontrar no LIVRAR outros que estavam em lista e que podem contribuir para crescermos um pouco no novo tempo que vai começar.

Boas trocas e melhores leituras!

 

(Imagem retirada de https://livrar.pt/)

 

 

 

pelo nevoeiro de sintra…

 

1a

 

Numa recente incursão pela Serra de Sintra, esta recebeu-nos da forma que mais aprecia: envolta em nevoeiro!

Apesar de eu não ser uma forte adepta da humidade e do frio associados a esse estado meteorológico, nesta serra tão próxima das minhas emoções ele transforma-se em magia para o olhar e preenche-o de tal forma que se torna belo, envolvente e acolhedor.

Ao atenuar os detalhes e as cores, o nevoeiro valoriza as formas e a sua expressividade…

 

2a

 

3a

 

4a

 

Mas os detalhes estão ali, agarrados aos troncos das árvores, na textura dos blocos graníticos ou no coberto vegetal do solo. Basta olhar…

 

4ab

 

5a

 

6a

 

7a

 

8a

 

9a

 

E na base de toda esta vida está a água, sempre o elemento água, que de uma forma mais ou menos visível está bem presente nesta altura do ano.

 

10a

 

Estas poucas imagens, das imensas que aqui poderiam estar, foram obtidas na periferia do Santuário da Peninha, local que fica relativamente perto do cabo da Roca, o ponto mais ocidental da Europa Continental.

Espero que as apreciem!

 

 

 

dois filmes

 

 

Nesta época natalícia em que o conceito de família vibra dentro de nós de uma forma um pouco mais forte, é a altura certa para referir dois filmes ainda em cartaz em algumas salas de cinema portuguesas e que se enquadram no campo das relações familiares e dos afectos.

O trailer com que iniciei o post refere-se a Shoplifters: uma família de pequenos ladrões (2018), um magnífico filme pela forma como nos questiona sobre o significado do termo família, dos laços familiares e do que é realmente uma verdadeira família. Vagueando entre a doçura dos afectos e o drama, está muito bem realizado pelo japonês Hirokazu Kore-eda e tem excelentes interpretações dos actores envolvidos. Este filme venceu a Palma de Ouro do último Festival de Cinema de Cannes.

Isto é Vida! (2018) é o titulo da outra película que gostaria de referir. Foi realizada por Dan Fogelman, o mesmo autor da belíssima série televisiva This is us , e é um drama geracional em que os laços familiares existentes, mesmo que precocemente quebrados, vão interferir com as escolhas e no caminho a seguir. Alerta-nos de uma forma muito marcante para os imprevistos da vida e para o modo como os afectos e a família podem ser o ponto de viragem e de equilíbrio.

 

 

Aconselho vivamente ambas as películas, porque simultaneamente questionam e preenchem a nossa sensibilidade.