mãe natal

IMG_2117b

Há muitos anos, quase trinta, vesti-me de Pai Natal e fui descoberta como sendo a mãe… Natal!

Traiu-me essencialmente a voz e o sotaque algarvio, o que contribuiu – creio que sem grandes traumas – para acelerar o sentir já latente nas crianças da família que o Pai Natal não vinha da Lapónia nem de trenó pelos céus do mundo.

E talvez por ter participado nesse episódio, transformei-me naturalmente em Mãe Natal, fazendo anualmente a distribuição das prendas, papel que cumpro com “rigor” enfiando na cabeça o barrete do fato usado nesses idos anos oitenta.

Neste Natal, mais uma vez se repetiu esse delicioso e longo ritual, porque na nossa família as prendas são dadas uma a uma e alvo da atenção comum. Damos tempo à abertura de cada uma, à reacção provocada, à apreciação da criatividade posta na sua realização ou à partilha de qualquer história a ela associada. E a uma segue-se outra, numa distribuição equilibrada que vai contemplando todos, tarefa facilitada pelo facto de, no geral, cada um de nós usar o mesmo papel em todas as suas prendas.

Para além do significado simbólico que esta época tem para cada um, é bom sentir o “calor” do ambiente, seja através das decorações, da vela que ilumina o presépio, das luzes da árvore ou ainda da música de fundo que nos envolve; sabe muito bem o estar calmamente à mesa e apreciar os pratos já tradicionais ou as inovações que sempre aparecem todos os anos; é bom o estarmos juntos, as conversas e a partilha sentida, apesar de sermos todos tão diferentes; mas também é muito bom e por todos desejado, o longo ritual da distribuição das prendas pela dinâmica que se cria. Além disso, quem é que não gosta de receber umas prendinhas?

Este ano, esse momento repetiu-se. E mais uma vez, eu fui orgulhosamente a Mãe Natal!

 

 

 

Advertisements

10 thoughts on “mãe natal

    1. Começo por pedir desculpa por só agora responder…mas esta “mamãe-noel” ficou bastante cansada das tarefas natalícias (apesar de muitas terem sido partilhadas, devo acrescentar!), pelo que decidiu tirar três dias de férias…inclusive do blog!
      Por isso só agora li o artigo do link enviado, texto que gostei imenso e concordo, como certamente a maioria das mulheres o faria.
      Na verdade somos ágeis, despachadas, multifacetadas e temos muitos braços e abraços para tudo distribuir e abarcar! Somos as perfeitas mamãe Noel!
      Muito obrigada pela partilha e pelo cometário!

      Liked by 1 person

  1. Nunca mais me vou esquecer dessa noite em que descobri que a minha mãe era a mãe Natal e que afinal o Pai Natal não existia… Mas não foi nenhuma desilusão 🙂
    Quanto às tradições que escreves, fico muito feliz por fazer parte delas… E que bem que fazes o papel de Mãe Natal… Para mim serás sempre a Minha Mãe Natal ❤

    Liked by 1 person

  2. bonito, delicado e sensível. na minha infância nunca tive uma mamãe noel, embora com tempo descobrisse que o papai noel era o meu pai, não quebrei então a fantasia. acredito que se fosse minha mãe, concordo com você: distribuiria muita vida e esperança. o meu abraço.

    Like

    1. Eu não tive nem pai nem mãe natal…pois na minha infância era o Menino Jesus que deixava as prendas, durante a noite, junto aos sapatos que ficavam na chaminé. Era lindo!
      Difícil foi quando percebi que não era assim…
      Entretanto os tempos e o marketing destronaram a figura do Menino Jesus, que apenas passou a ter direito a uma manjedoura no presépio….
      Hoje, apenas sei que gosto muito de ser a Mãe Natal da família!

      Obrigada pelas palavras e desejo uma boa entrada em 2019!

      Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s