pausa

IMG_3167

 

Sinto a palavra “pausa” como uma das mais belas do nosso léxico, pois a sua sonoridade e ritmo acompanham tranquilamente o que significa revelando uma total consonância com a ideia que transmite.

A presença do ditongo AU estende a palavra no tempo e permite-nos consciencializar o caminho que o som percorre. Além disso, sendo o A a primeira vogal da sequência conhecida e o U a última, gosto de imaginar que entre elas se aninham carinhosamente as restantes numa sonoridade comprimida, invisível, mas sentida.

A sua energia sonora acalma como um mantra. Revela uma paragem física mas essencialmente anímica, reflexiva, de onde poderá nascer algo diferente, uma mudança, uma decisão ou simplesmente um recomeço.

Pausa transcende o momento presente e facilmente pode ser sentida como estando “grávida” de uma nova energia.

Esta é a minha Pausa.

 

 

 

o pensar do coração

 

Capturar

 

Numa esquina da vida
choca o sim com o não,
surgindo o irritante …
…talvez sim
…ou talvez não!

Ziguezagueante,
segue este duplo talvez
pelo hesitante xadrez
do pensamento,
encontrando no caminho
o mas
o porém
o se
o contudo
o todavia
e outros inseguros amigos
que reforçam sem compaixão
a sua profunda indecisão.

E assim segue pelo tempo…

Cansado de pensar
e de tanto equacionar,
decide o pensamento
perguntar ao coração
se o pode ajudar
a tomar uma decisão.

Sorrindo sem pretensão
mas seguro do seu valor,
o coração abranda o ritmo
e procura,
no interior da emoção,
qual será o sentir
que vibra com mais ardor.

Descoberta a solução
é hora de ser acção
e de pulsar fortemente
ao surgir o pensamento
sim,
ou o pensamento
não,
anulando de vez
o talvez
e tamanha indecisão!

 

Moral da história: em caso de persistência da dúvida, consulte o coração!!

 

 

(Dulce Delgado, Janeiro 2020)

 

 

 

 

recantos com memória

 

IMG_0269abc

 

Muitos anos depois voltei à Serra do Açor e à aldeia de Piodão, a chamada aldeia-presépio de Portugal, um lugar diferente, pitoresco e único.

A poucos quilómetros desta vila e já com ela no olhar encontra-se um miradouro dedicado a Miguel Torga, escritor português que escolheu como parte do seu pseudónimo a torga, uma planta resistente, lutadora, de raízes profundas e capaz de se adaptar a lugares inóspitos e difíceis. Como ele, aliás. Na vida real Adolfo Correia da Rocha abraçou a medicina, a outra paixão da sua vida, actividade que exerceu com grande sentido de missão, especialmente junto dos mais desfavorecidos.

Voltando ao tal miradouro, nele se encontra uma pedra gravada com uma frase da sua autoria datada de 1991, ou seja quatro anos antes de falecer e quando já se encontrava doente. Perante o nosso olhar e perante os ventos e a chuvas que arrasam aquelas serranias, este memorial diz…

Com o protesto do corpo doente pelos safanões tormentosos da longa caminhada, vim aqui despedir-me do Portugal primevo. Já o fiz das outras imagens da sua configuração adulta. Faltava-me esta do ovo embrionário.

Faz hoje 25 anos que este médico, escritor, poeta e grande humanista faleceu.

Quem sabe se a sua energia, alma, espírito… o que lhe queiramos chamar, de vez em quando não faz uma pausa neste local-memorial onde escreveu esta espécie de despedida ao Portugal primeiro, ao Portugal simbolicamente nascido nesta aldeia-presépio e, com um etéreo sorriso, ainda sentir a vibração desta paisagem tão especial.

Quem sabe…

 

IMG_0272

 

(Na terceira linha, onde está escrito “diz” deveria ser “fiz” como consta no texto original. Enganos que não deveriam ter acontecido e muito menos persistido no tempo…)

 

 

 

 

 

para além do olhar

 

IMG_3403a

 

A existência daquele conjunto de árvores passou literalmente ao meu lado até ao dia em que o seu contorno atravessou o meu olhar e fui atraída pela elegante nudez, despojamento e solidão que exprimiam.

No tronco e nos ramos possuem uma grande quantidade de espinhos agressivos e duros, estruturas que estou certa cumprem bem a sua função e que impedem qualquer tentativa de aproximação. Na prática, apenas o olhar as pode tocar.

Há certas pessoas que são um pouco assim. Que têm o dom de atrair olhares por um qualquer aspecto ou detalhe mais físico, mas simultaneamente afastam a vontade de aproximação, seja pela atitude, pelas palavras ou até energia. São pessoas que têm “espinhos” como este Espinheiro-da-Virgínia (Gleditsia triacanthos L.).

Contudo, tal como esta árvore protege no seu âmago os frutos e as sementes, a sua verdadeira essência, também esses seres humanos “guardam” algo potencialmente genuíno, vital, humano e doce.

Indefinida e difícil poderá ser a forma de contornar esses “espinhos” e de chegar ao que é importante.

Mas tal é sempre possível.

 

IMG_3404a

 

IMG_3402a

 

 

 

experimentações #1

 

IMG_0741ab

 

Pegar num papel…verter sobre ela tinta-da-china preta… e deixá-la escorrer, brincando com o papel…

 

Não sei datar esta experimentação, mas tem seguramente mais de quatro décadas. Ela é importante porque simboliza o espírito do “vamos ver o que dá”, sem objectivos, ideias ou qualquer mensagem latente a não ser explorar o momento, os materiais, as formas e a dualidade preto-branco.

Durante um certo tempo o preto foi a escolha na exploração de formas e perspectiva, como mostrarei brevemente num post desta série.

 

 

(Dulce Delgado, Janeiro 2020)