dia extra

julho 89 abc

De quatro em quatro anos um rasgo no tempo deixa entrar mais um dia, o 29 de Fevereiro, a fim de ajustar o nosso calendário ao movimento de translação da terra. Estamos perante um dia que só voltará a dar um ar da sua graça 1460 dias depois e por isso, talvez um tempo com problemas de identidade ou, pelo contrário, talvez demasiado seguro e confiante por ser diferente dos demais.

Sendo o primeiro 29 de Fevereiro que visita discretamente este blog, não poderia deixar de marcar o evento e dar-lhe alguma atenção. Neste recanto de Portugal onde vivo, ele nasceu bastante mal disposto, cinzento e muito chuvoso. Talvez por uma questão de adaptação a uma situação que é para ele tudo menos rotineira…

Mas tudo passa na vida e também no humor do tempo, pelo que a perspectiva é de alguma melhoria, esperando-se que as restantes horas deste dia incomum se espreguicem por um céu entre o azul, o sol e as nuvens.

Gostaria de voltar a referi-lo daqui a quatro anos. Significaria que tanto eu como o blog persistíamos no tempo… que eu me estaria quase a aposentar… que……que…….e que…

Entretanto…

…vou à vida para aproveitar as horas que o relógio ainda me oferece neste dia!

 

Um bom 29 de Fevereiro para todos!

 

 

 

árvores com história

 

tree year

 

Como tem sido hábito desde que criei este blog, relembro anualmente a votação para a eleição da árvore portuguesa e, posteriormente, para a eleição da árvore europeia de cada ano.

Este post tem como finalidade esta segunda eleição, esperando que acedam a este link e votem nas duas árvore cuja história mais vos agrada. Friso que o que está em causa é precisamente a história da árvore e não apenas a sua beleza ou dimensão.

No mínimo, é uma forma de sabermos algo mais sobre estes magníficos e silenciosos seres vivos, alguns já seculares habitantes deste continente cheio de história.

Recordo que esta votação termina no final deste mês de Fevereiro.

 

(Imagem retirada de https://www.treeoftheyear.org/vote)

 

 

 

o chapim-azul

 

IMG_0493_DxOa

 

IMG_0495_DxOa

 

Estava uma manhã fria e cinzenta de Inverno.
Sem que o conseguisse localizar nas árvores em redor, ele cantava, cantava e  continuava a cantar. Subitamente decidiu sair da folhagem e pousar num cabo eléctrico mesmo em frente do meu olhar e da máquina fotográfica que eu segurava. Foi por poucos segundos, mas os suficientes para conseguir tirar as duas fotos acima.

Estou certa que este chapim-azul (Cyanistes caeruleus) veio dar-me os bons dias!

 

 

 

experimentações #4

 

IMG_0679a

 

A leitura do ensaio Elogio da mão da autoria do Historiador de Arte Henri Focillon foi tão marcante no final da minha juventude que me levou a fazer algumas colagens baseadas em frases do seu conteúdo. Também me interessou a perspectiva de outros autores que escreveram sobre estas incríveis ferramentas que nos ligam ao mundo e a que raramente damos o devido valor.

Partilho algumas das colagens então realizadas, uma técnica que me cativou imenso pelas suas potencialidades e a que recorri posteriormente em vários momentos criativos.

 

IMG_0677a

 

 

IMG_0676ab

 

 

IMG_0680a

 

 

IMG_0678a

 

 

(Dulce Delgado, colagens em papel, 1981 (?)

 

 

 

 

amor dor

IMG_1191ab

O habitual olhar matinal que partilho com o almanaque Borda d´Água disse-me que este dia 14 de Fevereiro, para além de ser o tão publicitado Dia dos Namorados, em Portugal é igualmente o Dia Nacional do Doente Coronário. Esbocei um sorriso e pensei “Curioso…até aqui o amor e a dor estão lado a lado!”

O Amor e a Dor…

No carro, a caminho do trabalho, o rádio partilhava notícias…uma delas informava que no ano de 2019 foram registadas em Portugal setenta e quatro denuncias de violência no namoro (fora todas as situações que ficaram certamente no silêncio…) e ainda, que um estudo realizado junto de várias centenas de estudantes universitários revelou que mais de 50% já tinham sido alvo de uma qualquer forma de violência durante o namoro. Estranhos tempos…

O Amor Dor…

Os amores e desamores são sentidos no âmago, onde bate a vida no meio do peito…talvez no coração…
A dor coronária é sentida no peito, perto do coração…e perto do lugar onde se sente o amor…
E a palavra amor até rima com dor…

AmorDor

Inseparáveis
são,
mas com violência NÃO!

 

 

 

 

 

muro com história

 

IMG_1606a

 

O tempo passa…

…em nós, na natureza, nas cidades, nos edifícios e na generalidade da matéria.

A vivência deste pacto deixa marcas, cicatrizes e detalhes que o olhar por vezes questiona com a curiosidade que lhe é própria. Foi nesta dinâmica que recentemente encontrei este muro numa rua de Lisboa, uma estrutura aparentemente isolada mas esculpida pelo tempo e revelando sinais de um passado de histórias.

Um olhar mais atento captou a textura e a irregularidade da sua superfície em resultado de uma amálgama de construções, acrescentos e talvez funções. É possível que tenha abrigado uma porta ou janela…tem orifícios supostamente com função de escoamento…e foi, sem qualquer dúvida percorrido por água, detalhe revelado pelas ruínas de uma tubagem cerâmica que guarda nas entranhas.

Muitas transformações originaram esta superfície ecléctica e irregular que hoje abriga ervas daninhas, teias e aranhiços, e que  vive adjacente a um passeio localizado numa rua pouco movimentada da cidade.

Desconheço que segredos visuais guardará no outro lado. No entanto, gosto de o pensar como um todo, com exterior e interior, e como uma construção activa que já viveu muito.

Talvez ele guarde recordações de corpos e de mãos que nele se apoiaram… recordações de partilha, de felicidade ou de dor… e recordações de tudo o que a imaginação nos possa permitir. Talvez…

Objectivamente, ele é uma obra de arte do tempo… e um belo muro com história!

 

 

 

 

experimentações #3

 

#3 IMG_0748 a

 

A exploração do movimento e da perspectiva foi algo a que pacientemente me dediquei durante um certo período nos idos anos setenta.

Estando ainda centrada quer no preto e branco quer nas figuras geométricas, esses valores foram relativamente conseguidos através da alteração de dimensão das linhas/formas, assim como dos espaços existentes entre elas.

 

#3 IMG_0749a

 

 

#3 maio 77a

 

 

#3 fev 77a

 

 

(Dulce Delgado, tinta da china sobre papel, 1977-1978)