um olhar criativo

 

DSC_0290

 

A criatividade é algo que é de todos, apenas mais activa em alguns porque lhe deram atenção e um lugar mais ousado na sua vida. Permitiram-se olhar com outro olhar e não apenas ver, experimentar mesmo sem acreditar, dar lugar ao pulsar e explorar o potencial mesmo sem o conhecer.

É assim que eu vejo a criatividade. E neste Dia Mundial da Criatividade e da Inovação vou contar-lhes uma história, pessoal porque foi por mim vivida e, no meu entender, a melhor forma que encontro para justificar o meu conceito de criatividade.

As histórias pessoais valem o que valem. São detalhes nesta imensidão. Mas podem despoletar algo que leve os outros a pensar e a olhar o que os rodeia de uma outra forma…e com outro olhar!

Aqui vai…

 

Vem de longe a atracção que sinto por pedras e por outros elementos naturais deste planeta que habitamos. Aprecio as suas formas, expressividade, texturas e faces de clivagem, gosto que vem da infância e dos passeios pelos areais algarvios em que cresci e onde adorava observar/apanhar pedras, conchas ou outros materiais trazidos pelo mar.

Passaram muitos anos…

Em meados da década de noventa, na primeira visita que fiz à Pedreira do Galinha, área localizada na região de Ourém/Torres Novas e detentora de longos trilhos de dinossauros, o meu olhar foi atraído por uma pedra de calcário solta que estava no chão. Apanhei-a, olhei-a de um lado, depois do outro, tendo de imediato a sensação que não era uma pedra qualquer e que tinha algo para me dizer. Senti-lhe um enorme potencial, conseguisse eu percebê-lo devidamente.
Foi para a mochila e, a partir daquele instante, mais importante do que todos os dinossauros que por ali passaram, a minha atenção ficou orientada para as pedras que ia encontrando. A mochila veio carregada, mas ainda sem saber para que serviria aquele pesado “tesouro” que trazia às costas.

Dias depois, decidi olhar calmamente e de vários ângulos para a primeira pedra que tinha apanhado. Uma luz rasante ajudou-me a perceber a volumetria, a textura e a “ver” uma imagem em latência que apenas precisava de ser “reavivada”. Foi o que fiz em seguida recorrendo a um fino pincel, a tinta-da-china preta e a toda a paciência que me caracteriza. Para lhe dar alguma verticalidade e valorizar a representação, adaptei-lhe outra pedra mais pequena, que cumpriu com rigor essa missão.

O resultado foi a pedra pintada que dá início a este post e que ainda hoje guardo com todo o carinho. Dizem que não há amor como o primeiro, pelo que esta pedra adquiriu esse estatuto entre todas as que se seguiram, sejam as recolhidas nesse passeio ou, posteriormente, em incursões “clandestinas” a pedreiras calcárias daquela região, uma vez que não encontrei outras com características semelhantes.

Pintei mais de uma centena de pedras com temáticas variadas, situadas entre o real e o puramente abstracto/imaginário, mas sempre aproveitando os relevos e a textura própria do calcário. Foi uma fase louca e de uma criatividade diferente daquela que eu conhecia. O desafio nascia do olhar e da capacidade de “comunicar” com cada pedra. Era algo orgânico, de “corpo para corpo” e uma espécie de jogo de afectos e empatia. Ou sentia, ou não sentia. E houve pedras que não entendi, pelo que foram devolvidas à natureza.

Muitas delas foram oferecidas a amigos e outras tantas vendidas. Pela minúcia do trabalho, começou a ser fisicamente desgastante, pelo que deixei de o fazer há alguns anos. Hoje guardo as fotografias de todas e reservo algumas como legado, incluindo esta primeira. E fico extremamente feliz quando reencontro alguma em casa de amigos ou familiares.

Foi uma fase da vida que passou, de um modo tão natural como surgiu. Já o gosto pelas formas da natureza continua bem enraizado e será sempre foco da minha atenção. Quem sabe, talvez um outro olhar me leve ainda a uma nova aventura criativa!

Termino com a imagem de outras pedras que continuam a viver comigo, porque nelas encontro um simbolismo muito especial.

 

DSC_0337

 

DSC_0327

 

DSC_0326 a

DSC_0333a

(Dulce Delgado, 21 Abril 2020, Dia Mundial da Criatividade e Inovação)

 

 

 

 

 

 

9 thoughts on “um olhar criativo

  1. Parabéns, pela criatividade e sobretudo pela sensibilidade que o meu olhar consegue ver nestas pedras. Muito bonitas!
    Confesso que também guardo em casa algumas pedras que recordam momentos e datas importantes…”pequenas jóias” que simbolizam muito para mim! Aventuras que a natureza nos proporciona realizar e o olhar deixa-se levar por estes pequenos pormenores.
    A Dulce é artista!

    Liked by 1 person

    1. Todos temos afinidades com algo, mais ou menos conscientemente. Uns mais com as palavras, outros com as artes, outros com a fotografia, outros com…algo que lhes dê prazer! Eu, mais do que tudo, gosto de explorar possibilidades, e gosto especialmente de explorar as possibilidades do meu olhar e das minhas mãos. Gosto de os pôr à prova.
      Assim, um dia quando estiver próximo da tal partida, posso dizer que tentei. Mesmo que não tenha conseguido.
      Obrigada Fernanda e aproveitemos as “pedrinhas”da vida sejam elas quais forem!

      Liked by 1 person

  2. Lindas!! Também tenho aqui em casa uma tão simples e tão bonita… as ondas do mar com umas gaivotas ❤ Adorei (e adoro) os resultados desta tua fase criativa… e tive a sorte de acompanhar por perto todo o processo 🙂 Parabéns! E que a tua criatividade continue… porque é daquelas que vale a pena mostrar ao mundo!

    Liked by 1 person

    1. Pois é filha, esta aventura criativa já é do teu tempo. Essa pedra solitária que agora guardas terá um dia… algures no tempo…outras companheiras!
      Obrigada minha fã nº 1!
      Bjs

      Like

  3. I agree, everyone is creative but some people exercise their creativity more, or differently than others. And I think the body plays an important role, too. The key to your investigation of these rocks was the initial spark of recognition that you paid attention to. I’m glad you didn’t leave the rock where it was, and I’m glad you keep pursuing the magic, one way or another.

    Liked by 1 person

    1. I really like that idea of ​​”keep pursuing the magic”. I think that, at the base of it, is attention and a watchful eye. And then everything is possible, because naturally the exchange happen. And surprises happen! And I love surprises!!
      Thank you very much for your attention.
      Have a nice day!

      Liked by 1 person

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s