avó… incompleta!

Sou avó pela descendência, pelas emoções e pela imensa ternura sentida….mas sou meia-avó no toque e no gesto.

Entre mim e o meu neto sempre existiu uma máscara a nos separar. Reutilizável ou descartável, não interessa. Uma barreira necessária mas uma barreira fria e desumana que impede aproximações mais sensoriais. Na verdade, ainda mal senti aquele “cheiro a bebé” que inspira mimos mais intensos e próximos… ainda não senti a minha face na sua pele macia…e beijinhos, apenas os pés os têm recebido!

Facilmente imaginamos gestos para um primeiro neto. Este nasceu, amo-o profundamente, mas esse imaginário de sensações cutâneas, de toque, abraços e proximidade em parte foi adiado. Porque uma parte importante dos meus sentidos está obrigatoriamente tapada e os gestos impedidos daquela espontaneidade que é tão natural perante um bebé. A vida é realmente um baú de surpresas!

Doem estes tempos a muita gente e por inúmeras razões como todos sabemos. A mim, incomoda emocionalmente este detalhe – que realmente não passa disso mesmo – e o facto de ainda não ser uma avó de pleno direito e de corpo inteiro. Mas compreendo que deve ser assim. Por enquanto.

Com a expansão da vacinação em Portugal acredito que 2021 me fará finalmente uma “avó completa”….com um ano de atraso! Mas apesar da máscara que nos separa e dos gestos que ainda não foram possíveis…o Vasquinho já conhece a avó Dulce e aprecia a sua companhia.

E, quem sabe, talvez a vida ainda me proporcione o prazer de ser novamente avó e de acompanhar o primeiro ano de um neto…sem ser em tempo de pandemia!

40 thoughts on “avó… incompleta!

  1. Tenhamos esperança de que contactos/carinhos/beijos/abraços voltem o mais rápido possível é com eles que o mundo fica melhor!

    Liked by 1 person

  2. E o tempo é coisa que não cresce e nem se repõe, só diminui. Contudo, Dulce, suponho que já falta menos e qualquer dia já anda com o Vasco ao colo e lhe dá os mimos que ambos merecem.

    Liked by 1 person

    1. Eu ando com ele ao colo se necessário e já fiquei a cuidar dele em vários momentos. A questão é a máscara e não estar à vontade…. solta…apertar…dar beijos e tudo o mais. Isso não posso ainda….
      Mas como a Bea diz, já faltou mais. E esse desejado momento irá chegar!
      Muito obrigada.

      Like

  3. Em dia de início de creche de um filho, esta mãe está sensível para ler um post ternurento como este… que bonito! ❤ adorei ler estas palavras… não tanto pelo facto de saber que há uma barreira física entre vocês, mas pela fotografia e pela certeza que o Vasquinho reconhece a avó pelas suas brincadeiras, pela sua voz, pelo seu cheiro (que também é de mãe!) e pelo seu Amor incondicional…… Para ele tu estás completa! ❤ beijinho nosso…a tua Patana e a o teu Patolas!

    Liked by 1 person

    1. Minha “Patana” de sempre, gosto de acreditar que o nosso “Patolas” fofinho me vê com esse teu olhar e gosto especialmente dessa ideia de um cheiro “que também é de mãe”. Assim…quase me convences!
      Gostei muito destas tuas palavras, pois “preencheram” um pouco aquela parte de mim que, como avó, ainda se sente incompleta.
      Bjs doces de mãe e de avó!

      Like

  4. Entendo perfeitamente este teu sentimento Dulce… de ainda não ser uma avó de pleno direito e de corpo inteiro. Mas o amor transcende. Que fotografia linda! Eu vivo isto é ainda com a distância física maior nestes 2 anos. Estou sempre lá 🇺🇸 🇬🇧🇫🇷 e cá 🇧🇷 e agora impossibilitada de viajar para estar junto com eles. Meu neto não se cansa de pedir: Vem vovó 🛫. Abraços

    Liked by 2 people

    1. Sim Bia, é verdade, o amor transcende…mas os sentidos e a espontaneidade de gestos são tão importantes no amor, não é?
      Esse momento chegará. Até lá, mesmo incompleta e mais perto ou mais longe do meu neto, sou uma feliz avó!
      E em breve também a Bia irá abraçar os seus filhos e netos!🥰

      Like

  5. O que dizer sobre esses fofos dedinhos… Fico imaginando, depois de tanta exposição ao distanciamento e ao bendito tecido nas faces, como será a imaginação do seu netinho? No que depender da avó tudo será doce.

    Liked by 2 people

    1. Creio que o grau de imaginação dos sete meses do meu neto será muito básico e baseado naquilo que agora realmente lhe dá prazer: comer e meter tudo na boca! 😊😊
      Ele já nasceu no tempo das máscaras, continua a ver muita gente de máscara e quando estamos um pouco mais longe e as tiramos, ele ri-se, o que é muito engraçado.
      Ele é um docinho que veio adoçar ainda mais a avó Dulce! Mesmo que ainda não completamente…
      Obrigada Lara e boa semana.

      Liked by 2 people

  6. Ser avó é reviver a maternidade noutra dimensão, e também uma dependência boa. O quanto amamos esses seres pequeninos que não nasceram de nós é indescritível. Também tenho sem mim uma ausência, mas mais pela distância, por não ver os meus o quanto gostaria, e agora, pior. Seguramente que a Dulce irá ter a possibilidade de aproveitar em pleno esse amor que não se explica, vamos acreditar que o pior já passou. Uma vida muito feliz e cheia de amor para o Vasco.

    Liked by 2 people

    1. Sem duvida que ser avó é isso tudo que a Antónia descreve. Muitas emoções novas…mas algumas ainda não vividas a fundo devido a estes estranhos tempos.
      Mas sim, acredito profundamente que em breve tudo estará no devido lugar e as emoções também.
      Obrigada e desejo que em breve também possa abraçar os seus!

      Liked by 1 person

  7. Acredito o quão difícil deve ser, Dulce.
    Mas, estamos no caminho da mudança, e penso que já não faltará muito para ser essa avó completa, que tanto o Vasquinho como a Dulce têm direito.
    Coragem!
    Um abraço de aconchego.

    Liked by 1 person

    1. Esperança é algo que abunda por estes lados…se calhar, até demais…
      Mas sim, acredito que em breve poderei abraçar o meu neto como deve ser!
      Veremos o que nos traz a Primavera e o Verão.
      Obrigada pelo abraço!😊

      Liked by 1 person

  8. A fotografia fala tudo …. e esses tempos, que ficarão no passado, trazem também o nosso melhor. Se a máscara protege mas esconde o rosto, os lábios, ela permite que os olhos expressem o tudo que a foto mostra, o tudo que o Vasco sente ao olhar os teus olhos…
    Muito delicado post e repleto de esperança. Um grande abraço, Dulce.

    Liked by 2 people

    1. Sim, é possível que os olhos, apesar dos óculos a obstruir, sejam agora um pouco mais expressivos. Os nossos sentidos são inteligentes.
      Felizmente que a máscara não impede de falar e não me impede de dizer no meu sotaque meio algarvio as palermices/maluquices que as avós sempre dizem aos netos!
      Valha-nos isso!
      Obrigada Fernando.

      Liked by 1 person

  9. Sensibilidades!
    Esses dias fiquei pensando, se ainda nos é permitido a dádiva dos nascimentos, é porque ainda há esperança na raça humana. Esperança de mudanças e evolução. Cada criança traz a semente de dias melhores. Que venham…

    Liked by 1 person

    1. Felizmente que os bebés continuam nascendo, apesar da situação actual.
      Quem quer mesmo ter filhos, arrisca. Para além da minha filha, conheço cinco amigas dela (todas entre os 35 e os 40 anos…) que tiveram filhos neste ultimo ano, ou seja durante a pandemia.
      Portanto Cris, há esperança a nascer!
      Obrigada.

      Like

  10. Que texto bonito, Dulce!
    Todos nós esperamos que seja o mais rápido possível.
    Isto já nos acompanha há muito tempo e há que saber lidar com isso, embora não seja nada fácil.
    Esperemos que em 2022 as coisas estejam mais normalizadas, porque, antes disso, tenho dúvidas.

    Abraço

    Liked by 2 people

    1. Bem, eu vejo-o e pego nele…mas, estando de máscara existe sempre tensão nos gestos…e não posso mesmo dar beijinhos!
      Acredito também que em breve tudo melhorará…e serei finalmente uma avó completa!
      Obrigada e um bom domingo.

      Like

  11. A imaginar uma pessoa incompleta ao ler-te… pensei nas fases lunares e em mim mesma, apartada de tantos lugares. Não é uma comparação, apenas um colocar-se em algum lugar. Coisas do tempo pandêmico. Vai passar, dizem… aguardemos pelo dia seguinte!

    Liked by 1 person

    1. Bem, eu creio que neste momento estamos todos incompletos! E bem incompletos!
      Porém, pessoalmente já sei o que é ser mulher, mãe, filha ou irmã completa na troca de afectos…mas ainda não sei o que é estar completa neste papel ainda tão novo de avó.
      Falta-me uma parte…
      Muito obrigada… e que tudo isto passe depressa para todos nós!

      Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s