memória e ternura

Se estivesse connosco a minha mãe teria agora noventa e quatro anos. Porém, a sua passagem por esta vida terminou em 1998, faz hoje precisamente vinte e três anos (30 de Novembro).

É raro o dia em que a sua imagem não passa como uma brisa pelo meu pensar, seja por isto… por aquilo …ou por quase nada. Detalhes que a memória guardou, que aparecem nas circunstâncias mais variadas e que eu gosto de sentir como um “olá” que ela me está a dar…

Há muito que essas memórias não são associadas a dor, mas apenas a uma enorme e doce ternura que me habita e que considero o seu principal legado. Da sua personalidade sempre recordo a disponibilidade e a atenção que tinha com todos, a constante actividade e energia “tipo formiguinha”, o cozinhar muito bem, a capacidade de fazer tudo e mais alguma coisa, e ainda o facto de gostar bastante de conversar. Além disso, adorava a natureza e sabia o nome de imensas espécies de plantas e flores.

De vez em quando gosto de ir ao encontro da sua sensibilidade…e das suas mãos. Encontro isso em vários recantos da minha casa, seja através de uma colcha em crochet que me ofereceu, nos lençóis ou toalhas que bordou para o seu enxoval e que hoje são das filhas, nos deliciosos casaquinhos que fez para os meus filhos quando eles nasceram, etc., etc.

Mas há outros detalhes um pouco diferentes que habitam dentro de uma caixa. É o caso de alguns desenhos… rendas de vários tipos…muitas amostras de pontos de tricot com a explicação escrita por si….escritos diversos…poemas…etc, etc.

Ao optar por constituir família e ser “dona de casa”, afastou de certa forma a sua criatividade no sentido mais artístico, uma vez que tinha jeito para o desenho e grande precisão de mão.

Creio que focalizou essa energia e vontade criativa em actividades manuais como o tricot, crochet, bordados ou nas costuras que fazia com grande perfeccionismo. Eram pequenas obras de arte que nasciam do seu dia-a-dia orientadas para a família, aquele círculo que foi decididamente o centro do seu mundo.

Neste dia de memórias… a ternura e a gratidão tudo preenchem! Seja pelo que foi na sua enorme simplicidade, seja pelo que representou nas nossas vidas. E pessoalmente, por tudo o que deixou em mim, especialmente o invisível.

O seu nome era Maria Teresa.

Advertisement