experimentações #35

Se as férias anuais continuavam a dar origem a blocos com desenhos/registos, nos restantes dias do ano iam crescendo os cadernos com sketches diversificados e baseados em objectos comuns do dia-a-dia.

Em 2010, no entanto, apeteceu-me variar e resolvi começar a preencher um caderno apenas com desenhos de mãos, tendo por base o “modelo” sempre disponível: a minha mão esquerda. Sendo completamente destra, a mão direita era a activa e a esquerda sempre a passiva.

Desenhar mãos é bastante difícil, pelo menos para mim. Recordo que raramente ficava satisfeita com o resultado mas, sendo o objectivo apenas treinar e aprender, o meu “gostar” não era realmente importante. Digamos que funcionava apenas como incentivo. Como todos estes esboços eram realizados a caneta, o que saía…era o que ficava.

Pontualmente, e já sem saber que mais posições arranjar para a mão, fixava-me apenas num dos dedos ou, para variar, num pé!

Guardo com muito carinho este caderno como exemplo da persistência e da motivação que então me moviam. Hoje já não tinha paciência para fazer isto, sendo talvez por isso que aprecio muito mais o seu conteúdo.

Bom fim-de-semana!🤗

ao movimento…

…presente em cada momento!

…no barco que desliza no rio
        num pensamento sem norte,    
        num desejo em desvario
        tentando a sua sorte

…no ramo que vai e volta
        de uma árvore sem idade,
        no pombo ou na gaivota
        que voam pela cidade

…no carro que passa na ponte
        na nuvem levada pelo vento,
        na água que corre da fonte
        p’ra boca de alguém sedento

…nos corpos que vão e vêm
       com raiva, ternura ou dor,
       querendo o que não têm
       ou mostrando o seu amor

…no sangue que te corre nas veias
       na vontade de respiração,
      e na força com que desejas
      o pulsar de uma emoção!

Dulce Delgado, poema não datado

fotografia

Uma fotografia é uma forma mágica de “materializar” um momento que nos toca. Com ela guardamos um instante que será recordação e talvez um dia história…uma boa ou dolorosa emoção…aquele olhar que tocou o nosso sentido estético… ou um momento de sintonização com o mundo que habitamos.

As máquinas de hoje fazem-nos esquecer um pouco a magia associada ao tradicional click que sempre as caracterizou. O facilitismo técnico a que chegaram leva-nos a disparar quase automaticamente. É bom e mau porque, como bem sabemos, tudo o que é fácil torna-se banal.

Seja a fotografia o que for para cada um, neste Dia Mundial da Fotografia não posso deixar de referir o quanto aprecio esta descoberta que teve uma evolução extraordinária no tempo e que faz parte dos nossos dias. De todos os dias, através das formas mais ecléticas de a registar.

Eu tenho a minha forma de a sentir. Através dela gosto especialmente de captar os olhares e os detalhes que me dão tranquilidade… apesar de saber que o mundo real não é exactamente assim.

Com esta imagem, partilho o meu desejo de um tranquilo fim-de-semana!

caracóis

Uma das alterações que o crescimento me provocou foi o deixar de gostar de caracóis cozidos, um petisco deveras apreciado por muitos portugueses. Houve obviamente uma razão para isso, mas tal não é relevante neste post.

Posso não gostar deles como petisco, mas gosto muito de os ver no meio da natureza. Porém, assim como nós mudamos ao longo da nossa existência, também estes pequenos animais foram alterando alguns dos seus hábitos e adaptando-se à evolução dos tempos.

São cada vez mais os caracóis que procuram locais estranhos e bem diferentes das típicas ervas e hastes secas onde os ía apanhar na infância. Agora os caracóis são mais exploradores e vemo-los sobre os nossos carros, em sinais de trânsito, postes eléctricos, sebes metálicas ou plásticas, etc, etc,. sendo tudo um bom lugar para estacionar.

De “personalidade” bastante variável…

…tanto podemos encontrar os caracóis solitários como o da imagem inicial…

…. os que conseguem viver minimamente em sociedade respeitando o espaço dos outros…

… os que apreciam um pouco mais de confusão e convívio, mas ainda seguem algumas regras…

…e especialmente aqueles onde impera a filosofia do “tudo ao molho e fé em Deus”, como diz o velho provérbio. Sem dúvida que estes são o grupo mais abundante!

No meio de tantas possibilidades, surge irremediavelmente a minha vertente romântica que me leva a acreditar que há caracóis que têm um lado “humano e emocional”…. como os da foto ao lado que procuraram um recanto mais sossegado onde viver, namorar e criar a sua prole!

É certo que é um lugar metálico e pouco natural mas, de certa forma, isso está de acordo com a evolução e as escolhas deste nosso tempo…

————————-

Algumas notas adicionais e curiosas sobre caracóis:

– integram-se no grupo dos moluscos terrestes que se protegem dentro de uma concha (gastrópodes)

– são maioritariamente hermafroditas, mas muitos acasalam, sendo os ovos postos por ambos os progenitores

– reproduzem-se na Primavera e Verão, fazendo várias posturas que podem ir até 100 ovos por caracol/postura

– quando eclodem a sua casca é muito frágil. Depois vai sendo fortalecida com cálcio que eles mesmos produzem. Muitas vezes alimentam-se de cascas e de ovos que não eclodiram. Nascem muitos mas também morrem imensos, pois têm muitos predadores

– a vida média de um caracol é de 2 a 5 anos, podendo ser bastante mais se estiver em cativeiro

– desloca-se sobre o pé, um forte músculo que tem na base, e produz uma substância gomosa para facilitar a deslocação

– etc, etc,.

São bem curiosos, não são? 🐌🐌

pela ilha da Madeira (II)

Neste segundo post abro horizontes sobre a generalidade das paisagens da ilha, teoricamente uma abordagem que teria mais sentido num primeiro texto. Porém, uma vez que os trilhos/levadas/caminhadas foram o grande objectivo destas férias, achei interessante dar-lhes a devida prioridade.

Para os que conhecem a Madeira, nada de novo irei acrescentar. Para quem não a visitou, talvez abra o apetite a uma futura exploração. Farei uma abordagem simples, baseada na diversidade de ambientes e lugares que a ilha oferece especialmente a quem circula nas suas vias mais tradicionais. Acrescente-se que, por ser bastante montanhosa, nas últimas décadas foi “perfurada” por dezenas de túneis que permitem percorrê-la com alguma rapidez e sem a obrigatoriedade das curvas e contracurvas ou das subidas e descidas tão características da maioria das estradas nela existentes. Digamos que disponibiliza dois tipos de vias completamente diferentes que se complementam muito bem consoante os objectivos da deslocação.

Comecemos pelas zonas mais montanhosas, relevos belos e majestosos com encostas abruptas e vales profundos. Aqueles lugares onde nos sentimos mais perto do céu, do sol, das nuvens/nevoeiros e palco de magníficas paisagens. Alguns dos percursos destas férias foram centrados nessas zonas de maior altitude, sendo que um deles nos permitiu chegar ao Pico Ruivo, o mais alto da ilha com os seus 1862 metros.

Muitas destas elevações são solo da típica floresta laurissilva já referida no post anterior. Noutras regiões encontramos bosques formados por grandes árvores, vastas zonas de mato, prados para pastagens, etc.

Na vertente sul especialmente, as bananeiras são rainhas e estão presentes em qualquer recanto ou quintal, muitas vezes plantadas em socalcos devido ao declive do solo.

Na foto que se segue, tirada de um miradouro localizado a oeste da Madalena do Mar (uma vila com um nome que eu considero lindíssimo!), é bem perceptivel a vasta área cultivada com bananeiras e como essa cultura penetra todos os instertícios de solo disponível.

A periferia da ilha caracteriza-se por uma costa norte mais escarpado apesar da arriba mais alta e vertical se encontrar a sul, no cabo Girão.

As fajãs e enseadas vão pontuando aqui e ali esse encontro da terra com o mar, através de uma linha de fronteira onde impera o negro calhau rolado e a espuma branca do mar. A forma de aceder a algumas dessas fajãs que nasceram na base de grandes arribas é unicamente por teleférico ou, muito dificilmente pelo mar.

As praias existentes na linha de costa são maioritariamente em calhau rolado, sendo poucas as que foram privilegiadas com a macieza da areia. Uma delas aceitou inclusivamente areia clara do deserto marroquino como forma de se embelezar e agradar.

A escassez de áreas de banho confortáveis e seguras levou ao aproveitamento de espaços existentes entre rochas a fim de se criarem piscinas naturais ou semi-naturais. Algumas, diga-se em boa verdade, são bem apetecíveis.

Seja no interior ou junto ao mar, as cidades e vilas pontuam o espaço, por vezes de uma forma muito harmoniosa. As igrejas e suas torres, sempre presentes, simbolizam aquele lugar de fé, de encontro e de ligação com algo superior. Uma fé que pode ter formas bem opostas de se materializar, como revelam as duas ultimas fotos do bloco de imagens que se segue.

Quando os lugares oferecem olhares especiais e a beleza transpira em cada recanto, os miradouros nascem quase naturalmente em lugares estratégicos para que essa beleza possa ser usufruída. É desta forma que volto à imagem que inicia este post e captada num dos miradouros mais bonitos da ilha da Madeira, o miradouro da Portela.

Outras imagens hoje publicadas foram igualmente captadas nesses lugares de amplo alcance. Sendo a Madeira uma ilha, o mar está quase sempre presente como oferta adicional. Azul, profundo, infinito….e normalmente com algumas nuvens por companhia!

A Madeira vive na vizinhança de outras ilhas: a nordeste o Porto Santo e a sudeste as Desertas, estas últimas classificadas como Reserva Natural e, na realidade, uma espécie de prolongamento da península de S. Lourenço localizada no extremo oriental da ilha principal. A separá-las, alguns quilómetros de mar azul.

É com esta região que termino o post de hoje. Na verdade, as ilhas Desertas pousaram amiúde no nosso olhar… mas não são visitáveis. Já a aridez da Ponta de S. Lourenço foi parcialmente calcorreada num passeio que contrastou profundamente com o verde, a água e a humidade tão presentes nos restantes dias e percursos.

Diria que a beleza desta zona está na sua vastidão, no tipo de relevo, na geologia…e no facto de ser diferente. E fez-nos sentir que o contraste é sempre uma boa forma de valorizar cada um dos lados!

Voltarei à Madeira com outros detalhes!

Mapas retirados de
https://www.madeira-web.com/pt/mapas.html e Google Maps