caracóis

Uma das alterações que o crescimento me provocou foi o deixar de gostar de caracóis cozidos, um petisco deveras apreciado por muitos portugueses. Houve obviamente uma razão para isso, mas tal não é relevante neste post.

Posso não gostar deles como petisco, mas gosto muito de os ver no meio da natureza. Porém, assim como nós mudamos ao longo da nossa existência, também estes pequenos animais foram alterando alguns dos seus hábitos e adaptando-se à evolução dos tempos.

São cada vez mais os caracóis que procuram locais estranhos e bem diferentes das típicas ervas e hastes secas onde os ía apanhar na infância. Agora os caracóis são mais exploradores e vemo-los sobre os nossos carros, em sinais de trânsito, postes eléctricos, sebes metálicas ou plásticas, etc, etc,. sendo tudo um bom lugar para estacionar.

De “personalidade” bastante variável…

…tanto podemos encontrar os caracóis solitários como o da imagem inicial…

…. os que conseguem viver minimamente em sociedade respeitando o espaço dos outros…

… os que apreciam um pouco mais de confusão e convívio, mas ainda seguem algumas regras…

…e especialmente aqueles onde impera a filosofia do “tudo ao molho e fé em Deus”, como diz o velho provérbio. Sem dúvida que estes são o grupo mais abundante!

No meio de tantas possibilidades, surge irremediavelmente a minha vertente romântica que me leva a acreditar que há caracóis que têm um lado “humano e emocional”…. como os da foto ao lado que procuraram um recanto mais sossegado onde viver, namorar e criar a sua prole!

É certo que é um lugar metálico e pouco natural mas, de certa forma, isso está de acordo com a evolução e as escolhas deste nosso tempo…

————————-

Algumas notas adicionais e curiosas sobre caracóis:

– integram-se no grupo dos moluscos terrestes que se protegem dentro de uma concha (gastrópodes)

– são maioritariamente hermafroditas, mas muitos acasalam, sendo os ovos postos por ambos os progenitores

– reproduzem-se na Primavera e Verão, fazendo várias posturas que podem ir até 100 ovos por caracol/postura

– quando eclodem a sua casca é muito frágil. Depois vai sendo fortalecida com cálcio que eles mesmos produzem. Muitas vezes alimentam-se de cascas e de ovos que não eclodiram. Nascem muitos mas também morrem imensos, pois têm muitos predadores

– a vida média de um caracol é de 2 a 5 anos, podendo ser bastante mais se estiver em cativeiro

– desloca-se sobre o pé, um forte músculo que tem na base, e produz uma substância gomosa para facilitar a deslocação

– etc, etc,.

São bem curiosos, não são? 🐌🐌