caracóis

Uma das alterações que o crescimento me provocou foi o deixar de gostar de caracóis cozidos, um petisco deveras apreciado por muitos portugueses. Houve obviamente uma razão para isso, mas tal não é relevante neste post.

Posso não gostar deles como petisco, mas gosto muito de os ver no meio da natureza. Porém, assim como nós mudamos ao longo da nossa existência, também estes pequenos animais foram alterando alguns dos seus hábitos e adaptando-se à evolução dos tempos.

São cada vez mais os caracóis que procuram locais estranhos e bem diferentes das típicas ervas e hastes secas onde os ía apanhar na infância. Agora os caracóis são mais exploradores e vemo-los sobre os nossos carros, em sinais de trânsito, postes eléctricos, sebes metálicas ou plásticas, etc, etc,. sendo tudo um bom lugar para estacionar.

De “personalidade” bastante variável…

…tanto podemos encontrar os caracóis solitários como o da imagem inicial…

…. os que conseguem viver minimamente em sociedade respeitando o espaço dos outros…

… os que apreciam um pouco mais de confusão e convívio, mas ainda seguem algumas regras…

…e especialmente aqueles onde impera a filosofia do “tudo ao molho e fé em Deus”, como diz o velho provérbio. Sem dúvida que estes são o grupo mais abundante!

No meio de tantas possibilidades, surge irremediavelmente a minha vertente romântica que me leva a acreditar que há caracóis que têm um lado “humano e emocional”…. como os da foto ao lado que procuraram um recanto mais sossegado onde viver, namorar e criar a sua prole!

É certo que é um lugar metálico e pouco natural mas, de certa forma, isso está de acordo com a evolução e as escolhas deste nosso tempo…

————————-

Algumas notas adicionais e curiosas sobre caracóis:

– integram-se no grupo dos moluscos terrestes que se protegem dentro de uma concha (gastrópodes)

– são maioritariamente hermafroditas, mas muitos acasalam, sendo os ovos postos por ambos os progenitores

– reproduzem-se na Primavera e Verão, fazendo várias posturas que podem ir até 100 ovos por caracol/postura

– quando eclodem a sua casca é muito frágil. Depois vai sendo fortalecida com cálcio que eles mesmos produzem. Muitas vezes alimentam-se de cascas e de ovos que não eclodiram. Nascem muitos mas também morrem imensos, pois têm muitos predadores

– a vida média de um caracol é de 2 a 5 anos, podendo ser bastante mais se estiver em cativeiro

– desloca-se sobre o pé, um forte músculo que tem na base, e produz uma substância gomosa para facilitar a deslocação

– etc, etc,.

São bem curiosos, não são? 🐌🐌

20 thoughts on “caracóis

  1. Não sou grande apreciadora de tal petisco, ou melhor, gosto de molhar as torradas, especialmente se o molho for picante e a saber a orégãos 😅 Quando era pequena ia com os meus pais apanhá-los nos funchos junto à horta, diziam que eram os mais saborosos. Mas sim Dulce, é um animal muito curioso é que desperta simpatia. O bicho homem tem cada ideia…Desconhecia que podiam causar alergias.

    Liked by 1 person

    1. Nós também os apanhavamos nos funchos! Outros tempos e outros gostos!
      Agora devem saber a plástico….🤔
      Também desconhecia a possibilidade de causarem alergias. Mas o nosso corpo reage por vezes às coisas mais absurdas e inesperadas.
      Muito obrigada Antónia e um bom resto de semana!

      Liked by 1 person

  2. Não aprecio caracóis como petisco e nem gosto de vê-los nas minhas flores embora haja sempre muitos. Deve ser animal útil por qualquer razão – a natureza tem os seus motivos -, mas não gosto deles e já matei bastantes. Assassina sem remorso. As fotos são muito realistas e a perspectiva como os entende, cativa.
    Bom dia, Dulce

    Liked by 1 person

    1. Por aqui, sempre que sou obrigada a “matar” qualquer ser vivo fico com bastantes problemas de consciência. Bem, à excepção de pulgas e mosquitos, esses adoram-me…. mas eu mato-os!
      Enfim, a diversidade que somos leva a uma grande diversidade de modos de actuar. Os caracolinhos para mim são uns queridos….mas a verdade é que nunca estragaram as minhas plantas de interior….
      Obrigada Bea e um dia a gosto!

      Like

  3. Que engraçado!! Já fiquei a saber mais sobre os caracóis 🙂 E essa maneira de eles se aglomerarem é bem bonita graficamente! Bons registos! 🙂 Beijinhos!

    Liked by 1 person

    1. Bem…o grafismo daqueles aglomerados não é nada minimalista, como tu normalmente gostas! Mas concordo, são engraçados pelo facto de apreciarem esta forma tão intensa de cohabitar.
      Bjs de mãe!🧡🤗

      Like

    1. Não, tal como eu escrevi no inicio do post, deixei de os apreciar. Gostava de os comer em criança, mas por razões que não me apetece partilhar no blog, deixei de o fazer. Mas na minha familia há grandes apreciadores desse petisco.
      Ou seja, neste momento aprecio-os apenas com o olhar!!
      Obrigada Silvana, e desejo um bom fim-de-semana.

      Liked by 1 person

    1. Bem…eles sempre têm ervas por perto… mas algo os fascina nestes locais diferentes que agora procuram. Psicologia de caracol dá “muitas voltas” e não é nada linear!🤔
      Obrigada e um bom domingo!

      Liked by 1 person

  4. I have never seen anything like these large gatherings of snails, wow! Crazy. Thank you for posting this. Isn’t nature amazing? 🙂
    (You may know that Americans don’t eat snails and the idea doesn’t appeal to me but I always enjoy finding one. I’m not sure how I would feel if I saw so many in one place!)

    Liked by 1 person

    1. Yes, this bunch of snails is not very common.
      Around here, snails cooked with garlic and oregano is a snack appreciated by many.
      I think people are their main predator! 🙄
      And I didn’t know Americans didn’t eat them…
      Thank you.

      Liked by 1 person

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s