a água no mundo

 

 

Há alguns anos, Matt Damon (actor) e Gary White uniram esforços e uma forma de pensar semelhante para criaram a organização global Water.org , baseada na filosofia de que o acesso a água potável pode transformar problemas em potencial, seja desbloqueando a educação, desenvolvendo a economia ou melhorando a saúde.

Aliaram-se a profissionais de vários países e de diversas áreas, o que lhes permitiu uma actuação mais global que neste momento já se estende a três continentes e melhorou substancialmente a qualidade de vida de muitas populações, em especial das mulheres que em certas regiões se deslocam durante horas para obter esse precioso liquido.

O video inicial deste post faz parte de uma das campanhas de angariação e de sensibilização promovidas por esta organização, neste caso com a Stella Artois, um dos seus parceiros. Estes poucos minutos são essencialmente um alerta sobre a importância da água e para a nossa insensibilidade sobre esta questão, certamente provocada pela facilidade com que abrimos uma torneira e temos toda a água disponível, seja para consumir… seja para estragar.

O video que se segue, também elaborado para essa campanha, mostra de que forma uma maior facilidade na obtenção de água pode ser importante na vida de alguém e de uma comunidade.

 

 

Todos sabemos que a questão da água é um assunto crucial na vida deste planeta.

Basta estarmos atentos à forma como ele reage quase diariamente a uma evidente falta de senso, de respeito e de humildade de todos nós, especialmente daqueles que, pelo seu poder e influência, mais atenção deveriam ter.

 

(Obrigada Manuela!)

 

 

 

Advertisements

“poesia” no futebol – II

 

1

 

Numa altura do ano em que o futebol português tenta ir de férias mas não consegue tal intento porque, já a pensar na próxima época, ainda falta concluir o alucinante “mercado de transferências” …

…eu não resisto a publicar mais algumas frases do jornalismo futebolístico nacional, não especificamente de um único autor como sucedeu num primeiro post com este título, mas oriundas de vários apreciadores da arte de jogar com a bola e especialmente com as palavras.

Algumas são deliciosas e bastante criativas!

 

…desenhou a rota aérea…

…cruzamento a fazer escala em … antes de aterrar na ponta da bota de…

…duplicou as fechaduras à baliza do Porto…

…encontrou o coração da área do Liverpool…

…foi sem tocar na relva, ao nível das nuvens, que o Sporting inaugurou o marcador…

…o colombiano adormeceu no peito o primeiro golo…

…enfrentar o adversário que há dentro de cada um de nós…

…céu estrelado…mas a estrela maior do relvado foi …

…o empate caiu lá de cima aos trambolhões e …deu-lhe a direcção do igual.

…uma daquelas finalizações só para quem tem afinidade com o golo

…a bola foi maltratada

…a bola morreu no fundo da baliza!

 

 

Imagem retirada de  http://gqportugal.pt/melhor-sabado-futebol-da-historia/

 

 

 

ligações afectivas

 

IMG_4950ab

 

Em Setembro de 2016  partilhei um post sobre o almanaque Borda d’Água, folheto anual publicado em Portugal pela Editorial Minerva. Ele nasceu dois anos depois da editora e transmite um saber simples, ligado à terra e à agricultura, ao céu, aos astros e às estações do ano, à história, ao mundo cristão e ainda à cultura popular.

Amiúde o meu olhar passa sobre a folha do mês em curso a fim de saber algo mais sobre a “história” e acontecimentos do dia. Hoje porém, ao verificar que a editora que o publica nasceu a 2 de Junho de 1927, o que significa que completa 92 anos de vida, associei de imediato esse evento à minha progenitora e à idade que ela teria se estivesse viva, uma vez que nasceu nesse mesmo ano. 

A minha mãe tinha o saber adquirido enquanto estudante, mas guardava um saber bem maior, mais popular e fruto da simplicidade do meio em que nasceu e cresceu. Como apreciadora da natureza em todas as suas versões, sabia identificar a maioria das flores e de muitas plantas, saber talvez aprendido com o seu pai (e meu avô), um homem que sempre teve uma pequena horta ou um jardim para cultivar e zelar.

Minha mãe também entendia a meteorologia de uma forma muito empírica mas assertiva. Se o vento estava assim… tinha um significado; se estava de além…implicava outra coisa; se as nuvens apareciam naquele lado ou se a lua tomava determinado aspecto, era outra coisa qualquer;  e assim por diante. E naturalmente associava ao seu próprio conhecimento saberes populares e provérbios que depois partilhava nas mais diversas situações.

Hoje percebi que o meu gesto quase diário de deitar o olhar sobre este almanaque que a Editorial Minerva insiste heroicamente em publicar num tempo em que o “saber” se adquire pela internet é, de certa modo, um olhar sobre as raízes que me deram origem, e talvez, uma forma inconsciente de encontrar um pouco da minha mãe, da sua sensibilidade e de uma sabedoria que muito me encantava e que tantas vezes me levou a pensar “como é que ela sabe estas coisas todas?”

Um olhar ternurento sobre ela e o passado, leva-me sempre a senti-la como alguém muito especial… mas igualmente como um pequeno “almanaque humano”, uma espécie de Borda d’Água com coração!

Neste dia, longa vida à Editorial Minerva e ao seu delicioso Borda d’Água!

 

 

 

o professor e o louco

 

 

Um dicionário ou uma enciclopédia ocupam na maioria das habitações um recanto de uma estante… mas todos sabemos que são cada vez menos utilizados.

Se a minha geração ainda continua a recorrer a eles porque cresceu fazendo esse gesto, já as seguinte dizem: “Dicionário para quê? Vai-se à net!”

Sou especialmente apreciadora do dicionário Lello Universal, através de uma edição organizada e publicada em 1978 pela Livraria Lello &irmãos (Porto), composta por dois grandes volumes com letra muito pequena e onde se encontram palavras que outros mais recentes não possuem. É uma delícia de livro, ainda com desenhos/gravuras a complementar muitas das entradas.

Ele está na prateleira para quando é necessário. No entanto, apesar de o apreciar e usar, é um dado adquirido, como tantos outros que temos na nossa vida. Nunca levei o meu pensamento para a sua construção, o que lhe deu origem, quem realmente o concebeu, quantos anos terá levado a surgir a primeira edição, etc, etc

O Professor e o Louco é um interessantíssimo filme irlandês realizado por Farhad Safinia, que tem como actores principais Mel Gibson e o magnífico Sean Penn, este último num dificílimo papel. Encontra-se em exibição em muitas salas de cinema portuguesas e é um drama biográfico passado no séc. XIX que narra o nascimento do conhecido Oxford English Dictionary.

Numa época em que se escrevia com tinta e aparo, a distância que separava aqueles pioneiros das potencialidades dos nossos computadores e das tecnologias de armazenamento actuais, era tão grande como a que nos separa da ideia ou do trabalho mental e físico que implicou compilar os volumes daquela enciclopédia.

É um fosso que eu senti minimizado ao visualizar este filme, razão porque o estou aqui a divulgar. Neste século XXI, a fim de melhor compreendermos a actualidade e de lhe dar o devido valor, temos o dever de conhecer este detalhe desconhecido do séc. XIX.

Esta película, na sua essência, é ainda um filme sobre uma profunda amizade e sobre a empatia que se gerou entre dois seres especiais. Gostava de referir igualmente a presença de duas personagens femininas representadas por Jennifer Ehle e Natalie Dormer, ambas de enorme força, saber e sensibilidade, tendo em conta o papel da mulher naquela época.

Espero que o procurem num cinema e que o apreciem, sabendo que relata um episódio verídico da história do pensamento e das palavras que nos unem e que circulam neste mundo.

 

 

 

miguel torga

 

torga

 

Adolfo Correia da Rocha foi buscar o segundo nome do seu pseudónimo a um arbusto da família da urze que se desenvolve espontaneamente em terrenos pobres e agrestes. Essa planta é a torga, também chamada de queiró ou leiva, uma espécie muito resistente e lutadora, como a natureza do homem que o escritor Miguel Torga tanto admirava e valorizava.

Torga não acreditava nos Deuses nem no seu virtuosismo, porque eles não sabiam o que era uma vida de trabalho e de luta. O homem sim, sabia-o bem, porque o fazia todos os dias nas piores condições, trabalhava a terra, fazia crescer, moldava e conhecia a natureza, sofria, era um resistente e um sobrevivente. Para ele o homem merecia todos os louvores.

A sua própria vida contribuiu para esse sentir. Foi trabalhar para o Brasil aos dez anos, com a energia e a resistência das terras de Trás-os-Montes onde nasceu. Insubmisso ao que lhe pediam, voltou no ano seguinte para um seminário em Lamego que o acolheu e educou. Mas não para ser padre, porque esse não era o seu caminho.

Aos treze anos voltou para o Brasil a fim de trabalhar na fazenda de um tio. Esse familiar ao perceber o seu potencial patrocinou-lhe os estudos, primeiramente naquele país e mais tarde em Portugal, onde se formou em medicina na Universidade de Coimbra.

Começou a exercer essa actividade com 26 anos nas terras agrestes onde nasceu e que foram o grande palco da sua vida, seja como humanista junto dos mais desfavorecidos, seja como escritor, poeta e ensaísta. O que vida lhe mostrou foi moldando as suas convicções, rebeldia, inconformismo, sensibilidade e um espírito sempre livre, onde os homens, os animais e a natureza tinham um lugar especial.

Miguel Torga morreu em Coimbra em 1992, faz hoje precisamente vinte e sete anos. Escreveu muito, publicou dezenas de livros e, como médico, proporcionou uma melhor vida e saúde a muitos dos homens e mulheres que tanto admirava.

É essa consciência do sofrimento do povo e a sua luta, que creio estarão na base de um dos seus poemas que muito aprecio, cujo título é Sífiso. 

Antes porém, e a fim de melhor o enquadrar, é importante dizer que Sífiso foi um ser da mitologia grega que por ter enganado os Deuses teve a punição eterna de empurrar montanha acima uma grande pedra. Contudo, quando estava perto do cume, uma força desconhecida fazia-a rolar até à base. Apesar disso, ele sempre recomeçava uma nova subida. O outro lado significaria talvez a liberdade, por isso Sífiso nunca desistiu.

Também na vida dos homens e das mulheres que Miguel Torga tanto admirava, tal como na vida de todos nós, as dificuldades e os recomeços são uma realidade.

Como em Sífiso ele tão bem descreve.

 

Sífiso

Recomeça…
Se puderes
Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.

E, nunca saciado,
Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.
Sempre a sonhar e vendo
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças…

 

 

Imagem retirada de:
https://observador.pt/2015/01/17/casa-museu-miguel-torga-evoca-medico-e-escritor-nos-20-anos-da-sua-morte/

 

arte urbana

 

img_3093a

 

Nos últimos anos verificou-se em Portugal um grande desenvolvimento da arte urbana, facto que  está directamente relacionado com a ocorrência de vários festivais dedicados a este tipo de arte, como o Sm’art em Bragança, o Tons de Primavera em Viseu, o WOOL– Festival de Arte Urbana da Covilhã, o ESTAU em Estarreja, o Festival Iminente em Oeiras ou o Walk and Talk em Ponta Delgada, nos Açores.

Todos terão objectivos a atingir no plano artístico, nomeadamente na qualidade das obras realizadas, facto que se sente ao percorrer muitas das cidades do nosso país, agora bem mais coloridas e revelando excelentes obras para apreciação. Mas há outras situações em que a vertente artística se aliou a uma componente de reabilitação social mais marcante, como sucede por exemplo no distrito de Lisboa, nos Bairros Padre Cruz em Carnide e no Bairro da Quinta do Mocho em Sacavém.

Vou apenas detalhar o segundo caso, o que melhor conheço na sequência de uma visita aí realizada e que permitiu perceber o projecto que lhe deu origem.
Tudo se iniciou no âmbito do festival O bairro i o Mundo que ocorreu em 2014, evento multifacetado onde foram realizadas as primeiras pinturas em edifícios do bairro. A partir daí várias entidades se juntaram a fim de estimular uma população socialmente estigmatizado a aderir ao projecto. Foi um trabalho simultaneamente educativo e de divulgação que deu frutos nos anos seguintes, também com a realização de novas pinturas em edições posteriores desse mesmo festival.

Hoje as obras são muitas, creio que mais de sessenta, e o bairro é alvo de visitas turísticas promovidas por entidades privadas, mas também orientadas gratuitamente por moradores que, empenhada e orgulhosamente, nos acompanham por aquele manancial de criatividade. Existem obras da autoria dos melhores artistas de street art, mas igualmente de outros menos conhecidos que tiveram ali a sua oportunidade. Hoje, este bairro é considerado como a maior galeria de arte urbana a céu aberto da Europa.

São muitos os artistas nacionais e internacionais que pretendem intervir neste projecto apoiado pela Câmara Municipal de Loures através da plataforma Loures Arte Urbana. Mas o mais importante de tudo é o facto do empenhamento de muitos e da arte em particular terem transformado o sentir da maioria dos habitantes, que agora se unem no sentido de preservar e divulgar as obras que mudaram a imagem do seu bairro. E que permitiram abri-lo ao mundo e contribuir para que os seus habitantes hoje se sintam socialmente mais enquadrados e apreciados.

Termino com dois artigos publicados pelo jornal Público em 2015 e 2018, que referem de uma forma bastante mais completa o que acabei de escrever; e ainda com a página do site da Câmara Municipal de Loures que menciona a visita gratuita que ocorre no último sábado de cada mês.

E, como não poderia deixar de ser, seguem-se algumas fotografias das muitas pinturas existentes, assim com o nome e a nacionalidade dos respectivos autores.

img_2985a
Nomen (Nuno Reis), Angola
img_2992a
Colectivo Licuado (Camilo Núñez e Florencia Durán), Uruguai

 

img_2998a
Vespa (São José dos Campos) e Utopia (Oliveiros Junior), ambos do Brasil, e Nomen, de Angola

 

img_3004a
Vespa, Brasil

 

img_3024a
Hopare (Alexandre Monteiro), França
img_3029a
EHME (Marcelo Gomes), Portugal
img_3031a
Smile (Ivo Santos), Portugal

 

img_3043a
Vhils (Alexandre Farto), Portugal
img_3051a
Odeith (Sérgio Odeith), Portugal

 

img_3055a
Zmogk (Konstantin Danilov), Rússia

 

img_3067a
L7M (Luis Martins), Brasil

 

img_3105a
Styler (João Cavalheiro), França

 

img_3108a
Fio Silva, Argentina

 

img_3086a
Vinie, França

 

Falta referir que o autor da fachada representada na imagem inicial  do post é o artista de nacionalidade francesa, Astro.

 

 

 

livrar

 

Capturarlivrar

 

Disponibilizar livros que já não queremos ou ter acesso a outros que gostaríamos de ler é o que a plataforma digital LIVRAR permite desde meados deste mês.

Basta criar uma conta, escolher o que queremos fazer e posteriormente combinar a melhor forma de dar ou receber determinado livro. As bibliotecas também têm acesso a esta plataforma.

Este projecto, intitulado Cultura para todos, venceu em 2017 o Orçamento Participativo de Portugal (OPP) na Área da Cultura, e resultou de uma ideia dos cidadãos João Gonçalo Pereira e Tiago Veloso. Tem o apoio do Ministério da Cultura.

O início de novo ano é o momento ideal de olharmos para as nossas estantes e encontrar os livros que já pouco nos dizem e podem ir com o “ano velho”. E, quiçá, encontrar no LIVRAR outros que estavam em lista e que podem contribuir para crescermos um pouco no novo tempo que vai começar.

Boas trocas e melhores leituras!

 

(Imagem retirada de https://livrar.pt/)