tristeza

fogo

A vida, num sentido bastante lato, é uma sequência de altos e baixos, de alegrias, de tristezas e de momentos opostos que alternadamente se activam na busca de um aparente e estranho equilíbrio.

Com um país a dinâmica é semelhante. Portugal tem estado na ”mó de cima” e envolto numa aura de boas energias. Nos últimos anos vivemos tempos muito complexos e deprimentes, mas pacientemente o país foi dando a volta e começou a sorrir. Economicamente está a melhorar, também pela presença de muitos turistas que resolveram dar-nos um “abraço” de ajuda e agora apreciar aquilo que sempre fomos e tivemos para oferecer, contribuindo igualmente para fortalecer o ego nacional.

Mas hoje o meu país está triste.

Com o início de uma forte vaga de calor associada a trovoadas secas e a condições atmosférica extremas, surgiu ontem uma vaga de incêndios na zona centro do país. Um inferno, dizem alguns. E até agora, a morte confirmada de mais de seis dezenas de pessoas, seres humanos que há pouco mais de vinte e quatro horas estavam tranquilos, talvez nas suas casas, talvez passeando com as suas famílias. É possível que tivessem problema semelhantes aos nossos, mas estavam vivos e também eles sentindo essa boa energia que envolve o país.

Contudo, a fragilidade e a efemeridade da vida é por vezes assustadora e de um momento para o outro tudo pode mudar. Hoje, a tristeza será profunda em todos os que perderam familiares, amigos ou os bens de uma vida. A própria natureza estará triste, porque as suas árvores continuam a ser consumidas pelo fogo e a vida animal desses habitats a ser destruída. Diria que estamos todos tristes, porque é o nosso país, o nosso território, a nossa natureza e as nossas gentes.

Eu estou triste.

Porém, neste quentíssimo domingo de Junho estou em minha casa, rodeada do que gosto, na companhia da minha família, a receber o agradável fresco de uma ventoinha e em frente de um computador a teorizar sobre algo que não imagino.

Estou muito longe da realidade que descrevi e que continua a magoar o meu país. Estou muito longe da dor e do desconforto de muitos, do esforço inumano de bombeiros e de outros profissionais de diferentes áreas que tentam equilibrar a situação e ajudar os demais.

Estou unicamente a lidar com palavras….cuja semelhança com a vida real é apenas a sua fragilidade e efemeridade. Nada mais.

 

 

 

junho…

 

IMG_9429

 

Para quem vive no hemisfério norte, o mês de Junho é, claramente, o tempo que faz a transição para o Verão e para o principal período de férias do ano.

Há medida que o mês avança e a temperatura atmosférica vai subindo, vamos sentindo na pele e no corpo uma vontade de movimento e de exterior, numa espécie de antecipação ao que está para vir. Diria que é o mês em que as férias saem do “mapa de férias” afixado no placard dos locais de trabalho e deixam de ser apenas uma ideia, uma perspectiva ou um desejo, passando a algo mais físico e emocional.

Se por um lado o corpo fica mais irrequieto, também começa a ser muito mais fácil a nossa mente sair por aí e iniciar um imenso voo em tons de céu, de verde ou de mar e, num ápice sem tempo nem conta-quilómetros, nos levar àquele lugar que está planeado na agenda, escrito no bilhete de avião real ou electrónico, ou apenas guardado como projecto ou desejo.

Depois… tão naturalmente como partiu, a mente volta à casa-mãe e, com um sorriso invisível leva-nos a pegar novamente na caneta, no teclado do computador ou em qualquer objecto/tarefa que faça parte do nossa actividade diária e pede que continuemos… e nós vamos continuar, certos que o processo se vai repetir… até chegar o primeiro dia de férias!

Digamos que o mês que o antecede, Maio, ainda nos permite estar na quietude do tempo, do espaço e das rotinas que nos envolvem com uma certa tranquilidade. Mas Junho, o irrequieto mês de Junho, é sinónimo de uma agradável inquietude, de um fervilhar e do desejo de outro respirar. E muitas vezes, vontade de outro lugar!

Indiscutivelmente…Junho está comigo!

 

 

the versatile blogger award

 

vba

 

Foi com curiosidade e surpresa que recebi de Fernanda Leal, autora do blog Essência da poesia, uma agradável mensagem informando-me que incluíra este espaço na sua escolha para o Versatile Blogger Award. Ignorando o que tal significava, fui investigar, chegando à conclusão que se tratava de um incentivo e de uma espécie de corrente que fomenta a partilha e a divulgação de blogs no vasto mundo da blogosfera. Curiosamente, dois dias depois ao passar pelo blog Documento de viagem, verifiquei com surpresa que em Maio fora igualmente indicada pelo casal Paula e Marcelo e, ontem mesmo, recebi de Sandro Ernesto, do blog Panografias, outra nomeação. Obviamente que fiquei satisfeita, porque significa o reconhecimento do Discretamente pelos seus pares.

Consultado o site do Versatile Blogger Award e lidas as regras, resolvi então aceitar o desafio proposto, começando por agradecer a esses três bloggers que me nomearam.

Em seguida, devo indicar quinze blogs do meu agrado. Escolha difícil, porque todos os que acompanho têm algo que aprecio. Para facilitar a selecção, decidi que deveriam ser escritos em português (de Portugal ou do Brasil) ou ainda, se escritos em inglês, com temáticas relacionadas com o meu país. Esta escolha “patriótica” justifica-se com o facto de hoje, dia 10 de Junho, se festejar o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, evento que primeiramente será comemorado na cidade do Porto e depois na cidade de S. Paulo, no Brasil, com a presença do sempre bem disposto Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa. Estando hoje os países de língua portuguesa mais próximos, resolvi então homenagear o espírito português.

Gostava de acrescentar que, apesar de apreciar o trabalho dos bloggers que me indicaram, não os incluí nesta lista uma vez que já foram nomeados. Sendo o VBA uma espécie de “jogo de partilha” entre bloggers, preferi dar a hipótese de outros entrarem, aumentando assim o leque de blogs que serão divulgados nas listas. Além disso, ficarão mais pessoas satisfeitas com o reconhecimento!

É esta então a minha escolha, por ordem alfabética:

  • ChronosFeR, de Fernando Rozano, onde são criadas parcerias entre a fotografia, as palavras e a música, resultando uma harmoniosa unidade entre todas essas formas de expressão.

 

  • O blog  Dias com Árvores, onde Paulo V. Araújo e Maria P. Carvalho nos falam do reino vegetal com conhecimento científico e com sensibilidade. Gostando muito da natureza e de plantas, este blog é sempre uma mais-valia.

 

  • Viajo pouco, mas gosto de ler as dicas e as informações práticas que Mel Rolan insere em Listas de viagem. Viajante de muitos continente, ela também aprecia com carinho o meu país, publicando alguns posts sobre ele.

 

  • Sendo para mim a música sentida de uma forma essencialmente emocional e sem qualquer conhecimento teórico, o blog Luis Henriques, do musicólogo açoriano Luis Henriques, apresenta-se em inglês e é o mais “complexo” desta lista. Porém, talvez por isso mesmo, é um desafio que gosto de ler/ouvir. No geral, aprendo sempre qualquer coisa nos posts mais específicos que publica e aprecio o seu trabalho em prol da divulgação da música antiga, nomeadamente da portuguesa.

 

  • Mariel Fernandes, em Mariel Fernandes, mostra-nos “os seus pontos de vista” sobre diferentes momentos, temáticas, mas sempre com grande sensibilidade e actualidade. Gosto muito da forma como trabalha as ideias e as palavras, e como as revela em cada post publicado.

 

  • Multidimensões de um despertar, é o lugar das palavras de Felipe Abras que, em prosa ou poesia, reflectem uma filosofia de vida um pouco diferente e uma sensibilidade que aprecio.

 

  • Não me livro desse blog, de Tiago Masutti, é um blog virado para aspectos mais culturais. Sendo o autor também escritor, tem uma forma de escrever mais elaborada, que alia uma grande capacidade de relacionar os diferentes assuntos a um humor muito próprio. Proporciona uns bons momentos de leitura e com ele, ficamos sempre a saber algo que desconhecíamos.

 

  • Luis Torres chamou ao seu espaço O blog que ninguém lê, mas que certamente é lido por muitos, sendo eu um desses leitores. Versátil em temáticas, gosto da forma objectiva como analisa os acontecimentos da vida pessoal e da sociedade, recorrendo a uma linguagem simples e sem pretensões, pontualmente mais forte e emocional. Mas a vida é essa ambígua mistura de humores e de formas de reagir!

 

  • Em Os meus desenhos,  Fernanda Lamelas, mostra-nos uma forma pessoal e visual de registar os momentos pelo desenho. Gosto do seu risco espontâneo e da forma como enquadra os objectos representados no espaço branco de uma página, permitindo sempre ao desenho um saudável “respirar”.

 

  • Em Patriaamarga, Marcelo Raymundo é um contador de histórias, de encontros e desencontros, de momentos, e de vidas que vão cruzando o seu caminho. Fala de si próprio como “uma mente em constante criação”, frase com que sinto afinidade. Talvez por isso, gosto de passar pelo seu blog e ir vendo o que tem para contar.

 

  • Pedalopelacidade, de Nelson Branco, é o blog de alguém que tem uma grande paixão por bicicletas e que gosta de percorrer a pedalar… o que nós fazemos de carro! Partilha os seus trajectos com prazer, boa disposição e muitas imagens. Apreciando eu também essa actividade (sem aventuras nem obstáculos!), percebo um pouco do espírito que o orienta. Por isso, gosto de “pedalar” no seu blog!

 

  • Leandro Tissiano é o autor de Proseudiaficarmelhor, onde partilha com simplicidade as suas vivências e o que a vida lhe vai ensinando. Escrita sensível e que toca as emoções de todos.

 

  • José Leite é o autor do blog Restos de colecção, um interessantíssimo espaço sobre a história de lugares, acontecimentos, edifícios, eventos, etc, etc. Permite conhecer Portugal de uma perspectiva diferente e aprender imenso com as informações que disponibiliza. É um blog muito português!

 

  • Termino com Salt of Portugal, um blog escrito em inglês, mas também ele de alma bem portuguesa, que resulta do trabalho de Francisca e Sérgio Rebelo, Maria Rebelo, Rui Barreiros Duarte, Pedro Rebelo, Pedro Teles e Tomás Rebelo. Neste blog, os lugares do meu país são percorrido e saboreados com todos os sentidos, associando muitas informações e dicas para quem o queira visitar. Ou para nós que nele vivemos!

 

Contrariamente à maioria dos bloggers nomeados, o que acontece talvez por não terem lido as regras disponibilizadas no site do Versatile Blogger Award, apenas vou falar um pouco de mim, “em sete pontos”, com os autores que me indicaram, o que farei oportunamente através de e-mail.

Discretamente… as regras são para cumprir!!

 

 

 

lisboa colorida

 

IMG_9171

 

Não resisto a publicar esta imagem de Lisboa e da beleza que nos oferece por estes dias.

Obtida a partir do Jardim Ducla Soares, no bairro do Restelo, abrange a Avenida que enquadra a belíssima Torre de Belém, guardiã do Tejo e símbolo da nossa ligação a outras civilizações e culturas.
Mas ela revela essencialmente uma Lisboa feminina, luminosa, colorida e feliz com a parceria que fez com os jacarandás. Uma Lisboa que insiste em emocionar o nosso olhar!

 

 

para sempre

Todas as crianças têm um pai e uma mãe, seja qual for posteriormente o seu contexto familiar. Todas necessitam de afecto, que deve ser genuíno e facilitador do diálogo e da aproximação. No fundo, que parta de um coração e chegue a outro coração!

Dengaz, é um cantautor português que se enquadra nos ritmos rap /hip-hop, estilo que não aprecio especialmente, apesar de considerar que as palavras e as mensagens a eles associadas são bastante interessantes. Porém, Dengaz compôs um tema musical dedicado às filhas e que, sempre que o ouço, me emociona um pouco.

Para sempre é o nome dessa canção e foi inicialmente editada no álbum homónimo editado em 2015. Porém, a versão que mais aprecio, integra uma reedição de 2016 e inclui a belíssima voz do cantor brasileiro Seu Jorge, na sua primeira parceria com um cantor português.

Não sei o que os levou a cantar este tema em conjunto. Gosto de pensar que foi o facto de ambos serem pais e de ambos terem filhas, sendo por isso semelhantes os sentimentos e os afectos sentidos. Certo é que as suas vozes encaixam bem e o tema ficou muito valorizado.

Muitos já o conhecerão, pois ouve-se amiúde nas emissões de rádio portuguesas. Mas isso não me impede de o partilhar aqui, não apenas porque aprecio a mensagem e a simplicidade da música, mas porque gosto do sentimento que está na sua origem, o amor e o afecto que todas as crianças necessitam. Especialmente dos pais. Todos os dias e não apenas neste dia dedicado às crianças.

30

desenho capa

Desde criança que encontraste nos livros a principal forma de satisfazer a tua curiosidade sobre a vida e sobre o mundo.

Cresceste.

O mundo continua a fazer parte das tuas experiências de vida e os livros persistem em ser uma parte fundamental do teu mundo…e também da tua bagagem!

Nesta data folheias uma simbólica página do livro da vida, a trigésima… página ainda em branco, mas por isso mesmo replecta de possibilidades e de leituras!

Um forte abraço de mãe…e boas viagens pela vida!

 

 

 

59…

 

59

 

Num rápido olhar sobre os últimos 59 anos, vejo que…

… fui feliz na década da infância
… ultrapassei sem traumas a década da adolescência/juventude
… na terceira década vivenciei a maternidade com enorme alegria
… passei a quarta década na busca de maior equilíbrio e de novos caminhos
… vivi a quinta década como um tempo de maturação das escolhas
… e nesta última década prestes a terminar, a sexta, percebi entre várias outras coisas, que muito gradualmente todas as células se estão alterando…

Ou seja, estou precisamente a 365 dias de me tornar sexagenária, o que visto das décadas anteriores significava naturalmente “ser velha”…

…porém,

sempre que vejo um parque infantil, tenho uma vontade enorme de entrar…transgredir…sentar-me num baloiço…e andar nele totalmente à maluca!

Será que já estou a entrar na fase de regressão?
Ou será que ainda não cresci?