férias!

 

IMG_1398ab

 

A perspectiva de alguns dias de férias e de praia sem compromissos familiares, é estranhamente inovadora na minha vida. E libertadora!

Será um tempo de tudo e de nada, mas certamente de muito descanso, mar, ondas, areia, caminhadas, amplos horizontes, aves no olhar e, espero, com um céu muito azul a acompanhar. Se aparecerem nuvens… que passem rápido, levando o nosso desejo de boa viagem!

Seremos apenas dois, tranquilamente disponíveis. Connosco, apenas a natureza, alguns pensamentos que a mente nunca deixa ir de férias…talvez outros novos e criativos… livros…papeis, caneta e aguarelas…as máquinas fotográficas de sempre…e tempo, tempo limpo e sem relógios!

O computador irá na bagagem mas sem intenções prévias, porque a mente, o corpo e especialmente os olhos precisam de descansar de monitores. Nessa perspectiva, é muito provável que não apareçam posts nem acompanhe as vossas publicações como sempre tento fazer. Mas se tal vontade surgir, discretamente aparecerei!

Desejo um bom trabalho ou descanso e….até breve!

 

 

 

Advertisements

amarelo e lilás

 

DSC_0581a

 

Harmonioso é o elo que une o lilás ao amarelo…como é expressiva a parceria que une o jacarandá e a tipuana!

Apesar de não estar sol e, naquele dia, uma estranha luz pairar sobre a cidade, o meu olhar ficou fascinado com estas imagens que encontrou na zona de Santos, em Lisboa. Estou certa que terão provocado um sentir semelhante em muitos dos que por ali terão passado.

 

DSC_0580a

 

DSC_0575a

 

DSC_0574a

 

Em certos recantos, o amarelo das tipuanas superava totalmente o lilás dos jacarandás…

 

DSC_0572a

 

DSC_0576a

 

DSC_0567a

 

DSC_0564a

 

DSC_0571a

 

…sendo com este tipo de detalhes que a cidade, em tempo de festa e de descanso, vai partilhando o seu colorido com todos os que nela vivem, trabalham ou visitam!

Espero que o vosso olhar aprecie esta Lisboa!

 

 

 

 

olá verão!

 

IMG_3857a

 

A repetição dos ciclos da natureza marca o tempo da nossa vida. Entre um solstício e outro passam seis meses…até ao seguinte outros seis….o que na prática significa um ano que fluiu em nós como um vento, por vezes brisa, por vezes vendaval.

Hoje, no hemisfério norte, damos as boas vindas a um novo Verão e ao dia com mais horas de luz do ano. Para outros será o oposto. E para os que vivem nos extremos norte e sul desta belíssima esfera viajante do espaço, haverá respectivamente 24 horas de sol ou 24 horas de sombra.

Nesse instante que acontece precisamente às 11h 07m de hoje, os sensores da pele e da retina de quem habita nos quatro “cantos do mundo” estarão a receber informações totalmente diferentes. A relatividade da vida está aqui bem expressa: todos estamos certos, sentindo sensações diferentes ou até opostas!
Que bom seria que esta constatação fosse bem mais ampla e abrangesse outros campos que separam a humanidade! Ou que a diversidade fosse tão naturalmente aceite!

Voltando ao tema de hoje, e ao Verão…

…nos últimos dias, uma irrequieta e instável Primavera foi surpreendida por um calor repentino, abafado, tropical e que deixou o ar quase irrespirável. O corpo não apreciou tão brusca mudança e relaxou. O cérebro, pelo contrário, activou as sinapses e os processos do pensamento mas, curiosamente, orientando-os apenas numa direcção: vontade de férias e de descanso!

Sendo o Verão um tempo de energias positivas, simbolicamente um tempo em que a luz supera as trevas, que essa imagem seja nossa mentora mesmo quando cansados e precisando urgentemente de parar e de descansar. Que se reflicta nas pequenas coisas, no detalhe, na vontade de sentir, de estar, de partilhar. De dar algo.

É esse o desejo que me acompanha hoje…aqui… neste cantinho europeu… neste recanto do mundo…neste Universo infinito em que somos apenas um ínfimo ponto….

…e neste dia em que o Verão decidiu nascer cinzento, ventoso e chuvoso em Portugal!

 

DSC_0553

 

A vida é sempre uma surpresa!

Para uns, que seja um bom Verão…e para outros um Inverno de aconchego!

 

 

 

 

natureza sem limites

 

IMG_5779ab       IMG_5779a

 

A natureza não cumpre regras nem proibições, especialmente no reino vegetal. A necessidade de sobrevivência leva muitas das suas espécies a adaptações ou a explorar novos caminhos, seja perfurando a terra com as raízes ou espalhando pelo ar sementes, poléns ou esporos. O objectivo final será sempre cumprir o seu desígnio, ou seja, perpetuar a vida.

Os seres vivos da imagem acima não “escolheram” um tronco de árvore ou um muro para se desenvolverem como acontece habitualmente com os líquenes, mas um sinal de trânsito localizado na estrada que liga a Cruz Quebrada a Linda-a-Velha, no concelho de Oeiras. Surpreendida, fotografei a situação e mostrei a imagem a uma amiga bióloga a quem recorro para alimentar com os seus conhecimentos científicos a minha curiosidade de leiga.

Assim…

… os líquenes são uns seres vivos que não existem só por si, uma vez que resultam da união de uma alga com um fungo. Estes dois organismos estão sempre no ar, viajam com o vento ou através da água e, caso encontrem um meio propício – húmido e com algum material orgânico onde se agarrar – podem unir-se, e aí, dar  origem a um líquen, uma forma diferente dos seus “progenitores”.

Nesta situação especifica, o material orgânico será mínimo e apenas formado por poeiras e/ou resíduos de terra acumulados em fendas, deformações e na fronteira entre as tintas/películas coloridas que universalmente dão um significado a este sinal de trânsito….e  que apenas a natureza tem o direito de não respeitar!

Fico encantada com este tipo de detalhes!

O nosso olhar tecnológico que tudo tenta abarcar através de um écran, está tão focado com o que se passa no mundo virtual que demasiadas vezes se alheia de episódios naturais que, como este, percorrem os nossos dias. Eles fazem parte da história da natureza a que também pertencemos e que, seguramente, é uma das mais belas existentes.

 

(Obrigada Lília!)

 

 

 

colorindo lisboa

 

IMG_7261

 

Lisboa ameniza o cinzento e a inconstância desta estranha Primavera com a beleza dos jacarandás que recentemente iniciaram a floração, como um relógio da natureza que marca o tempo no colorido da cidade.

Em muitos recantos o seu lilás abraça o céu e as nuvens, noutros encosta-se aos edifícios ou delicia-se a pintar os passeios e as estradas com as flores já caídas, atraindo docemente o nosso olhar……olhar que espera que o sol apareça sem filtros e puro, para saturar as cores, contrastar a cidade e permitir apreciar esta época de uma forma mais viva e límpida.

A cor dos silenciosos jacarandás pontua e acompanha a energia e a confusão das festas da cidade e dos santos populares que agora se vive. E pontua a nossa! Afinal o reaparecimento deste lilás também significa mais um ano no livro da nossa história, no nosso corpo e nas emoções que nele vibram. E indica que a Primavera está prestes a terminar….e que brevemente outro Verão aparecerá no calendário.

Pela minha parte….

…para o ano aqui estarei mais uma vez para partilhar a minha satisfação pela sua presença nos meandros da cidade e, obviamente, nos caminhos do meu olhar!

 

IMG_7281

 

IMG_7256a

 

IMG_7254a

 

IMG_7277a

 

IMG_7279a

 

 

 

pelo mundo do ambiente…

 

Capturar10

 

A Costa Rica é um pequeno país da América Central, actualmente com importantes preocupações ecológicas. Li há algum tempo que, para além da energia gasta ser quase na totalidade proveniente de fontes renováveis, há alguns anos baniu a pesca ao tubarão porque algumas espécies estavam ameaçadas, fechou os seus zoos, está na vanguarda do ecoturismo e, numa próxima etapa, pretende ser o primeiro país do mundo a banir o uso de plástico de uso único, como garrafas de água, palhinhas, sacos, pratos e talheres, substituindo-os por materiais biodegradáveis, não derivados do petróleo e possíveis de compostagem.
Esta vontade não surgiu do acaso, mas da constatação que o próprio país estava a sofrer um grave problema com os plásticos produzidos. Então decidiu actuar e pretende fazê-lo até 2021.

Posto isto…

… neste Dia Mundial do Ambiente, em que os portugueses ficaram a saber que estão a produzir mais lixo (não sei especificamente de que tipo, se corresponde a lixo reciclável e, muito menos, se o país está a dar a devida resposta a esse aumento), e ainda,

… uma semana depois da divulgação pela Comissão Europeia do plano estratégico até 2030 para redução dos plásticos e sua total reciclagem….

…apetecia-me um pouco mais de ambição a este nível!

 

Pergunto:

– Porquê o ano de 2030, o que significa na prática mais doze a contribuir para a poluição do planeta, especialmente dos oceanos, onde já se acumulam enormes ilhas de plástico?

– Porque não assumir a Europa, como “velho continente e por isso talvez mais sábio”, as rédeas de uma intensa campanha de sensibilização, pesquisa e inovação, impondo a ela própria um prazo de quatro ou cinco anos para mudança de um modelo que, definitivamente, está a ser prejudicial a esta bela esfera que nos abriga e sustenta? Não poderia ela abraçar essa grande causa, a par, por exemplo, da Organização das Nações Unidas?

As campanhas resultam, desde que sejam bem organizadas e seriamente divulgadas. As pessoas adaptam-se, mesmo que inicialmente essa mudança de hábitos gere alguma controvérsia. Esse processo é natural.

A verdadeira razão de um “plano estratégico a doze anos” num contexto em que deveria ser urgente, não são as pessoas. Não somos nós que, em percentagem sempre crescente, temos todo o cuidado em separar os diferentes materiais e de os colocar no devido contentor para reciclar; não será também daquele que, apesar de não fazer isso, facilmente se adaptaria a um novo modelo/material menos poluente, mais ecológico e biodegradável; provavelmente a grande razão desse timing exagerado são os interesses económicos associados a uma enorme, produtiva e rentável indústria que “vive e se alimenta” de um material que já foi inovador, mas que o tempo, o mau uso e o abuso tornou prejudicial: o plástico!

 

 

(Imagem retirada de https://marcioantoniassi.wordpress.com/2016/11/12/reciclagem-de-garrafa-pet-bacterias-que-comem-plastico/)