para além do olhar

 

IMG_3403a

 

A existência daquele conjunto de árvores passou literalmente ao meu lado até ao dia em que o seu contorno atravessou o meu olhar e fui atraída pela elegante nudez, despojamento e solidão que exprimiam.

No tronco e nos ramos possuem uma grande quantidade de espinhos agressivos e duros, estruturas que estou certa cumprem bem a sua função e que impedem qualquer tentativa de aproximação. Na prática, apenas o olhar as pode tocar.

Há certas pessoas que são um pouco assim. Que têm o dom de atrair olhares por um qualquer aspecto ou detalhe mais físico, mas simultaneamente afastam a vontade de aproximação, seja pela atitude, pelas palavras ou até energia. São pessoas que têm “espinhos” como este Espinheiro-da-Virgínia (Gleditsia triacanthos L.).

Contudo, tal como esta árvore protege no seu âmago os frutos e as sementes, a sua verdadeira essência, também esses seres humanos “guardam” algo potencialmente genuíno, vital, humano e doce.

Indefinida e difícil poderá ser a forma de contornar esses “espinhos” e de chegar ao que é importante.

Mas tal é sempre possível.

 

IMG_3404a

 

IMG_3402a

 

 

 

boas festas!

Capturar

 

As pequenas searas de trigo germinado (brotos) estão crescidas, bonitas, e com elas o desejo simbólico de uma boa energia para esta época e para o novo ano.

Julgo que este também seria o motivo que levaria a minha mãe a fazer todos os anos diversas searinhas – de trigo, grão e de outros cereais/leguminosas – que depois colocava junto ao presépio. Era uma tradição sobre a qual nunca a questionei porque era simplesmente assim. Hoje sei que esse hábito se estende a várias regiões do país e não apenas ao Algarve de onde era oriunda.

No início de Dezembro o cereal é colocado em água, num recipiente baixo, e assim mantido para que ocorra a germinação. Há muitos anos recuperei esse ritual, que mantenho, não apenas pela memória de minha mãe e simbologia associada, mas pelo prazer de seguir diariamente o seu crescimento.

Actualmente tenho uma amiga que todos os anos me oferece o trigo necessário para as fazer. Na sua família têm o hábito de associar cada membro da família a uma seara, levando a uma certa disputa para ver qual se desenvolve mais…e quem terá o melhor ano!

Nunca saberei se este espírito estaria associado às várias searas que a minha mãe religiosamente cultivava. Talvez. Pessoalmente faço sempre mais do que uma, centrando nelas o meu desejo de um ano de “abundância”, seja qual for o sentido que cada um possa dar a este termo.

Eu prefiro pensar em paz, saúde e afectos. Outros talvez se centrem em algo mais material. Seja qual for a preferência, que seja partilhado. E agradecido. Afinal o espírito desta época é, ou deveria ser essencialmente esse.

Voltando às minhas searas, que o seu saudável crescimento seja um bom presságio. Para mim, para os que me são queridos… e também para os meus leitores!

Boas Festas e obrigada por este dar e receber!

 

 

Entre o Natal e o final do ano estarei ausente do blog. Será uma discreta paragem de alguns gestos habituais como, por exemplo…o ir ao computador!
Encontramo-nos em 2020!

 

 

 

ao inverno

 

kalanchoe ou flor da fortuna 1

 

Há dois dias nasceu a primeira flor da minha Kalanchoe após meses sem florir. A primeira de muitas, pois são imensos os botões que se preparam para esse desvendar para a luz.

O facto de hoje começar o Inverno neste hemisfério norte não perturbou em nada a sua vontade de dar flor, algo talvez natural nesta espécie, não sei. Eu fiquei feliz com isso, porque gosto da ideia de ter esta companhia colorida ao longo do próximo Inverno.

É apenas um detalhe esta primeira flor da minha Kalanchoe. Mas eu gosto de detalhes, são eles que fazem a diferença. Significam que existe atenção, seja com o olhar, seja com o coração. E isso é bom, para nós e para os outros!

Um bom Inverno (ou Verão) para todos vós!

 

IMG_0063a

 

 

 

 

 

la hulotte

F

 

Quando se agarra um projecto de alma e coração, ele tem grande possibilidade de crescer e criar raízes.

A edição da pequena revista La Hulotte é um desses projectos, nascido em 1972 da arte e curiosidade de Pierre Déom, que desde então se empenhou como autor, redactor, desenhador e responsável desta preciosa publicação que semestralmente chega à caixa de correio de cento e cinquenta mil assinantes, entre os quais me incluo.

A sua paixão pela natureza e pela fauna e flora das Ardennes – região localizada a norte de França – levou-o a editar enquanto estava no ramo do ensino o primeiro número da revista em associação com um clube da natureza local.

O sucesso dos primeiros números foi tal que decidiu abandonar o que fazia e começou a dedicar-se unicamente à edição da revista. Pierre Déon tem actualmente 70 anos e para concretizar um número desta revista necessita, em média, de mil horas de trabalho, desde a pesquisa documental, ao contacto com especialistas sobre o tema em causa, ilustração, edição, etc.

Sendo única no género, é uma delícia para o olhar e sempre, mas sempre, uma fonte de aprendizagem sobre a natureza, a que o autor alia um humor muito inteligente.

Sendo uma grande apreciadora desta publicação assim como do empenho e saber do seu criador, não poderia deixar de os divulgar neste espaço.

 

s

Imagem inicial: capa dos nºs 6 a 15 –  https://www.lahulotte.fr/collection_1.php
Imagem final: capa dos nºs 96 a 105 –  https://www.lahulotte.fr/collection_10.php

 

 

 

 

árvore do ano

 

arvore

 

Tal como nos anos anteriores, solicito discretamente  a vosso colaboração na escolha da  Árvore Portuguesa do Ano, exemplar que participará posteriormente no concurso europeu Tree of the Year 2020.

Nesta votação que termina no final do mês de Novembro, pretende-se eleger a árvore que apresenta a história mais interessante, sendo certo que o olhar também terá algo a dizer nessa escolha.

É muito fácil colaborar, bastando para isso ir a esta página, ler a história das árvores a concurso e votar nos dois exemplares que vos suscitem mais interesse. Além do mais é uma forma de sabermos algo novo e sempre interessante.

Estas  árvores agradecem a vossa atenção!

 

Imagem retirada de https://portugal.treeoftheyear.eu/Vote