aviso…

“Partilha-se gratuitamente área natural flutuante com excelente localização e disponível durante a Primavera e o Verão. Espaço muito arejado, soalheiro e com acesso privilegiado para um amplo lago.

Pela sua natureza, pode ser usufruído por inquilinos de outras espécies.”

experimentações #13

De certa forma, este desenho marca uma fronteira no tempo, no estilo e muito na vivência e percurso de vida. Talvez por isso, mais de quarenta anos depois ele continua a ser, para o meu sentir, um dos mais significativos.

Diria que representa o equilíbrio que se deseja entre o que somos/ sentimos/ guardamos, e o modo como o exteriorizamos e partilhamos com os outros, algo nem sempre fácil de conseguir.

Creio que será um trabalho para toda a Vida.

(Dulce Delgado, lápis cor/grafite sobre papel, Agosto 1979)

 

outono

Despede-se hoje o Verão após uma semana meteorologicamente instável, reflectindo um pouco o espírito da estação que esteve entre nós. Foi um Verão algo desconfiado, intercalando o céu azul com o cinzento, as noites amenas com outras bastante frescas, e os raros dias sem vento com muitos de forte ventania. Com variações obviamente entre o norte e o sul do país, revelando o pólo meridional mais sintonia com o verdadeiro Verão.

Tais flutuações meteorológicas impõem uma verdadeira elasticidade mental de adaptação. Aliás, algo bem de acordo com os tempos instáveis que vivemos em que nada é realmente solto e natural, já que a preocupação e os pensamentos “laterais” pairam sobre nós como uma nuvem.

Mas nada disso é impeditivo do avançar do relógio do tempo e do fluir do tempo da natureza…

É nesta dinâmica que o Outono chegará hoje às 14h 31m ao calendário e aos nossos dias. Aos poucos a natureza fará as suas adaptações, começará a olhar para dentro, espalhará as suas cores de Outono, levará as folhas das árvores a viajar com o vento e talvez ofereça alguma chuva consistente.

E nós continuaremos igualmente a nossa adaptação a este estranho tempo que 2020 nos ofereceu, agora ainda mais atentos do que antes porque as circunstâncias actuais assim o exigem. Tentaremos não esquecer os gestos que começam a ficar esquecidos e reforçaremos as emoções que não precisam de gestos, através do cuidado, da atitude, da palavra, do detalhe. Pode parecer pouco, mas é bastante se for verdadeiro e genuíno.

Que seja um Outono (e uma Primavera no outro lado do mundo), ao desejo de cada um!

E cuidemo-nos. Cuidando de nós, também cuidamos dos outros!

gratidão e paz

Ao sol pedi…
…aquece-me

Ao vento…
…leva-me

À chuva…
…refresca-me

Ao amor…
…abraça-me

E por fim,
à Natureza e à Vida…
…tudo agradeci!

(…inclusive o menos bom, mas que sempre vale de aprendizagem!)

Dia 21 Setembro 2020 – Dia Mundial da Gratidão e Dia Internacional da Paz
Gratidão também é Paz!

mensagens

Que mensagem quererá a mãe natureza transmitir nos sinais que vai deixando pela matéria que a constitui e de que ela própria é escultora?

Que linhas e grafismos são estes, pequenos universos indefinidos, desenhados por mão tão hábil em pedras, rochas, cristais, troncos, folhas, nervuras ou flores?

Estarão nestas linhas as respostas ao que interminavelmente procuramos e queremos entender?

Perante esta dúvida imensa, apenas entendo algumas coisas muito simples, porque as vejo, porque as sinto, porque são perfeitas, quase perfeitas…

…como a linha descrita por um ramo de árvore no ar, linha mágica que é o seu caminho, porque foi aquele que a natureza escolheu…como uma pincelada de artista… espontânea… e lentamente escrita no vazio;

…ou os efeitos da paciente erosão sobre certos materiais, como por exemplo sobre as pedras da imagem acima, onde deixou visíveis estas linhas e não outras, estas formas e não outras…transformando cada pedra numa obra de arte;

…ou o maravilhoso processo que leva ao aparecimento de cristais, alguns de forma e perfeição quase incompreensível…

…ou ainda a beleza que encontramos na forma e cor de cada flor, no recorte das folhas, no traço de cada nervura…

 …

Não é importante dar um nome à força/energia que controla estas dinâmicas que nos rodeiam e sensibilizam. Ou que se manifestam em nós próprios, no processo maravilhoso que modelou o nosso corpo, emoções e pensamento.

O que é realmente importante é estarmos alerta para ver, apreciar, “absorver” e equacionar este enorme leque de mensagens disponíveis. Tal atitude apura a sensibilidade, o que de certa forma favorece a capacidade de relativizar aspectos e circunstâncias da nossa vida, muitos certamente não essenciais.

E sobretudo, ajuda-nos a valorizar apenas o que deve ser valorizado.

 

um ponto imenso

 

 

Tal como eu, que já o conheço há algum tempo, muitos de vós já visualizaram certamente este vídeo. Contudo, revê-lo de vez em quando é sempre um momento interessante porque nos relembra e recoloca no nosso devido lugar.

Cientificamente pode ter falhas, mas sinceramente creio que tal não é importante. Ele vale como um todo e pela mensagem que encerra…

…por um lado, ao recordar humildemente a nossa verdadeira dimensão e vulnerabilidade neste infinito espaço que nos cerca e, de uma forma mais indirecta, ao levar-nos a questionar o que somos, os nossos valores, atitudes e o que construímos como sociedade;

…por outro, coloca-nos perante o fantástico e maravilhoso universo que é a Vida existente na Terra, escolhendo o nosso corpo como exemplo dessa vida;

…e por último, intrinsecamente ele revela as capacidades que caracterizam o espírito humano, tendo por base a curiosidade, a criatividade, o conhecimento e a tecnologia. Sem elas, este vídeo simplesmente não existiria.

Ele é sempre uma boa viagem para o pensamento!

 

 

(Desconheço a autoria do vídeo)

 

 

 

os tons da vida

 

IMG_3177

No meu dia-a-dia profissional, o olhar pousa amiúde sobre uma paleta com tintas e acompanha o gesto de encontrar um tom específico que logo será depositado em determinada área de uma pintura em fase de restauro.

Neste vai-e-vem do olhar e da mão, a atenção não fica presa ao acto em si, algo já bastante automatizado depois de anos e anos de experiência. O pensamento vagueia por ali, com e sem objectivo, factor que também depende dos dias, dos momentos, das preocupações e até do grau de empatia com o trabalho.

Neste divagar, recentemente percebi algo interessante…

Na paleta, eu sei com segurança…

…as cores a misturar para certo tom encontrar
…como neutralizar um tom que se quer afirmar
…que misturas não é conveniente fazer
…a importância de um toque mínimo ou de uma velatura no resultado final
…ou o efeito do tempo sobre camadas aplicadas à pressa.

Na Vida, eu nem sempre sei

…que escolha fazer
…como resolver de imediato um problema que tenho pela frente
…as consequências exactas dos meus actos
…como evitar um problema de se agravar
…ou o que o tempo e o futuro dirão das minhas opções

Ou seja, nesta paleta de emoções, de escolhas e de partilha que é a Vida, a mistura de “cores” é totalmente imprevisível. Aqui prevalece a incerteza e as circunstâncias que podem levar de um momento para o outro a uma mudança de rumo ou de estratégia.

Apesar disso, estará na pureza, na qualidade e na escolha dessas “cores” a possibilidade de o “tom final” ser mais genuíno, enriquecedor e duradouro.

 

(e continuei a trabalhar…)

 

 

 

 

talvez…

IMG_1876

 

Dupla identidade?

Maçã em quarto crescente?

Maçã em quarto minguante?

Personalidade bipolar?

A dupla vida da maçã?

Maçã pluralista?

Maçã anti-racista?

Maçã ambígua?

Maçã em contradição?

Maçã em equilíbrio?

Maçã de Adão……ou maçã de Eva?

 

Aceitam-se mais sugestões!!