detalhes sentidos

Neste caminhar, todos passamos por momentos em que nos sentimos enredados/envoltos numa série de circunstâncias que nos perturbam, comprometendo o nosso olhar sobre o mundo e até a nossa forma de estar.

Cada um reagirá de acordo com a sua estrutura no sentido de clarificar e ultrapassar essa situação, mas uma coisa é certa: no meio dessa desordem sempre há detalhes, atitudes ou palavras que nos tocam se estivermos receptivos e que poderão ser uma ajuda, mesmo que indirecta. No fundo, funcionam como provas de afecto e até de confiança.

No centro da imagem acima está uma lâmpada ainda apagada. Um círculo. Simbolicamente um de nós. Num primeiro olhar, envolve-a uma “rede perturbadora” e confusa composta de muito ramos. Porém, se olharmos com mais atenção, alguns desses ramos podem ser vistos como um apoio, afago ou consolo, algo que discretamente nos pode ajudar. Na imagem serão especialmente os ramos inferiores e mais horizontais que transmitem esse sentir, essa espécie de aconchego visual e afectivo ao elemento central.

Em breve, como sempre se deseja, haverá um desanuviamento, uma resposta, uma clarificação e, quiçá até uma sublimação do que nos perturba para algo mais positivo….e o tal “elemento central” voltará a encontrar a energia e a ter a sua luz. Voltará ao desejado equilíbrio.

acasos…

Há acontecimentos que nos levam a pensar se os chamados “acasos”… serão realmente acasos. Questiono-me sobre isso, especialmente quando sucedem na dinâmica do dia-a-dia e se concentram num certo período de tempo. Passo a citar…

————

Horas depois de ter publicado o post intitulado Variação em dois temas, onde relaciono o “Dia das canalizações” com o “Dia do Rim”, um cano de minha casa entupiu, algo que já não acontecia há muitos anos.

Entre a surpresa, a irritação e o decidirmos como resolver a situação, tentei analisar a coincidência e, com um certo humor avancei para mim própria com três justificações: ou é o sistema de drenagem da minha casa a agradecer a atenção dada no referido post….ou é o duende que habita em nossas casas a fazer uma brincadeira de mau gosto….ou então é a “vida” a me dizer simplesmente: “Maria Dulce, tu tens muita conversa e ideias, escreves sobre temas que não lembram a ninguém e hoje até falaste da atenção que as canalizações merecem. Mas, a verdade é que já há muitíssimo tempo que vocês não fazem qualquer manutenção a fim de impedir entupimentos. Portanto, vejam isto como uma lição”.

Não vos vou dizer qual destas hipóteses ganhou maior percentagem de votos na minha mente. Mas, seja ela qual for e depois de resolvida a questão no dia seguinte, logo delineamos um plano de manutenção das canalizações de nossa casa, para que tal não volte a suceder.

Outra situação:

A pandemia e este segundo período de confinamento levaram ao encerramento de lojas não essenciais, como é o caso das retrosarias. Para dar continuidade a um trabalho de tricot precisava de uma lã amarela, mas não a podia comprar no local habitual por estar encerrada.

Porém, já no início do desconfinamento, ao passar junto de uma retrosaria a que raramente vou, verifiquei que a porta estava entreaberta. Espreitei, falei com o vendedor, deixando-me este entrar e procurar no pequeno stock que tinha se alguma coisa serviria. Logo percebi que um dos rolos que lá estava se adequava ao que pretendia e tirei-o. Fiquei boquiaberta e sem palavra quando verifiquei que a marca da lã era “Dulce”.

Foi estranho… estranhíssimo. E naquele exacto momento não tive qualquer dúvida que aquele rolo…estava ali à minha espera!

—————

Nos dias em que ocorreram os episódios acima descritos, outros “acasos” se juntaram ao rol. Diferentes, de outro género, mas que sempre me arrepiam quando acontecem.

Cada um fará a sua leitura deste tipo de situações, sendo que, entre o absurdo e o transcendente o leque será certamente vasto.

Sobretudo, creio que quando estes “acasos” ou “coincidências com sentido” são percepcionados, sempre nos fazem pensar – mesmo que não cheguemos a qualquer conclusão – sobre a Vida e a nossa existência, sobre as forças que nos rodeiam e qual o nosso “papel” no meio de tudo isto.

.

a fuga…

Não,
não gosto de sentir
aquela ideia ou pensamento
naturalmente surgidos
e num ápice perdidos
nas névoas da memória
da idade
e do tempo.

Não,
não gosto desta memória
contraditória
que não sabe agarrar
a energia do meu pensar
e que a nega
sem escrúpulos
para depois eu procurar.

E eu,
que não gosto de perder o que é meu,
deambulo paciente
pelos labirintos da mente
buscando uma pista
detalhe ou acção
que me leve
ao que procuro,
e finalmente
agarrar com toda a atenção!

Por vezes consigo…
…muitas não!

(Nestas situações penso: “Pobre memória, não dá para tudo!”
 E sinto-me um pouco melhor…😉)

(Dulce Delgado, Março 2021)

no feminino

No silêncio da noite e do dormir surge um afrontamento, fazendo jus a uma menopausa que insiste em apreciar a minha companhia.

Se ele é leve e único, o tapa/destapa não afugentará o sono e a noite seguirá normalmente até ao acordar matinal. Mas se é intenso ou vem com réplicas, a probabilidade de anular o sono sobe drasticamente…sendo possível que se instale uma insónia.

A insónia é um perfeito gerador de pensamentos. De todo o género…

…alguns, meio tontos, andam aos tombos na escuridão do quarto… até desistirem de ser. Nascem do nada e vão para o nada;

…outros vagueiam por ali, num toca e foge um tanto cansativo mas por vezes muito proveitoso. É o caso dos pensamentos pragmáticos, construtivos e organizados, aqueles que nos levam a decidir algo objectivo, a resolver o que estava pendente, a esquematizar o que ainda parecia confuso ou a ter tempo para pensar naquilo que aguardava oportunidade. Nesses tipo de pensamentos estão os que se relacionam com familiares ou amigos, formas de os ajudar…facilitar a vida…mimar…etc, etc;

…menos simpáticos são os pensamentos cuja função é fazer “rolo” na nossa cabeça, seja agravando o que muitas vezes é simples, seja fazendo “filmes” mesmo sem guião válido… ou aumentando o grau de ansiedade relativamente a algo que nos preocupa. São bastante astutos e sabem muito bem como nos perturbar, seja “culpabilizando-nos” de algo, seja alimentando as inseguranças que sempre nos habitam;

…e existem os pensamentos curiosos e criativos, aqueles que descobrem uma fresta na porta do quarto…vagueiam pelos recantos da casa e das ideias guardadas…ultrapassam vidros…volteiam no céu nocturno…saltam entre estrelas…escorregam na chuva…brincam no nevoeiro…e fazem mil e uma acções impossíveis de enumerar aqui. E depois voltam felizes e tranquilos à casa-mãe, onde é grande a possibilidade de se transformarem em algo novo e criativo.

Neste rodopio, muitas vezes a insónia fica farta… cansada… e decide desaparecer e dar lugar ao dormir, o verdadeiro titular desse tempo nocturno.

__________

Nas noites seguintes…

…bem, nas noites seguintes tudo pode correr lindamente…ou tudo pode correr mal.

A aleatoriedade da vida está bem representada na “filosofia” dos afrontamentos nocturnos da menopausa, pois o seu aparecimento e frequência é totalmente incerto e incompreensível para a mais astuta cabeça feminina.

Sei apenas…que são sempre uma desagradável surpresa!

a sopa

Sob o meu olhar descansava uma consistente e bem quente sopa com vários legumes; e em mim habitava o tempo e a disponibilidade para deixar o pensamento divagar ao ritmo lento do seu arrefecimento…e do vapor que teimava em embaciar-me os óculos!

Naturalmente fui levada pelos meandros da palavra sopa, seja pelas histórias lidas e vividas, memórias guardadas ou pelo imaginário que sempre nos habita…

……o primeiro pensamento levou-me a um tempo inimaginável para a mente humana e à teoria da Sopa primordial, aquela eventual mistura de compostos orgânicos que poderá ter estado na origem da vida que habita este nosso planeta. Enfim, um assunto demasiado complexo… que logo foi levado pelo vapor…

……lembrei as sopas/refeições altruístas que tantas instituições distribuem diariamente pelos mais desfavorecidos, um pouco à semelhança das antigas Sopas do Sidónio ou dos pobres, uma doação estabelecida em Portugal durante a 1ª Guerra Mundial pelo interino e controverso presidente Sidónio Pais;

……mergulhei nas Sopas de letras, seja naquele passatempo que é um verdadeiro jogo de escondidas entre o olhar e um mar de letras na busca de determinadas palavras… seja naquela Sopa de letrinhas da minha infância, em que pacientemente se tentava escrever na borda do prato algumas palavras com esse tipo de massa;

……continuei pela minha infância/juventude e lembrei as sopas da minha mãe, sempre deliciosas, especialmente a Sopa de beldroegas que eu tanto gostava ou, no calor do Verão, a sua Sopa Fria, semelhante ao gaspacho, mas não triturada;

……imaginei estar a passear/almoçar na zona de Almeirim, no Ribatejo, e numa colherada mágica apanhar a pedra que a tradicional, robusta e excelente Sopa de Pedra dessa região costuma incluir;

……viajei aos dias em que ainda faço uma Sopa alentejana, encimada pelo ovo escalfado e cheirando deliciosamente a coentros. E depois, por oposição…

……um pensamento menos prosaico trouxe-me à modernidade e às pouco saudáveis sopas instantâneas que habitam as prateleiras dos supermercados… e que há muito não entram em minha casa!

Porém, já prestes a acabar de a comer…ainda surgiu o pensamento de que uma sopa também pode ser doce e ter poesia…

……é o caso da Sopa dourada, um doce conventual confecionado com imensos ovos e ainda mais açúcar que está presente em muitas mesas de Natal do meu país…

…..ou da poética e tão portuguesa Sopa do mar, uma abrangente e deliciosa sopa com gosto a ondas e cheiro a maresia!

Entretanto…terminei-a. E estava excelente!

o trilho

Neste trilho que é a Vida, qual passadiço de muitos momentos e elementos justapostos…

…sobrepostos
…quebrados
…instáveis
…frágeis
…fugidios
…escorregadios
…estabilizados
…seguros
…fluidos
…harmoniosos
…emocionantes
…belos

…nós seguimos. E caminhamos.

Sós.

Sós com as nossas escolhas…

…desvios
…indecisões
…arrependimentos
…certezas
…dúvidas
…tropeções
…feridas
…conquistas
…vitórias
…superações

Há um trilho que, indiscutivelmente, é só nosso.

(Dulce Delgado, Fevereiro 2021)

experimentações #18

O papel sempre foi o suporte preferido nas minhas experiências criativas. Em muitos momentos não o utilizei apenas como uma base, mas também como intermediário para chegar a algo.

No primeiro desenho, pequenos retângulos de papel foram utilizado como máscara, preservando algumas zonas de receber tinta; no segundo, um papel foi pintado, cortado e posteriormente colado noutro papel de suporte; e no terceiro, temos o exemplo de uma colagem pura, em que todas as formas foram recortadas de folhas de revistas e posteriormente coladas, permitindo um novo contexto e significado.

Gosto muito da versatilidade do papel e do seu fácil manuseio. Tudo se pode fazer com ele desde que haja criatividade e vontade. Até um papel amarrotado tem uma beleza muito própria. Basta pensarmos que duas folhas nunca se amarrotam do mesmo modo, sendo por isso peças e formas únicas que são palco de jogos de luz/sombra sempre diferentes.

(Dulce Delgado, papel, aguarela e tinta da china sobre papel, 1992)

entre margens

Somos pêndulos em movimento,
fixos à vida
completos entre dois polos.

Por vezes…
somos dúvida
incapacidade
insegurança
dor,

e noutros momentos …
força
certeza
ternura
amor!

Será esta dualidade
a nossa verdadeira realidade?

Como um rio…
…que flui naturalmente entre margens opostas?

(Dulce Delgado, poema antigo e não datado….mas sempre actual!)