acasos…

Há acontecimentos que nos levam a pensar se os chamados “acasos”… serão realmente acasos. Questiono-me sobre isso, especialmente quando sucedem na dinâmica do dia-a-dia e se concentram num certo período de tempo. Passo a citar…

————

Horas depois de ter publicado o post intitulado Variação em dois temas, onde relaciono o “Dia das canalizações” com o “Dia do Rim”, um cano de minha casa entupiu, algo que já não acontecia há muitos anos.

Entre a surpresa, a irritação e o decidirmos como resolver a situação, tentei analisar a coincidência e, com um certo humor avancei para mim própria com três justificações: ou é o sistema de drenagem da minha casa a agradecer a atenção dada no referido post….ou é o duende que habita em nossas casas a fazer uma brincadeira de mau gosto….ou então é a “vida” a me dizer simplesmente: “Maria Dulce, tu tens muita conversa e ideias, escreves sobre temas que não lembram a ninguém e hoje até falaste da atenção que as canalizações merecem. Mas, a verdade é que já há muitíssimo tempo que vocês não fazem qualquer manutenção a fim de impedir entupimentos. Portanto, vejam isto como uma lição”.

Não vos vou dizer qual destas hipóteses ganhou maior percentagem de votos na minha mente. Mas, seja ela qual for e depois de resolvida a questão no dia seguinte, logo delineamos um plano de manutenção das canalizações de nossa casa, para que tal não volte a suceder.

Outra situação:

A pandemia e este segundo período de confinamento levaram ao encerramento de lojas não essenciais, como é o caso das retrosarias. Para dar continuidade a um trabalho de tricot precisava de uma lã amarela, mas não a podia comprar no local habitual por estar encerrada.

Porém, já no início do desconfinamento, ao passar junto de uma retrosaria a que raramente vou, verifiquei que a porta estava entreaberta. Espreitei, falei com o vendedor, deixando-me este entrar e procurar no pequeno stock que tinha se alguma coisa serviria. Logo percebi que um dos rolos que lá estava se adequava ao que pretendia e tirei-o. Fiquei boquiaberta e sem palavra quando verifiquei que a marca da lã era “Dulce”.

Foi estranho… estranhíssimo. E naquele exacto momento não tive qualquer dúvida que aquele rolo…estava ali à minha espera!

—————

Nos dias em que ocorreram os episódios acima descritos, outros “acasos” se juntaram ao rol. Diferentes, de outro género, mas que sempre me arrepiam quando acontecem.

Cada um fará a sua leitura deste tipo de situações, sendo que, entre o absurdo e o transcendente o leque será certamente vasto.

Sobretudo, creio que quando estes “acasos” ou “coincidências com sentido” são percepcionados, sempre nos fazem pensar – mesmo que não cheguemos a qualquer conclusão – sobre a Vida e a nossa existência, sobre as forças que nos rodeiam e qual o nosso “papel” no meio de tudo isto.

.

experimentações #16

Iniciei então um tempo de experimentações, no verdadeiro sentido da palavra.

A necessidade de transmitir mensagens através dos desenhos deixou de ser importante, sento substituída pela vontade de explorar o acaso, a espontaneidade, os gestos e sobretudo os mais diversos materiais.

Apesar da prevalência deste lado tão experimental, sempre se manteve a procura de uma certa harmonia gráfica/cromática a partir do aparentemente inestético e, quantas vezes nascido do imprevisto.

Gostei muito desta fase completamente nova em que prevalecia não o pensamento mas o puro prazer de fazer.

(Gaze, cartão, caneta, aguarela e tinta da china sobre papel, Dezembro 1988)

 

sinais

img_6960

 

Recentemente, de caminho para um supermercado, tentava lembrar-me de algo que sabia ter em falta, que era importante, mas que esquecera de registar na lista das compras na devida altura. Pensei, pensei… mas a memória nada me dizia!

Estacionado o carro, olho em frente e…fiquei atónita! Estava ali, perante os meus olhos e no exterior de um automóvel de uma conhecida agência imobiliária, a resposta que a memória não me deu: a palavra “coentro”, sendo neste caso o apelido do vendedor que utilizava essa viatura.

Foi com uma estranha sensação que entrei no espaço comercial e iniciei as compras. Ao chegar aos legumes, outra surpresa: ao lado de uma caixa replecta de embalagens de salsa, estava uma única embalagem de coentros…a olhar para mim! E eu fiquei a olhar para ela, obviamente satisfeita… mas algo perturbada com mais esta situação. De imediato pensei que estaria danificada, suposição que estava errada. Peguei nestes coentros com todo o carinho… e coloquei-os no cesto.

Fase seguinte: pensar sobre o sucedido…

Seria uma coincidência? Um acaso? Um alerta? Não sei!
Apesar de não ser a primeira vez que me acontece este tipo de situação (que certamente se passa com todos), tentei racionalmente perceber… mas a verdade, é que a mente não foi capaz de o fazer. Apenas me disse…

…que não era importante arranjar uma resposta objectiva e plausível, porque não a iria encontrar;
…que nem tudo é justificável;
…que poderia arranjar uma explicação mais esotérica…baseada na eventualidade de sermos energéticamente “orientados” neste nosso caminho… uma sensação muito pessoal que tenho, mas que sendo uma matéria complexa e que não domino, também não quero ir por aí…
…e disse-me algo mais, talvez o principal: que este episódio marcante serviu para “reavivar” a noção de como é  importante estarmos o mais possível atentos, quer ao que se passa em nossa volta, aos sinais exteriores, quer ao nosso interior, tentando perceber as emoções sentidas e as intuídas.

Tal como o “coentro” escrito naquele automóvel foi a resposta que eu precisava naquele momento, muitas outras respostas ou indicações estarão “perto ou dentro de nós”, mas acabam por não ter reprecurssão na nossa vida porque não estamos suficientemente atentos nem receptivos para as  entender.

Acredito profundamente que uma grande parte do nosso equillibrio estará nesses detalhes, sejam eles vistos, sentidos, percebidos ou intuidos, e na nossa receptividade a essa “troca de mensagens”. Eles são igualmente aquela voz interior que nos diz “vai… segue em frente… persiste nesse o caminho…estás certa…é isso mesmo…” ou, por outro lado, a que nos diz “cuidado…pensa bem…isto não é bom para ti…muda de rumo…” . No fundo e em conjunto, todas estas mensagens, sinais e intuições são a “voz sem palavras”, a energia ou a força que, silenciosamente, nos vai mostrando o caminho.

Sim…é verdade, nem sempre a “leitura” que fazemos está correcta, mas… como seres imperfeitos, como é que poderíamos intuir e compreender sempre esses “sinais”?

Tudo isto… veio a propósito de um estranho ramo de coentros!