2021

Nesta aventura de viver e de acompanhar a passagem do tempo chegamos ao desejado 2021, depois de um inesquecível, turbulento e esperemos que irrepetível 2020. Para muitos de nós, este primeiro dia do ano é o momento de olhar para uma nova agenda… de substituir o calendário na secretária ou na parede…e de encararmos estes novíssimos 365 dias como um “tempo limpo, aberto e disponível”.

O que lhe pedir?

Que seja saudável, íntegro, transparente e equilibrado
Que se revele um tempo gerador/guardador de mentalidades mais iluminadas, solidárias e menos egoístas
Que seja um período de paz, de união e sempre de cooperação

O que lhe podemos oferecer?

Empenho e verdade
Equilíbrio
A nossa curiosidade e espírito de descoberta
Atenção, cooperação, respeito e solidariedade
Gratidão
Genuína alegria

Fazendo uma analogia com o desenho acima, diria que a taça é o tempo “limpo, aberto e disponível” do novo ano, cabendo a cada um de nós proceder ao seu “enchimento” da forma mais adequada e de acordo com os objetivos e princípios que nos orientam.

Mas seja qual for o modo de o fazermos, não esqueçamos de acrescentar aquela irreverência saudável que a vida nos merece, de manter a curiosidade e um certo espírito de aventura, e ainda, de temperar tudo isso com uma genuína alegria. Enfim, não esqueçamos o nosso lado mais infantil e travesso…como esta dupla de coelhinhos sempre me recorda e insiste em mostrar.

Depois de um ano tão denso e sério, desejo a todos vós um 2021 progressivamente mais leve, solto e liberto!

boas festas!

Capturar

 

As pequenas searas de trigo germinado (brotos) estão crescidas, bonitas, e com elas o desejo simbólico de uma boa energia para esta época e para o novo ano.

Julgo que este também seria o motivo que levaria a minha mãe a fazer todos os anos diversas searinhas – de trigo, grão e de outros cereais/leguminosas – que depois colocava junto ao presépio. Era uma tradição sobre a qual nunca a questionei porque era simplesmente assim. Hoje sei que esse hábito se estende a várias regiões do país e não apenas ao Algarve de onde era oriunda.

No início de Dezembro o cereal é colocado em água, num recipiente baixo, e assim mantido para que ocorra a germinação. Há muitos anos recuperei esse ritual, que mantenho, não apenas pela memória de minha mãe e simbologia associada, mas pelo prazer de seguir diariamente o seu crescimento.

Actualmente tenho uma amiga que todos os anos me oferece o trigo necessário para as fazer. Na sua família têm o hábito de associar cada membro da família a uma seara, levando a uma certa disputa para ver qual se desenvolve mais…e quem terá o melhor ano!

Nunca saberei se este espírito estaria associado às várias searas que a minha mãe religiosamente cultivava. Talvez. Pessoalmente faço sempre mais do que uma, centrando nelas o meu desejo de um ano de “abundância”, seja qual for o sentido que cada um possa dar a este termo.

Eu prefiro pensar em paz, saúde e afectos. Outros talvez se centrem em algo mais material. Seja qual for a preferência, que seja partilhado. E agradecido. Afinal o espírito desta época é, ou deveria ser essencialmente esse.

Voltando às minhas searas, que o seu saudável crescimento seja um bom presságio. Para mim, para os que me são queridos… e também para os meus leitores!

Boas Festas e obrigada por este dar e receber!

 

 

Entre o Natal e o final do ano estarei ausente do blog. Será uma discreta paragem de alguns gestos habituais como, por exemplo…o ir ao computador!
Encontramo-nos em 2020!

 

 

 

a linha…

IMG_4600ab

Há uma linha que tudo une. Por vezes é bem perceptível e sentida, noutras invisível e ignorada.
É nossa obrigação, enquanto passageiros do Tempo e da Vida, procurar as pontas dessa linha, tentar uni-las e dar-lhes um sentido ou uma leitura. Seja a que nível for.

Em 2019, entre erros e acertos, espero continuar a construir/compreender a minha história, cujo espírito está subjacente na imagem inicial deste post e que foi composta a partir de pedras que a natureza me ofereceu. Ela revela algo muito simples porque, neste caso, é apenas a história de uma linha.

Oxalá que em 2019 a história de cada um de nós respire essa simplicidade. Seria bom para as energias do mundo. Quanto ao Ano Velho… diria que não foi fácil mas que está perdoado. Que siga em Paz!

Um bom 2019 para todos!