sentir de avó

Neste Dia Mundial dos Avós já sei o que é sentir o aconchego (e o peso!) de um neto nos braços e uma nova ternura no coração!

O nascimento do Vasco em Agosto de 2020 permitiu recordar alguns detalhes já desfocados na minha memória de mãe e, especialmente, perceber que o empirismo intuitivo, a tradição familiar e também a simplicidade logística da maternidade de há quase quatro décadas foi bastante ultrapassada, dando agora lugar a uma maternidade centrada em conhecimentos e conceitos, assediada pelo marketing, e onde a tecnologia está bastante presente através de um mundo de aplicações disponíveis num telemóvel.

Isso leva a adaptações que os avós de hoje têm necessariamente que fazer. Que eu continuo a fazer. Contudo, essas clivagens associadas à passagem do tempo tornam-se secundárias porque as emoções têm muita força e nada interfere com o amor que generosamente cria raízes entre avós e netos.

Sou apenas avó, papel que assumo com alegria, com prazer e com a necessária distância que separa este “segundo” encontro com a maternidade da verdadeira maternidade que vivi por duas vezes nos anos oitenta do século passado.

Percorro um tempo na minha vida em que impera o que me dá prazer e já não tanto o dever, desfrutando cada momento da presença, crescimento, aprendizagens e aquisições do meu neto como algo novo e encantador. E assumo: é realmente um deleite ser avó deste bebé de sorriso cativante e forte personalidade!

——————-

A foto acima foi tirada há precisamente três semanas. Deste então, o Vasco aprendeu a deslocar-se rastejando, chegando onde quer com todo o dinamismo e muita curiosidade, o que requer atenção redobrada.

Dentro de duas semanas, ele já fará um ano!

E eu, dentro de duas semanas…também farei um ano como avó do Vasquinho!💛🤗

(26 Julho – Dia Mundial dos Avós)

avó… incompleta!

Sou avó pela descendência, pelas emoções e pela imensa ternura sentida….mas sou meia-avó no toque e no gesto.

Entre mim e o meu neto sempre existiu uma máscara a nos separar. Reutilizável ou descartável, não interessa. Uma barreira necessária mas uma barreira fria e desumana que impede aproximações mais sensoriais. Na verdade, ainda mal senti aquele “cheiro a bebé” que inspira mimos mais intensos e próximos… ainda não senti a minha face na sua pele macia…e beijinhos, apenas os pés os têm recebido!

Facilmente imaginamos gestos para um primeiro neto. Este nasceu, amo-o profundamente, mas esse imaginário de sensações cutâneas, de toque, abraços e proximidade em parte foi adiado. Porque uma parte importante dos meus sentidos está obrigatoriamente tapada e os gestos impedidos daquela espontaneidade que é tão natural perante um bebé. A vida é realmente um baú de surpresas!

Doem estes tempos a muita gente e por inúmeras razões como todos sabemos. A mim, incomoda emocionalmente este detalhe – que realmente não passa disso mesmo – e o facto de ainda não ser uma avó de pleno direito e de corpo inteiro. Mas compreendo que deve ser assim. Por enquanto.

Com a expansão da vacinação em Portugal acredito que 2021 me fará finalmente uma “avó completa”….com um ano de atraso! Mas apesar da máscara que nos separa e dos gestos que ainda não foram possíveis…o Vasquinho já conhece a avó Dulce e aprecia a sua companhia.

E, quem sabe, talvez a vida ainda me proporcione o prazer de ser novamente avó e de acompanhar o primeiro ano de um neto…sem ser em tempo de pandemia!