the versatile blogger award

 

vba

 

Foi com curiosidade e surpresa que recebi de Fernanda Leal, autora do blog Essência da poesia, uma agradável mensagem informando-me que incluíra este espaço na sua escolha para o Versatile Blogger Award. Ignorando o que tal significava, fui investigar, chegando à conclusão que se tratava de um incentivo e de uma espécie de corrente que fomenta a partilha e a divulgação de blogs no vasto mundo da blogosfera. Curiosamente, dois dias depois ao passar pelo blog Documento de viagem, verifiquei com surpresa que em Maio fora igualmente indicada pelo casal Paula e Marcelo e, ontem mesmo, recebi de Sandro Ernesto, do blog Panografias, outra nomeação. Obviamente que fiquei satisfeita, porque significa o reconhecimento do Discretamente pelos seus pares.

Consultado o site do Versatile Blogger Award e lidas as regras, resolvi então aceitar o desafio proposto, começando por agradecer a esses três bloggers que me nomearam.

Em seguida, devo indicar quinze blogs do meu agrado. Escolha difícil, porque todos os que acompanho têm algo que aprecio. Para facilitar a selecção, decidi que deveriam ser escritos em português (de Portugal ou do Brasil) ou ainda, se escritos em inglês, com temáticas relacionadas com o meu país. Esta escolha “patriótica” justifica-se com o facto de hoje, dia 10 de Junho, se festejar o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, evento que primeiramente será comemorado na cidade do Porto e depois na cidade de S. Paulo, no Brasil, com a presença do sempre bem disposto Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa. Estando hoje os países de língua portuguesa mais próximos, resolvi então homenagear o espírito português.

Gostava de acrescentar que, apesar de apreciar o trabalho dos bloggers que me indicaram, não os incluí nesta lista uma vez que já foram nomeados. Sendo o VBA uma espécie de “jogo de partilha” entre bloggers, preferi dar a hipótese de outros entrarem, aumentando assim o leque de blogs que serão divulgados nas listas. Além disso, ficarão mais pessoas satisfeitas com o reconhecimento!

É esta então a minha escolha, por ordem alfabética:

  • ChronosFeR, de Fernando Rozano, onde são criadas parcerias entre a fotografia, as palavras e a música, resultando uma harmoniosa unidade entre todas essas formas de expressão.

 

  • O blog  Dias com Árvores, onde Paulo V. Araújo e Maria P. Carvalho nos falam do reino vegetal com conhecimento científico e com sensibilidade. Gostando muito da natureza e de plantas, este blog é sempre uma mais-valia.

 

  • Viajo pouco, mas gosto de ler as dicas e as informações práticas que Mel Rolan insere em Listas de viagem. Viajante de muitos continente, ela também aprecia com carinho o meu país, publicando alguns posts sobre ele.

 

  • Sendo para mim a música sentida de uma forma essencialmente emocional e sem qualquer conhecimento teórico, o blog Luis Henriques, do musicólogo açoriano Luis Henriques, apresenta-se em inglês e é o mais “complexo” desta lista. Porém, talvez por isso mesmo, é um desafio que gosto de ler/ouvir. No geral, aprendo sempre qualquer coisa nos posts mais específicos que publica e aprecio o seu trabalho em prol da divulgação da música antiga, nomeadamente da portuguesa.

 

  • Mariel Fernandes, em Mariel Fernandes, mostra-nos “os seus pontos de vista” sobre diferentes momentos, temáticas, mas sempre com grande sensibilidade e actualidade. Gosto muito da forma como trabalha as ideias e as palavras, e como as revela em cada post publicado.

 

  • Multidimensões de um despertar, é o lugar das palavras de Felipe Abras que, em prosa ou poesia, reflectem uma filosofia de vida um pouco diferente e uma sensibilidade que aprecio.

 

  • Não me livro desse blog, de Tiago Masutti, é um blog virado para aspectos mais culturais. Sendo o autor também escritor, tem uma forma de escrever mais elaborada, que alia uma grande capacidade de relacionar os diferentes assuntos a um humor muito próprio. Proporciona uns bons momentos de leitura e com ele, ficamos sempre a saber algo que desconhecíamos.

 

  • Luis Torres chamou ao seu espaço O blog que ninguém lê, mas que certamente é lido por muitos, sendo eu um desses leitores. Versátil em temáticas, gosto da forma objectiva como analisa os acontecimentos da vida pessoal e da sociedade, recorrendo a uma linguagem simples e sem pretensões, pontualmente mais forte e emocional. Mas a vida é essa ambígua mistura de humores e de formas de reagir!

 

  • Em Os meus desenhos,  Fernanda Lamelas, mostra-nos uma forma pessoal e visual de registar os momentos pelo desenho. Gosto do seu risco espontâneo e da forma como enquadra os objectos representados no espaço branco de uma página, permitindo sempre ao desenho um saudável “respirar”.

 

  • Em Patriaamarga, Marcelo Raymundo é um contador de histórias, de encontros e desencontros, de momentos, e de vidas que vão cruzando o seu caminho. Fala de si próprio como “uma mente em constante criação”, frase com que sinto afinidade. Talvez por isso, gosto de passar pelo seu blog e ir vendo o que tem para contar.

 

  • Pedalopelacidade, de Nelson Branco, é o blog de alguém que tem uma grande paixão por bicicletas e que gosta de percorrer a pedalar… o que nós fazemos de carro! Partilha os seus trajectos com prazer, boa disposição e muitas imagens. Apreciando eu também essa actividade (sem aventuras nem obstáculos!), percebo um pouco do espírito que o orienta. Por isso, gosto de “pedalar” no seu blog!

 

  • Leandro Tissiano é o autor de Proseudiaficarmelhor, onde partilha com simplicidade as suas vivências e o que a vida lhe vai ensinando. Escrita sensível e que toca as emoções de todos.

 

  • José Leite é o autor do blog Restos de colecção, um interessantíssimo espaço sobre a história de lugares, acontecimentos, edifícios, eventos, etc, etc. Permite conhecer Portugal de uma perspectiva diferente e aprender imenso com as informações que disponibiliza. É um blog muito português!

 

  • Termino com Salt of Portugal, um blog escrito em inglês, mas também ele de alma bem portuguesa, que resulta do trabalho de Francisca e Sérgio Rebelo, Maria Rebelo, Rui Barreiros Duarte, Pedro Rebelo, Pedro Teles e Tomás Rebelo. Neste blog, os lugares do meu país são percorrido e saboreados com todos os sentidos, associando muitas informações e dicas para quem o queira visitar. Ou para nós que nele vivemos!

 

Contrariamente à maioria dos bloggers nomeados, o que acontece talvez por não terem lido as regras disponibilizadas no site do Versatile Blogger Award, apenas vou falar um pouco de mim, “em sete pontos”, com os autores que me indicaram, o que farei oportunamente através de e-mail.

Discretamente… as regras são para cumprir!!

 

 

 

Advertisements

primeiro ano

 

IMG_8918

 

Faz hoje precisamente um ano que publiquei o primeiro post neste espaço, facto que me merece alguma atenção.

Discretamente tenho tentado “alimentá-lo” de forma variada, de acordo com o que observo, penso e sinto, mas não só, porque ao estar inserida numa sociedade em constante transformação e pródiga em acontecimentos, de uma forma ou de outra alguns detalhes do mundo acabam por estar presentes.

Mais importante do que o número de seguidores ou de posts publicados, de visualizações, número de likes ou de comentários partilhados, é o que ele tem significado para mim, tendo em conta a forma como então justifiquei a sua criação. Nessa altura escrevi …”Talvez porque os anos estão a passar tão rápido quanto os dias, senti necessidade de estruturar o que me caracteriza. Não tenho planos a cumprir...”

É essa palavra “estruturar” que sintetiza o que se passou neste último ano, porque encaro agora este espaço como o meio que me faltava para dar forma e organizar o que estava latente mas não conseguia “agarrar” coerentemente. Ele está a permiti-lo, porque me “obrigou” a objectivar aqueles pensamentos que surgiam e que no momento seguinte se perdiam, a materializar a imaginação que me constrói ou, ainda, a partilhar algumas das emoções que sinto ou lugares a que a curiosidade me leva. Hoje, há textos, poemas, desenhos ou fotografias que não vão para a gaveta e naturalmente são partilhados. E isso tem sido muito bom!

Reaprendi a estar mais atenta, atitude que ficara parcialmente esquecida com o passar dos anos e das rotinas a que somos obrigados e que sempre criam raízes em nós. Tenho hoje a sensação que aquele “olhar” interior e exterior que a todos alimenta, não apenas é mais abrangente como está mais focado e é melhor aproveitado.

Este período permitiu-me ainda organizar os dias de uma forma mais racional porque, apesar das solicitações serem semelhantes, o tempo necessário para publicar 174 posts apareceu…não sei bem como! Obviamente que muitas horas de sono não foram cumpridas, mas sinto que conquistei muito tempo à vida.

Por último, proporcionou-me uma gratificante viagem pela blogosfera, ao facilitar o acesso a páginas de áreas e conteúdos muito variados, algumas literáriamente excelentes. Estou certa que todas serão fruto do empenhamento de pessoas que, como eu e dando o seu melhor, encontraram uma forma de se expressar e de partilha.

Estou grata a todos aqueles que, de uma forma mais ou menos activa e através do blog ou fora dele, me têm incentivado ao longo deste ultimo ano. Será por mim e por eles, que espero continuar. Assim  a vida o permita.

 

 

 

centésimo

buganvilia  e se fosse eu a harpa e Kora  ioga portugalex primavera passadiços apenas um agradecimento desenho linha do horizonte harmonia  novo tempo cosmética 29 doar duetos marcelo rebelo de sousa nevoeiro no tejo  lisboa e os jacarandás gif jo cox solstício de verão o tejo e a ponte moda bd man sonhar turismo industrial unir as ondas no mar e na vida a escrita das ondas liberdade ética desejos….

 

Discretamente, seis meses após o início deste blog e 99 posts depois, posso afirmar:

– que a “ansiedade” sentida antes de carregar pela primeira vez no botão publicar foi inesquecível, por estar em causa a decisão de me expor, ou não;

– que foi importante sair da zona de conforto e avançar, apesar da possibilidade de frustração ser real e a evolução deste projecto uma incógnita;

– que um passo deste tipo só deve ser dado se nos sentirmos capazes de aguentar qualquer crítica;

– que foi um momento especial o primeiro comentário e like que recebi!

– que na dinâmica e gestão de um blog existem os dias muito bons, os dias razoáveis, os indiferentes e os totalmente frustrantes;

– que é necessária alguma integridade para não cair naquele jogo típico das redes sociais do “eu sigo-te, para depois tu me seguires”, apenas com o fim de obter seguidores, visualizações ou likes. Diria que o meu blog é honesto, pois apenas sigo quem aprecio;

– que é um prazer descobrir, explorar e seguir outros blogs;

– que é muito estimulante ser seguida e incentivada por pessoas que conheço, mas também por outras que não conheço;

– que magoa a indiferença de alguns de quem esperaria todo o apoio.

e ainda:

– que um olhar atento leva a mil descobertas dentro e fora de nós
– que uma ideia chama outra ideia
– que a imaginação é uma fonte de inspiração
– que a vontade de escrever é uma espécie de “vício” que nos deixa saudavelmente dependentes

e, finalmente,

que esta aventura se está a revelar muito enriquecedora!

 

balanço

 

A necessidade de fazer balanços e pontos de situação faz parte da condição humana, estando sempre no horizonte a possibilidade de proceder a ajustes ao caminho escolhido. Ou não seja a dúvida uma componente sempre presente na nossa racionalidade.

Dois meses após ter iniciado este blog, quando revejo os posts que nele inseri, uma parte de mim questiona-se relativamente ao caminho que estou a seguir, especialmente quando ouço ou leio diariamente notícias que me incomodam e revoltam. Ao viver num mundo como o nosso, onde se mata uma ou cinquenta pessoas apenas porque pensam e sentem de maneira diferente; onde milhares de outras continuam a fugir de países em guerra e muitos outros se recusam a ajudá-las; onde existem desigualdades gritantes a todos os níveis; onde falta a liberdade por questões religiosas e se cometem atrocidades em nome de um Deus; onde a guerra e as armas são um negócio em que a vida humana não tem valor; e onde, entre muito mais coisas que poderia apontar, crianças são vitimas de abusos sexuais ou crescem no corredor da morte à espera de atingir os 18 anos. Se a isto juntar o egoísmo desenfreado de alguns a nível económico e o mal que essa atitude tem trazido ao mundo…..por momentos dou comigo a questionar-me…. que sentido tem o meu blog, tal como o estou a construir? Que importância tem o “meu mundinho”, os meus poemas, os meus desenhos ou o que penso sobre determinado assunto, quando são tantas e tantas as realidades duras e cruéis que poderiam ser alvo de um comentário?

Se, em certos momentos, uma parte de mim tem sérias dúvidas…… no momento seguinte aparece o outro “eu”, aquele que constitui a minha vertente mais positiva a dizer que, se seguisse esse caminho mais sombrio e realista, pouco mais poderia acrescentar a estas “dores do mundo”, diariamente analisadas e comentadas por muitas pessoas bem mais especialistas do que eu. No entanto, o facto de até aqui não ter optado por certos assuntos, não quer dizer que não sinta revolta. De modo nenhum. Porém, ao seguir maioritariamente por essa via estaria a “remexer” em energias que nada constroem. E pouco acrescentaria às pessoas que me seguem ou que têm acompanhado o desenrolar dos posts, todas bem conscientes dos problemas do mundo e, provavelmente, até mais actuantes do que eu.

Ou seja, ao colocar numa balança estas duas vertentes… a que mais pesa, a que mais tem a ver comigo é, sem dúvida, a que alimenta a positividade, a que acredita nos pensamentos e nas energias positivas como forma de alterar e neutralizar o que de menos bom existe. O prato da balança que melhor me define é, seguramente, o que acredita que a pequena energia de cada um, se for orientada no bom sentido, pode contribuir para uma grande energia que ajude este mundo a se equilibrar e a melhorar. Talvez seja utópica…. ou talvez não!
E acredito que essa contribuição pode estar nos pequenos actos, nomeadamente no dar, partilhar, criar, construir, levar a um pensamento agradável, a um sorriso, mostrar outras perspectivas, alimentar a imaginação ou tocar alguém de uma forma diferente da habitual. No fundo aquilo que eu tenho tentado fazer neste dois meses de vida do blog.

Apesar das dúvidas, creio que será essa a via que vou essencialmente continuar a percorrer. Mas não posso nem quero impedir-me de, em determinado momento, seguir por outra mais realista ou negativa, porque algo me indignou especialmente. Porque em todos nós, há dias e dias.