de castelo em castelo

Estrategicamente posicionados são imensos os castelos que enriquecem a paisagem de muitos países. Localizados normalmente em posições altaneiras, a maioria terá cumprido no auge da sua existência a missão para que foram edificados. Em Portugal são muitos os que pontuam o horizonte sendo variados os seus estados de conservação. Certo é que são lugares de muita história, mas igualmente de amplas vistas e sempre uns agradáveis locais de visitação.

Mas outros castelos existem, bem mais voláteis que estes e que tocam a nossa existência…

…é o caso dos castelos de cartas que quase todos construímos em criança e que, por mais cuidado que tivéssemos, um sopro ou um nada os faria desabar sem dó nem piedade. E lá se ia mais uma tentativa…

…também os castelos de areia passaram pelas nossas mãos. Construídos a partir de um balde ou moldados manualmente, com eles formamos efémeras paisagens que uma onda sempre acabava por engolir. Surgia então aquele “Ohhhh” que já espreitava dentro de nós o momento de se manifestar.

Já os castelos construídos longe de ondas não seriam engolidos pelo mar, mas sim destruídos pelo sol e brisas, num desmoronar lento e bem mais doloroso. Diria que para qualquer castelo de areia o fim é seguramente a destruição.

…fim semelhante mas um pouco mais prosaico têm os castelos no ar ou castelos de vento, aqueles sonhos impossíveis e sem fundamento que alimentam a nossa mente. São as utopias, grandes ou pequenas, que mais tarde ou mais cedo se vão como o vento!

…já no campo alimentar recordo o castelo da melancia, que correspondia à parte central desse fruto. É um termo que trago da minha infância e que era muito desejado por ser o mais doce e não ter pevides.

…curiosa, é também a ideia da clara de um ovo ter potencial para virar castelo, dando origem às famosas claras em castelo, aquelas construções de consistência espumosas e efémera existência que são o segredo de muitos doces e preciosas na pastelaria.

..novidade para mim, foi descobrir recentemente a existência dos termos náuticos castelo de popa e o castelo de proa, que referem zonas localizadas respectivamente nas traseiras e na frente de uma embarcação.

…em Portugal, a palavra castelo, tem ainda o potencial de emprestar o seu nome a muitos aglomerados populacionais de dimensão variada. Temos por exemplo as cidades de Castelo Branco e de Viana do Castelo, assim como as vilas/aldeias de Castelo de Paiva, Castelo Rodrigo, Castelo de Vide, Castelo Melhor, Castelo Novo, Castelo Bom, Castelo Mendo, entre muitas outras que agora não recordo. Entra igualmente no nome de uma das maiores barragens do país, a de Castelo do Bode, localizada no centro de Portugal.

…e por herança familiar, a palavra castelo é ainda apelido de muitos portugueses e provavelmente de pessoas oriundas de países de expressão portuguesa.

Porquê este divagar, perguntarão?

Porque hoje é o Dia Nacional dos Castelos.

E não desfazendo no significado deste dia no conhecimento e preservação dessas estruturas históricas ou o quanto aprecio “conquistar” mais um esteja ele onde estiver, também adoro este jogo de explorar uma palavra em todas as suas vertentes e possibilidades.

E hoje foi o dia de castelo!

tavira

 

IMG_2760a

 

Tavira é uma urbe que se localiza no sotavento algarvio – mais precisamente a leste desta província do sul de Portugal – e comemora este ano os cinco séculos da sua elevação a cidade. Mas são longínquos os antecedentes históricos da região em que se insere, sendo vários os povos que a invadiram e ocuparam. Os primeiros conhecidos são os fenícios no séc. VIII a.C., mas foram os romanos e os árabes que por ali passaram mais tempo, aproveitando a boa localização da cidade junto ao Rio Gilão e à Ria Formosa.

O facto de ter passado recentemente uns dias de férias nesta cidade e usufruído das belas praias da região, leva-me a partilhar algumas imagens assim como alguns aspectos que me parecem interessantes.

Começando pelas praias, refiro apenas os 11 km de areal existentes na ilha de Tavira – uma das cinco ilhas barreira que protegem a Ria Formosa – e que é acessível por barco a partir da cidade de Tavira e da vila de Santa Luzia, que lhe fica próxima. Para a Praia do Barril, também nesta ilha, existe a possibilidade de ir a pé ou num pequeno comboio que atravessa o sapal sobre uma ponte aí construída.

São praias belíssimas, amplas e em que a água do mar tem uma temperatura média de 22/23ºC. Enquanto ali permanecemos a temperatura esteve nos 24/25ºC, o que foi  simplesmente fabuloso.

 

IMG_2770a

 

IMG_2769ab

 

Voltando à cidade de Tavira, esta é muito harmoniosa contrariamente a outras do Algarve em que a pressão turística levou à construção desenfreada de edifícios com grande altura. Aqui, a linha do horizonte não foi invadida por prédios altos, o que é muito agradável de constatar.

Nas duas imagens que se seguem, partilho um aspecto da cidade visualizado a partir do Castelo, uma fortaleza conquistada aos muçulmanos por volta do ano 1240 d.C. e ainda um detalhe do interior desta construção fortificada.

 

IMG_2850a

 

IMG_2853a

 

Um olhar mais pormenorizado sobre a cidade permite perceber que mesmo as construções mais recentes harmonizam de certa forma com a traça original, seja em volumetria seja em certos detalhes arquitectónicos.

 

IMG_2878a

 

IMG_2849a

 

O branco predomina nas fachadas e reflecte o quente sol algarvio. Aqui e ali, zonas de lazer, jardins e esplanadas permitem o descanso e a frescura que se deseja nos dias de maior calor. A Praça da República, onde se encontra o edifício da Câmara Municipal é um desses locais de encontro.

 

IMG_2871a

 

São muitas as igrejas que pontuam a cidade com as suas torres brancas. Partilho apenas um aspecto geral e um detalhe da Igreja Matriz de Santa Maria do Castelo, hoje monumento nacional, e que se diz que terá sido construída entre os séculos XIII e XIV sobre a antiga mesquita.

 

IMG_2868a

 

IMG_2865a

 

O rio que atravessa a cidade e que nasce na Serra do Caldeirão, tem dois nomes: Séqua até à ponte romana e Gilão até à foz, o que acontece na zona das Quatro Águas em plena Ria Formosa. Corre tranquilo, espelhado e refresca o ar e o olhar.

 

IMG_2881a

 

A chamada Ponte Romana, já muito transformada mas ainda com algumas características dessa época, é umas das ligações pedonais existentes entre as duas margens do rio. No coração da cidade une as praças mais procuradas e é percorrida por muitos locais e turistas, sendo certo que este ano estes últimos estão bastante ausentes.

 

IMG_2874a

 

IMG_2873a

 

Nas grades de protecção dessa ponte, assim como acontece em imensas passagens pedonais noutros lugares do mundo, os cadeados estão presentes e relembram amores anónimos que por ali passaram. Amores de hoje… e muitos certamente já do passado e dissolvidos no tempo.

Não deixa de ser curiosa esta necessidade humana de tentar materializar e  “eternizar” sentimentos tão íntimos e sensíveis de uma forma tão rígida, metálica e fria. Faz-me pensar…

 

IMG_2872a

 

Ficam os cadeados como instantes de um tempo que passou… e fica igualmente por aqui este meu olhar discreto sobre a cidade.

O resto é para descobrir, porque Tavira e o seu concelho têm muito para nos oferecer.

Em harmonia, guardam lugares, história, locais de culto, natureza, belas praias, muito mar e, principalmente, um tempo de muita tranquilidade pronto a ser apreciado.

 

 

 

 

.

por torres novas

 

torres novas

 

Gostando de surpresas, aprecio tudo o que positivamente me surpreende. Foi isso que sucedeu numa recente passagem pela cidade de Torres Novas, urbe do distrito de Santarém e localizada nas margens do rio Almonda, um afluente do rio Tejo.

O principal motor desta incursão pelo Ribatejo foi conhecer as grutas da vila de Lapas, localizadas nos arredores da cidade e recentemente abertas ao público de forma regular apesar de estarem classificadas como Imóvel de Interesse Público desde 1943.

Estes túneis labirintos foram escavados no morro onde assenta a aldeia, razão porque esta adoptou o nome de Lapas. O percurso visitável é apenas uma parte dessa rede, uma vez que muitas estão em terrenos privados e foram reaproveitadas para adegas, arrecadações, etc,. É um espaço diferente, também pelo facto de terem sido talhadas por mão humana.
Deixo o link sobre o que oficialmente é dito deste local. A nível popular, há quem as associe a lendas e outras histórias.

 

IMG_0655a

 

Deixamos esta aldeia e seguimos para o centro da cidade de Torres Novas, começando por ir ao acolhedor castelo que o rei D. Sancho I conquistou aos mouros em 1190. Este possui onze torres, permite uma ampla vista sobre a área envolvente e no interior guarda um tranquilo jardim. Foi alvo de várias reconstruções, sendo a última datada de 1940.

 

IMG_0688ab

 

IMG_0671c

 

IMG_0675c

 

IMG_0682

 

Em seu redor, especialmente para norte e leste, e ladeando os meandros do rio, desenvolve-se um amplo parque verde com vários equipamentos municipais.

 

IMG_0718c

 

IMG_0735c

 

IMG_0720c

 

Mais antigos são o Açude Real, que foi fundamental no reencaminhar das águas para importantes unidades fabris que existiram na cidade e ainda a Ponte Pedrinha, que tem por perto uma tarambola gigante que continua a rodar serenamente.
Penso que as imagens transmitem melhor a ambiência do que qualquer palavra.

 

IMG_0709c

 

IMG_0697c

 

IMG_0694c

 

Por último, ainda visitamos na periferia da cidade as ruínas romanas de Vila Cardílio, um espaço que necessita de alguma atenção e investimento, o que se espera ocorra brevemente.

 

IMG_0769b

 

IMG_0759c

 

IMG_0763c

 

IMG_0766c

 

Como nota final, o facto de todos estes equipamentos (grutas, castelo e ruínas romanas) serem de acesso gratuito. É claro que isso sabe bem, mas penso que deveria ser cobrada uma taxa, mesmo que mínima e simbólica, para ajudar à sua manutenção. Verifica-se muitas vezes que tudo o que é fácil de adquirir acaba por não ser devidamente apreciado e cuidado.

Neste link encontram muitos locais com interesse na bonita região do Ribatejo. A cidade de Torres Novas é apenas um deles!