outono vai, inverno vem

 

IMG_4218ab

 

Será exactamente às 16 horas e 28 minutos de hoje, o dia mais curto do ano, que faremos a despedida do Outono.
Ele vai de viagem, talvez agarrado às folhas secas que ele próprio ajudou a se despedirem das árvores. E com elas voará até ambos se desvanecerem no tempo.

Nesse mesmo instante, o Inverno tomará o seu lugar. Em Portugal virá soalheiro, fresco e com fraca personalidade, o que é pena. Mas precisamos de acreditar que será uma timidez inicial, que em poucos dias se habituará ao novo lugar e mostrará os seus dotes, porque necessitamos dele com garra, bem invernoso e especialmente com muita chuva. E frio também, se isso contribuir para que se sinta mais feliz. A natureza ficaria profundamente grata…e nós ficaríamos profundamente gratos à natureza.

Por isso, que seja um verdadeiro Inverno!

E em nós, que seja um profícuo tempo de introspecção!

Já para os meus leitores do hemisfério sul, que se revele um excelente Verão!

 

 

Advertisements

s. martinho

IMG_3690

Segundo a lenda, S. Martinho  de Tours foi uma altruísta alma quando há muitos séculos atrás rasgou ao meio a sua capa para proteger dois mendigos do frio. Por tão bondoso acto, Deus decidiu afastar as nuvens para que o sol aquecesse o seu corpo.

Então o sol, fazendo jus à tradição, foi sempre voltando nos dias de S. Martinho para nos brindar com “três” soalheiros e amenos dias que iluminavam outonos já acinzentados, frescos e chuvosos. Obviamente que este número era variável, mas sempre apareciam e eram bem recebidos.

Mas isto acontecia quando o clima deste nosso planeta era equilibrado. Entretanto…tanto o incomodamos que ele mudou de atitude, ficou alterado, confuso e deixou de ligar às tradições. No meu país, por exemplo, estamos a viver uma espécie de S, Martinho perene, apesar de estarmos a meio do Outono. Meses e meses sem chuva deixaram o país em seca extrema e numa situação muitíssimo preocupante. O céu apenas nos brindou com chuvas muito pontuais, algumas no momento certo de apagar alguns incêndios, mas persiste em continuar muito azul, sendo essa a previsão para os próximos tempos. Apenas o frio está a dar um ar da sua graça.

Diria que o S. Martinho se instalou confortavelmente neste recanto do sudoeste europeu, depois de nos visitar anos a fio apenas como turista.  Agora, parece que se tornou residente…

Por isso, tendo em conta este contexto e neste seu dia…

…peço encarecidamente ao S. Martinho de Tours que faça umas férias noutra região deste planeta, permitindo assim que as nuvens se aproximem e a chuva caia nesta Ibérica Península tão carente desse precioso liquido.

Precisamos que a chuva regue as nossas raízes, as nossas árvores, faça crescer a relva e as culturas dos nossos campos, alimentos vitais, quer para os animais quer para nós.

É ainda urgente que a precipitação tenha alguma continuidade de forma a encher as nossas barragens que estão praticamente vazias, assim como a restabelecer o nível dos aquíferos que alimentam o nosso solo e as nossas fontes naturais, agora quase esgotados.

Ao partir… deixaria o Outono ser, o Inverno acontecer e nós ficaríamos eternamente gratos!

 

Entretanto…enquanto o S. Martinho medita neste pedido que será certamente o de milhões de portugueses, apreciemos as tradições deste dia de convívio, de muitos petiscos e de castanhas assadas acompanhadas de água-pé ou jeropiga. E que em muitas regiões do país, a tradicional prova do vinho novo que hoje se realiza, revele um bom ano vinícola.

Que procuremos a alegria no meio da tristeza!

 

 

 

fogo e água

 

IMG_7138

 

A chuva caiu no momento mais desejado. Caiu e apagou numa única noite, muitos dos incêndios ainda activos, das centenas que deflagraram no último fim-de-semana no meu país. Novamente.

Fogos nascidos maioritária e intencionalmente de mãos humanas, porque os fogos raramente deflagram sozinhos. Fogos loucos e dramáticos que voltaram a matar dezenas de portugueses, pessoas que apenas viviam mais um fim-de-semana das suas vidas.

A chuva caiu e apagou o fogo que já apagara muitas vidas..

…talvez essa chuva tenha evitado o desaparecimento de outras;

…talvez a Natureza tivesse pena deste pequeno país em fogo;

….ou, talvez a Natureza não quisesse mais sofrimento neste solo, nas nossas florestas, nos animais e neste povo.

Não havendo culpados conhecidos, gosto de acreditar que existe algo Superior, com discernimento, equilíbrio e que sabe o que faz.