detalhes citadinos

Lisboa sempre nos oferece curiosos detalhes, seja qual for a área da cidade que nos acolha. O facto de profissionalmente me enquadrar entre as zonas de Santos e Alcântara, leva a que privilegie esse segmento da capital para os passeios que faço habitualmente à hora de almoço, seja a um ritmo activo ou mais tranquilo e fotográfico.

Nesse deambular passo inúmeras vezes pelas pequenas caravelas em pedra inseridas nas fachadas de algumas habitações desta zona da cidade, baixos-relevos cujo estado de conservação varia entre o bom e o bastante mau. Li que existem elementos deste tipo noutras zonas da cidade próximas do rio Tejo, mas ainda não os fui procurar.

Creio que ninguém saberá ao certo o seu verdadeiro significado, sendo várias as versões conhecidas. Uns dizem que estariam na fachada de edifícios onde habitavam pessoas cuja profissão estaria relacionada com o mar; outros afirmam que poderiam ser marcos sinalizadores relacionados com os limites do município, cujo símbolo tem por base uma caravela. Outras versões existirão certamente, mas deixo isso para historiadores e especialistas na matéria.

Eu prefiro o papel de observadora destes curiosos detalhes que pontuam a cidade e de deixar a imaginação “navegar” com eles por onde quiser. O importante é constatar que ainda persistem, sendo um legado que temos a obrigação de cuidar, preservar, apreciar e partilhar.

Calçada da Pampulha nº 4 e Rua Presidente Arriaga nº 124

Rua Presidente Arriaga, nº136/138 e nº142

Rua Presidente Arriaga, nº150 e nº152/154

Rua Presidente Arriaga nº172, e Rua Prior do Crato nº40

Rua Prior do Crato nº175 e Rua da Costa nº43

Rua da Costa nº63 e Travessa da Costa nº81

Com um enquadramento diferente, outras caravelas podem ser vistas nesta zona, como a existente no Fontanário nº10 localizado da Praça da Armada e ainda na fachada do nº19 da Calçada do Livramento, esta de maior dimensão e creio que bem mais recente.

Estas imagens mostram claramente que alguns destes elementos se encontram em mau estado de conservação e que não tem havido cuidado na sua preservação. Se a erosão e a poluição são importantes factores de desgaste, também a incuria humana tem dado uma boa contribuição. Aliás, a presença de cabos electricos e de telecomunicações colocados sobre alguns estes baixos-relevos é bem demonstrativa disso.

Numa pequena investigação que fiz encontrei referência a outras caravelas…mas in loco não existiam, provavelmente porque as fachadas dos edifícios foram remodeladas e/ou esses elementos entretanto retirados.

Antes de terminar, gostaria ainda de referir que a imagem que inícia o post é um detalhe da fachada da habitação nº10 da Rua da Costa e que a zona da cidade onde todos estes elementos se encontram está assinalada no mapa abaixo.


Neste vaguear recolhi outro tipo de detalhes que oportunamente poderão dar origem a uma publicação de titulo semelhante mas de conteúdo bastante diferente.

Advertisement

ao movimento…

…presente em cada momento!

…no barco que desliza no rio
        num pensamento sem norte,    
        num desejo em desvario
        tentando a sua sorte

…no ramo que vai e volta
        de uma árvore sem idade,
        no pombo ou na gaivota
        que voam pela cidade

…no carro que passa na ponte
        na nuvem levada pelo vento,
        na água que corre da fonte
        p’ra boca de alguém sedento

…nos corpos que vão e vêm
       com raiva, ternura ou dor,
       querendo o que não têm
       ou mostrando o seu amor

…no sangue que te corre nas veias
       na vontade de respiração,
      e na força com que desejas
      o pulsar de uma emoção!

Dulce Delgado, poema não datado

pela cidade

Cidade de gente apressada
cidade de gente indiferente…

Gastam passos sem sentido
passam esquinas, casas, dor
pisam pedras,
pisam gente
negam um olhar decente
ignoram que há luz e cor
e tanto para ser percebido.

Abranda o passo,
esquece o tempo por  momentos
e usa a cidade com amor,
acaricia as pedras ao andar
faz de cada esquina uma descoberta
e de cada azulejo uma obra de arte.

Deixa a cidade tocar-te,

procura no outro uma janela aberta
e põe um sorriso no seu olhar!

Poema e desenho de Dulce Delgado, ambos com mais de três décadas mas de uma temática que se mantem actual. Diria apenas que o poema revela um pouco de idealismo a mais…

 

pequenas invasões

Desde ontem, em consequência da passagem da depressão Célia, assistimos à invasão de uma nuvem poluída e de cor alaranjada proveniente do norte de África formada por finas poeiras em suspensão. Um estranho “filtro” que se interpôs no exterior entre o nosso olhar e tudo o que ele abrange.

Num campo totalmente diferente, outra invasão aconteceu recentemente no terminal de Alcântara do Porto de Lisboa, quando o vimos ser ocupado por quatro gruas gigantescas de origem japonesa, as quais, segundo li, são o supra sumo em tecnologia. Além disso, o seu tamanho e funcionalidades irão permitir a atracagem de navios porta-contentores igualmente gigantes, o que até aqui não sucedia.

Isto significa que a partir de agora, o olhar de quem habita e/ou trabalha naquela área da capital e desfrutava de vista para o rio foi violado por estes quatro monstros que, em certos ângulos, abafam totalmente a bela ponte 25 de Abril. Pessoalmente, deixei de ter a sua elegância no meu olhar e passei a ter umas descomunais estruturas vermelhas e brancas que ainda não consigo aceitar. E como eu, tantos outros sentirão certamente o mesmo.

Relacionando tudo isto….

…a invasão deste respirar poluído foi por momentos metaforicamente sentida como a “materialização” da “nuvem” que se abateu ultimamente sobre a energia do mundo, algo que a minha esperança precisa de acreditar que terá um fim em breve… tal como a poeira do deserto desaparecerá e dará lugar a um bonito céu azul;

…mas nada diz a minha esperança sobre a invasão das gruas-monstros, que ficarão para sempre como intrusos na “alma” desta zona ribeirinha de Lisboa. De um dia para o outro, a minha e muitas janelas foram amputadas de uma vista que me encantava todos os dias há quarenta e um anos. E sinto-me triste por isso.

Numa época em que a palavra “invasão” assombra as nossas mentes e transformou o tempo que habitamos, este post é apenas um conjunto de pequenos detalhes e emoções associadas a essa palavra que infelizmente reentrou em força no nosso vocabulário pelas piores razões. Porém, também ficará associada a uma grande “invasão de solidariedade”!

Diria, para terminar, que ele se centra nas pequenas “invasões” inócuas que vão marcando os nossos dias…porque a vida continua para além daquela (im)possível e bárbara invasão da Ucrânia.

reencontro

Ao iniciar mais um período de amadurecimento dos seus frutos, esta nespereira informa silenciosamente os que habitam ou trabalham por perto que passou mais um ano na Vida de todos nós.

Esse cíclico frutificar atrai muitas aves, sendo presença certa os barulhentos e assustadiços Periquitos-de-colar (Psittacula krameri) que diariamente a visitam em busca de nêsperas “prontas-a-comer”…não sei se como prato principal ou apenas como uma deliciosa sobremesa.

Na maioria das vezes o simples e cuidadoso gesto de abrir a janela para os fotografar é suficiente para logo fugirem. Aliás, creio que há alguns anos eram bem mais tranquilos e menos assustadiços, o que facilitava esse objectivo. Quem sabe…talvez o constante stress da vida citadina os tenha levado a reagir com mais medo e maior nervosismo…

Este exemplar, apesar de desconfiado, permitiu-me fazer os registos que hoje partilho. E eu agradeci-lhe no final, com o desejo sincero que nos possamos rever e reencontrar no próximo ano!

Entretanto mudou de ramo…

Olhou para a janela desconfiado…ou talvez a se despedir…

…e depois fugiu!

Foi simpático!👍

momento único

Nas entranhas da cidade,
dois olhares
presos no magnetismo de um instante.

Unidos ficaram
num momento doce, intenso e único,
apenas o tempo de uma paragem
infinitos segundos
antes de outra viagem.

Partiu o Metro
e a janela que os uniu,
prolongando-se o olhar até ao túnel
desaparecendo no escuro
mas não em quem o sentiu.

Nas entranhas de um corpo
ou na memória da idade,
ficou aquele olhar
pairando pela cidade.

Dulce Delgado, desenho e poema (1978/79?) 

em tons de tipuana

Em tons de Tipuana nasceu este post, porque são umas árvores magníficas e porque gosto imenso do amarelo das suas flores.

A tipuana (Tipuana tipu) é, tal como o Jacarandá, uma espécie oriunda da América do Sul que se adaptou muito bem ao nosso clima. Floresce em Junho, altura em que pinta de amarelo muitos recantos e jardins do nosso país.

Em certos locais ainda se mistura com o lilás dos jacarandás numa bela parceria, como partilhei num outro post publicado faz hoje precisamente três anos.

Este conjunto de imagens é muito recente, sendo todas captadas em Lisboa, na área que fica entre Alcântara e Santos.

O chão que pisamos também pode ter muita beleza!💛

por aí…

Que prazer partilhar
um passeio pela cidade
pela serra
ou junto ao mar!

Passo a passo,
assiste-se com emoção
à lenta libertação
de pensamentos sem paz,
alicerces obscuros
de uma rotina sempre voraz.

A par dessa libertação
a conquista do lugar,
arejada sensação
de respirar com o olhar.

Completam-se com ternura
o meu e o teu olhar,
um prefere a paisagem
o detalhe
e a textura,
o outro a borboleta
ou a ave a voar!

Por fim,
prolonga-se o passeio
em palavras e imagens
semeadas com ternura
nas brancas folhas dos álbuns,
guardiões para o futuro
das memórias que já falham!

Este poema já conta alguns anos de vida, mas tem surgido amiúde no meu pensamento do decurso da actual pandemia e dos confinamentos/restrições de liberdade a que temos sido sujeitos sobretudo os fins-de semana e feriados.

Compartilho com o meu companheiro um gosto especial em andarmos “por aí” explorando novos locais ou a revisitar outros, mas com toda a disponibilidade, ao nosso ritmo e sem restrições de horários. Neste ano de 2020 essas incursões diminuíram drasticamente para um nível que desconhecíamos e limitado imenso a liberdade a que estávamos habituados.

Dadas as circunstâncias actuais sabemos ser um mal necessário. E sabemos ainda, sendo realmente objectivos, que este nosso “mal-estar” é um mal menor e um não-problema comparativamente com tantas situações difíceis que esta pandemia tem semeado pelo mundo.

Entretanto, e sempre acreditando que qualquer dia voltaremos sem restrições às nossas explorações, vamos andamos “por aí” muito pontualmente…
…passeando sobretudo com a imaginação…
…lendo e relendo a lista dos locais que esperam a nossa visita…
…revisitando lugares através dos muitos álbuns já construídos…
…e sempre, mas sempre viajando através da magnífica fonte de devaneios que é o Google Maps!

Melhores dias virão para todos nós!

lisboa… entre margens

 

2016-11-21 10.35.00

 

Inaugurada há precisamente 54 anos (1966), a sua elegância une margens e suspende sobre o rio uma belíssima obra de engenharia. Como via estruturante, a Ponte 25 de Abril é um elo de ligação e um detalhe fundamental da capital.

Diariamente, a partir da margem norte do Tejo, o meu olhar percorre-a sem se cansar…..leva-me ao cimo dos seus pilares….mergulha vertiginosamente no rio….conhece as suas dinâmicas ao longo do dia….e aprecia o seu magnífico recorte no perfil maior da cidade.

Na Lisboa de hoje, este meu olhar e o olhar de tantos outros, agradecem a sua presença, beleza e função!