comunicando

Comunicar com quem está perto de nós pode ser fácil (ou difícil…) e fazemo-lo através da voz, do olhar, do gesto, etc,. Mas comunicar à distância pode ser um acto bastante fácil com a panóplia de meios disponíveis que num instante nos levam a qualquer parte do mundo, seja através de um fio ou cabo submarino, seja através de satélite ou de outras formas que eu pouco entendo.

Agora é assim, mas antes não era, sendo que a evolução neste campo foi enorme e continua a ser uma constante….talvez porque o termo “velocidade” impregnou os nossos dias.

Recuando no tempo…

Na minha infância havia um telefone em casa. Porém, quando se pegava no auscultador aparecia uma voz feminina, uma telefonista intermediária que estava na central e a quem se pedia a chamada, sendo ela a fazer a ligação.

Este pequeno texto revela muito bem como evoluímos…

Nessa altura, eu até poderia saber que a voz se transmitia por fios, mas não poderia imaginar que cem anos antes de eu ter nascido já fora instalado um cabo submarino que atravessava o Oceano Atlântico para ligar a Inglaterra aos Estados Unidos e assim permitir as ligações telefónicas entre os dois continentes.

Foi há pouco tempo que percebi a importância e a dimensão desses cabos submarinos que atravessam os nossos mares e oceanos, assim como o papel do meu país nessa matéria em virtude da sua localização. A cidade da Horta, por exemplo, situada na ilha do Faial (Açores), chegou a ser ponto de amarração de quinze cabos da rede telegráfica submarina internacional.

A imagem que se segue mostra a extensão de alguns dos cabos submarinos existentes.

Sobre este assunto e outros relacionados com meios de comunicação, é imensa a informação disponível no Museu das Comunicações (Lisboa), local onde captei as imagens deste post. A segunda e a ultima pertencem à exposição permanente Vencer a distância – Cinco séculos de Comunicações em Portugal e a primeira e a terceira à exposição temporária Cabos submarinos, aí patente até ao final de 2021.

Visitar este museu é fazer uma intensa viagem no tempo, perceber o avanço vertiginoso das formas de comunicar – de todas as formas e de tudo o que lhe está associado – e é igualmente uma viagem por detalhes e memórias da nossa própria vida. Por tudo isso, recomendo vivamente.

Um aspecto da sala dedicada às pequenas obras de arte que são os selos

Neste dia em que se comemora o Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade de Informação, não poderia deixar de referir este Museu e sobretudo de lembrar que, para chegarmos ao gesto já banalizado de pegar no nosso telemóvel para nos ligarmos ao mundo, foi necessário um caminho complexo, difícil, trabalhoso…mas seguramente genial!

desanuviando…

 

8

 

Quando estamos em situações difíceis e associadas a alguma ansiedade, se tivermos a capacidade de, nesse contexto, encontrar algo que nos faça sorrir é sempre bom e por instantes pode afastar-nos da realidade e até ajudar a encarar as situações com outra perspectiva. É um dom que nem sempre temos, mas que é bom e pode neutralizar algumas cargas negativas.

No contexto actual, é salutar um certo afastamento da realidade profusamente divulgada e debatida durante todo o dia pelos meios de comunicação escrita e falada, algo que nos deixa bem amargurados. Para ajudar a desanuviar e a “esquecer” por alguns momentos, existem aquelas imagens, videos, frases, etc., de diversas temáticas e fruto da criatividade de muitos, que nos chegam por diversos meios e que pontualmente nos fazem sorrir ou até dar uma gargalhada. Que bom conseguir dar uma gargalhada nestes loucos tempos!

Esperando uns sorrisos desse lado, hoje vou partilhar algumas imagens que me foram enviadas nos últimos dias. Provavelmente proliferam nas redes sociais e já as conhecem. Se assim for, estou certa que sorrirão pela segunda vez!

 

2

 

4

 

3

 

1

 

5

 

Se o cartoon, o único com o autor identificado, tem um humor um tanto negro, as restantes criações são mais leves e valem pela imaginação. Lamento contudo não saber a autoria e publicá-los sem essa referência. De qualquer forma fica um agradecimento a esses autores anónimos por ajudarem a desanuviar as nossas mentes nestes tempos tão difíceis.

 

 

 

 

 

 

nome de tempestade

 

e

 

Ultimamente ficou mais humanizada a nossa relação com a meteorologia e com as tempestades que nos têm visitado. Sendo conhecidas até aqui apenas como depressões ou “zonas de baixa pressão atmosférica”, estes eventos meteorológicos adquiriram desde o dia 1 de Dezembro de 2017 nomes humanos e um estatuto muito mais interessante. Com esta decisão e associando alguma imaginação, diria que passaram a ser encarados como mais uns visitantes que integram o contínuo fluxo turístico que alimenta o nosso país.

Primeiro vieram a Ana, o Bruno e a Carmen, estes um pouco mais espaçados no tempo. Mas é provável que tenham gostado da recepção e das saudades que tínhamos das suas chuvas/neve e vento forte, que passaram a palavra a outros e, mais exuberantes, visitaram-nos depois o David, a Ema, o Felix e a Gisela. Este fim-de-semana foi a vez do Hugo e, a seu tempo, será a vez da Irene, do José e de outros mais, estes últimos ainda pensando e planeando a sua futura viagem pelo Atlântico.

Prevendo-se antecipadamente as características de uma depressão, como por exemplo a velocidade dos ventos associados, ela será considerada ou não tempestade e tomará o nome humano seguinte caso se apresente com alguma força e agressividade. E nós poderemos “preparar” a casa para receber tal visitante, seja fechando portos e barras à navegação, protegendo as habitações, fazendo alertas meteorológicos ou colocando de prevenção equipas de socorro e protecção.

Desta forma, seja o que for que suceda em dias de mau tempo mais evidente, sabemos que resultou do humor da Carmen, do Felix, da Gisele ou de outro nome constante de uma lista previamente escolhida, e não apenas daquele B maiúsculo, impessoal e normalmente de cor vermelha, que conhecemos das cartas meteorológicas disponíveis nos sites da especialidade.

Apesar da indicação de nomes para as tempestades geradas no Atlântico ou no Pacifico já ser antiga e não ter nada de original, a sua adopção por Portugal, Espanha e França é uma novidade e uma forma de melhorar a troca de informação e a comunicação entre estes territórios quando afectados por depressões mais extremas.

Por último, apenas quero acrescentar que me agrada bastante esta resolução…apesar de não apreciar alguns dos nomes escolhidos para tão respeitáveis visitantes!

 

(Imagem retirada do site do IPMA)