liberdade de abril

Não é cravo mas é flor
Não é vermelha mas tem cor…

Nasceu na liberdade deste Abril,
vive junto a um muro que a ampara,
olha o sol
projecta sombra
é beleza…
…e leveza,
apesar das raízes
e terrena natureza.

Não é cravo mas é flor
Não é vermelha mas tem cor…

Recordando a Liberdade nascida em Abril
e que o nosso imaginar
também permitiu libertar,
escolho esta flor como símbolo do dia,
viva
vibrante
e de cor amarelo energia!

Ao 25 de Abril de 1974, dia de uma liberdade conquistada em Portugal através da Revolução dos Cravos e sempre um dia para lembrar…
…os muitos que sofreram e deram a vida pela liberdade de hoje
… os direitos e os deveres adquiridos
… a liberdade de expressão e a igualdade que se deseja
…o que somos, o que conseguimos, o que queremos e o que poderemos ser como pessoas e como comunidade
…que a nossa liberdade só tem sentido quando a liberdade do outro for respeitada
… 
… e por aqui, é também o dia de discretamente valorizar a flor silvestre, um dos detalhes da natureza que mais respira liberdade!

recantos vivos

Um primeiro olhar sobre um tronco cortado é sempre negativo, porque facilmente associamos essa imagem à morte e a um fim. Mas um segundo olhar mais atento pode ser uma surpresa enriquecedora porque logo percebemos que na natureza não há um fim, mas que na realidade tudo se transforma em algo através de um processo natural e de uma cadeia de relações e de interdependências.

Numa passagem recente pelo Parque da Fábrica da Pólvora de Barcarena (Oeiras), um espaço muito agradável localizado junto da Ribeira de Barcarena, deparamo-nos com algumas árvores cortadas em momentos diferentes. De corte mais recentes ou mais antigo, verificamos que todas essas bases de árvores estavam “vivas”, na medida em que serviam de suporte e alimento a muitas outras formas de vida.

Para além de musgos, líquenes e das muitas ervas que proliferam nesta época do ano em zonas húmidas, eram imensos os fungos que colonizavam nos seus interstícios, nomeadamente cogumelos. De diferentes espécies, tamanhos e feitios, bem “arrumados” ou caoticamente organizados, desenvolveram-se não apenas nos troncos mas também na sua periferia e zonas adjacentes, indo certamente buscar muitos dos nutrientes que necessitam às raízes desses troncos que ficarem na terra e terão apodrecido.

Eram uma verdadeira delícia para o olhar!

Qualquer zona onde a natureza impera tem sempre muitos detalhes cativantes. Daí terminar este post com algumas imagens aleatoriamente captadas ao longo desse passeio e que encaro como uma bela simbiose entre algumas das estações do ano.

Diria que nelas encontro o Outono que passou….o Inverno que nos habita….mas também a Primavera que se seguirá e que aqui ou ali já começa a espreitar e a mostrar alguma da sua cor.

Com a natureza e a sua beleza…desejo a todos um bom fim-de semana!🍀

alegria de outono

O Jardim 9 de Abril em Lisboa já passou pelo Discretamente em diversos momentos, pois sempre encontro nele um ou outro detalhe que me sensibiliza.

A foto acima foi aí tirada recentemente e nela atrai-me a simbiose que este ano se criou entre os troncos da Paineira-rosa (Ceiba speciosa) e as ramagens da Vinha-virgem americana (Parthenocissus quinquefolia), as duas principais espécies que ocupam a área central deste jardim.

Apesar de estarmos em pleno Outono, as cores que ele emana parecem contradizer esta realidade e levam-nos naturalmente para a ideia de estarmos perante uma fulgurante Primavera.

Vista do lado sul
Vista do lado oriental do jardim, onde existem igualmente algumas buganvílias bem floridas

Curiosamente, na altura da Primavera, esta área do jardim limita-se a oferecer uma viçosa harmonia em tons de verde, como revela a foto abaixo captada no final do último mês de Abril.

Vista do lado norte

Ano após ano tenho o privilégio de ir acompanhando diariamente estas transformações. E sempre que chega o Outono e a cor aparece em pleno, gosto de pensar….ou de imaginar…. que tal colorido representa a exuberância, a alegria e a festa da Natureza por estar prestes a cumprir mais um ciclo antes de entrar na letargia e na fria nudez do Inverno.

Só pode ser isso!

Boa semana!🍂

experimentações #24

Tempos mais conturbados na minha vida poderiam ter levado a um afastamento da vertente criativa. Mas tal não aconteceu. Pelo contrário, sendo o momento de trilhar um novo caminho, senti necessidade de fazer coisas um pouco diferentes.

O curioso é que os desenhos que publico neste e no próximo post, tecnicamente exigentes e requerendo muita atenção e cuidado uma vez que muitas das zonas de sombras e relevos foram realizadas com pontos de caneta (e muita paciência também!), serviram para eu perceber que realmente não era isto que queria porque, na essência, eles simbolizavam contenção, controle e a total ausência de espontaneidade.

Contudo, aprecio este conjunto de desenhos como um todo por terem sido únicos e marcarem um tempo de mudança na minha vida. Gosto especialmente do inicial pelo simbolismo que encerra, desenho que há uns anos decidi oferecer a uma sobrinha que o adorava, vivendo desde então feliz em sua casa.

(Dulce Delgado, lápis de cor, aguarela e e tinta da China sobre papel, 1993)

experimentações #23

Tal como sucedeu no post anterior desta série experimentações, o que une os desenhos que hoje partilho é apenas o tom, neste caso a presença do rosa/lilás. Não aprecio especialmente esses tons, mas naquela altura, resolvi “brincar” com eles.

São igualmente desenhos não datados, mas que creio poder situar nos primeiros anos da década de noventa.

lisboa em festa

No dia do feriado da nossa capital poderia falar do culto ao seu padroeiro Santo António de Lisboa, dos dotes de casamenteiro associados a este santo ou ainda do curioso responso/oração com o seu nome que muitos alegam ser uma preciosa ajuda na procura de objectos perdidos.

E poderia falar dos populares casamentos patrocinados pelo município, ou ainda das marchas populares e arraiais que habitualmente movem multidões pelas ruas da cidade, eventos que não se realizaram nos dois últimos anos devido à situação pandémica.

É certo que não haverá as tradicionais Festas de Lisboa…mas Lisboa está envolta numa festa de cor e emana uma imensa alegria proporcionada pelas flores dos jacarandás, evento que se repete anualmente e a que este Discretamente não resiste…

Para além do Santo António, há um outro santo também associado à cidade, o São Vicente, cujo corpo viaja eternamente dentro de uma barca vigiada por dois corvos no cimo de muitos postos de iluminação pública da cidade.

Sendo uma imagem já naturalmente curiosa, sempre me delicia encontrar nesta época do ano a referida barca navegando sobre e os jacarandás… num mar de ondas lilás!

No mínimo, é adorável!

Termino com uma fotografia que me parece revelar bastante bem a “essência” desta belíssima árvore.

A elegância e a expressividade que emana em cada um dos seus ramos permite desenhar histórias visuais únicas e irrepetíveis. São por isso infindáveis as que estão disponíveis no céu de Lisboa …e que eu tanto gosto de ler e apreciar nesta tempo de festa e de despedida da Primavera.

Esperemos que em 2022 a cidade volte finalmente a se vestir de gente e de muita Festa …porque os jacarandás sempre voltarão para a vestir de cor!!💜

experimentações #19

Continuei pelas colagens durante mais algum tempo, técnica que sempre encarei como uma forma de brincar com o papel e a que poderia associar uma mensagem, ou não.

As três colagens de hoje reflectem esse jogo entre a tesoura e o papel, neste caso com o chamado papel de lustro. Muitos destes recortes foram aleatórios e fui aproveitando inclusivamente os excedentes que iam ficando. Depois era juntá-los ou encaixá-los de uma forma que me agradasse esteticamente.

O resultado foi esta série de três colagens bastante experimentais, que em comum têm as cores …e a diversão que me proporcionaram!

 
(Dulce Delgado, papel de lustro sobre papel, 1993)

diospiro surpresa

Gosto muito de diospiros de roer, mas não aprecio os de abrir. Nestes últimos nem sempre é fácil perceber o momento ideal em que devem ser consumidos, pelo que estamos sujeitos a sentir aquela desagradável sensação de adstringência que os seus muitos taninos provocam na nossa mucosa bucal quando o fruto não está suficientemente maduro.

Sendo um alimento muito rico em vitaminas A e C, e ainda em potássio, cálcio e fósforo, é excelente para consumir no Outono e no Inverno, época em que são comercializados. Por tudo isso sou uma forte adepta da espécie de roer e à qual dedico hoje este post.

Visualmente é um fruto alegre, de bela cor e que nos oferece de presente uma espécie de flor quando cortado a meio, forma que é mais evidente e perfeita se o diospiro está no grau certo de maturação. Normalmente essa “flor” tem oito pétalas, mais já as encontrei com um número diferente.

O mais curioso foi o ter descoberto há poucos dias, não sei se por estar mais atenta ou por ter feito um corte diferente do habitual…que o diospiro não guarda apenas uma flor…mas que guarda também uma aranha!

Como as demais aranhas, esta tinha igualmente quatro pares de patas ligadas a um corpo… e facilmente a visualizei a passear sobre a mesa… e pelos meandros desta imaginação! Acrescente-se, para melhor compreensão, que aprecio aranhas e que tudo faço para as salvar quando decidem ocupar o meu território.

No dia seguinte abri este diospiro. Encontrei a flor…cumprimentei a aranha…captei estas imagens….e depois saboreei-o tranquilamente e com o prazer de sempre.

Gosto imenso destas surpresas que a natureza esconde!

experimentações #15

Oito anos depois, já com a vertente de mãe em “velocidade de cruzeiro” e os filhos a requererem uma atenção menos contínua, voltei a sentir vontade de fazer algo, de mexer em lápis, tintas, papéis e, sobretudo, vontade de reencontrar a criatividade que tinha e um prazer já esquecido.

Percebi de imediato que o grande detalhe ou experiências que exigissem muito tempo e concentração não seriam possíveis. Precisava apenas de aproveitar a pouca disponibilidade que tinha e sentir alguma satisfação com isso.

Percebi igualmente que o uso da lápis de cor e grafite/preto e branco faziam parte do passado e não seria o caminho a seguir. Pelo menos da forma que fizera antes. Comecei então a olhar mais para a cor, de preferência em meio aquoso, como a aguarela. Talvez por isso, gosto da ideia bastante romântica de que os meus filhos foram naturalmente os veículos que trouxeram “a cor” à minha vida!

Este desenho simboliza, de certa forma, esse renascer e o voltar a olhar para o que estava dentro de mim.

(Dulce Delgado, aguarela sobre papel, 1988)

os tons da vida

 

IMG_3177

No meu dia-a-dia profissional, o olhar pousa amiúde sobre uma paleta com tintas e acompanha o gesto de encontrar um tom específico que logo será depositado em determinada área de uma pintura em fase de restauro.

Neste vai-e-vem do olhar e da mão, a atenção não fica presa ao acto em si, algo já bastante automatizado depois de anos e anos de experiência. O pensamento vagueia por ali, com e sem objectivo, factor que também depende dos dias, dos momentos, das preocupações e até do grau de empatia com o trabalho.

Neste divagar, recentemente percebi algo interessante…

Na paleta, eu sei com segurança…

…as cores a misturar para certo tom encontrar
…como neutralizar um tom que se quer afirmar
…que misturas não é conveniente fazer
…a importância de um toque mínimo ou de uma velatura no resultado final
…ou o efeito do tempo sobre camadas aplicadas à pressa.

Na Vida, eu nem sempre sei

…que escolha fazer
…como resolver de imediato um problema que tenho pela frente
…as consequências exactas dos meus actos
…como evitar um problema de se agravar
…ou o que o tempo e o futuro dirão das minhas opções

Ou seja, nesta paleta de emoções, de escolhas e de partilha que é a Vida, a mistura de “cores” é totalmente imprevisível. Aqui prevalece a incerteza e as circunstâncias que podem levar de um momento para o outro a uma mudança de rumo ou de estratégia.

Apesar disso, estará na pureza, na qualidade e na escolha dessas “cores” a possibilidade de o “tom final” ser mais genuíno, enriquecedor e duradouro.

 

(e continuei a trabalhar…)