dois dias, um sentir

 

jan 81 - mais leve

 

Sem qualquer objectivo em vista, gosto de passar o olhar pelas datas comemorativas do Calendarr para saber os eventos passados ou futuros.

Hoje, curiosamente, ele revelou-me que ontem foi o Dia de brincar na areia e que hoje, 12 de Agosto, é o Dia do filho do meio. Deliciam-me estes títulos, seja pela factor surpresa seja por chamarem a atenção para aspectos pouco comuns e aparentemente banais. Porém, talvez não seja exactamente assim…

Por um lado a areia…

…qual de nós não se envolveu ou envolve ainda com algum prazer na textura dos infinitos grãos de um areal e aí imagina/cria estranhos mundos ou efémeras construções? Brincar com a areia faz parte do nosso imaginário e do rol de sensações que se guardam nos recantos da memória e da pele. Creio que o nosso lado-criança sempre brinca na areia ao longo da vida, mesmo quando já não o faz ou nem tem areia por perto…

Por outro, aquela sensação de abandono por falta de atenção…

…quantos de nós, tendo ou não irmãos, já não nos sentimos o “filho do meio? E a sensação de ser invisível, indiferente ou quase ignorado em determinadas ocasiões pelo facto de outros, por estatuto, posição ou personalidade conseguirem captar facilmente a atenção e o olhar dos demais…

 

Ambos as datas me levam por aí…

…a sensações guardadas… a solidões sentidas….a detalhes vividos…à infância e aos areais dessa infância….aos castelos de areia…à idade adulta…a uma certa ingenuidade…talvez a tudo isso em conjunto….

Não sei.

Apenas senti que é importante relembrar.

 

 

(Desenho a lápis sobre papel, Janeiro 1981)

 

 

 

 

 

…200!

 

As letras e os números, são símbolos que nos permitem comunicar.

Com as letras comunicamos ideias, sentimentos e emoções; com os números, damos ordem ao nosso mundo, gerimos economicamente os recursos que temos, organizamos os dias e contabilizamos a nossa existência, sendo certo que a duração desse tempo é um símbolo/incógnita que sempre desconheceremos.

Talvez por isso, gosto de ir aproveitando as possibilidades desses símbolos e com eles “sublinhando” os dias.

Por um lado, juntando as letras e construindo palavras e frases que permitem exprimir o que sinto; e por outro, dando uso aos números e com eles pontuando o tempo e os momentos que a Vida decidir que eu “mereço”. Talvez por isso aprecio agendas, almanaques e afins, gosto de lembrar datas e muito de festejar aniversários. E gosto de encontrar momentos que, não sendo importantes, passam a sê-lo dessa forma.

É exactamente isso que estou a fazer hoje.

Comemorei com alegria o centésimo post… comemorei com mais alegria o primeiro ano deste blog …e hoje comemoro com gratidão o ducentésimo post.

Porque não fazê-lo?