solo

A leitura de uma qualquer enciclopédia diz muito sobre este termo, designadamente sobre a sua origem, composição, tipos, função, etc., sendo certo que cada um de nós e especialmente cada área de actividade olhará para ele de forma diferente. Provavelmente um agricultor não olha para o solo de mesma forma que um biólogo, e este último não o verá pelo mesmo ângulo de um engenheiro civil ou de um arquitecto.

Todos estão certos dentro das suas lógicas, pois é no solo que muito acontece. Aí se constroem as casas que habitamos, criam-se espécies animais e vegetais (muitas das quais são a base da nossa alimentação), nascem fontes ou correm linhas de água que são vitais para todos. Além disso é aquele lugar em que a natureza exprime muita da sua beleza e exuberância.

O solo resultou da passagem do tempo e da actividade dos elementos sobre a “rocha- mãe”, processo erosivo que deu origem a estratos diferentes, de maior mobilidade, porosidade, mas também férteis e ricos em nutrientes…uma camada que, por ter essas características, é leito de sementes e raízes, abrigo de espécies e um polo de vida que gera vida. É seguramente a componente fértil da terra, qual útero superficial que recebe com alegria a água que a penetra assim como o abraço do sol ou o do ar que tudo envolve.

Se divagarmos um pouco podemos ver o solo como a parte “humana” do planeta… como aquela pele ou camada superficial mais orgânica e moldável que se adaptou às deformações, reviravoltas e convulsões da crosta terrestre.

Com essa versatilidade, ele é suporte, sobrevivência, palco… e nele a Vida acontece. Basta vermos que é directamente sobre ele que nasce a maioria dos animais ou que os ovos de muitas espécies são incubados.

Já para muitos de nós, talvez pelo facilitismo que nos habita ignoramos amiúde o seu poder, energia e generosidade. É algo adquirido que está ali, simplesmente, e que mais facilmente somos capazes de explorar/deteriorar do que o apreciar ou proteger. E não deveria ser assim.

Amanhã será o Dia Mundial do Solo, um bom momento para reflectir sobre este precioso recurso terrestre.