primeiro encontro…

Depois de dois anos e dois meses, ele apanhou-me pela garganta, ignorando basicamente o restante corpo. Como entrou? Não faço a mínima ideia! Mas gosto de pensar que talvez tenha vindo com o vento…

Apenas sei que apareceu sorrateiro com uma matinal rouquidão que deixou o meu sotaque algarvio bastante mais sexy do que o habitual. Depois, ao fim do dia deu umas suaves pancadinhas na minha cabeça, algo que foi o  suficiente para me deixar alerta e levar a  realizar um autoteste rápido de antigéno ao SARS-CoV-2.

Seguidas as instruções e após uns momentos de dúvida….lá estava uma ténue risquinha a olhar para mim. Que mais poderia fazer senão aceitar a realidade, encarar o “bicho” de frente e iniciar os trâmites obrigatórios? Foi isso que fiz.

O pensamento inicial de que iria ficar horas em espera na linha telefónica SNS 24 revelou-se falso, uma vez que fui surpreendida com um sistema automatizado para utentes com autoteste positivo de uma eficiência que me espantou. Em pouco tempo tinha comigo os códigos necessários para o teste de confirmação em clínica e para acesso à declaração de isolamento. Objectivamente, um ritual que todos se queixam de ser lento e que na passada quarta-feira foi de uma eficiência sem mácula e que me deixou extremamente orgulhosa do nosso Serviço Nacional de Saúde.

No dia seguinte…o “bicho” estava raivoso e mordendo estupidamente a metade esquerda da minha garganta como se fosse o fim do mundo. O acto inconsciente e habitual de engolir a saliva tornou-se um suplício, também porque a dor daí resultante se alongava até ao ouvido, órgão que colaborou silenciosamente na parceria. Sem saber bem o que fazer ou tomar, ainda consegui contactar o meu médico de família que me medicou devidamente.

Foi apenas ao quinto dia que o intruso resolveu dar-se por rendido, depois de uma luta cerrada e desagradável que incluiu algumas noites mal dormidas. Agora, a restante contenda será entre as minhas defesas imunitárias e a sua agonia final.

Deste encontro, resta-me o conforto de saber que, para já, não fui “ponte de passagem/transmissão” para contactos próximos. Ou seja, por aqui parece que “ele” não deixou prole!


Apesar de ter consciência que este é um assunto difícil, seja pelo número de vítimas que a pandemia causou nos últimos dois anos, seja pelas sequelas deixadas em milhões de habitantes deste planeta a todos os níveis, a verdade é que este tema entrou e ficará para sempre nas nossas vidas.

Este vírus aparecerá com variantes diferentes, mais ou menos social, mais ou menos “esfomeado”, mas teremos que viver com ele. Por tudo isso, e pelos resultados comprovados da vacinação que continua a ocorrer, talvez seja altura de começarmos a enfrentar a situação com outra atitude, maior segurança, mais racionalidade e especialmente com menos carga emotiva. E a encarar a sua presença como mais uma experiência associada a este conturbado século XXI.

Sabemos que qualquer “dor” nos pode levar a crescer e a ser mais resistentes. Pessoalmente, e restringindo-me apenas à minha sintomatologia, sei que esta experiência me levará a relativizar qualquer outra dorzinha de garganta que tenha futuramente. É pouco…quase nada…mas é uma pequena aprendizagem!

Amanhã sairei do isolamento e a vida continua. Entretanto “sr. bicho”….espero que não nos encontremos nos próximos tempos pois, apesar de não ter sido nada de grave, realmente não foi um prazer conhecê-lo!

(Versão do “intruso” desenhada por Dulce Delgado)
Advertisement

páscoa

Num dia em que muitas famílias se juntam para celebrar a Páscoa, muitas outras estarão dolorosamente separadas devido a uma guerra e a atrocidades inconcebíveis. Abstraindo-me da importância religiosa que a data terá para muitos, prefiro agarrar a ideia de transformação e renovação a que indirectamente a Páscoa está associada e desejar…

… que as diferenças, seja da cor da pele, de ideologia, de país, mas também de língua, tendência, gostos ou culturas não seja sinónimo de descriminação, isolamento ou guerra.

… que impere o respeito por todas as fronteiras, sejam elas físicas ou de ideias

… que o desejo de possuir e de controlar a qualquer preço seja neutralizado e banido

… que a convivência pacífica e alicerçada na diferença e no respeito se torne uma realidade entre todos

… que…

Utópico? Sim, é verdade… mas será certamente o grande desejo de muitos de nós, seja neste dia, seja em todos os outros.

Boa Páscoa!🧡

as voltas da vida

Num recanto da cidade
um estendal…
…e uma branca camisa
em sonhos de liberdade!

Ora enfuna com o ar
e na vontade de voar…
ora na corda se enrola
esgotada de tanto lutar.

Na rotina dos dias
o desalento é total,
usada
e depois despida,
na roupa suja é metida
numa indiferença brutal.

Se a lavagem é desventura,
pior é a tortura
dum ferro quente a passar
percorrendo o seu corpo
para os vincos alisar.

Sucedem os dias difíceis
e nada de bom acontece,
até o tal sonho,
gasto de tão usado
em dor se desvanece.

Um dia…

…estando presa no estendal
um fortíssimo vento norte
faz renascer a esperança,
pois nas molas sentiu desnorte
e na corda insegurança.

Uma rajada maior
liberta-a
daquele lugar,
começando ofegante
numa aventura invulgar.

Como um balão insuflado
voou feliz pelo ar,
e quando longe chegou
viu-se com riso e espanto
uma manga a acenar!

(Poema e desenho, Dulce Delgado, 2016)
Há seis anos, quando iniciei o Discretamente, partilhei alguns poemas que tiveram pouquíssimas visualizações, algo comum no início de qualquer blog. Porque os aprecio, tenho a intenção de os publicar novamente.
As voltas da vida” é um deles e foi agora escolhido porque, não estando a vida e os tempos com qualquer tendência para o humor, que seja a imaginação a nos permitir, talvez, um pequeno sorriso. 
Este poema, agora revisto e com ligeiras alterações relativamente ao original, surgiu num dia de grande ventania ao observar uma camisa branca num dos estendais das habitações localizadas nas traseiras do meu emprego.
 

emoções criativas

Reencontrar o passado, seja nos recantos da memória, nos meandros do coração ou em palavras escritas é sempre um confronto com o tempo. E impreterivelmente leva-nos a comparações com o presente na tentativa de perceber se estagnamos, retrocedemos, evoluímos ou até sublimamos o que nos incomodava.

O poema que partilho no final deste texto terá uns quinze ou vinte anos, não sei precisar, mas o estado de alma que revela foi demasiado constante até ao momento em que discretamente decidi iniciar este blog em Abril de 2016. Ele reflecte bem o meu sentir, assim como a intranquilidade criativa que me habitou anos e anos seguidos de forma mais ou menos dolorosa e para a qual não conseguia encontrar um caminho que me desse algum equilíbrio.

Hoje sei que a solução foi partilhar. Sei que a solução é partilhar o que nasce de nós, seja um poema, um texto, um desenho, uma fotografia ou outro qualquer detalhe genuíno da nossa personalidade/sensibilidade/criatividade. Sei ainda que, como autora, este poema continua a ser meu….mas hoje esta “dor” não é minha. Definitivamente. Ela foi naturalmente sublimada a partir do momento em que senti que o caminho a fazer não era guardar ou apenas partilhar pontualmente o que fazia, mas sim o deixar ir.

É certo que levei 58 anos a perceber isso. Mas sinto-me feliz por ter ultrapassado essa fase. Em tudo na vida, mais vale tarde do que nunca.

O mais curioso é que para muitos este seria simplesmente um não-problema comparativamente com tantos outros que a vida nos oferece. Para além de verem a criatividade apenas como algo que dará prazer, não entendem que possa simultaneamente ser dor, desconforto e ansiedade. Mas pode.

Diria que, perante uma fonte que jorra é importante e necessário saber apanhar, dosear e dar utilidade à água que sai. Caso contrário, é desperdício, incómodo e muita energia perdida.

Fazendo jus ao final do poema diria que “encontrei uma resposta…e deixei o pássaro entrar no meu coração”!

Porquê esta necessidade e esta angustia?
Porquê esta ferida sempre aberta?
Porquê esta pulsão que não me deixa?
Porquê esta dor que a nada leva?

Como é vaga a resposta
que não encontro e que me persegue!

Fugir-lhe não consigo…

…porque é ar, pele, pensamento, necessidade
e vazio….um sentir …

…um sentir que me acompanha
como a sombra de um pássaro que voa sem corpo,
hoje aqui,
tão perto que me oprime…
amanhã além,
mais longe e menos presente,
mas nunca, nunca ausente!

Porque não vai
e me deixa ter paz?
Que significa a sua presença?
Porque não me mostra o caminho
ou a verdade da sua existência?

Raros foram os momentos
que me envolveu numa doce inspiração,
efémeros hiatos de alegria
harmonia
paz,
e de tranquila emoção!

Valerão eles por tanta inquietação?
Encontrarei algures uma resposta…

…ou entrará o pássaro no meu coração?

(Lembrando a “dor e a alegria” da Criatividade, neste seu Dia Mundial)

uma páscoa diferente

 

IMG_1755a

Este ano de 2020, em tudo incomum, será para muitos de nós o primeiro em que estes dias festivos serão passados sem a presença da família. No meu caso seremos apenas dois, eu e o meu companheiro, dois seres que há três semanas estão em isolamento social mas tentando aproveitar ao máximo as possibilidades caseiras desta situação.

Bem, seremos dois…. e um computador! A tecnologia permitirá fazer um almoço de Páscoa em família, sonoro e visualmente partilhado entre todos. Cinco mesas estarão temporariamente unidas, sem troca de paladares, mas com troca de afectos e de boa disposição.

Não haverá abraços calorosos e ainda não será o tempo de dizer ao vivo o tão desejado “olá Vasquinho” ao futuro neto que se desenvolve no ventre da minha filha. E que eu tenho tanta, mas tanta vontade de estar perto! Não haverá contacto físico entre a família, mas haverá o abraço virtual possível.

Sendo a Vida um acumular de experiências, a actual situação será uma das mais estranhas que vivemos e ficará para sempre gravada nas nossas memórias e afectos. Apesar do lado difícil registemos a sua singularidade…mas com a forte esperança que não se repita.

Voltando à Páscoa…

…a etimologia desta palavra é incerta, mas parece que deriva da ebraica pasach que significa passagem, talvez o termo perfeito para encararmos a situação actual e estes dias festivos em confinamento.

…sabendo que todas as passagens… passam… e levam a algo, esta também nos levará a um outro tempo e olhar, sendo este período de isolamento um mal necessário para essa travessia.

…contudo, se eu/nós e todos os que nos são queridos estiverem bem, activos e saudáveis…não será isso realmente o mais importante nesta dias? Eu creio que sim, especialmente quando são tantos os que já não podem dizer o mesmo.

 

Sendo uma Páscoa diferente… que seja a melhor possível!

 

 

 

 

desejando…

 

…que ele não esteja aqui!

 

 

Ele é pequenino, muito pequenino, mas está a mexer com os nossos dias, com a nossa vida e espalhando uma desconhecida instabilidade. Sentimos medo, estamos assustados e não temos a real noção do sofrimento que está a causar nem do grau de exaustão de todos os que tentam minimizar esse sofrimento.

De um momento para o outro sentimos-nos dentro de uma” bolha de vulnerabilidade” com duração indeterminada, que está a mexer com as nossas atitudes e emoções de uma forma que simplesmente desconhecíamos.

Partilho um detalhe: por amor, não aconteceu aquele abraço habitual e aquele beijo sentido que troco de uma forma efusiva com os meus filhos sempre que estou com eles. Foi um momento estranho, novo e que doeu. Mas na realidade eu não sei, e eles também não, se aquela coisa pequenina estará na nosso corpo, pele ou roupa. Então resolvemos não arriscar. Mas doeu.
A distância física tornou-se então extremamente emocional, transformou-se em energia, superou a distância e chegou ao outro como um afago invisível. Ou o afago possível.

Este novo tempo é uma estranha prova, seja a nível individual seja como sociedade. Estamos perante um tempo que exige adaptações e provoca contradições. A maior é o facto de, a par de um evidente afastamento físico estarmos mais unidos do que nunca contra uma causa comum. Na verdade aquela coisa pequenina teve o poder de neutralizar temporariamente cores partidárias, clubistas e divergências religiosas ou outras, o que não deixa de ser espantoso.

Todos sabemos que este tempo de paragem, de recato físico, de medo e de dor irá passar. Como tudo passa na vida, seja de que forma for. Mais relaxados, viveremos num planeta temporariamente mais saudável mas num tempo igualmente dramático pelas consequências económicas e sociais que este evento trará ao mundo. Contudo, há sempre um olhar, um outro olhar que é importante opor ao dramatismo de toda esta situação.

Eu preciso desse olhar. E ele diz-me…

…que sairemos disto mais maduros e conscientes da nossa fragilidade
…talvez com um maior espírito de comunidade e capazes de transformar/sublimar aquela “atenção” que agora ocupa todos os nossos sentidos, para algo mais fraterno, doce e solidário relativamente ao próximo
…mais conhecedores dos nossos limites e sentimentos, sejam eles quais forem
…com algumas dúvidas transformadas em certezas
…mais conscientes do nosso potencial criativo, algo que o “ficar em casa” certamente estimulou
…como cuidadores, talvez melhores pais pela atenção dada aos filhos…e talvez melhores filhos pela atenção recebida dos pais
…com as leituras e os filmes um pouco mais em dia
…com as gaveta e armários arrumados e a casa mais limpa
…eventualmente melhores cozinheiros
…provavelmente com muitas saudades dos empregos…

…e valorizando como nunca fizemos, a nossa rotina e a nossa liberdade!

Pela minha parte tudo farei para ultrapassar este momento sem consequências para mim e para todos os que me estão/são próximos. Veremos se aquela “coisa” pequenina concorda comigo.

Cuidem-se e cuidem dos outros. Os abraços virão depois!

 

 

 

amor dor

IMG_1191ab

O habitual olhar matinal que partilho com o almanaque Borda d´Água disse-me que este dia 14 de Fevereiro, para além de ser o tão publicitado Dia dos Namorados, em Portugal é igualmente o Dia Nacional do Doente Coronário. Esbocei um sorriso e pensei “Curioso…até aqui o amor e a dor estão lado a lado!”

O Amor e a Dor…

No carro, a caminho do trabalho, o rádio partilhava notícias…uma delas informava que no ano de 2019 foram registadas em Portugal setenta e quatro denuncias de violência no namoro (fora todas as situações que ficaram certamente no silêncio…) e ainda, que um estudo realizado junto de várias centenas de estudantes universitários revelou que mais de 50% já tinham sido alvo de uma qualquer forma de violência durante o namoro. Estranhos tempos…

O Amor Dor…

Os amores e desamores são sentidos no âmago, onde bate a vida no meio do peito…talvez no coração…
A dor coronária é sentida no peito, perto do coração…e perto do lugar onde se sente o amor…
E a palavra amor até rima com dor…

AmorDor

Inseparáveis
são,
mas com violência NÃO!

 

 

 

 

 

criativa dor…

 

imagem

 

Por vezes
o corpo é um palco
onde a dor
é o actor.

Friamente,
prefere este actor
a noite
provocando sem pudor
o sono
e o meu descanso.

Farto de tal cismar
desiste o sono
de dormir,
aliando-se com a dor
num estranho abandono
indiferente
e sem ardor.

Não,
não leram
uma falhada
história de amor
ou uma ficção
inventada…

…mas um guião sem humor,
em silêncio encenado
num recanto deste meu corpo
para um único espectador!

 

(…por vezes…
…a melhor forma de “combater” o inimigo é aliar-mo-nos a ele e tentar construir algo…nem que seja um poema!)

 

 

(Dulce Delgado, Novembro 2018)

 

 

 

vida respirada

 

IMG_1142a

 

Perceber o que é Viver,
este Estar
e este Ser,
é tudo o que queremos saber.

Gosto de sentir a Vida
como um acto de respirar,
como um fôlego que entra em nós,
alimenta
cresce
e vai,
para um dia talvez voltar.

A vida seria então um profundo inspirar …

…de sensações sentidas
entre a dor e o amor,
de saberes e presenças
momentos e experiências,
e da emoção,
talvez longa
talvez efémera
de estar nesta construção.

E seria um expirar…

…de pensamentos viajantes,
palavras ditas no ar
sorrisos ténues ou vibrantes,
e de gestos,
de tantos e tantos gestos que são nossos
sem pensar!

Inspirar… Expirar…RESPIRAR…

E no fluir deste Respirar
somos Vida,
resistência
luta
partilha
afectos,
e solidão também.

Mas mais do que tudo
somos,
uma sublime energia
vivendo a aventura
deste acto de magia!

Eu,
tu
e todos nós!

 

 

(Dulce Delgado, Abril 2018)