ternura em duas rodas

Como sabemos, são muitas as características que as identificam. Na prática poderão ser fixas ou dobráveis, tradicionais, híbridas ou eléctricas, urbanas, de estrada ou de montanha, para adulto ou criança, duplas, de carga etc, etc., e materialmente poderão ser em alumínio, fibra de carbono, titânio ou de outros materiais mais ou menos nobres e/ou acessíveis.

Refiro-me obviamente às bicicletas, sendo que muito mais poderia dizer sobre este meio de deslocação neste Dia Mundial da Bicicleta. Mas não o vou fazer pois quero essecialmente falar de uma especial, pequenina, feita de arame e que não roda.

Esta bicicleta tem uma história curiosa; no final de 2021 estava eu a descer muito tranquilamente a Rua do Carmo em Lisboa e a pensar o que poderia comprar para oferecer ao companheiro da minha filha que fazia anos em breve quando, de repente, olho para o lado e vejo uma banqueta com várias pequenas bicicletas de arame. Logo tive a resposta que precisava, pois seria impossível encontrar lembrança mais adequada para alguém que é um grande apreciador de bicicletas.

Foi uma sensação estranha e quase arrepiante a de estar no sítio certo à hora certa. Apenas tinha que adquirir uma e agradecer aos anjinhos…aos gnomos… ao acaso…ou a quem de direito tão rápida resposta ao meu questionar.

Quem as fazia e vendia era um senhor já idoso, muito simples, alguém que certamente encontrou na manufactura destes ternurentos objectos um hobby e um modo de se expressar. E eventualmente também uma forma de complementar a sua reforma, apesar de as vender a um preço bastante baixo.

Adquiri uma para oferta, arrependendo-me horas depois de não ter comprado outra para mim pois, quanto mais a olhava mais a apreciava. Voltei ao mesmo local várias vezes, sempre na esperança de encontrar a dita banqueta ambulante….mas tal ainda não aconteceu, para grande pena minha. Restam-me estas imagens e a ternura que sinto sempre que a vejo em casa da minha filha.

Esta é uma bicicleta sui generis. Pequenina, frágil, leve, cheia de detalhes e um objecto que emana a ternura, o empenho, o jeito e a dedicação das mãos que lhe deram forma.

Gosto de bicicletas, mas delicia-me esta pequena bicicleta!

Entretanto, bicicletando ou não… desejo a todos um bom fim-de-semana!🍀

reencontro

Ao iniciar mais um período de amadurecimento dos seus frutos, esta nespereira informa silenciosamente os que habitam ou trabalham por perto que passou mais um ano na Vida de todos nós.

Esse cíclico frutificar atrai muitas aves, sendo presença certa os barulhentos e assustadiços Periquitos-de-colar (Psittacula krameri) que diariamente a visitam em busca de nêsperas “prontas-a-comer”…não sei se como prato principal ou apenas como uma deliciosa sobremesa.

Na maioria das vezes o simples e cuidadoso gesto de abrir a janela para os fotografar é suficiente para logo fugirem. Aliás, creio que há alguns anos eram bem mais tranquilos e menos assustadiços, o que facilitava esse objectivo. Quem sabe…talvez o constante stress da vida citadina os tenha levado a reagir com mais medo e maior nervosismo…

Este exemplar, apesar de desconfiado, permitiu-me fazer os registos que hoje partilho. E eu agradeci-lhe no final, com o desejo sincero que nos possamos rever e reencontrar no próximo ano!

Entretanto mudou de ramo…

Olhou para a janela desconfiado…ou talvez a se despedir…

…e depois fugiu!

Foi simpático!👍

beleza do envelhecer

Tudo o que é natural tem uma beleza muito própria.

Sendo o envelhecimento um processo de transformação natural possui igualmente a sua beleza, algo que se manifesta de uma forma díspar e eclética relativamente ao conceito comum de beleza.

Em nós, talvez se manifeste de uma forma predominantemente anímica, interior e associada a um sentir mais relativizado e condescendente, já que exteriormente o espelho é especialista em nos mostrar aqueles detalhes que nem sempre nos apetece apreciar com um olhar conivente. De uma forma geral, diria que a alma é mais cúmplice com o envelhecimento do que propriamente o corpo.

Na natureza, por sua vez, a passagem do tempo pode ser extremamente bela, ou não tenha as estações de fim de ciclo – o Outono e o Inverno – uma beleza singular e bem perceptível, seja num olhar amplo ou mais detalhado.

Há alguns dias…

…ao tratar das minhas plantas retirei duas folhas meio secas e, quando as ia deitar fora fui atraída por alguns detalhes que logo percebi possuírem uma beleza especial. É claro que essas folhas seguiram outro caminho e horas depois estava a apreciá-las com um olhar mais sensível e fotográfico, sendo as imagens de hoje, o resultado desse inesperado encontro.

No momento em que as fotografava, surgiu-me um pensamento curioso: estando aquela planta em minha casa há mais de duas décadas e se anualmente sempre há folhas que secam e que corto… quantas possibilidades houve deste “encontro” já ter sucedido?

Extrapolando para um campo mais vasto, diria que também na Vida há situações e encontros aparentemente inconsequentes que se vão repetindo e repetindo, até ao dia em que estamos “capazes” de os ver, entender, apreciar, valorizar e finalmente compreender que têm potencial e são importantes. Creio, por tudo isto, que quase tudo tem um tempo certo na nossa Vida.

Termino, voltando ao tema inicial e à “beleza” do envelhecer…

…estou a gostar deste “estado de alerta” mais apurado que o processo de envelhecer me vai dando e dos detalhes que este olhar vai encontrando!

(Algumas das imagens não estão devidamente focadas, mas não as rejeitei porque apesar de não valorizarem as texturas, sempre possibilitam ver o jogo de tonalidades, formas, limites, etc. )