tento…

tento a

…é o nome dado ao stick que permite apoiar a mão mais dinâmica no acto de pintar ou retocar. Em inglês tem o nome de “mahl-stick ou maulstick”.

Normalmente é talhado numa madeira leve e tem uma das pontas protegida com uma “boneca” de espuma ou algodão envolta num material suave, sem pêlo e não agressivo para as pinturas, sendo o mais indicado a camurça.

A sua função é a de proporcionar segurança nos gestos, especialmente quando estão em causa movimentos de grande precisão e o uso de pincéis muito finos. Na área profissional que escolhi há perto de quatro décadas, a da conservação e restauro de pintura, este é um objecto importante.

Antes de enveredar por esta actividade, desconhecia-o totalmente. Para mim “tento” significava “juízo”; e “ter tento”, apenas “ter juízo”. E durante muito tempo em nada associei este objecto ao termo que eu conhecia. Eram apenas palavras que se escreviam da mesma forma.

Hoje porém, os termos “tento” e “tento” estão muito próximos. Na verdade, preciso de “tento” (juizo) para aceitar com humildade que as capacidades se vão alterando com o passar dos anos, sendo  “o tento” (objecto)  imprescindível nesse processo. Porque sem ele, o cansaço no braço é uma realidade bem sentida, e os resultados imprecisos e não satisfatórios. Mas com ele na mão esquerda, a direita sente-se apoiada, confortável, segura e ainda capaz de tudo.

Olho para este companheiro de profissão com um carinho especial e como uma extensão do meu corpo. Talvez com o mesmo sentimento de quem utiliza uma bengala como auxiliar de marcha para se sentir mais seguro.

Os anos passam e as circunstâncias mudam. O importante é estarmos atentos a essas mudanças e a aceitar com abertura e lucidez os “tentos” necessários para que a vida se mantenha saudável e equilibrada.

 

 

subtilezas de um copo…

 

IMG_2322

 

Um copo cheio…meio cheio…meio vazio…vazio..

Tanto faz. Por agora, interessa o copo.

Associemos a ele um carácter humano e uma existência mais ou menos transparente consoante a vontade de partilhar ou não o seu conteúdo.

Pode ser um copo grosseiro e resistente daqueles que saem imunes de uma queda, ou um copo frágil e sensível que ao mínimo toque fica com marcas e danos irreversíveis.

O facto de ser elegante e de belo porte, ou apenas básico e de uso comum, nada significa quanto ao que pode conter. Um copo de cristal, para muitos o mais perfeito, é beleza exterior porque anima o olhar e o tacto. Porém, pode conter um péssimo vinho ou um desagradável espumante, daqueles que quebram a boa energia a qualquer tchim tchim. Por outro lado, um copo sem estatuto pode proporcionar um momento grandioso de satisfação se, na circunstância certa, conter uma deliciosa bebida ou uma água puríssima e fresca, daquelas que alimentam o corpo e a alma.

Contudo, seja na nossa vida ou na durabilidade de um copo, um imprevisto indesejável pode levar a uma quebra. Sem retorno. O fim do tchim tchim à vida.

Neste divagar…

…tudo é tão relativo na transparência de um copo, como na opacidade da nossa dura, frágil, mas bela existência. Porque o que é ou aparenta ser, pode ser ou não. Tudo pode estar certo no lugar certo, certo no local errado, ou simplesmente tudo errado. Não há normas para a vida, apenas inúmeras hipóteses a serem conjugadas de preferência com algum equilíbrio, o objectivo porque sempre lutamos.

Neste estar, em cada “copo-vida” mistura-se realidade, desejos, sentimentos, emoções e muito, muito mais, em intensidades e proporções variáveis. Depois, ou “bebemos” esse conteúdo de forma impessoal e insípida sem perceber bem o seu sabor, ou exigimos a nós próprios o tempo, a disponibilidade, a sensibilidade e a persistência para degustar o nosso “copo” com mais ou menos moderação, mas sempre com a devida atenção.

Aprecie-mo-lo… de preferência com o espírito do “copo meio cheio”!

 

 

 

fogo e água

 

IMG_7138

 

A chuva caiu no momento mais desejado. Caiu e apagou numa única noite, muitos dos incêndios ainda activos, das centenas que deflagraram no último fim-de-semana no meu país. Novamente.

Fogos nascidos maioritária e intencionalmente de mãos humanas, porque os fogos raramente deflagram sozinhos. Fogos loucos e dramáticos que voltaram a matar dezenas de portugueses, pessoas que apenas viviam mais um fim-de-semana das suas vidas.

A chuva caiu e apagou o fogo que já apagara muitas vidas..

…talvez essa chuva tenha evitado o desaparecimento de outras;

…talvez a Natureza tivesse pena deste pequeno país em fogo;

….ou, talvez a Natureza não quisesse mais sofrimento neste solo, nas nossas florestas, nos animais e neste povo.

Não havendo culpados conhecidos, gosto de acreditar que existe algo Superior, com discernimento, equilíbrio e que sabe o que faz.

 

 

 

conservar/recuperar

 

restaurar

 

– Conservar/recuperar determinadas capacidades do ser humano (motoras, sensoriais ou mentais)

– Conservar/ recuperar aspectos e valores originais de certos objectos ou de obras de arte

 

São vários os campos da vida em que esta parceria “conservar/ recuperar” pode ser aplicada, como são muitas as situações em que o descuramos. Porque cuidar, manter e/ou melhorar exige esforço e… muitas vezes o esforço cansa! Além disso, o facilitismo, a pressa e até um certo egoísmo que nos rege, não se coadunam com o trabalho e a paciência exigidos na recuperação de determinados valores ou capacidades entretanto perdidas. Mas obviamente existem excepções e são muitos os que o fazem no seu dia-a-dia, seja pessoal ou profissionalmente.

Por um lado, temos todos os agentes de saúde, em particular os terapeutas, que se dedicam com profissionalismo, empenhamento e muita paciência aos deficientes físicos, aos deficientes mentais ou aos idosos, numa atitude que visa a manutenção das suas capacidades, mas igualmente à reaquisição total ou parcial de outras que lhes poderão proporcionar autonomia, bem estar e uma melhor integração na sociedade.

Por outro, e num campo totalmente oposto na medida em que não lidam directamente com o corpo, os sentidos ou a mente mas sim com princípios e materiais, encontramos os conservadores-restauradores de arte, que mais não são do que terapeutas que recuperam valores patrimoniais. Também eles zelam preventivamente para que a deterioração não se instale e actuam no sentido de recuperar os aspectos materiais e/ou estéticos danificados por descuido ou acidente, tendo sempre em mente o respeito total pelos valores originais da obra de arte.

Curiosamente, a minha formação profissional abrangeu estes dois campos de acção: primeiro como terapeuta ocupacional, área em que me formei na juventude e trabalhei por um curto período de tempo; e posteriormente, como conservadora-restauradora de pintura, actividade a que me dedico há muitos anos. As semelhanças que apresentam são tão grandes, como são enormes as diferenças que as separam, basta o facto de estar em causa lidar com pessoas ou o lidar com objectos.

Porém, na base de ambas as profissões está a mesma essência, o mesmo tipo de olhar, a mesma filosofia, o mesmo cuidado e, de certa forma, o mesmo tipo de sensibilidade e atenção. Talvez por isso, ambas foram importantes na minha formação como pessoa e têm sido tão complementares ao longo da vida.

Contudo, alargando o campo de abrangência dos termos que dão título a este post, verifica-se que o conceito que lhes está subjacente é, seguramente, a base de toda a dinâmica da vida.

Na realidade, a parceria “conservar/restaurar” representa por um lado, a “luta” que todos necessitamos de empreender para nos conservarmos saudáveis e genuínos; e por outro, o “trabalho de recuperação” e o esforço que nos é exigido quando surgem desequilíbrios provocados por interferências, imprevistos, desvios ou abanões.

Por fim, é interessante perceber que este processo que se passa com cada um de nós é comparável ao que se passa na própria natureza e neste planeta que nos recebe. Também eles têm mecanismos que lhes permite “conservar uma certa estabilidade” e, noutros momentos, reagir com forças mais activas e dinâmicas capazes de contrabalançar e recuperar o equilíbrio…quantas vezes posto em causa por nós, os humanos, a mais inteligente raça que deles depende!

 

 

sinais

img_6960

 

Recentemente, de caminho para um supermercado, tentava lembrar-me de algo que sabia ter em falta, que era importante, mas que esquecera de registar na lista das compras na devida altura. Pensei, pensei… mas a memória nada me dizia!

Estacionado o carro, olho em frente e…fiquei atónita! Estava ali, perante os meus olhos e no exterior de um automóvel de uma conhecida agência imobiliária, a resposta que a memória não me deu: a palavra “coentro”, sendo neste caso o apelido do vendedor que utilizava essa viatura.

Foi com uma estranha sensação que entrei no espaço comercial e iniciei as compras. Ao chegar aos legumes, outra surpresa: ao lado de uma caixa replecta de embalagens de salsa, estava uma única embalagem de coentros…a olhar para mim! E eu fiquei a olhar para ela, obviamente satisfeita… mas algo perturbada com mais esta situação. De imediato pensei que estaria danificada, suposição que estava errada. Peguei nestes coentros com todo o carinho… e coloquei-os no cesto.

Fase seguinte: pensar sobre o sucedido…

Seria uma coincidência? Um acaso? Um alerta? Não sei!
Apesar de não ser a primeira vez que me acontece este tipo de situação (que certamente se passa com todos), tentei racionalmente perceber… mas a verdade, é que a mente não foi capaz de o fazer. Apenas me disse…

…que não era importante arranjar uma resposta objectiva e plausível, porque não a iria encontrar;
…que nem tudo é justificável;
…que poderia arranjar uma explicação mais esotérica…baseada na eventualidade de sermos energéticamente “orientados” neste nosso caminho… uma sensação muito pessoal que tenho, mas que sendo uma matéria complexa e que não domino, também não quero ir por aí…
…e disse-me algo mais, talvez o principal: que este episódio marcante serviu para “reavivar” a noção de como é  importante estarmos o mais possível atentos, quer ao que se passa em nossa volta, aos sinais exteriores, quer ao nosso interior, tentando perceber as emoções sentidas e as intuídas.

Tal como o “coentro” escrito naquele automóvel foi a resposta que eu precisava naquele momento, muitas outras respostas ou indicações estarão “perto ou dentro de nós”, mas acabam por não ter reprecurssão na nossa vida porque não estamos suficientemente atentos nem receptivos para as  entender.

Acredito profundamente que uma grande parte do nosso equillibrio estará nesses detalhes, sejam eles vistos, sentidos, percebidos ou intuidos, e na nossa receptividade a essa “troca de mensagens”. Eles são igualmente aquela voz interior que nos diz “vai… segue em frente… persiste nesse o caminho…estás certa…é isso mesmo…” ou, por outro lado, a que nos diz “cuidado…pensa bem…isto não é bom para ti…muda de rumo…” . No fundo e em conjunto, todas estas mensagens, sinais e intuições são a “voz sem palavras”, a energia ou a força que, silenciosamente, nos vai mostrando o caminho.

Sim…é verdade, nem sempre a “leitura” que fazemos está correcta, mas… como seres imperfeitos, como é que poderíamos intuir e compreender sempre esses “sinais”?

Tudo isto… veio a propósito de um estranho ramo de coentros!