genérico/ créditos finais

 

IMG_3813

 

Seja em casa ou no cinema, a visualização de um filme é um momento de partilha e uma apreciação do trabalho de todos os que nele colaboraram, apareçam ou não no écran.

Especialmente numa sala de cinema em que os créditos finais são bastante perceptíveis pela dimensão das letras, não compreendo que a maioria dos espectadores se levante e abandone a sala mal aparecem as primeiras palavras que se seguem à última cena do filme. Sistematicamente isso acontece, sendo raros os que ficam até ao fim.

Com essa atitude, não apenas tapam a vista e incomodam os que permanecem sentados e atentos ao que continua a acontecer no écran, como perdem por vezes cenas que surgem durante ou após a passagem do genérico e que dão pistas importantes ao próprio filme ou a sequelas que ele possa ter. Mas, principalmente, ignoram as pessoas que contribuíram para aquele momento de lazer que acabaram de usufruir.

Creio que esta atitude estará relacionada com a “aceleração” em que se vive…com o não pensar nos outros… mas, essencialmente, com o facilitismo que prolifera por aí.

Na verdade, tudo é fácil e um dado adquirido. Moldados neste espírito, uma grande maioria consome o imediato, o momento, o que gera estímulo. Pouco mais interessa, muito menos o trabalho dos outros.

Se esses espectadores que se levantam tivessem o seu nome no genérico, certamente ficariam até ao fim. O ego precisa de alimento… então, porque não o fazer como forma de agradecer aos outros, ao “contingente silencioso” que lhes permitiu aquele momento?

Se a leitura deste post tiver como consequência que uma única pessoa permaneça na sala, atenta, até ao final do genérico da próxima vez que for ao cinema… ele já valeu a pena.

 

 

A imagem inicial é um detalhe dos créditos finais do filme Um ano especial, realizado por Ridley Scott (2006)

 

 

criativa dor…

 

imagem

 

Por vezes
o corpo é um palco
onde a dor
é o actor.

Friamente,
prefere este actor
a noite
provocando sem pudor
o sono
e o meu descanso.

Farto de tal cismar
desiste o sono
de dormir,
aliando-se com a dor
num estranho abandono
indiferente
e sem ardor.

Não,
não leram
uma falhada
história de amor
ou uma ficção
inventada…

…mas um guião sem humor,
em silêncio encenado
num recanto deste meu corpo
para um único espectador!

 

(…por vezes…
…a melhor forma de “combater” o inimigo é aliar-mo-nos a ele e tentar construir algo…nem que seja um poema!)

 

 

(Dulce Delgado, Novembro 2018)