os dias dos dias

Vinte e quatro horas separam estas imagens captadas sobre a região de Lisboa. Vinte e quatro horas envoltas numa certa magia, uma vez que também as separa um ano tendo em conta que a primeira se refere ao nascer do último dia de 2021 (31 Dezembro) e a segunda ao nascer do primeiro dia de 2022 (1 de Janeiro).

A natureza não conhece passagens de ano nem as festas do nosso calendário. As suas festas envolvem equinócios e solstícios, movimentos, alinhamentos e rotações de planetas, cometas, estrelas, etc, tudo numa dimensão que nada tem a ver com a nossa. Contudo, fazemos parte e dependemos dessas “festas” planetárias e passagens de ciclos, apesar de esquecermos amiúde essa conexão e interdependência.  

Mas voltando às duas imagens acima, aos nossos dias e à nossa dimensão humana…

…nada se repete pois não há dias, emoções ou olhares iguais. Assim como variam as neblinas no horizonte da terra e nas certezas ou incertezas do nosso olhar, também as nuvens que interferem com as nossas emoções podem ser reais ou falseadas por interferências alheias. E aquele detalhe que o olhar percepciona, ou não, talvez possa fazer toda a diferença, seja nas escolhas, seja na beleza dos nossos dias.

O tempo passa demasiado rápido e cada dia que acontece é menos um na nossa vida. Olhemos por isso com humildade para a riqueza de cada um desses detalhes do tempo. Como? Estando Presentes com um P grande e apreciando e valorizando as particularidades que eles sempre nos apresentam.

Para finalizar, pode parecer uma comparação um pouco absurda, mas para mim tem sentido o que vou escrever: assim como o ouro, o incenso e a mirra oferecidos ao menino simbolizavam humildade e de certa forma submissão dos reis magos perante o Rei/energia acabado de nascer (realmente o menino não precisaria minimamente dessas riquezas materiais…), também o nosso olhar perante a Vida deve sobretudo basear-se na humildade e no enaltecer dos valores que são realmente essenciais. Não há “ouro, incenso ou mirra” que valha, se outros valores não habitarem a nossa alma.

Um bom dia para todos…e um bom Dia de Reis para os que vão seguindo a tradição cristã!

Advertisement

para além do olhar

 

IMG_3403a

 

A existência daquele conjunto de árvores passou literalmente ao meu lado até ao dia em que o seu contorno atravessou o meu olhar e fui atraída pela elegante nudez, despojamento e solidão que exprimiam.

No tronco e nos ramos possuem uma grande quantidade de espinhos agressivos e duros, estruturas que estou certa cumprem bem a sua função e que impedem qualquer tentativa de aproximação. Na prática, apenas o olhar as pode tocar.

Há certas pessoas que são um pouco assim. Que têm o dom de atrair olhares por um qualquer aspecto ou detalhe mais físico, mas simultaneamente afastam a vontade de aproximação, seja pela atitude, pelas palavras ou até energia. São pessoas que têm “espinhos” como este Espinheiro-da-Virgínia (Gleditsia triacanthos L.).

Contudo, tal como esta árvore protege no seu âmago os frutos e as sementes, a sua verdadeira essência, também esses seres humanos “guardam” algo potencialmente genuíno, vital, humano e doce.

Indefinida e difícil poderá ser a forma de contornar esses “espinhos” e de chegar ao que é importante.

Mas tal é sempre possível.

 

IMG_3404a

 

IMG_3402a

 

 

 

purificar

 

dscf9751a

 

Entre o nascer e o partir
absorvemos a vida,
como esponjas de um tempo
saboreado,
sofrido,
mas sempre vivido.

Por vezes
sentimos
que não há espaço para mais,
apetecendo depurar o corpo
purificar a alma,
retirar o que não interessa
e guardar
apenas a essência.

Então,
limpos por dentro e por fora,
voltaríamos a nascer para a vida
e para o mundo,
vivendo o aqui
e o agora,
em cada segundo
em cada minuto
e em cada hora!

 

(Dulce Delgado, Fevereiro 2017)