“poesia” no futebol

 

futebol

 

… refrescar a tarde de calor com salpicos de futebol…

… meter o radar no pé esquerdo…

… mas há destinos e obras de arte que não entram em estatísticas (referindo um golo)

… o defesa brasileiro não teve samba para o tango do argentino…

… o guarda-redes tem sempre um palmo a mais…

… da marca dos onze metros pôs o poste a tilintar…

… adormeceu no turno…e ofereceu o golo…

… agarrou entre as mãos, a vontade de chamar pelo golo…

… colocou aquela bicicleta com umas mudanças acima…

… a bola levava certinha as coordenadas da cabeça do avançado…

… ele só tem olhos para a bola…

… Cristiano soltava a alegria…

… a classe com que põe a bola a morar no lugar favorito…

… é assim, quando se soltam os génios!

… etc.

 

Ao ouvir frases como estas a comentar resumos de jogos de futebol…a minha relação com esta modalidade melhorou consideravelmente.

A partir desse momento comecei a encontrar alguma “poesia” no futebol, não propriamente nas imagens emitidas, mas em comentários da autoria do jornalista João Alves Domingos, nome que aparece em rodapé no écran do primeiro canal da televisão pública portuguesa (RTP1), aquando da apresentação de resumos de alguns jogos.

A maioria destas frases são da sua autoria, e têm o dom de sugerir imagens e metáforas que facilmente nos transportam para outra realidade que não a de vinte e dois seres humanos atrás de uma bola tentando meter golos em duas balizas.

Tal descoberta levou-me a a percorrer outros canais televisivos, pois poderíamos estar perante uma nova linha jornalística de fazer comentários. Porém, nada encontrei de comparável nem com um estilo tão próprio, sendo este jornalista o detentor das melhores frases sobre esta modalidade desportiva.

Pelo menos para mim… que sou mais adepta de poesia do que de futebol!

 

 

Imagem retirada de  http://gqportugal.pt/melhor-sabado-futebol-da-historia/

 

 

 

greguerías

 

Ramón Gómez de la Serna é um autor madrileno nascido em 1888, que escreveu em vários estilos, passando pelo romance, crónicas, ensaios, biografias, etc. Chegou a viver algumas temporadas em Portugal, no Estoril, falecendo em 1963 em Buenos Aires. Era um homem que vivia à frente do seu tempo, um vanguardista, mas também um provocador, muito apreciado pelos surrealistas.

Para além dos estilos mencionados, entre 1910 e 1963 escreveu inúmeras frases a que chamou Greguerías, algo que mistura a metáfora com o humor. Porque as aprecio pela acutilância mas também pela sensibilidade e humor, deixo aqui uma pequena selecção, esperando que vos agrade.

 
A lua é o espelhinho com que o sol se entretem de noite a inquietar os olhos da terra.

A harpista toca a música do tear.

À tardinha, passa em voo rápido uma pomba que leva a chave para fechar o dia.

Três andorinhas no fio do telégrafo são o alfinete no decote da tarde.

O que define as mulheres é pensarem que todos os homens são iguais, enquanto que o que perde os homens é crerem que todas as mulheres são diferentes.

A neve apaga-se na água.

O relógio não existe nas horas felizes.

As passas são uvas octógenárias.

O arco-irís é o cahecol do céu.

O pó está cheio de velhos e esquecidos espirros.

Na gruta boceja a montanha.

Vê-se que a água a ferver ficou louca e lhe saltam os olhos.

A cabeça é o aquário das ideias.

A imortalidade do caranguejo consiste em andar para trás, rejuvenescendo até ao passado.

A água solta o cabelo nas cascatas.

O mar é a rotativa mais antiga do mundo que publica incessantemente o jornal A Onda.

O chapéu que voa parece que fugiu com todas as ideias daquele que lhe corre atrás.

No primeiro eléctrico da manhã ainda há sonhos do dia anterior.

A posição mais incómoda para um livro é ficar aberto e de bruços no braço de um sofá.

Há suspiros que ligam a vida à morte.

Quando na árvore só ficou uma folha, parece que ficou com a etiqueta do preço.

O salgueiro toca harpa na água.

O Pensador de Rodin é um jogador de xadrez a quem tiraram a mesa.

Génio: o que vive de nada e não morre.

 
(Todos os dados deste post foram retirados do livro Greguerías, uma selecção, editado em 1998 pela Assírio & Alvim, com escolha e tradução de Jorge Silva Melo).