aceitar e ajudar

 

mmm

 

Nesta sociedade em que é tão fácil criticar pela negativa e em que prolifera no mundo a ideia de segregar e de fechar fronteiras, é deveras gratificante pegar num jornal e ler um artigo que fala de pessoas que imaginaram um projecto, que o construíram de raiz e tudo fazem pela saúde e bem-estar dos cidadãos que habitam a zona mais multi-cultural da cidade de Lisboa e provavelmente de Portugal.

Sem mais palavras deixo-vos o artigo Jovens e sem bata, estes médicos fizeram uma revolução no Martim Moniz, da autoria da jornalista Mariana Pereira e publicado ontem, dia 25 de Novembro, no Diário de Notícias.

Vale a pena ler até ao fim. Porque naturalmente nos anima a alma e alimenta a esperança.

 

Imagem retirada de  https://justnews.pt/noticias/usf-da-baixa-a-saude-na-promocao-de-inclusao-social#.W_xmp2j7Q2w

 

 

Advertisements

detalhes de outono

 

IMG_1761a

 

Volto ao Jardim 9 de Abril em Lisboa, espaço já aqui referido mais do que uma vez. E esta não será certamente a última…
Talvez me repita um pouco ao dizer que gosto muito deste recanto por onde passo diariamente. É um sentir de quase quatro décadas, nascido de uma observação viva e continuada, estação após estação, ano após ano.

Em Novembro de 2017, há precisamente um ano, publiquei um post com uma imagem geral deste jardim em pleno Outono. Este ano vou aproximar o olhar um pouco mais e mostrar a relação entre a paineira-rosa, a árvore central, e a vinha-virgem que a circunda. Se aparentemente a força e o poder está na robustez do tronco da primeira, é a fragilidade da segunda que protege esse tronco e dá estabilidade e beleza ao conjunto.

Muitas vezes, os que parecem mais frágeis conseguem com a sua sensibilidade e gestos obter o respeito dos mais fortes. E, lado a lado, ambos cooperarem com um fim comum. Neste caso…diria… em prol da beleza que alimenta os nossos dias!

 

IMG_1753w

 

IMG_1755w

 

IMG_1759w

 

As imagens acima foram captadas a uma sexta-feira, na véspera de um fim-de-semana que se revelou cinzento, desagradável, com vento e muita chuva. Nesse período, a maioria das flores da paineira-rosa e das folhas da vinha-virgem caíram, cobrindo o chão de um tapete de cor.

 

IMG_1819a

 

Naturalmente, tudo mudou em dois dias para estes seres vivos e para este recanto da cidade, mostrando bem o dinamismo e a força da natureza.

Para mim, contrariamente, esse foi um tranquilo fim-de-semana, caseiro e muito acolhedor!

 

 

artes e ofícios

 

IMG_0549ab

 

Numa sociedade predominantemente tecnológica e em que os saberes tradicionais passaram para um segundo plano, prezo saber que na capital do meu país tem havido algum cuidado na preservação desses conhecimentos, sendo certo que qualquer apoio que se associe à vontade, ao esforço e ao investimento dos próprios artífices, é potencialmente positivo.

Se há algum tempo divulguei aqui a iniciativa das Lojas com História, hoje quero referir a Rede de Artes e Ofícios de Lisboa, onde é possível encontrar, por zona da cidade ou ramo de actividade, uma série de profissões que o tempo colocou num segundo plano e que requerem conhecimentos especializados, técnica e sensibilidade. Nesta rede encontramos ofícios de todo o género, assim como os contactos de quem os realiza.

No sentido de divulgar estas actividades, também abriu recentemente o Mercado dos Ofícios do Bairro Alto, iniciativa que resultou de uma parceria entre o Município, a Misericórdia e entidades especializadas em ofícios tradicionais.

Por último, apesar de se situar numa vertente um pouco diferente, não quero deixar de referir os concursos para atribuição de ateliers municipais a baixo custo e com contrato de exploração por quatro anos, um sistema ideal para artistas em início de carreira e com poucos recursos, uma vez que o arrendamento é bastante baixo tendo em conta os altos valores do parque habitacional da capital.

Explorem os links acima e ajudem na sua divulgação.

 

 

 

amarelo e lilás

 

DSC_0581a

 

Harmonioso é o elo que une o lilás ao amarelo…como é expressiva a parceria que une o jacarandá e a tipuana!

Apesar de não estar sol e, naquele dia, uma estranha luz pairar sobre a cidade, o meu olhar ficou fascinado com estas imagens que encontrou na zona de Santos, em Lisboa. Estou certa que terão provocado um sentir semelhante em muitos dos que por ali terão passado.

 

DSC_0580a

 

DSC_0575a

 

DSC_0574a

 

Em certos recantos, o amarelo das tipuanas superava totalmente o lilás dos jacarandás…

 

DSC_0572a

 

DSC_0576a

 

DSC_0567a

 

DSC_0564a

 

DSC_0571a

 

…sendo com este tipo de detalhes que a cidade, em tempo de festa e de descanso, vai partilhando o seu colorido com todos os que nela vivem, trabalham ou visitam!

Espero que o vosso olhar aprecie esta Lisboa!

 

 

 

 

colorindo lisboa

 

IMG_7261

 

Lisboa ameniza o cinzento e a inconstância desta estranha Primavera com a beleza dos jacarandás que recentemente iniciaram a floração, como um relógio da natureza que marca o tempo no colorido da cidade.

Em muitos recantos o seu lilás abraça o céu e as nuvens, noutros encosta-se aos edifícios ou delicia-se a pintar os passeios e as estradas com as flores já caídas, atraindo docemente o nosso olhar……olhar que espera que o sol apareça sem filtros e puro, para saturar as cores, contrastar a cidade e permitir apreciar esta época de uma forma mais viva e límpida.

A cor dos silenciosos jacarandás pontua e acompanha a energia e a confusão das festas da cidade e dos santos populares que agora se vive. E pontua a nossa! Afinal o reaparecimento deste lilás também significa mais um ano no livro da nossa história, no nosso corpo e nas emoções que nele vibram. E indica que a Primavera está prestes a terminar….e que brevemente outro Verão aparecerá no calendário.

Pela minha parte….

…para o ano aqui estarei mais uma vez para partilhar a minha satisfação pela sua presença nos meandros da cidade e, obviamente, nos caminhos do meu olhar!

 

IMG_7281

 

IMG_7256a

 

IMG_7254a

 

IMG_7277a

 

IMG_7279a

 

 

 

arco-íris

 

IMG_5372a

 

A atmosfera é rica em eventos meteorológicos ou luminosos, que vão de um tranquilo nascer ou pôr-do-sol a um destruidor furacão. Estas situações desencadeiam em nós sentimentos de prazer ou de bem estar, mas igualmente de desconforto, receio ou medo. E muitas vezes de pura indiferença…

Existe porém um fenómeno que tem a capacidade de nos provocar um certo encantamento, como é o caso do arco-íris. Sejamos velhos, novos, sensíveis ou um pouco mais rudes, esse fenómeno retém o nosso olhar como um íman, provocando um sentimento de admiração, talvez um sorriso ou mesmo um certo prazer interior. Os mais fantasiosos facilmente deixam a imaginação tocar-lhe ou percorrê-lo numa breve, longa ou alucinante viagem. Quantos de nós já não fizemos isso!

Sendo o arco-íris um fenómeno óptico, o mais curioso é que cada um verá o seu arco-íris, consoante o lugar onde se encontra. Para uns será maior, para outros menor, eventualmente duplo, de cores fortes ou atenuadas, apenas com algumas cores, etc.

Perante esta realidade…

… sempre que vejo um arco-íris gosto de imaginar a atmosfera não apenas com o “meu arco-íris”, mas igualmente com todos os que estarão a ser vistos por outros observadores naquele momento e região… formando esse conjunto de arcos de luz uma força positiva, envolvente e com a capacidade de melhorar a energia deste nosso planeta ou de atenuar um pouco o sofrimento nele existente.

Uma utopia certamente…mas no mínimo, é uma imagem bonita!

 

(Esta foto foi captada ontem nos arredores de Lisboa)

 

arte bruta /arte outsider

 

Capturarmig bomb

Desenho de Alexandre da Fonseca, 1934, Museu Miguel Bombarda

 

A arte assim denominada foi concebida em 1945 pelo pintor Jean Dubuffet, que a considerava a forma de arte “mais pura” pelo facto de estar associada a criadores livres e sem influências, não se prender a qualquer estilo oficial e ainda, por não seguir os parâmetros do circuito comercial. Este último facto, só por si, era suficiente para levar os artistas ao uso de técnicas e de materiais menos habituais ou mesmo improváveis.
A maioria das obras assim consideradas, estão ligadas a doentes psiquiátricos internados ou a indivíduos isolados.

Existem várias colecções importantes deste tipo de arte. Em Portugal, serão duas as que têm mais relevância:

– Em S. João da Madeira, no Núcleo de Arte da Oliva Creative Factory, foi instalada em Maio de 2014 a Colecção Treger/Saint Silvestre, que inclui algumas centenas de obras que podem ser diariamente visitadas.

– Em Lisboa, no Museu Miguel Bombarda, a Associação Portuguesa de Arte Outsider  possui milhares de obras no seu acervo mas, infelizmente, o espaço não está aberto ao público apesar de o site assim o indicar.

Esta associação continua a aguardar o projecto de musealização do edifício principal do antigo Hospital Miguel Bombarda, já classificado como de interesse público juntamente com o Balneário D. Maria II e o Pavilhão de Segurança, outras importantes estruturas existentes no local.

O avanço desse projecto permitiria expor toda a colecção em boas condições, mas são muitos os interesses impeditivos, nomeadamente os imobiliários, que cobiçam uma parte daquele espaço que se encontra bem localizado no centro de Lisboa.

Seria do interesse de todos, seja dos que habitam a cidade seja dos que a visitam, que impere o bom senso e se opte por uma solução que, por um lado, permita parar com a degradação em curso e, por outro, fomente a valorização deste importante património arquitectónico e artístico.

Lisboa ficaria certamente a ganhar.

 

 

(Imagem retirada de http://aparteoutsider.org/?page_id=28)