em dia de s. martinho…

…entre outros detalhes, uma boa castanha não pode faltar!

A cada estação do ano associamos uma imagem, um cheiro, um lugar ou um sentir.
Se me perguntarem qual o cheiro desta estação, respondo de imediato que é o das castanhas assadas, aroma que “vive” nesta época do ano em muitos recantos da cidade de Lisboa e certamente de outros locais do país. Ele é tão irresistível (para quem gosta, obviamente), como é reconfortante e delicioso o prazer de deambular pelos passeios da cidade, num dia frio, a saborear castanhas quentinhas acabadas de assar. Verdade seja dita, castanhas é comigo, pois gosto de as degustar em qualquer circunstância ou forma, seja cruas, cozidas, assadas, fritas, piladas, como acompanhamento culinário ou em doces.

Neste Dia de S. Martinho, em que por tradição as castanhas acompanhadas de jeropiga, água-pé ou vinho estarão presentes na mesa da maioria dos portugueses, eu não serei excepção. Não apenas porque gosto do seu sabor…mas porque gosto da ideia de dar continuidade a uma tradição popular num tempo em que a globalização e a importação de paladares é uma realidade dos nossos dias.

Para quem aprecia esta tradição, desejo um bom dia de S, Martinho!

🌰🍂

alegria de outono

O Jardim 9 de Abril em Lisboa já passou pelo Discretamente em diversos momentos, pois sempre encontro nele um ou outro detalhe que me sensibiliza.

A foto acima foi aí tirada recentemente e nela atrai-me a simbiose que este ano se criou entre os troncos da Paineira-rosa (Ceiba speciosa) e as ramagens da Vinha-virgem americana (Parthenocissus quinquefolia), as duas principais espécies que ocupam a área central deste jardim.

Apesar de estarmos em pleno Outono, as cores que ele emana parecem contradizer esta realidade e levam-nos naturalmente para a ideia de estarmos perante uma fulgurante Primavera.

Vista do lado sul
Vista do lado oriental do jardim, onde existem igualmente algumas buganvílias bem floridas

Curiosamente, na altura da Primavera, esta área do jardim limita-se a oferecer uma viçosa harmonia em tons de verde, como revela a foto abaixo captada no final do último mês de Abril.

Vista do lado norte

Ano após ano tenho o privilégio de ir acompanhando diariamente estas transformações. E sempre que chega o Outono e a cor aparece em pleno, gosto de pensar….ou de imaginar…. que tal colorido representa a exuberância, a alegria e a festa da Natureza por estar prestes a cumprir mais um ciclo antes de entrar na letargia e na fria nudez do Inverno.

Só pode ser isso!

Boa semana!🍂

a ponte do meu olhar

O valor que damos a algo é sempre relativo, sendo imenso o que passa despercebido ao nosso olhar enquanto outros alvos são privilegiados por esta transparência que brota de nós. 

A ponte 25 de Abril, que une as duas margens do Tejo em Lisboa, talvez seja a campeão dos meus olhares. Há mais de quarenta anos que descansa na janela da sala onde trabalho e há outros tantos que sob ela passo duas vezes ao dia.

Normalmente mostra bem os seus contornos e elegância, linhas que os nevoeiros surgidos no rio gostam de afagar ou esconder num jogo dinâmico e sensual, ora tapando a base dos pilares, ora os topos, ora tudo. Neste ultimo caso em que ela simplesmente desaparece, gosto de pensar que foi de viagem, que se cansou de estar estática no mesmo lugar há tantos anos…ou então que eu mudei de lugar e outra cidade me recebe! Certo é que, limpa ou envolta em nevoeiro, é sempre bonita e cativante.

Esta estrutura longa e flexível tem uma vida muito própria. Pelas suas entranhas passa um comboio (como se pode ver à esquerda da imagem), um meio de transporte importante na dinâmica dos fluxos de pessoas que se deslocam diariamente entre as duas margens do rio; e no tabuleiro, um tráfego muito intenso ou mais fluido pode, de um momento para o outro, dar lugar a um acidente de onde resulta um humor engarrafado, congestionado e sempre enervante. Por outro lado, mantém uma relação sonora com a cidade emanando um ruído constante, um “vrumm” metálico um tanto cansativo e certamente muito incomodativo para os que vivem perto dela.

Na sua passividade e para além da função de ligação, já foi palco de muitos momentos desde que foi inaugurada em 1966: grandes obras, manifestações, bloqueios, corridas com milhares de pessoas, etc, etc. Já sabe o que é o calor dos passos humanos, do mesmo modo que sabe o que é o desespero dos muitos que decidiram terminar a vida no seu tabuleiro, atirando-se daí ao rio. Com este pensamento, a ponte sempre perde muita da poesia que lhe encontro…

Olhando em seu redor…

…é uma estrutura que tem a seu lado, na margem sul, o Santuário do Cristo-Rei, formando uma parceria inconfundível no perfil da cidade e uma espécie de ex-libris que dá as boas vindas a muitos dos visitantes. No céu, passa sobre eles um dos corredores aéreos de acesso ao aeroporto de Lisboa, percorrido por um constante fluxo de aviões que só a pandemia permitiu travar totalmente. E em baixo, sob a ponte, flui o magnifico rio Tejo prestes a chegar ao oceano e permitindo agora, depois dos trabalhos de despoluição realizados, que muitos golfinhos penetrem diariamente o seu leito e sejam vistos na zona dos dois pilares submersos. Que melhor companhia poderia ter a ponte 25 de Abril?

Os pilares que a sustentam são suporte, mas não só. Na verdade, vale muito a pena ir até ao primeiro em betão implantado no lado norte, em Alcântara, e aí visitar o Centro Interpretativo da Ponte 25 de Abril – Experiência Pilar 7 – inaugurado aquando dos 50 anos desta estrutura. Muito mais do que o interesse do miradouro e do elevador panorâmico que possui, vale imenso pelo percurso expositivo que disponibiliza complementado por meios interativos. E responde a muitas questões que os mais curiosos terão ao olhar para esta belíssima obra de engenharia que resultou do trabalho árduo de muita gente, numa época em que as tecnologias e as questões de segurança era bem diferentes da actuais, facto que levou à morte de muitos trabalhadores em acidentes durante a sua construção.

Publico este divagar no dia de mais um aniversário desta ponte, mais precisamente dos 55 anos após a sua inauguração. Nessa altura, era a maior ponte suspensa da Europa e foi um evento marcante para todos os portugueses. Até para mim, uma criança com apenas oito anos que vivia no Algarve….e que jamais imaginaria que aquela enorme construção seria uma presença constante no seu olhar e, de certa forma, na sua vida.

(Foto captada neste dia de aniversário, logo pela manhã!)

em tons de tipuana

Em tons de Tipuana nasceu este post, porque são umas árvores magníficas e porque gosto imenso do amarelo das suas flores.

A tipuana (Tipuana tipu) é, tal como o Jacarandá, uma espécie oriunda da América do Sul que se adaptou muito bem ao nosso clima. Floresce em Junho, altura em que pinta de amarelo muitos recantos e jardins do nosso país.

Em certos locais ainda se mistura com o lilás dos jacarandás numa bela parceria, como partilhei num outro post publicado faz hoje precisamente três anos.

Este conjunto de imagens é muito recente, sendo todas captadas em Lisboa, na área que fica entre Alcântara e Santos.

O chão que pisamos também pode ter muita beleza!💛

lisboa em festa

No dia do feriado da nossa capital poderia falar do culto ao seu padroeiro Santo António de Lisboa, dos dotes de casamenteiro associados a este santo ou ainda do curioso responso/oração com o seu nome que muitos alegam ser uma preciosa ajuda na procura de objectos perdidos.

E poderia falar dos populares casamentos patrocinados pelo município, ou ainda das marchas populares e arraiais que habitualmente movem multidões pelas ruas da cidade, eventos que não se realizaram nos dois últimos anos devido à situação pandémica.

É certo que não haverá as tradicionais Festas de Lisboa…mas Lisboa está envolta numa festa de cor e emana uma imensa alegria proporcionada pelas flores dos jacarandás, evento que se repete anualmente e a que este Discretamente não resiste…

Para além do Santo António, há um outro santo também associado à cidade, o São Vicente, cujo corpo viaja eternamente dentro de uma barca vigiada por dois corvos no cimo de muitos postos de iluminação pública da cidade.

Sendo uma imagem já naturalmente curiosa, sempre me delicia encontrar nesta época do ano a referida barca navegando sobre e os jacarandás… num mar de ondas lilás!

No mínimo, é adorável!

Termino com uma fotografia que me parece revelar bastante bem a “essência” desta belíssima árvore.

A elegância e a expressividade que emana em cada um dos seus ramos permite desenhar histórias visuais únicas e irrepetíveis. São por isso infindáveis as que estão disponíveis no céu de Lisboa …e que eu tanto gosto de ler e apreciar nesta tempo de festa e de despedida da Primavera.

Esperemos que em 2022 a cidade volte finalmente a se vestir de gente e de muita Festa …porque os jacarandás sempre voltarão para a vestir de cor!!💜