sementes mágicas

Um passeio pela natureza é um momento de indescritível alegria. Esqueço problemas, complicações, intranquilidades e até as notícias do mundo. E sinto-me liberta. Apenas estou ali para sentir, observar, fotografar, partilhar…e agradecer a beleza dos lugares que me dão passagem!

Por uma razão ou por outra, sempre me vêm à memória imagens de uma infância que, a par das belas praias algarvias, contemplou igualmente muitos espaços onde a natureza e as plantas silvestres eram presença, áreas que percorríamos na brincadeira ou em passeio.

É nesse contexto que recordo as sementes de uma planta que, após serem separadas de um espigão tinham a capacidade de rodar como se fossem ponteiros de relógio. Geralmente colocávamo-las sobre a roupa para ficarem mais libertas e melhor apreciarmos o movimento. Era uma diversão.

Foi há muito pouco tempo que descobri que se trata de Erodium moschatum vulgarmente conhecida como Erva-relógio ou Agulheira-moscada.

Todos os anos a encontro, mas este ano resolvi olhá-la com um olhar mais fotográfico e partilhar no Discretamente esse detalhe da infância.

Nessa época o tempo não existia e estava bem longe do meu pensar. Ele era o presente, os instantes e a brincadeira. E aqueles ponteiros que rodavam sozinhos durante uns minutos eram magia de um tempo em que o encantamento por isto ou por aquilo acontecia naturalmente.

O tempo passou…a ingenuidade quase voou….mas o gesto recente de separar estas sementes e observar os “ponteiros” foi mais uma vez vivido com alegria, o que me deu vontade de rir porque, objectivamente senti o mesmo e continuo sem saber porque rodam aquelas pontas nem qual será o fenómeno físico que desencadeia o movimento.

E percebi que, definitivamente, não quero saber!

Prefiro continuar a olhar para aquela planta-relógio que guarda “ponteiros mágicos” com uma ignorância que ainda me consegue encantar.

Bom domingo!🤗

o livro

Ideias, histórias e pensamentos
descansam no silêncio
aconchegante
de um livro.

Um respirar de mãos
gestos
e ar,
acordam o livro
do seu dormitar.

Despertas,
logo as palavras se acomodam
em suas páginas e lugar,
desejosas de ouvir
o som de um folhear
e de sentir
o calor de um olhar.

Abre-se o livro…

…e uma doce energia abraça-as
na magia da leitura,
um misto de atenção e ternura
que as guiará até à mente,
onde serão novamente
ideias
histórias
e sempre pensamento!

(Ao Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor que hoje se celebra….e àquela magia que um livro sempre encerra!)

pelo mundo das letras…

Inquieto,
deambulava o P
pelo mundo das letras
da escrita
e da aventura.

Num atalho encontrou o O
e logo a seguir o E,
o que gerou confusão
no momento de decidir
qual a ordenação
deste trio em formação.

As hipóteses eram demais…
…mas a personalidade do P
não era de subestimar,
decidindo com firmeza
que POE seriam
no futuro caminhar.

E assim continuaram.

Mais à frente
ouviu-se um forte suspirar…
…era um S
triste
e muito carente,
desejoso de encontrar
alguém a quem abraçar.

Com ternura no olhar
o E deu-lhe um forte abraço,
fazendo-o logo sentir
que finalmente encontrara
um lugar onde ficar.

E como POES seguiram…

…até num recanto avistarem
um ditongo a namorar
com fulgor e ousadia
em plena luz do dia.
Era o IA!

De imediato perceberam
a forte emoção
que esse par lhes traria,
pois juntos seriam corpo,
alma
acção
e uma imensa energia!

Logo entendeu o IA
o apelo vibratório
que o POES lhe fazia,
e o forte potencial
que a situação traria
a todos na vida real.

Tomada a decisão
o ditongo avançou
e ao S se agarrou…

…com tão forte a atracção…

…que num acto de magia
a palavra ganhou asas
e nasceu a POESIA!

(Poema e desenho de Dulce Delgado)

lisboa natalícia

 

1b

 

Um passeio nocturno pela Baixa de Lisboa é um ritual anualmente repetido nesta época festiva.

Gosto de o fazer com o meu companheiro com o espírito de descoberta e sem qualquer compra associada para não desvirtuar os objectivos a que nos propomos: apreciar e registar as iluminações natalícias das principais vias e praças do centro da cidade, e sentir de perto a dinâmica própria da época. Se o primeiro objectivo é sempre gratificante pelo factor surpresa, já o segundo foi um tanto confuso pelo vasto “emolduramento” humano de certas zonas

Constatei mais uma vez que a dupla “pessoas/ luzes” me leva naturalmente a recuar até à infância e à feira anual que agitava a rotina da cidade onde morava no sul do país. Por um lado pelos muitos visitantes que a procuravam; e por outro, pelo jogos luz/cor que o evento oferecia e que para um olhar infantil de há cinquenta anos tinha uma certa magia.

Mas voltemos ao séc. XXI, a Lisboa e a este passeio sempre algo mágico…

…a chuva entretanto caída espalhou luz, brilho, reflexos…e deixou tudo ainda mais bonito, como revela a primeira imagem obtida no “coração” da cidade, a praça do Terreiro do Paço.

 

2b

 

3b

 

4a

 

4b

 

5b

 

5ab

 

6b

 

8b

 

7b

 

Termino com a fachada de uma das principais ópticas do nosso país, onde constatei que a imaginação e o humor também iluminam a cidade!

 

9b

 

 

 

 

o olhar da natureza

 

1 - Cópia a

 

A Natureza é poderosa e sábia.

Acredito que de uma forma silenciosa controla as nossas acções, reagindo na devida altura para se defender e equilibrar.

Aqui e ali terá os seus observadores capazes de captar com a sua sensibilidade a nossa (in)sensibilidade, dados que lhe chegarão de uma forma que desconhecemos. Na altura devida, decidirá onde, quando e como actuar na tentativa de restabelecer o equilíbrio necessário.

Ao encontrar este olhar no tronco de uma árvore, imaginei estar perante um desses seres silenciosos e mágicos. Só poderia ser um desses seres!

Magia aparte….

…o “olhar” pertence à Brachychiton acerofolius ou Árvore do Fogo que se encontra no Jardim Botânico do Porto, mais precisamente no espaço que envolve a Galeria da Biodiversidade/Centro de Ciência Viva, o segundo pólo do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto.

Esta Galeria, a que aconselho vivamente uma visita, ocupa a Casa Andresen, aquela que foi a habitação dos avós da poetiza Sophia de Mello Breyner Andresen e que a acolheu em muitos períodos da sua infância. Quer a casa quer os jardins inspiraram Sophia em muitos dos seus contos e poemas.

Numa altura em que se iniciam as comemorações do centenário do nascimento desta escritora (1919 – 2004), quer a casa quer o jardim serão palco de eventos e referências. A par disso, no espaço temporal que se situa entre a Primavera e o Verão, a Árvore do Fogo irá florir, espalhará novamente a sua beleza e cativará muitos olhares. Mas o seu olhar, este olhar que aqui partilho e nos questiona é intemporal e está ali todos os dias.

Não sei a história nem a idade desta árvore, mas gosto de imaginar que é a guardiã daquele jardim. E acredito que, se existisse desta forma há um século, poderia facilmente tornar-se numa fonte de inspiração para Sophia.

Essa ideia torna-a ainda mais bonita!

 

2a

 

4a

 

5a

 

6a

 

7a

 

A natureza é realmente espantosa em seus detalhes!

Não concordam?

 

vida respirada

 

IMG_1142a

 

Perceber o que é Viver,
este Estar
e este Ser,
é tudo o que queremos saber.

Gosto de sentir a Vida
como um acto de respirar,
como um fôlego que entra em nós,
alimenta
cresce
e vai,
para um dia talvez voltar.

A vida seria então um profundo inspirar …

…de sensações sentidas
entre a dor e o amor,
de saberes e presenças
momentos e experiências,
e da emoção,
talvez longa
talvez efémera
de estar nesta construção.

E seria um expirar…

…de pensamentos viajantes,
palavras ditas no ar
sorrisos ténues ou vibrantes,
e de gestos,
de tantos e tantos gestos que são nossos
sem pensar!

Inspirar… Expirar…RESPIRAR…

E no fluir deste Respirar
somos Vida,
resistência
luta
partilha
afectos,
e solidão também.

Mas mais do que tudo
somos,
uma sublime energia
vivendo a aventura
deste acto de magia!

Eu,
tu
e todos nós!

 

 

(Dulce Delgado, Abril 2018)

 

 

 

ver e não ver

 

IMG_5318

Seguindo ou não as tendências da moda, uns óculos conectam-nos com o mundo quando os nossos olhos já não cumprem autonomamente a sua função. Adaptados com lentes monofocais ou progressivas permitem-nos ver o que queremos e o que não queremos e, de certa forma, também a controlar algumas “inseguranças” ao percebermos mais claramente todos os detalhes que nos rodeiam.

Sendo totalmente apologista do conforto, há muito que uso lentes progressivas, tecnologia que me agradou desde o primeiro instante e com a qual tenho uma forte relação de cooperação e empatia. Ao focar tudo sem necessidade de mudar de óculos, seja o que está próximo, a média ou a longe distância, esta opção permite-me ainda não os perder pois estão sempre no sítio certo.

Mas todas as relações, mesmo as mais próximas e intimas, não são perfeitas. Aprecio a verdade com que os óculos alimentam o meu olhar sobre o mundo, mas há um momento em que me dá um prazer especial traí-los e não os ter colocados. Acontece durante os momentos de higiene, quando me vejo ao espelho e ele me devolve a imagem de uma pessoa bem mais jovem, sem rugas e sem outros detalhes que não vou aqui especificar.

O espelho torna-se mágico! Faz-me sentir mais bonita e por momentos ficar mais próxima da idade interior, da minha real(idade), daquele modo de ser que permanece e que nos faz sentir sempre jovens. E nesses momentos, recordo muitas vezes uma frase de minha mãe, proferida pouco tempo antes de falecer, aos 71 anos: “Filha, eu não percebo…sinto-me ainda uma criança!”

Depois…

… bem…depois acaba a magia do espelho! Coloco os óculos, começa o dia e continua a vida. Quando volto a olhar para ele, já com óculos, sorrio com toda a ternura para aquela quase sexagenária que está ali, também a sorrir para mim….

…que outra coisa poderemos fazer?

 

 

páscoa

 

1a               2a

Eles não são propriamente discretos como este blog aprecia, mas bastante vistosos, coloridos e algo kitch. Contudo, são umas boas almas que vivem felizes na minha casa no meio de uma colecção de muitos e variados coelhos.

Esta é a sua época de eleição, em que andam por aí numa azáfama a distribuir ovos, amêndoas, desejos e magia. A cenoura não, essa é só deles!

Pedi-lhes para aparecerem no Discretamente e, com alegria, desejarem a todos…

… uma doce Páscoa e uma tranquila vivência deste tempo de passagem e transformação, afinal a ideia que alicerça esta época;

… que essa renovação seja sempre no sentido positivo e para algo de melhor, mesmo que mínima e muito subtil;

E ainda…

… que todos os vossos desejos sejam doces… já bastam os “amargos” que vagueiam pelo mundo!

 

 

 

 

olhar neblina

 

nebla

 

Atraente,
espreguiça-se a praia pela beira-mar
levando consigo o meu olhar.

E ele vai,
leve
livre
feliz
voando pelo ar
ou nas ondas a saltitar.

Ao longe,
encontra as neblinas
e com elas se envolve
num breve dançar.

Muito breve…

…depressa ele se esfuma
na magia do ar,
perdendo-se
na luz
na maresia
e no amar,
belo e com sabor a sal,
que une a areia e o infinito mar!

 

 

(Dulce Delgado, Agosto 2017)

 

 

pirilampo mágico

 

IMG_9164

 

Dentro de alguns dias termina a campanha do Pirilampo Mágico 2017, este ano com o lema Queremos voar. Cada pirilampo que adquirimos é uma pequena ajuda, muitos são uma grande ajuda.

Este ano a campanha faz trinta anos, o que significa que já nasceram trinta pirilampos diferentes e coloridos, que andaram para aí a “fazer magia” com o objectivo de ajudar os que têm mais dificuldade em se integrar na sociedade.

Não tenho todos os Pirilampos Mágicos, mas tenho os suficientes para fazer esta imagem de família, sendo o da frente o herói de 2017.

Considerando desde sempre que esta campanha solidária é uma ideia luminosa e que os pequenos peluches são uma ternura, também este ano a refiro neste blog a fim de relembrar quem ainda não colaborou, que o pode fazer até ao próximo dia 28 de Maio.

Não custa nada…e é uma grande ajuda!