obrigada!

 

IMG_9322

 

Como flui o tempo….em tempo de férias!

Agora que esse período terminou e o trabalho, as responsabilidades e este espaço me esperam, verifico que foram muitos os que comentaram o último post que publiquei a fim de me desejarem um bom descanso.

Considerando que não gosto de deixar comentários sem resposta e que não tem sentido estar a responder individualmente passados tantos dias, faço-o através destas palavras… escritas por umas mãos bastante escurecidas pelo sol… sob um olhar em que ainda não se dissipou um agradável filtro em tons de céu, mar e amplos horizontes… e por uma mente que, neste momento, ainda não lhe apetece voltar à realidade e ao dia-a-dia…

É com esta verdade que agradeço os vossos comentários, certa que em breve partilharei convosco um pouco do meu olhar/sentir sobre os lugares que me receberam.

Muito obrigada a todos!

 

 

Advertisements

férias!

 

IMG_1398ab

 

A perspectiva de alguns dias de férias e de praia sem compromissos familiares, é estranhamente inovadora na minha vida. E libertadora!

Será um tempo de tudo e de nada, mas certamente de muito descanso, mar, ondas, areia, caminhadas, amplos horizontes, aves no olhar e, espero, com um céu muito azul a acompanhar. Se aparecerem nuvens… que passem rápido, levando o nosso desejo de boa viagem!

Seremos apenas dois, tranquilamente disponíveis. Connosco, apenas a natureza, alguns pensamentos que a mente nunca deixa ir de férias…talvez outros novos e criativos… livros…papeis, caneta e aguarelas…as máquinas fotográficas de sempre…e tempo, tempo limpo e sem relógios!

O computador irá na bagagem mas sem intenções prévias, porque a mente, o corpo e especialmente os olhos precisam de descansar de monitores. Nessa perspectiva, é muito provável que não apareçam posts nem acompanhe as vossas publicações como sempre tento fazer. Mas se tal vontade surgir, discretamente aparecerei!

Desejo um bom trabalho ou descanso e….até breve!

 

 

 

poema do olhar

 

varias fotos

 

Gosto de desenhar
poesia com o olhar!

Rima a nuvem
com o céu
em seu longo deslizar…

o horizonte
com o mar
que leva o barco a navegar…

o monte
com o pássaro
no seu doce ondular…

a árvore
com a sombra
nascida para refrescar…

a flor
com a sua cor
num efémero vibrar…

e eu,
neste lugar,
procuro rimar com a vida
que a Vida tem para me dar!

 

 

(Dulce Delgado, Junho 2018)

 

 

 

pelo ar…

 

IMG_6559b

 

Em voo
levada sou,
nas entranhas
de um ponto
viajante,
no azul
e no instante.

Aventuro o meu olhar…

…e pelo rarefeito ar
vejo que o mar
virou céu
com nuvens a decorar!

Enganou-se o meu olhar?
Será que o céu e o mar decidiram brincar?

E as nuvens…
… gostarão elas de estar
abaixo do humano olhar?

Talvez sim…
talvez não…

Mas,
melhor do que eu estarão
neste meu divagar,
nascido para passar o tempo
e sempre,
sempre pensar…
…que já falta pouco para aterrar!

 

 

(Dulce Delgado, Junho 2018)

 

 

 

 

ao mar do meu olhar…

 

IMG_3493a

 

…neste Dia Nacional do Mar!

Este poema é um “mar-divagar” pessoal e nada diz sobre a real importância deste elemento na vida de todos os portugueses. O mar é a nossa história, o nosso percurso e estou certa que será uma parte fundamental do nosso futuro.
Pretende-se apenas que, neste dia, cada um relembre o seu próprio Mar!

 

Mar,
de longo e infinito olhar
onde é fácil imaginar
aquele lado da vida
que a vida não nos quer dar.

Horizonte de poesia
que me leva a passear,
deixando os pensamentos
profundos
ou em fragmentos,
pelas águas navegar.

Uns mergulham nas ondas
e ficarão sempre a nadar,
outros preferem voar
levados por um véu de água
que se evapora no ar,
e muitos,
felizes e sem mágoa,
diluem-se na branca espuma
que na areia vai descansar.

Tranquilamente,
percorro a beira-mar…

…talvez a procurar
um pensamento
meu,
escondido numa concha,
morando no coração
de um búzio,
ou dormindo na areia
que os meus pés estão a pisar!

 

(Dulce Delgado, Novembro 2017)

 

 

pela areia

 

IMG_1080ab

 

Percorrer a beira-mar,
é afagar a fronteira entre a terra e o mar.

Caminho
de olhares que se cruzam,
de conversas
perdidas na maresia
e de memórias,
que contornam a maré cheia
e preenchem a vazia.

Deixa cada passo
uma marca na areia,
afagos
de humana energia
que suavemente se unem
sem medo de se tocar.

Marcas efémeras
que as ondas irão apagar,
e com elas levar
a doce energia
que no mar ficará
para sempre a flutuar!

 

 

(Dulce Delgado, Setembro 2017)