de regresso…

 

IMG_6438a

 

…começo por agradecer a todos os que apreciaram o meu ultimo post e nele deixaram de uma forma mais ou menos objectiva o desejo de umas boas férias. Neste momento já não tem sentido responder individualmente a esses comentários, pelo que o faço colectivamente, agradecendo a vossa gentileza.

Para cada um de nós, e dependendo de várias situações, o termo “boas férias” terá uma leitura diferente. Ele é suficientemente ecléctico para, em termos práticos e entre inúmeras possibilidades significar uma viagem pelo mundo…..o prazer em percorrer uma região do país fora da rapidez e da “efemeridade” das auto-estradas…. ou apenas ficar num mesmo lugar a descansar e a usufruir de um tempo de tranquilidade mais ou menos absoluto. E férias pode ser simplesmente o quebrar das habituais rotinas.

No momento em que escrevo estas linhas, reservo-me ao prazer de ainda estar em férias, mas agora em casa. O tempo anterior foi de estrada, de quase dois mil quilómetros partilhados com o meu companheiro, de muitos lugares novos e outros revisitados, de descobertas, de surpresas… e de muita, muita natureza!

A decisão de nada publicar durante duas semanas foi uma premissa que impus a mim própria. Porque não queria o computador no meu olhar nem o blog na minha mente. Como um “filho”, um blog acaba por nos absorver e por capitalizar muita da nossa energia. Queria liberdade de tempo e de compromissos. E foi com esse espírito que parti para férias.

Contudo…

… tal como um filho se aloja na alma, na pele e é uma parte de nós para toda a vida, também o blog se “entranha” nos nossos sentidos, olhar, pensamentos, etc. E assim, naturalmente e sem avisar, ele apareceu sorrateiro associado a uma imagem, a um momento ou lugar, a um detalhe ou sensação.

E com ternura voltei discretamente a este meu espaço em vários momentos, como exemplificarei de seguida.

Assim…

…recordei a natureza artista quando o olhar se cruzou com a expressiva árvore da imagem com que iniciei este post ou ainda com o tronco da fotografia abaixo, ambas captadas no Parque La Salette em Oliveira de Azeméis;

 

IMG_6445a

 

…em vários momentos os passadiços de madeira guiaram-nos por trajectos  ambientalmente mais sensíveis. Com eles eu viajei pela natureza mas igualmente até ao blog, seja aos posts já publicados sobre essas estruturas, seja ao conteúdo que futuramente partilharei sobre outros locais onde estão implantados;

 

IMG_6403a

 

…nas terras quentes de Trás-os-Montes recordei os afectos primaveris ao encontrar este casal de percevejos (Pyrrhocoris apterus, Linnaeus, 1758 ), que indiferentes à agreste envolvente continuavam a sua actividade reprodutora ou, quiçá… talvez partilhassem apenas um afecto veranil!

 

insectos 2

 

…foi na periferia da albufeira da Barragem do Azibo (Bragança), que encontrei o lilás de lisboa, não em flores de jacarandá mas nos  vários arbustos de alfazemas que ali espalhavam a sua cor e odor;

 

IMG_5779a

 

…também o humor dos dias esteve no meu sentir e pensamento através das mudanças imprevistas da meteorologia, seja no sol aberto e calor difícil, no fresco desejado, numa inesperada trovoada, na efémera chuva ou no irrequieto vento. Tudo a natureza nos ofereceu!

 

IMG_5989a

 

…este belíssimo castanheiro descoberto num recanto do Parque Nacional de Montesinho trouxe à minha memória o post sobre a árvore europeia do ano. Esta árvore nunca terá certamente esse título, mas proporcionou um encontro cheio de boa e centenária energia!

 

IMG_5993a

 

…e na cidade  de Pinhel, no distrito da Guarda, encontrei o galo do meu cata-vento pousado no cimo da torre de uma Igreja. E sinceramente…pareceu-me tranquilo e bastante feliz!

 

IMG_5378a

 

O que significa tudo isto?

Apenas que não somos estanques e que dentro de nós tudo se relaciona. Essencialmente, este blog sou eu, o meu olhar, o meu sentir e o meu pensar. Como tal, ir sem ele para férias é impossível…porque em muitos momentos ele me apareceu com um sorridente “olá! Talvez as férias tenham sido apenas do computador!!

Por último…

…como sucedeu em anos anteriores, farei outros posts partilhando locais e detalhes destes dias de viagem. Sem tempo nem pressa…porque o tempo ainda é de férias!!

 

(E calmamente também começarei a acompanhar as vossas publicações!)

 

 

 

Advertisements

nome de tempestade

 

e

 

Ultimamente ficou mais humanizada a nossa relação com a meteorologia e com as tempestades que nos têm visitado. Sendo conhecidas até aqui apenas como depressões ou “zonas de baixa pressão atmosférica”, estes eventos meteorológicos adquiriram desde o dia 1 de Dezembro de 2017 nomes humanos e um estatuto muito mais interessante. Com esta decisão e associando alguma imaginação, diria que passaram a ser encarados como mais uns visitantes que integram o contínuo fluxo turístico que alimenta o nosso país.

Primeiro vieram a Ana, o Bruno e a Carmen, estes um pouco mais espaçados no tempo. Mas é provável que tenham gostado da recepção e das saudades que tínhamos das suas chuvas/neve e vento forte, que passaram a palavra a outros e, mais exuberantes, visitaram-nos depois o David, a Ema, o Felix e a Gisela. Este fim-de-semana foi a vez do Hugo e, a seu tempo, será a vez da Irene, do José e de outros mais, estes últimos ainda pensando e planeando a sua futura viagem pelo Atlântico.

Prevendo-se antecipadamente as características de uma depressão, como por exemplo a velocidade dos ventos associados, ela será considerada ou não tempestade e tomará o nome humano seguinte caso se apresente com alguma força e agressividade. E nós poderemos “preparar” a casa para receber tal visitante, seja fechando portos e barras à navegação, protegendo as habitações, fazendo alertas meteorológicos ou colocando de prevenção equipas de socorro e protecção.

Desta forma, seja o que for que suceda em dias de mau tempo mais evidente, sabemos que resultou do humor da Carmen, do Felix, da Gisele ou de outro nome constante de uma lista previamente escolhida, e não apenas daquele B maiúsculo, impessoal e normalmente de cor vermelha, que conhecemos das cartas meteorológicas disponíveis nos sites da especialidade.

Apesar da indicação de nomes para as tempestades geradas no Atlântico ou no Pacifico já ser antiga e não ter nada de original, a sua adopção por Portugal, Espanha e França é uma novidade e uma forma de melhorar a troca de informação e a comunicação entre estes territórios quando afectados por depressões mais extremas.

Por último, apenas quero acrescentar que me agrada bastante esta resolução…apesar de não apreciar alguns dos nomes escolhidos para tão respeitáveis visitantes!

 

(Imagem retirada do site do IPMA)

 

 

arco-íris

 

IMG_5372a

 

A atmosfera é rica em eventos meteorológicos ou luminosos, que vão de um tranquilo nascer ou pôr-do-sol a um destruidor furacão. Estas situações desencadeiam em nós sentimentos de prazer ou de bem estar, mas igualmente de desconforto, receio ou medo. E muitas vezes de pura indiferença…

Existe porém um fenómeno que tem a capacidade de nos provocar um certo encantamento, como é o caso do arco-íris. Sejamos velhos, novos, sensíveis ou um pouco mais rudes, esse fenómeno retém o nosso olhar como um íman, provocando um sentimento de admiração, talvez um sorriso ou mesmo um certo prazer interior. Os mais fantasiosos facilmente deixam a imaginação tocar-lhe ou percorrê-lo numa breve, longa ou alucinante viagem. Quantos de nós já não fizemos isso!

Sendo o arco-íris um fenómeno óptico, o mais curioso é que cada um verá o seu arco-íris, consoante o lugar onde se encontra. Para uns será maior, para outros menor, eventualmente duplo, de cores fortes ou atenuadas, apenas com algumas cores, etc.

Perante esta realidade…

… sempre que vejo um arco-íris gosto de imaginar a atmosfera não apenas com o “meu arco-íris”, mas igualmente com todos os que estarão a ser vistos por outros observadores naquele momento e região… formando esse conjunto de arcos de luz uma força positiva, envolvente e com a capacidade de melhorar a energia deste nosso planeta ou de atenuar um pouco o sofrimento nele existente.

Uma utopia certamente…mas no mínimo, é uma imagem bonita!

 

(Esta foto foi captada ontem nos arredores de Lisboa)

 

a chuva…

 

IMG_5261a

 

… finalmente chegou e instalou-se nos nossos dias. Dizem os especialistas que ficará ainda por algum tempo… para já, talvez uma semana ou um pouco mais… o que é muito pouco, sabemos; contudo, pode ser que prolongue a sua estadia: afinal, há muito que não era tão bem recebida por todos nós!

Com ela, regressaram imagens e sensações já um pouco esquecidas…

… a tranquilidade que sinto ao vê-la escorregar suavemente nos vidros da janela… gota aqui… gota ali…;

… como é bom estar neste lado, no lado do aconchego, a observar a sua dança selvagem com um vento que de vez em quando sopra furioso e destemido;

… quão agradável é estar protegida no interior de um carro em andamento (com alguém que o guie por mim, obviamente!), enquanto observo e fotografo os efeitos da chuva nos vidros e as imagens deformadas que eles oferecem;

… o arejamento que permitem as “janelas” de céu muito azul que de vez em quando rasgam as nuvens cinzentas em tempo de chuva, como se fosse a própria terra que necessitasse urgentemente de respirar através delas;

… gosto dos momentos em que o sol e a chuva se juntam e, de imediato, passa em “rodapé” no meu pensamento aquele provérbio que sempre dizíamos em crianças em situação semelhante “A chover e a fazer sol, estão as bruxas a comer pão mole”;

… agrada-me a ideia que durante uma chuvada e depois de tanto tempo de secura, existe um “sentimento” de alegria na terra/substrato e nas plantas que nela crescem. E de imaginar que o mostram da única forma que a natureza lhes permite, ou seja, a terra emanando o seu cheiro e as plantas abanando ao vento!

… como sabe bem respirar a “limpeza e a frescura” do ar depois de uma boa chuvada! Ou ainda, como os olhos gostam das cores brilhantes e saturadas pela água da chuva, que aqui e ali faz nascer poças que espelham o céu e o deixam naturalmente penetrar na intimidade da terra;

… e por último…

… a chuva desperta a “meteorologista” escondida que existe em mim! Graças às tecnologias actuais e às imagens via satélite disponibilizadas no site do IPMA, gosto de acompanhar as movimentações e a intensidade das manchas nebulosas que passeiam pela atmosfera. E ir comparando essa evolução com a chuva real que a natureza nos presenteia.

 

Esta, é a versão prosaica da chuva, a que me apetece escrever hoje.

A outra…ficará para um próximo post!

 

 

 

novo tempo

 

Já lá vai o tempo… em que o tempo meteorológico era previsível e as estações acompanhavam o folhear do calendário. Poderiam surgir pequenos desajustes, mas o Verão começava na altura certa, tal como as restantes estações. Sabíamos mais facilmente o que vestir, qual a altura ideal de trocar a roupa no roupeiro ou o momento certo para marcar férias consoante o tempo que se pretendesse.

Porém, mudaram-se os tempos…. e mudou a vontade do tempo! Cansada de tanta afronta ao planeta terra, a atmosfera mudou de táctica. Hoje, ela não segue regras, faz o que quer, tornou-se bipolar. Talvez assim chame a atenção…

Em consequência, tudo se tornou mais complicado: para além de reacções extremadas, em poucos dias podemos ter as quatro estações, a temperatura pode alterar mais de dez graus de um dia para o outro, recorremos a vários locais de previsão meteorológica à espera de encontrar o mais certeiro e…. especialmente para as mulheres, o espaço do roupeiro não chega para manter à mão a roupa adequada a estes golpes e humores atmosféricos.

Mas tudo tem o seu lado positivo e esta mudança de paradigma meteorológico também: hoje, no geral, damos muito mais valor aos dias bonitos, equilibrados e de céu azul, porque eles escasseiam e já não são um dado adquirido que vem indicado no calendário. Eles andam por aí ao sabor das desarmonias que nós cultivamos ao longo de décadas e de mau uso deste planeta. De vez em quando descem sobre nós, ora aqui, ora além, como um presente, para lhes darmos o devido valor. E pensarmos na sua efemeridade. Depois vão embora, até uma próxima visita.

Então… é altura de irmos ao roupeiro buscar mais um casaco ou uma camisola….. pois voltaram os dias cinzentos e voltou novamente o fresco….

….mas como se adaptam os restantes seres vivos deste planeta a estas evidentes alterações?