outono

Para nós, humanos, este será mais um dia no calendário das nossas vidas. Contudo, ele não deixa de ter um significado especial pois marca um momento importante na dinâmica que rege este planeta onde vivemos. Este dia significa que…

…começa o Outono no hemisfério norte, sendo já evidente o encurtar dos dias e as noites bem mais longas,

…as folhas de muitas árvores, já em processo de secagem, irão começar a cair com mais celeridade e a atapetar os nossos caminhos,

…o nublado/cinzento do céu aparecerá de uma forma mais recorrente e iremos senti-lo mais húmido, fresco e desconfortável,

…as primeiras chuvas já passaram por aqui,

…e em muitos de nós, talvez se instale uma espécie de nostalgia sobre o Verão e sobre as férias que entretanto já terminaram.

Mas para esta andorinha e para muitas outras aves que partilham o Verão connosco…

…habita uma certeza instintiva que as levará muito em breve a enfrentar os céus para mais uma louca viagem de milhares de quilómetros para Sul, em busca de lugares mais quentes e soalheiros,

…será uma viagem incrível e a primeira aventura para as que nasceram este ano,

…entretanto, estão a viver dias de preparação e de acumulação de energia a fim de enfrentarem essa poderosa jornada,

…e não saberão se a força que habita a sua aparente fragilidade será suficiente para cumprir mais uma vez essa vital missão que se repete anualmente geração após geração.

Se as aves pensassem…diria que a andorinha da imagem estaria a navegar nestes pensamentos….

Quanto a mim, limito-me a desejar a todas elas uma boa viagem até ao Verão do hemisfério Sul, levando cumprimentos meus para os que vivem nessa metade do mundo….e que leram este post até aqui!

E a todos nós que o Outono irá envolver a partir das 19h 21m de hoje, que ele seja um tempo de bom senso e equilíbrio, e que apreciemos com prazer os belos detalhes que a Natureza nos irá oferecer!

Bom Outono!🍁🍂🍄🌰

o que nos envolve

Todas as camadas gasosas que envolvem esta bola gigante que nos conduz pelo espaço têm uma função e são a chave para o equilíbrio entre a natureza e todos os que nela habitam.

Globalmente, todas as nossas acções têm repercussão nessas camadas e, uma vez que tudo está ligado, os efeitos desencadeados recaem invariavelmente sobre nós, numa aleatoriedade incontrolável e por vezes devastadora. Portanto, está em nós, como humanidade, zelar por essas camadas. Como?

Por um lado…

…limitando a produção de gazes que contribuem para o efeito de estufa (vapor de água, monóxido e e dióxido de carbono, gazes provenientes da queima de combustíveis fosseis e ainda os chamados CFC’s/clorofluorcarbono provenientes de aerossóis e de sistemas de refrigeração, assim como o metano que é expelido pelo gado e está presente na decomposição de lixo orgânico).

Todos eles influem e têm importância no mecanismo que regula a temperatura da terra e que possibilita a vida na sua superfície. Na prática, eles funcionam como isolantes e a sua presença, sem ser em excesso, é fundamental na medida em que absorvem parte da energia emitida pela terra. Porém, se esses gazes são demais também isolam demais, ficando mais calor retido na atmosfera. E assim surge o tão falado aquecimento global com todas as suas consequências.

Por outro lado…

…as nossas acções também afectam outra das camadas que envolve este mundo onde nos tentamos equilibrar. Refiro-me à camada de Ozono, uma faixa com alguns quilómetros de espessura composta por moléculas com três átomos de oxigénio que funciona como uma barreira que nos protege dos raios ultravioleta, como o video acima bem explica. Sabe-se contudo, que essa camada é destruída pelos tais CFC’s acima mencionados, porque eles têm Cloro e este elemento tem a capacidade de destruir as moléculas de Ozono.

Na prática, tudo se relaciona com tudo, o que exige estarmos conscientes, alerta e actuantes. Teoricamente já todos sabemos isto, mas não faz mal relembrar uma e muitas vezes, mais não seja porque, meteorologicamente falando, vivemos tempos estranhos e de evidente mudança, com impacto em nós e na natureza. Vivemos tempos em que todos os gestos têm importância. Todos os dias.

Este post é um pequeno contributo para o Dia Internacional da Preservação da Camada de Ozono que hoje se comemora.

(Link do video:  https://www.youtube.com/watch?v=o3svX2Hjnhk

inverno

A buganvília que vive em minha casa floresce quando lhe apetece. Este ano o Outono também foi tempo de floração, enchendo de cor o espaço que habita junto a uma janela. Porém, nesta altura do ano essa janela é muitas vezes fechada devido ao frio e à chuva, o que lhe causa certamente alguma tristeza como planta de exterior que é.
Foi esse o sentimento que esta imagem despertou em mim, num dia cinzento, frio, chuvoso… e de janela fechada! Fiz-lhe um afago e pensei “Ok…se floriste no Outono e o crescimento não parou…não pode ser grave! Há dias assim!”.

Novo pensamento:

A chegada do Inverno ao hemisfério norte neste ano totalmente atípico e de menos afectos, levará provavelmente a uma maior interiorização, a mais momentos de melancolia e a uma evidente diminuição da energia.
Apesar da meteorologia ter muita influência nesse processo, creio que este ano será sobretudo a pandemia a funcionar como “algo invisível e frio” que nos afasta do mundo e impede o calor humano.

Recorrendo a uma metáfora e à imagem acima diria que, tal como a minha buganvília, também nós…

…estamos perante uma “barreira invisível” e limitativa que nos separa do mundo
…o cansaço dessa situação leva a momentos de alguma tristeza
…apesar desse cansaço, continuamos a encontrar energia para viver e lutar
…sabemos que no outro lado dessa barreira estará uma saída e a liberdade
…que a esperança é algo poderoso e que a mudança sempre acontece
…e que a “janela”, mais tarde ou mais cedo se abrirá novamente!

E é com esta imagem que mistura tantos sentimentos que vos desejo um Inverno de esperança, de resiliência e apesar de tudo, sempre de gratidão!

Semelhante desejo dirijo aos meus leitores do hemisfério sul que hoje receberam o quente Verão…mas seguramente com alguns sentimentos análogos aos descritos!

outono

Despede-se hoje o Verão após uma semana meteorologicamente instável, reflectindo um pouco o espírito da estação que esteve entre nós. Foi um Verão algo desconfiado, intercalando o céu azul com o cinzento, as noites amenas com outras bastante frescas, e os raros dias sem vento com muitos de forte ventania. Com variações obviamente entre o norte e o sul do país, revelando o pólo meridional mais sintonia com o verdadeiro Verão.

Tais flutuações meteorológicas impõem uma verdadeira elasticidade mental de adaptação. Aliás, algo bem de acordo com os tempos instáveis que vivemos em que nada é realmente solto e natural, já que a preocupação e os pensamentos “laterais” pairam sobre nós como uma nuvem.

Mas nada disso é impeditivo do avançar do relógio do tempo e do fluir do tempo da natureza…

É nesta dinâmica que o Outono chegará hoje às 14h 31m ao calendário e aos nossos dias. Aos poucos a natureza fará as suas adaptações, começará a olhar para dentro, espalhará as suas cores de Outono, levará as folhas das árvores a viajar com o vento e talvez ofereça alguma chuva consistente.

E nós continuaremos igualmente a nossa adaptação a este estranho tempo que 2020 nos ofereceu, agora ainda mais atentos do que antes porque as circunstâncias actuais assim o exigem. Tentaremos não esquecer os gestos que começam a ficar esquecidos e reforçaremos as emoções que não precisam de gestos, através do cuidado, da atitude, da palavra, do detalhe. Pode parecer pouco, mas é bastante se for verdadeiro e genuíno.

Que seja um Outono (e uma Primavera no outro lado do mundo), ao desejo de cada um!

E cuidemo-nos. Cuidando de nós, também cuidamos dos outros!

ligações afectivas

 

IMG_4950ab

 

Em Setembro de 2016  partilhei um post sobre o almanaque Borda d’Água, folheto anual publicado em Portugal pela Editorial Minerva. Ele nasceu dois anos depois da editora e transmite um saber simples, ligado à terra e à agricultura, ao céu, aos astros e às estações do ano, à história, ao mundo cristão e ainda à cultura popular.

Amiúde o meu olhar passa sobre a folha do mês em curso a fim de saber algo mais sobre a “história” e acontecimentos do dia. Hoje porém, ao verificar que a editora que o publica nasceu a 2 de Junho de 1927, o que significa que completa 92 anos de vida, associei de imediato esse evento à minha progenitora e à idade que ela teria se estivesse viva, uma vez que nasceu nesse mesmo ano. 

A minha mãe tinha o saber adquirido enquanto estudante, mas guardava um saber bem maior, mais popular e fruto da simplicidade do meio em que nasceu e cresceu. Como apreciadora da natureza em todas as suas versões, sabia identificar a maioria das flores e de muitas plantas, saber talvez aprendido com o seu pai (e meu avô), um homem que sempre teve uma pequena horta ou um jardim para cultivar e zelar.

Minha mãe também entendia a meteorologia de uma forma muito empírica mas assertiva. Se o vento estava assim… tinha um significado; se estava de além…implicava outra coisa; se as nuvens apareciam naquele lado ou se a lua tomava determinado aspecto, era outra coisa qualquer;  e assim por diante. E naturalmente associava ao seu próprio conhecimento saberes populares e provérbios que depois partilhava nas mais diversas situações.

Hoje percebi que o meu gesto quase diário de deitar o olhar sobre este almanaque que a Editorial Minerva insiste heroicamente em publicar num tempo em que o “saber” se adquire pela internet é, de certa modo, um olhar sobre as raízes que me deram origem, e talvez, uma forma inconsciente de encontrar um pouco da minha mãe, da sua sensibilidade e de uma sabedoria que muito me encantava e que tantas vezes me levou a pensar “como é que ela sabe estas coisas todas?”

Um olhar ternurento sobre ela e o passado, leva-me sempre a senti-la como alguém muito especial… mas igualmente como um pequeno “almanaque humano”, uma espécie de Borda d’Água com coração!

Neste dia, longa vida à Editorial Minerva e ao seu delicioso Borda d’Água!