pela cidade

Cidade de gente apressada
cidade de gente indiferente…

Gastam passos sem sentido
passam esquinas, casas, dor
pisam pedras,
pisam gente
negam um olhar decente
ignoram que há luz e cor
e tanto para ser percebido.

Abranda o passo,
esquece o tempo por  momentos
e usa a cidade com amor,
acaricia as pedras ao andar
faz de cada esquina uma descoberta
e de cada azulejo uma obra de arte.

Deixa a cidade tocar-te,

procura no outro uma janela aberta
e põe um sorriso no seu olhar!

Poema e desenho de Dulce Delgado, ambos com mais de três décadas mas de uma temática que se mantem actual. Diria apenas que o poema revela um pouco de idealismo a mais…

 

experimentações #33

Durante alguns anos centrei-me essencialmente nos álbuns “por aí” como os partilhados no último post desta série.

De vez enquanto surgiam algumas intranquilidades criativas, inquietações que no final de 2008 aumentaram muito, a par da sensação de estar “demasiado parada” e de precisar de crescer um pouco mais.

Comecei também a sentir que o caminho não estaria nos traços que povoavam o meu imaginar como acontecera até então, mas que precisava de saber desenhar melhor o que via, de perceber racionalmente a relação entre as formas/volumes, perspectivas, sequência de planos, etc. Percebi igualmente que precisaria de muito, muito treino até eventualmente sentir que sabia realmente desenhar. Adquiri então alguns livros que me deram dicas importantes e comecei com um treino intensivo que consistia em fazer um desenho por dia o que, verdade seja dita, nem sempre foi cumprido com rigor.

Ao centrar-me na realidade tudo começou a ser alvo do meu olhar e a ser desenhado. Utilizava a caneta para não apagar nada e assim perceber a evolução. E depois foi insistir, insistir e insistir, como consiste no geral qualquer treino.

Os blocos foram sendo preenchidos, ficando aqui apenas alguns exemplos desse treino visual e manual.

Nesse ano de 2009 voltei a fazer um bloco com registos de férias, o que já não acontecia desde 2003. Completamente diferente dos anteriores, ele foi de certa forma uma continuação dos desenhos diários para os quais eu estava “programada”. A grande diferença é que os alvos escolhidos estavam maioritariamente no exterior. 

Na última imagem, as duas páginas do bloco estão preenchidas com registos rápidos de pessoas em movimento, algo para mim extremamente dificil, quer naquela altura quer agora.

Falta-me uma boa memória visual capaz de captar a posição dos corpos em acção como uma imagem fotográfica que depois seria transposta para o papel. Precisaria realmente de muito, muito treino até conseguir registos que exprimissem a naturalidade/espontaneidade dos corpos e das expressões a ele associadas. Porém, até hoje não me apeteceu fazê-lo. Talvez um dia, quem sabe.

Neste momento assumo totalmente essa incapacidade relativamente a algo que, na minha perspectiva, caracteriza e define um verdadeiro desenhador.

mães

Ao dia da mãe

…da mãe que já não tenho e que se chamava Teresa,
da mãe que sempre serei…
…e de todas as mães-natureza!

E a todos aqueles dias
que não sendo dias da mãe …

…perto ou longe do olhar,
os filhos são alma
presença
coração
e um sensível respirar
que alimenta o nosso estar
como fonte de alegria
e eterna preocupação!

Este ano em Portugal, o Dia da Mãe coincide com o Dia do Trabalhador.
Poetizando e imaginando pontes entre esses dois eventos, pergunto: não será a maternidade o mais doce, perfeito, intenso, desgastante e sempre inacabado trabalho da vida de uma mulher?  Trabalho remunerado?
Sim… por uma vida de emoções! 🧡
(Dulce Delgado, 1 Maio 2022)

presenças ausentes

Apesar de pouco consciente em nós, é uma arte que está em todo o lado e todos os dias passa pela nossas mãos, seja numa revista ou jornal, nos livros que recebem o nosso olhar, na capa daquele disco compacto ou vinil que ouvimos, nas agendas em papel ou calendários que nos regem o tempo, nas caixas de medicamentos que consumimos ou nos modelos e documentos oficiais…seja nos belíssimos rótulos de garrafas de vinhos que existem actualmente ou nas inscrições que identificam qualquer produto.

Ainda mais indiferente ao nosso olhar, essa arte está igualmente naqueles flyers irritantes que sempre colocam nos nossos carros dizendo que o querem comprar…nos folhetos com promoções dos super e hipermercados que nos esperam na caixa de correio, em toda a publicidade de habitações para arrendar e vender, e ainda, na organização de conteúdos de todo o tipo de publicidade que nos chega às mãos em suporte de papel….e que, na maioria das vezes, vai directamente para a reciclagem.

O design gráfico está presente no que é palpável mas igualmente na construção das inúmeras páginas virtuais que diariamente procuramos na internet (aqui sob a forma de web design), e que foram construídas e modeladas por um olhar especializado para que a nossa experiência visual seja apelativa e mais facilmente atraída e conquistada.

São os trabalhadores escondidos da estética dos nossos dias e de certa forma de um certo “consumismo” que nos rege. Ao colocarem um título, imagem, desenho, texto ou um espaço no lugar certo, estão a construir e a atrair emoções. As nossas emoções. Diria que eles trabalham para o nosso olhar e para que os nossos dias sejam esteticamente mais agradáveis, mesmo que não tenhamos consciência desse facto.

Eles são os designers gráficos e hoje, 27 de Abril é o seu dia mundial.

Na generalidade, este post é para todos esses trabalhadores de bastidores e de pouca visibilidade. E é particularmente para a minha filha e para o seu companheiro, ambos designers gráficos e detentores de um sentido estético que muito aprecio. 🧡

Valorizemos o trabalho destes artistas-técnicos, inclusive naquelas áreas e detalhes que normalmente nos são indiferentes e que ignoramos.

o livro

Ideias, histórias e pensamentos
descansam no silêncio
aconchegante
de um livro.

Um respirar de mãos
gestos
e ar,
acordam o livro
do seu dormitar.

Despertas,
logo as palavras se acomodam
em suas páginas e lugar,
desejosas de ouvir
o som de um folhear
e de sentir
o calor de um olhar.

Abre-se o livro…

…e uma doce energia abraça-as
na magia da leitura,
um misto de atenção e ternura
que as guiará até à mente,
onde serão novamente
ideias
histórias
e sempre pensamento!

(Ao Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor que hoje se celebra….e àquela magia que um livro sempre encerra!)

uma concha…

…cresceu…guardou vida…viajou ao sabor das correntes…e foi casa de minúsculos seres que sobre ela viveram e morreram. Haverá imensas conchas semelhantes mas esta despertou a minha curiosidade e levou-me a um olhar mais atento sobre a sua estrutura e superfície, sobretudo por ter sido palco de vida de outros seres.

Tentei entender um pouco mais sobre estas imagens junto de uma amiga bióloga, o que me permitiu saber que as estruturas fossilizadas no exterior são essencialmente da família das poliquetas (vermes tubículas/que viveram nos pequenos tubos) e de crustáceos cirrípedes, vulgarmente chamados de cracas (estruturas ovais).

A maior dimensão desta concha é de 4 cm, sendo portanto diminutas as estruturas que estão sobre ela, Na realidade passam quase despercebidas num primeiro olhar.

Perante estas imagens, questiono-me:


Há quanto tempo terá havido vida no interior e no exterior desta concha?

Quantos mares e areias terá ela percorrido e conhecido até ser recolhida numa praia do Algarve?

E ainda…

Quão atentos estamos nós aos imensos e gratuitos detalhes que nos cercam e que pacientemente esperam o nosso olhar?

(Obrigada Lilia! 🌼)

21 março

Toda a árvore
revela a criatividade
da Natureza,
escrevendo no céu
ou na terra,
poesia
de imensa beleza!

E nós,
árvores sem raiz
e com sangue em vez de seiva,
temos o dom de olhar
criar
desenhar
escrever
fotografar
poetizar…

…e gratos,
essa beleza
depois partilhar!

(Dulce Delgado, lembrando este dia 21 de Março como o Dia Mundial da Árvore e da Floresta…Dia Europeu da Criatividade Artística…Dia Mundial da Poesia…)

pequenas invasões

Desde ontem, em consequência da passagem da depressão Célia, assistimos à invasão de uma nuvem poluída e de cor alaranjada proveniente do norte de África formada por finas poeiras em suspensão. Um estranho “filtro” que se interpôs no exterior entre o nosso olhar e tudo o que ele abrange.

Num campo totalmente diferente, outra invasão aconteceu recentemente no terminal de Alcântara do Porto de Lisboa, quando o vimos ser ocupado por quatro gruas gigantescas de origem japonesa, as quais, segundo li, são o supra sumo em tecnologia. Além disso, o seu tamanho e funcionalidades irão permitir a atracagem de navios porta-contentores igualmente gigantes, o que até aqui não sucedia.

Isto significa que a partir de agora, o olhar de quem habita e/ou trabalha naquela área da capital e desfrutava de vista para o rio foi violado por estes quatro monstros que, em certos ângulos, abafam totalmente a bela ponte 25 de Abril. Pessoalmente, deixei de ter a sua elegância no meu olhar e passei a ter umas descomunais estruturas vermelhas e brancas que ainda não consigo aceitar. E como eu, tantos outros sentirão certamente o mesmo.

Relacionando tudo isto….

…a invasão deste respirar poluído foi por momentos metaforicamente sentida como a “materialização” da “nuvem” que se abateu ultimamente sobre a energia do mundo, algo que a minha esperança precisa de acreditar que terá um fim em breve… tal como a poeira do deserto desaparecerá e dará lugar a um bonito céu azul;

…mas nada diz a minha esperança sobre a invasão das gruas-monstros, que ficarão para sempre como intrusos na “alma” desta zona ribeirinha de Lisboa. De um dia para o outro, a minha e muitas janelas foram amputadas de uma vista que me encantava todos os dias há quarenta e um anos. E sinto-me triste por isso.

Numa época em que a palavra “invasão” assombra as nossas mentes e transformou o tempo que habitamos, este post é apenas um conjunto de pequenos detalhes e emoções associadas a essa palavra que infelizmente reentrou em força no nosso vocabulário pelas piores razões. Porém, também ficará associada a uma grande “invasão de solidariedade”!

Diria, para terminar, que ele se centra nas pequenas “invasões” inócuas que vão marcando os nossos dias…porque a vida continua para além daquela (im)possível e bárbara invasão da Ucrânia.

a vida acontece

Pelo doce-amargo dos dias
a vida acontece,
sorrateira…

…entre instantes de atenção e indiferença
emoções inócuas ou intensas
palavras imensas
silêncios
e pensamentos
profundos ou efémeros.

Amiúde respiramos
sem sentir esse ar
sem compreender o coração
ou o que nos dá o olhar.

Mas a Vida acontece…

…a cada instante e em cada inspirar,
até ao dia em que nos deixará
sem aviso
sem volta
nem hipótese de contestar.

Simplesmente,
irá.

(…quem sabe……..talvez um dia voltemos mais conscientes do “estar” e atentos ao “respirar”…)