nevoeiros…

Nos últimos dias a zona ribeirinha de Lisboa não viu o sol matinal. Cobria-a um denso e cinzento banco de nevoeiro que apenas deixava visíveis os topos da Ponte 25 de Abril e do Cristo-Rei.

Sempre que tal sucede, de caminho para o trabalho penetro nessa massa que aí se adensa. Hoje mais uma vez isso aconteceu…. e eu mais uma vez levei o corpo e os pensamentos a passear pelo nevoeiro…

Individualmente ou como parte da sociedade, na vida de todos nós surgem momentos complexos, seja porque nos “enganamos” no caminho, seja porque as circunstâncias exteriores se alteraram bruscamente e nos afectam. Como por exemplo, a crise pandémica que estamos a viver. Naturalmente surge a indefinição, a confusão, o receio e amiúde a falta de perspectivas, por vezes o mais difícil de lidar.

Perante o nosso olhar esbatem-se os caminhos, as ligações, pontes e soluções. Tudo é neutro, de uma “beleza” neutra que nem sempre conseguimos compreender.

Na verdade, o que era dado como certo e quase inquestionável pode, de um momento para o outro desaparecer, alterar-se, entrar em rotura, esfumar-se. Tal como desapareceu no denso nevoeiro, metaforicamente falando, a Ponte 25 de Abril, o ex-libris desta zona ribeirinha de Lisboa e que num dia normal estaria presente na maioria das imagens que se seguem.

Como resposta, é fundamental não perder as referências interiores e algumas exteriores, porque elas sempre existem, mesmo que perdidas nos meandros dos imprevistos e dos “nevoeiros”.

Há que acreditar, continuar a caminhar, fixar objectivos, rever perspectivas e, se necessário, “correr” um pouco mais, mesmo que mais devagar. Eventualmente ter a humildade de pedir ajuda se o cansaço e a desorientação for demais. E ter fé, seja em que tom for essa fé.

Este nevoeiro, tal como os nevoeiros da Vida sempre se dissipam. Porque o sol está lá e aparecerá. Assim como surgirão as respostas, os caminhos e até as pontes, seja as que ligam margens de rios, que nos ligam a nós próprios ou as que nos mantêm ligados ao mundo.

Assim é a Vida, entre margens e em nós. Tal e qual.

experimentações #4

 

IMG_0679a

 

A leitura do ensaio Elogio da mão da autoria do Historiador de Arte Henri Focillon foi tão marcante no final da minha juventude que me levou a fazer algumas colagens baseadas em frases do seu conteúdo. Também me interessou a perspectiva de outros autores que escreveram sobre estas incríveis ferramentas que nos ligam ao mundo e a que raramente damos o devido valor.

Partilho algumas das colagens então realizadas, uma técnica que me cativou imenso pelas suas potencialidades e a que recorri posteriormente em vários momentos criativos.

 

IMG_0677a

 

 

IMG_0676ab

 

 

IMG_0680a

 

 

IMG_0678a

 

 

(Dulce Delgado, colagens em papel, 1981 (?)

 

 

 

 

experimentações #3

 

#3 IMG_0748 a

 

A exploração do movimento e da perspectiva foi algo a que pacientemente me dediquei durante um certo período nos idos anos setenta.

Estando ainda centrada quer no preto e branco quer nas figuras geométricas, esses valores foram relativamente conseguidos através da alteração de dimensão das linhas/formas, assim como dos espaços existentes entre elas.

 

#3 IMG_0749a

 

 

#3 maio 77a

 

 

#3 fev 77a

 

 

(Dulce Delgado, tinta da china sobre papel, 1977-1978)

 

 

 

 

 

experimentações #1

 

IMG_0741ab

 

Pegar num papel…verter sobre ela tinta-da-china preta… e deixá-la escorrer, brincando com o papel…

 

Não sei datar esta experimentação, mas tem seguramente mais de quatro décadas. Ela é importante porque simboliza o espírito do “vamos ver o que dá”, sem objectivos, ideias ou qualquer mensagem latente a não ser explorar o momento, os materiais, as formas e a dualidade preto-branco.

Durante um certo tempo o preto foi a escolha na exploração de formas e perspectiva, como mostrarei brevemente num post desta série.

 

 

(Dulce Delgado, Janeiro 2020)

 

 

 

 

 

perspectivas

 

IMG_1568

 

A corda revela
…força… presença…ser… estar… matéria… corpo… espaço que se ocupa… realidade… consistência… objectivos…

a sombra
…ausência de luz… não presença… vazio… o que não se mostra… obscuridade… cegueira…indiferença… o lado mais negro…

o reflexo…
…influência… imagem… desejo escondido… o que não é físico… luz interior… esperança… irrealidade… sonho… ilusão…

 

Três perspectivas que fazem parte da Vida de cada um de nós…perspectivas que ora confluem, ora divergem, ora se equilibram ou desequilibram…

…e que, simbolicamente, estavam ali perante o meu olhar…num passeio à beira-mar!