árvores… criatividade… poesia…

 

3

 

Hoje, no primeiro dia completo de Primavera, entre outros eventos celebra-se o Dia Mundial da Árvore e das Florestas, o Dia Europeu da Criatividade e o Dia Mundial da Poesia, três áreas que aprecio e muito valorizo.

Contudo, não vou falar directamente desse meu gosto, mas dar a palavra a outros e à forma como expressaram ou ainda expressam o seu sentir nestas áreas tão importantes.

Para lembrar o Dia Mundial da Árvore e das Florestas deixo-vos o artigo Hoje o Pedro é um Bosque, publicado no Jornal Público no dia 17 de Março e da autoria da jornalista Margarida David Cardoso. Nele se conta a história de Pedro Figueira, um professor falecido precocemente, que manifestou em vida um desejo que a família e os amigos estão a cumprir. Em breve, Pedro terá um bosque na Serra do Buçaco.

No Dia Europeu da Criatividade, e apesar da artista não ser europeia, partilho o delicioso trabalho da canadiana Sharon Nowlan que revela uma relação muito próxima com a natureza. Vivendo junto a uma praia, desde muito cedo que se dedicou a apanhar pequenas pedras e vidros rolados para posteriormente criar obras de uma enorme ternura e simplicidade. Vale a pena conhecer o seu trabalho e de nos enternecermos com a sua criatividade.

Por último, e dedicado ao Dia Mundial da Poesia, recordo Sophia de Mello Breyner Andresen, que muito aprecio. Porque escolher um poema seu é sempre difícil, optei pelo mais alusivo a este dia, intitulado O Poema e incluído no Livro Sexto (1.ª ed., 1962).

E assim, entre árvores e bosques… que a criatividade se manifeste e faça nascer poesia na nossa vida!

 

 

Pormenores de imagens retirados respectivamente de:
http://institutoip.com.br/home/dia-da-arvore-preservar-a-natureza-e-valorizar-a-vida/
https://www.sharon-nowlan.com/
https://escritores.online/escritor/sophia-mello-breyner-andresen/

 

 

Advertisements

ao mar do meu olhar…

 

IMG_3493a

 

…neste Dia Nacional do Mar!

Este poema é um “mar-divagar” pessoal e nada diz sobre a real importância deste elemento na vida de todos os portugueses. O mar é a nossa história, o nosso percurso e estou certa que será uma parte fundamental do nosso futuro.
Pretende-se apenas que, neste dia, cada um relembre o seu próprio Mar!

 

Mar,
de longo e infinito olhar
onde é fácil imaginar
aquele lado da vida
que a vida não nos quer dar.

Horizonte de poesia
que me leva a passear,
deixando os pensamentos
profundos
ou em fragmentos,
pelas águas navegar.

Uns mergulham nas ondas
e ficarão sempre a nadar,
outros preferem voar
levados por um véu de água
que se evapora no ar,
e muitos,
felizes e sem mágoa,
diluem-se na branca espuma
que na areia vai descansar.

Tranquilamente,
percorro a beira-mar…

…talvez a procurar
um pensamento
meu,
escondido numa concha,
morando no coração
de um búzio,
ou dormindo na areia
que os meus pés estão a pisar!

 

(Dulce Delgado, Novembro 2017)

 

 

às vezes é um insecto…

 

capturar

 

Às vezes é um insecto que faz disparar o alarme, é o título de um pequeno livro de poemas da autoria de Nuno Costa Santos, português, escritor, dramaturgo, guionista para cinema e autor de programas radiofónicos e televisivos.

A editora, a Companhia das Ilhas, refere que o livro “…aborda temas do quotidiano, ou do modo como transformar as nossas vivências em palavras partilháveis. Uma linguagem simples e depurada, mas segura e rigorosa, que nos cativa para a leitura.”

Para além desta edição de bolso que me cativou pelo título, nada mais li deste autor. Contudo, tal como o link indica, tem outras obras publicadas.

Seguem-se quatro poemas que revelam um pouco da linguagem de Nuno Costa Santos e o seu modo singular de escrever poesia.

 

Às vezes é um insecto que faz disparar o alarme

Às vezes é um insecto que faz disparar o alarme
um zumbido que detona o coração.

Às vezes é uma virgula que tomba na frase
uma cabeça que desaba num ombro qualquer.

Às vezes é um fósforo
que resplandece venturosas entradas
no dicionário dos dias.

Às vezes nem isso.

Às vezes é um sopro que revira o mundo
no ventre do tempo
como quem se prepara para uma nova vida.

 

Google imagens

O mais velho convoca-me para a pescaria.
Lá vamos nós de canas de pesca,
pelas águas virtuais dentro.

Capturamos de tudo.

Peixes de mar mais profundo. Peixes de aquário. Peixes de desenho animado. Peixes de galeria nova-iorquina.

O rapaz cala-se, poético e atento, como se tivesse percebido as regras do ritual. E, ao som de cliques, o pescador vai lançando o isco cada vez mais longe, à procura de novas e novas e novas (e novas) espécies.

Dantes fazia-se isto no mar

 

Perdoa-me

Perdoa-me esta tristeza
de súbito revelada

(já passa
como passam as nuvens
e as notícias em rodapé).

este ar de passarão triste
estes olhos de boga
este contrato a termo incerto com o pensamento.

Não é nada

sou só eu
de vez em quando.

 

Lembrete

Tenho de ligar à alergologista mas não o faço
estou na minha hora da poesia.

Tenho de fazer alterações a um texto mas adio
estou na minha hora da poesia.

Tenho de passar um recibo verde mas espero
estou na minha hora da poesia.

Tenho de tratar da vida mas aguento
estou na minha hora da poesia.

Tenho de arquivar as obsesões e o medo mas protelo
estou na minha hora da poesia.

Agora já posso ir.

 

 

Imagem retirada de
http://companhiadasilhas.pt/books/as-vezes-e-um-insecto-que-faz-disparar-o-alarme/

 

 

“poesia” no futebol

 

futebol

 

… refrescar a tarde de calor com salpicos de futebol…

… meter o radar no pé esquerdo…

… mas há destinos e obras de arte que não entram em estatísticas (referindo um golo)

… o defesa brasileiro não teve samba para o tango do argentino…

… o guarda-redes tem sempre um palmo a mais…

… da marca dos onze metros pôs o poste a tilintar…

… adormeceu no turno…e ofereceu o golo…

… agarrou entre as mãos, a vontade de chamar pelo golo…

… colocou aquela bicicleta com umas mudanças acima…

… a bola levava certinha as coordenadas da cabeça do avançado…

… ele só tem olhos para a bola…

… Cristiano soltava a alegria…

… a classe com que põe a bola a morar no lugar favorito…

… é assim, quando se soltam os génios!

… etc.

 

Ao ouvir frases como estas a comentar resumos de jogos de futebol…a minha relação com esta modalidade melhorou consideravelmente.

A partir desse momento comecei a encontrar alguma “poesia” no futebol, não propriamente nas imagens emitidas, mas em comentários da autoria do jornalista João Alves Domingos, nome que aparece em rodapé no écran do primeiro canal da televisão pública portuguesa (RTP1), aquando da apresentação de resumos de alguns jogos.

A maioria destas frases são da sua autoria, e têm o dom de sugerir imagens e metáforas que facilmente nos transportam para outra realidade que não a de vinte e dois seres humanos atrás de uma bola tentando meter golos em duas balizas.

Tal descoberta levou-me a a percorrer outros canais televisivos, pois poderíamos estar perante uma nova linha jornalística de fazer comentários. Porém, nada encontrei de comparável nem com um estilo tão próprio, sendo este jornalista o detentor das melhores frases sobre esta modalidade desportiva.

Pelo menos para mim… que sou mais adepta de poesia do que de futebol!

 

 

Imagem retirada de  http://gqportugal.pt/melhor-sabado-futebol-da-historia/

 

 

 

poesia…

 

IMG_7658

 

Encontro-a no céu
e na leveza do ar,
na terra
ou no azul do mar,
nos gestos reais ou nos ideais,
no sonho,
e sempre no olhar
que a vida
teimou em me dar.

Pode ser filha da luz,
ou sombra
simplesmente.
Querer gente
solidão
evento ou confusão,
ser data
instante
semente
ou pura e fria desilusão.

Serena
ou intranquila,
ela agarra os momentos
vividos no coração
e brinca
ao jogo da ilusão,
fazendo nascer
uma construção
de palavras, rimas e sílabas,
solidárias ou solitárias,
que se apoiam
e abraçam
numa doce e terna
união!

 

(Dulce Delgado, Março 2017)

 

 

presenças

 

O Natal é a época do ano em que a tradição tem mais força. Associada a essa tradição está a memória dos que já partiram…pelos seus hábitos… pelos objectos que nos deixaram e que por vezes são apenas utilizados em épocas mais festivas… pelo legado gastronómico…ou simplesmente pela saudade!

Eu acrescentaria até, que na maioria das mesas da noite ou do dia de Natal, existe uma ou mais “cadeiras invisíveis”, onde se sentam as memórias daqueles que já não podem fisicamente estar ali a partilhar aquele momento.

É sobre essas presenças que fala o escritor Manuel Alegre no poema que passo a transcrever, e cujo título é exactamente Presenças. Porque aprecio a sua obra, tanto em prosa como em poesia, hoje cedo-lhe a palavra.

 

Eles estão por dentro. Nas
palavras
e nos actos.

Nas cadeiras
nas gavetas
nos cabides e nos fatos.

Quando menos se espera
fogem
dos retratos.

Tem cuidado quando te calças
eles podem esconder-se
nos sapatos.

Na sopa e na maçã
quem sabe se
no vinho.

Vê bem por onde vais
eles gostam das curvas
do caminho.

Na cama onde te deitas
nas camisas
e nas meias

no lençol com que te enxugas
no remédio que tomas para
desentupir as veias

no garfo sobre a mesa
nos copos
e nos pratos

eles estão por dentro e estão por fora.
Podes crer que nunca ficam
nos retratos.

 

Extraído do Livro do Português Errante, Publicações D. Quixote, Lisboa, 2001