de regresso… II

 

mapa

 

Portugal é um pequeno país em área, mas grande na diversidade que agrega e que oferece ao nosso olhar. É um pouco dessa variedade que pretendo partilhar convosco neste segundo post sobre o recente período de férias vivido e que já foi anteriormente abordado de uma forma muito genérica.

A maioria desses dias foram passados em Trás-os Montes e Alto Douro, naquele território quente e agreste que forma o nordeste português. Apesar do calor e das esperadas curvas das estradas nacionais dessa região, algumas memórias precisavam de ser reavivadas e novos lugares conhecidos. Não sendo fácil, era o que queríamos e assim o fizemos.

Cada lugar tem uma orografia própria, uma textura de “pele” e detalhes que o personalizam. É esse olhar que hoje gostaria de partilhar sobre esta região de Portugal, território de montes e vales, de rios e escarpas, de uma vegetação muito própria e de dois Parques Naturais, o do Douro Internacional e o de Montesinho, espaços que têm sabido manter as suas características e personalidade.

O rio Douro, que marca a sul este território e a leste faz fronteira com Espanha, esteve presente em diversos momentos no nosso olhar, mas não ladeado dos socalcos e dos vinhedos que tanto o caracterizam em certas áreas e que lhe permitiram obter o título de Património Mundial da Unesco. Nesta região as vinhas aparecem como parte de uma manta de xadrez e riscas, como uma parte da decoração da paisagem. O que realmente  predomina são as oliveiras e as amendoeiras, numa harmonia de verdes diferenciados que pontuam encostas suaves ou em socalcos.

 

1a

 

DSC_1438a

 

DSC_1521a

 

DSC_1438a

 

IMG_5412a

 

É em Barca de Alva, onde descansam cruzeiros-hotel que percorrem o rio Douro, que esta linha de água nos começa a separar de Espanha. Adquire então o nome de Douro Internacional, titulo que empresta ao Parque Natural que atravessa. No outro lado da fronteira este espaço preservado toma o nome de Parque Natural de Arribes del Duero

O rio separa os dois países, mas Espanha está ali tão perto. Na paisagem de um qualquer miradouro dos muitos que observam esta região, basta estender um braço e o rio quase é nosso. Como uma linha. Como um abraço.

Nessa fronteira leste, as arribas são mais mais altas e sinuosas, mais agrestes e intranquilas. Mas o Douro não se importa e segue o seu rumo. Na paisagem destaca-se um penedo, sendo Durão o seu nome. Um ex-libris da região, bem protegido pelas aves de rapinas que o sobrevoam e que as imagens não pretendem hoje mostrar.

 

IMG_5486a

 

IMG_5433a

 

A um miradouro, segue-se outro. E outro mais. Sempre com aquela linha de água azul esverdeada a serpentear entre montes.

 

4a

 

5a

 

Deixemos o rio Douro em paz e voltemos o olhar mais para oeste, para o interior daquela terra quente transmontana onde correm outros rios, como o Tua e o Sabor. O segundo deteve até há poucos anos o titulo de “último rio selvagem de Portugal”. Mas as barragens domaram os seus ímpetos porque outros valores “mais altos” se levantaram.

Hoje, mais tranquilizado, o Sabor deu lugar a uma sequência de “lagos” que marcam uma paisagem ainda desconhecidos para muitos.

 

DSC_1514a

 

IMG_5609

 

Já o rio Tua, um pouco mais a oeste, ainda oferece recantos maravilhosos e de paz em pleno Verão.

 

IMG_5652

 

Seguimos depois para norte e para o já mencionado Parque Natural de Montesinho, terra pouco povoada e ainda habitada pelo lobo, o que revela a sua natureza mais selvagem. Os montes ondeiam no horizonte e as curvas na estrada são presença constante. Mas a vegetação mudou e agora são os carvalhos e os castanheiros  que aconchegam a paisagem. Estes últimos, individualizados e imponentes ou formando soutos são presença no nosso olhar, assim como várias espécies de pinheiros (?) o faz noutros recantos.

 

IMG_5964a

 

DSC_1611a

 

Aqui, numa região oficialmente preservada, são as espécies autóctones que predominam. A seu lado, também a actividade agrícola se desenrola em lugares próximos da presença humana, seja nas hortas que todos possuem, seja nos campos com cereais maduros, dourados e prontos a serem colhidos.

 

IMG_5873a

 

IMG_5837a

 

IMG_5836a

 

Se a paisagem faz a textura de uma região, outros detalhes são o complemento que a consolida. Encontramos muitos, imensos, mas o post já vai longo e o objectivo é essencialmente um olhar aéreo sobre esta parte de Portugal.

Contudo, não resisto a partilhar alguns aspectos que o olhar guardou e que são uma parte importante da textura da paisagem, como os telhados vermelhos no xadrez caótico mas cheio de personalidade de muitas vilas; as casas em pedra e xisto que continuam a resistir aos tempo; ou ainda as flores, que aqui, ali e além pontuaram o nosso olhar de cor e de prazer.

 

IMG_5461a

 

IMG_5918a

 

IMG_5905a

 

IMG_5913a

 

E é assim, com cor, que termino por hoje. Mas regressarei em breve, com outros olhares e mais lugares!

 

 

Mapa retirado de https://www.google.pt/maps/@40.3483617,-6.0232678,6.14z

 

 

 

Advertisements

uma árvore pela floresta

 

arvore floresta

 

Relembro que nesta altura do ano, e à semelhança dos anteriores, se encontra em curso a campanha Uma árvore pela floresta, que resulta de uma parceria entre os CTT e a Associação ambientalista Quercus.

Esta campanha visa a plantação de árvores autóctones em regiões de Portugal afectadas pelos devastadores incêndios dos últimos anos, sendo a ajuda de todos nós importante na recuperação dessas áreas.

A compra de um kit pelo valor de 3,5 euros numa das 400 estações dos CTT espalhadas pelo país é a forma mais fácil de colaborar. Adquirido o kit, basta registar online o seu número e na Primavera de 2020 uma árvore será plantada em parques ou matas nacionais. Posteriormente seremos informados sobre a sua localização. O medronheiro, espécie emblemática da nossa flora, é a árvore escolhida para este ano.

A compra online também está disponível, sem custos de envio, mas apenas para um conjunto de cinco kits.

Esta é uma forma fácil de “plantar” uma árvore no local certo e com um objectivo. A natureza agradece toda a nossa colaboração!

 

 

Imagem retirada de
https://www.ctt.pt/ctt-e-investidores/sustentabilidade/projetos-e-iniciativas/uma-arvore-pela-floresta-2019.html

 

tristeza

 

preto

 

Ao longo dos quase três anos deste blog, tenho tentado manter a mesma linha que o levou a nascer: partilhar sentires, momentos, lugares e alguma da criatividade que comigo nasceu, mas de uma forma tendencialmente doce, positiva e discreta, porque é essa a forma que tenho de estar comigo e de me enquadrar no mundo. Acredito, com humildade, que as energias daí nascidas são boas e que o mundo precisa das nossas melhores energias. Tento apenas contribuir com uma ínfima parte.

Contudo, sendo uma cidadã do mundo, é óbvio que há situações que geram outro tipo de energias menos simpáticas. Em resposta, não as alimento com raiva, porque esse é um sentimento que não quero dentro de mim; também não as alimento dando continuidade de uma forma quase irracional em redes sociais, como vemos amiúde; e, de uma forma geral, não as alimento com grandes conversas porque, seja em que campo for, há sempre pessoa preparadas e especializadas para falar, escrever e debater esses temas mais polémicos com competência e seriedade. Eu nada acrescentaria de novo.

Hoje, porém, vou desviar-me um pouco dessa linha de conduta, sendo certo que a energia emocional com que escrevo não é doce nem mesmo positiva. É de tristeza, incompreensão e, não obstante estar ciente que estas palavras nada acrescentam, preciso de as escrever.

Fazendo a ponte…

Apesar de vestir amiúde o preto, porque gosto dessa cor e nunca a associei a luto ou a dor, hoje vesti uma peça desse tom conscientemente e por uma causa. É um preto/negro solidário, porque esta noite mais uma mulher foi morta em Portugal pelo seu companheiro, exactamente no dia de luto nacional pela violência doméstica.

Estamos na décima semana do ano de 2019 e esta última vítima foi a 12ª a morrer no meu país. A continuar este ritmo, serão o dobro do ano anterior. Caberá ao estado e às suas instituições agir rapidamente sobre a situação, esperando que esse agir seja firme, real e com efeitos a curto prazo, pelo menos na actuação a ter com casos já referenciados. Não será tolerável que as acções recentemente divulgadas e ainda em fase embrionária não sejam desenvolvidas com rapidez e rigor. Vamos aguardar, mas todos sabemos que algo tem que ser feito.

Como ser humano, revolta perceber que as situações de violência existem porque o senso, o chamado bom senso deixou de existir e foi completamente engolido por sentimentos doentios, irracionais e até capazes de matar quem, em certo momento, se escolheu para partilhar a vida ou mesmo ter filhos.
É difícil imaginarmos o leque de emoções que este tipo de acontecimento/violência deverá gerar ao longo da vida dos protagonistas, especialmente das vítimas: haverá amor e ódio, ilusão e desilusão, alegria e dor, confiança e terror. E haverá o viver ou o morrer.

Todas as vítimas foram mulheres. Doze homens do meu país preferiram alimentar o seu orgulho masculino e matar por ciúme, amor ou ódio. Preferiram escolher a cadeia e muitos anos sem liberdade a aceitar que as situações e os sentimentos mudam, e que as suas companheiras não são objectos nas suas mãos.

A realidade nua e crua mostra que às mãos desta ignorância e de tanta falta de educação vão morrendo seres humanos que, um dia, sonharam e desejaram um futuro de paz e de comunhão com os seus parceiros.
E infelizmente, mais se seguirão.

Se por um lado é necessário actuar de imediato em algumas frentes, creio que será na família e na escola que estará a solução para este problema, mesmo que os efeitos sejam a médio ou longo prazo. Sensibilizar os jovens, será a chave.

Então que esse papel seja assumido com empenho pelo estado e pela sociedade no geral, e por todos nós em particular no nosso pequeno circulo de acção. Será a solução para uma meta a atingir. Sem desvios nem recuo.

Hoje, o meu preto, é mesmo de luto.

 

 

 

 

 

árvore europeia do ano

 

arv2

 

Em Novembro último partilhei convosco a votação para a eleição da árvore portuguesa do ano. A escolhida pelo público foi a enorme Azinheira Secular do Monte Barbeiro, representada na imagem acima.

Agora, durante todo o mês de Fevereiro, este belíssimo exemplar está a competir para o título de Árvore Europeia do ano 2019 ao lado de outras espécies oriundas de catorze países europeus. Em 2018, Portugal conquistou esse galardão com o Sobreiro “Assobiador” de Águas de Moura.

Seja pela elegância, história ou dimensão, todas estes exemplares têm algo que é sempre interessante conhecer. Nesse sentido, sugiro que entrem aqui, “acariciem” todas estas árvores com a vossa leitura e escolham as duas que mais vos agradaram. Depois votem! É rápido e nada custa!

 

 

Imagem retirada de https://www.sulinformacao.pt/2018/11/azinheira-secular-de-mertola-e-candidata-a-arvore-de-2019/

 

 

 

livrar

 

Capturarlivrar

 

Disponibilizar livros que já não queremos ou ter acesso a outros que gostaríamos de ler é o que a plataforma digital LIVRAR permite desde meados deste mês.

Basta criar uma conta, escolher o que queremos fazer e posteriormente combinar a melhor forma de dar ou receber determinado livro. As bibliotecas também têm acesso a esta plataforma.

Este projecto, intitulado Cultura para todos, venceu em 2017 o Orçamento Participativo de Portugal (OPP) na Área da Cultura, e resultou de uma ideia dos cidadãos João Gonçalo Pereira e Tiago Veloso. Tem o apoio do Ministério da Cultura.

O início de novo ano é o momento ideal de olharmos para as nossas estantes e encontrar os livros que já pouco nos dizem e podem ir com o “ano velho”. E, quiçá, encontrar no LIVRAR outros que estavam em lista e que podem contribuir para crescermos um pouco no novo tempo que vai começar.

Boas trocas e melhores leituras!

 

(Imagem retirada de https://livrar.pt/)

 

 

 

aceitar e ajudar

 

mmm

 

Nesta sociedade em que é tão fácil criticar pela negativa e em que prolifera no mundo a ideia de segregar e de fechar fronteiras, é deveras gratificante pegar num jornal e ler um artigo que fala de pessoas que imaginaram um projecto, que o construíram de raiz e tudo fazem pela saúde e bem-estar dos cidadãos que habitam a zona mais multi-cultural da cidade de Lisboa e provavelmente de Portugal.

Sem mais palavras deixo-vos o artigo Jovens e sem bata, estes médicos fizeram uma revolução no Martim Moniz, da autoria da jornalista Mariana Pereira e publicado ontem, dia 25 de Novembro, no Diário de Notícias.

Vale a pena ler até ao fim. Porque naturalmente nos anima a alma e alimenta a esperança.

 

Imagem retirada de  https://justnews.pt/noticias/usf-da-baixa-a-saude-na-promocao-de-inclusao-social#.W_xmp2j7Q2w

 

 

ao outono…

IMG_3957a

Com o fim do Verão, instala-se progressivamente uma certa acalmia nas energias que nos movem.  Se por um lado sabe bem essa travagem, por outro fica um certo saudosismo do tempo que termina, um período de maior movimento, luz, cor, energia e actividade. É um tempo naturalmente diferente, porque é diferente a energia que o modela.

Apesar de estar um dia abrasador, o Outono entrou hoje no calendário e na nossa Vida. Por isso partilho um poema que, sempre que o leio, associo à energia do Outono…à energia do “olhar para trás”… da nostalgia… da saudade…e de uma certa interiorização.

Foi escrito em 1949 por Teixeira de Pascoais (1877-1952), o autor mais representativo do saudosismo português, aquele estado de alma tão associado ao nosso povo. Apesar de não apreciar muito essa visão nem a forma como por vezes ele a expressa, gosto deste poema pela simplicidade, pelo olhar sobre o tempo, seja na vida que passou ou na natureza que se modifica.

Com ele, fica o meu desejo de um Outono (que para outros será Primavera), conjugado ao gosto e ao tempo de cada um!

 

Que saudades eu sinto desta flor,
Que vai murchar!
E desta gota de água e de esplendor,
Um pequenino mundo que é só mar.
E desta imagem que por mim passou
Misteriosamente.
E desta folha pálida e tremente
Que tombou…
Da voz do vento que me deixa mudo,
E deste meu espanto de criança.
Que saudades de tudo eu sinto, porque tudo
É feito de lembrança…

 

 

Versos Pobres (LXVII) – Poesia de Teixeira de Pascoaes
Org. de Silvina Rodrigues Lopes
Lisboa, Editorial Comunicação, 1987