afectos primaveris

 

IMG_4494a

 

A Primavera é cor, vigor e tempo de procriação, pelo que tudo se conjuga para cumprir tal objectivo.

Se no reino vegetal a cor é um dos elos mais forte na forma de disseminação da espécie, no reino animal serão as feromonas e o instinto que estão na base dos rituais de acasalamento e da necessidade de deixar descendência.

Já na nossa espécie, por sua vez, é tudo mais complexo e belo porque, para além do instinto e das hormonas, liga-nos sentimento que se situam entre o afecto e a paixão. Mas a racionalidade humana tem a capacidade transformar todos esses factores num “jogo” que se manifesta em inúmeras formas de comportamento, sendo uma das mais comuns a capacidade de orientar os momentos mais íntimos para recantos menos expostos.

Pela complexidade e diversidade que representamos, vou esquecer a panóplia de sentires que nos abrangem em tempo de Primavera e incidir o olhar sobre a natureza, partilhando algumas imagens que esta Primavera já ofereceu.

Se na fotografia que inicia o post, obtida à poucos dias, o olhar encontrou esta enorme quantidade de aranhiços vermelhos numa só flor, só pode significar que os progenitores desta espécie aproveitaram bem as energias reprodutivas da estação. Apenas feromonas bem activas poderão ter dado tão admirável resultado!

Mas outros continuam a trabalhar para a continuação da espécie, seja no cimo de uma planta em equilíbrio bastante instável…

 

DSC_1267_DxO ja

 

…seja na transparência do vidro da janela onde trabalho em plena Lisboa!

 

IMG_3539a

 

Continuando…

Já todos presenciamos o ritual de acasalamento dos pombos que proliferam nas nossas cidades. Um jogo bem exigente e cansativo para a parte masculina, diga-se de verdade. Mas ver um casal de pombos a partilhar um passeio cúmplice à beira-mar é simplesmente delicioso….

 

IMG_4693a

 

…tal como é doce para o olhar ver este casal de patos reais a fazê-lo tranquilamente no seu ambiente natural.

 

DSC_0699a

 

Outros animais contudo, preferem locais mais recatados e sossegados para fazer esse jogo de sedução ou quem sabe, talvez projectos para o futuro, como é o caso deste casal de charnecos.

 

IMG_4374a

 

IMG_4377a

 

Por último….

…os afectos são tão amplos e cheios de possibilidades, e a imaginação algo tão vasto e sem limites, que até no meio de uma Lisboa invadida por uns seres chamados trotinetes… eu  encontrei duas calmamente a namorar!

 

IMG_4643

 

Continuação de uma amorosa Primavera!

 

 

(A segunda e a quinta imagens são da autoria do meu companheiro Jorge Oliveira)

 

 

Advertisements

mãe natal

IMG_2117b

Há muitos anos, quase trinta, vesti-me de Pai Natal e fui descoberta como sendo a mãe… Natal!

Traiu-me essencialmente a voz e o sotaque algarvio, o que contribuiu – creio que sem grandes traumas – para acelerar o sentir já latente nas crianças da família que o Pai Natal não vinha da Lapónia nem de trenó pelos céus do mundo.

E talvez por ter participado nesse episódio, transformei-me naturalmente em Mãe Natal, fazendo anualmente a distribuição das prendas, papel que cumpro com “rigor” enfiando na cabeça o barrete do fato usado nesses idos anos oitenta.

Neste Natal, mais uma vez se repetiu esse delicioso e longo ritual, porque na nossa família as prendas são dadas uma a uma e alvo da atenção comum. Damos tempo à abertura de cada uma, à reacção provocada, à apreciação da criatividade posta na sua realização ou à partilha de qualquer história a ela associada. E a uma segue-se outra, numa distribuição equilibrada que vai contemplando todos, tarefa facilitada pelo facto de, no geral, cada um de nós usar o mesmo papel em todas as suas prendas.

Para além do significado simbólico que esta época tem para cada um, é bom sentir o “calor” do ambiente, seja através das decorações, da vela que ilumina o presépio, das luzes da árvore ou ainda da música de fundo que nos envolve; sabe muito bem o estar calmamente à mesa e apreciar os pratos já tradicionais ou as inovações que sempre aparecem todos os anos; é bom o estarmos juntos, as conversas e a partilha sentida, apesar de sermos todos tão diferentes; mas também é muito bom e por todos desejado, o longo ritual da distribuição das prendas pela dinâmica que se cria. Além disso, quem é que não gosta de receber umas prendinhas?

Este ano, esse momento repetiu-se. E mais uma vez, eu fui orgulhosamente a Mãe Natal!

 

 

 

a agenda…

agenda

No primeiro dia de Janeiro de 2018, vivi mais uma vez o ritual da nova agenda. Em papel, como gosto. Agenda escolhida com cuidado, com espaço suficiente para registar o que o futuro gostará de saber, seja algo emocionante ou inquietante…

…há dados que se mantêm todos os anos, como aniversários e outras datas que a memória poderia esquecer. Mas outros existem que a agenda recebe, com surpresa, e curiosa de entender;

…uma agenda do passado tem sempre razão porque, quando era presente, recebeu verdades neutras ou cheias de emoção;

…aconchegada entre agendas guardo numa gaveta uma boa parte da minha vida. Um recanto de memórias que não voaram com o tempo, muitas vezes úteis, por vezes inúteis, mas sempre uma fonte de histórias;

…estranho… é não saber se uma agenda chegará ao fim… ou se haverá uma próxima esperando por mim!

 

Voltando a esse dia e a esse ritual que aprecio …

…diria que preparar uma agenda para um novo ano é um momento solitário vivido num dia essencialmente de alegria e de convívio. É um tempo partilhado com algo que receberá diariamente a minha atenção e o meu olhar, passará pelas minhas mãos e guardará alguma da minha energia. Tranquilamente e sem contestar;

…é uma forma objectiva e peculiar de dar as boas-vindas ao “tempo novo” e “em branco” que me é oferecido, mesmo sem ser pedido;

…revela-se como um dos momentos interessantes de olharmos a nossa Vida como algo especial e bem mais abrangente que os 365 dias que supostamente temos pela frente. Porque, sendo cada um de nós um pequeno microcosmos e um pouquinho da energia que forma este Todo, material e imaterial, temos o dever e a obrigação de tentar o mais possível estar em sintonia com as energias e com a “agenda” deste tão amplo Universo.

 

Que outro sentido e objectivo poderiam ter o Tempo, e a nossa Vida, senão esse?

 

 

 

areia sentida

 

IMG_0913a

 

A cada estação do ano associamos determinados rituais. Com o final da Primavera e o início do Verão, o corpo ganha um protagonismo diferente, desnuda-se e solicita um vestuário e calçado mais leve, num ritual que leva a pele a inspirar lentamente a sensação de “ar livre”. Esse progressivo arejamento permite também uma maior fluidez de gestos e atitudes.

Uma das melhores sensações que estas estações do ano nos oferecem, é o momento em que, depois de meses de recolhimento entre meias e sapatos, os nossos pés finalmente libertos penetram na macieza da areia seca de uma praia. Eles ficam felizes…e riem…apertam a areia… afagam…quase dançam!

É uma sensação que dura segundos, apenas o tempo dos primeiros passos ou até a mente se distrair e nos levar para outro sentir.

Momento bastante efémero, sem dúvida…talvez até indiferente para muitos…talvez desagradável para os que não gostam de areia…mas pessoalmente, um momento marcante, inspirador e deveras libertador!