mãe natal

IMG_2117b

Há muitos anos, quase trinta, vesti-me de Pai Natal e fui descoberta como sendo a mãe… Natal!

Traiu-me essencialmente a voz e o sotaque algarvio, o que contribuiu – creio que sem grandes traumas – para acelerar o sentir já latente nas crianças da família que o Pai Natal não vinha da Lapónia nem de trenó pelos céus do mundo.

E talvez por ter participado nesse episódio, transformei-me naturalmente em Mãe Natal, fazendo anualmente a distribuição das prendas, papel que cumpro com “rigor” enfiando na cabeça o barrete do fato usado nesses idos anos oitenta.

Neste Natal, mais uma vez se repetiu esse delicioso e longo ritual, porque na nossa família as prendas são dadas uma a uma e alvo da atenção comum. Damos tempo à abertura de cada uma, à reacção provocada, à apreciação da criatividade posta na sua realização ou à partilha de qualquer história a ela associada. E a uma segue-se outra, numa distribuição equilibrada que vai contemplando todos, tarefa facilitada pelo facto de, no geral, cada um de nós usar o mesmo papel em todas as suas prendas.

Para além do significado simbólico que esta época tem para cada um, é bom sentir o “calor” do ambiente, seja através das decorações, da vela que ilumina o presépio, das luzes da árvore ou ainda da música de fundo que nos envolve; sabe muito bem o estar calmamente à mesa e apreciar os pratos já tradicionais ou as inovações que sempre aparecem todos os anos; é bom o estarmos juntos, as conversas e a partilha sentida, apesar de sermos todos tão diferentes; mas também é muito bom e por todos desejado, o longo ritual da distribuição das prendas pela dinâmica que se cria. Além disso, quem é que não gosta de receber umas prendinhas?

Este ano, esse momento repetiu-se. E mais uma vez, eu fui orgulhosamente a Mãe Natal!

 

 

 

Advertisements

a agenda…

agenda

No primeiro dia de Janeiro de 2018, vivi mais uma vez o ritual da nova agenda. Em papel, como gosto. Agenda escolhida com cuidado, com espaço suficiente para registar o que o futuro gostará de saber, seja algo emocionante ou inquietante…

…há dados que se mantêm todos os anos, como aniversários e outras datas que a memória poderia esquecer. Mas outros existem que a agenda recebe, com surpresa, e curiosa de entender;

…uma agenda do passado tem sempre razão porque, quando era presente, recebeu verdades neutras ou cheias de emoção;

…aconchegada entre agendas guardo numa gaveta uma boa parte da minha vida. Um recanto de memórias que não voaram com o tempo, muitas vezes úteis, por vezes inúteis, mas sempre uma fonte de histórias;

…estranho… é não saber se uma agenda chegará ao fim… ou se haverá uma próxima esperando por mim!

 

Voltando a esse dia e a esse ritual que aprecio …

…diria que preparar uma agenda para um novo ano é um momento solitário vivido num dia essencialmente de alegria e de convívio. É um tempo partilhado com algo que receberá diariamente a minha atenção e o meu olhar, passará pelas minhas mãos e guardará alguma da minha energia. Tranquilamente e sem contestar;

…é uma forma objectiva e peculiar de dar as boas-vindas ao “tempo novo” e “em branco” que me é oferecido, mesmo sem ser pedido;

…revela-se como um dos momentos interessantes de olharmos a nossa Vida como algo especial e bem mais abrangente que os 365 dias que supostamente temos pela frente. Porque, sendo cada um de nós um pequeno microcosmos e um pouquinho da energia que forma este Todo, material e imaterial, temos o dever e a obrigação de tentar o mais possível estar em sintonia com as energias e com a “agenda” deste tão amplo Universo.

 

Que outro sentido e objectivo poderiam ter o Tempo, e a nossa Vida, senão esse?

 

 

 

areia sentida

 

IMG_0913a

 

A cada estação do ano associamos determinados rituais. Com o final da Primavera e o início do Verão, o corpo ganha um protagonismo diferente, desnuda-se e solicita um vestuário e calçado mais leve, num ritual que leva a pele a inspirar lentamente a sensação de “ar livre”. Esse progressivo arejamento permite também uma maior fluidez de gestos e atitudes.

Uma das melhores sensações que estas estações do ano nos oferecem, é o momento em que, depois de meses de recolhimento entre meias e sapatos, os nossos pés finalmente libertos penetram na macieza da areia seca de uma praia. Eles ficam felizes…e riem…apertam a areia… afagam…quase dançam!

É uma sensação que dura segundos, apenas o tempo dos primeiros passos ou até a mente se distrair e nos levar para outro sentir.

Momento bastante efémero, sem dúvida…talvez até indiferente para muitos…talvez desagradável para os que não gostam de areia…mas pessoalmente, um momento marcante, inspirador e deveras libertador!