oiràrtnoc oa aid

 

Refere o calendário
ser 31 de Janeiro
o “Dia ao contrário”,
data  que pretende alertar
e contrariar,
hábitos e rotinas
que inundam a nossa vida
e certa forma de estar.

Para no cérebro acordar
recantos adormecidos
e maleitas afastar,
é sempre bom treinar
gestos desconhecidos
que o possam estimular.

Vejamos então,
o que poderemos fazer com essa intenção:

 

Usar os talheres trocados,
escrever
e várias tarefas fazer com a mão do outro lado;

Sobre o pé não dominante
seguir avante…
… ou o equilíbrio manter, até mais não puder ser!
 
Fazer cálculo mental,
ler no sentido contrário algo que não seja banal,
ou novos caminhos seguir para chegar onde se quer ir!
 
E ainda,
depois do almoço e café,
trocar o cómodo sentar por um bom passeio a pé!

 

Também as emoções podem ter outras versões:

 

Com outros trocar tarefas ou apenas de lugar;

Dar sem nada querer a não ser o partilhar;

Se alguém nos irritar um sorriso devolver;

Ou com alegria tentar
afastar o telemóvel e olhar para outro olhar!

 

Seguindo este “brincar”
muito se pode inventar
a fim de arejar
o cérebro e o coração,
órgãos nobres e desejosos
de novidade e atenção,
nesta admirável corrida
que constrói a nossa vida!

Hoje…e em qualquer dia!

 

 

(Dulce Delgado, Janeiro 2018)

 

 

 

Advertisements

fim-de-semana

 

dormir

 

A necessidade de sustento leva-nos a manter um trabalho/profissão e, de uma forma geral, a levantar bastante cedo todos os dias.

O corpo habitua-se a essa rotina, sendo o “imposto” ciclo biológico cumprido com mais ou menos vontade quando o despertador indica que chegou a hora. Para que esse momento seja menos agressivo e mais suave, muitas vezes é o nosso corpo/cérebro já programado que dá ordem para sairmos do sono profundo alguns minutos ou segundos antes do despertador tocar, sendo então esse acordar um pouco mais tranquilo.

Ao fim-de-semana o processo é um pouco diferente. Não há despertador…mas há programador, pelo que inúmeras vezes acordamos à hora habitual. Um primeiro pensamento diz-nos “tenho de me levantar”, mas o seguinte, bem mais lúcido, informa-nos “não…é fim-de-semana…não tenho de me levantar!”

Nesse instante, vivenciamos um dos mais agradáveis e reconfortantes sentimentos do nosso dia-a-dia: perceber que podemos ficar na cama, virar para o outro lado e continuar a dormir pelo tempo que quisermos, seja ele muito ou pouco. E, melhor ainda… é perceber isto quando se ouve a chuva a cair lá fora!

Por ser “sentido na pele” e surgir naturalmente na nossa vida de rotinas, talvez este seja um dos momentos que melhor nos permite sentir gratidão e apreciar o prazer de ter um aconchego… uma cama… uma casa… e até um emprego!

 

 

 

junho…

 

IMG_9429

 

Para quem vive no hemisfério norte, o mês de Junho é, claramente, o tempo que faz a transição para o Verão e para o principal período de férias do ano.

Há medida que o mês avança e a temperatura atmosférica vai subindo, vamos sentindo na pele e no corpo uma vontade de movimento e de exterior, numa espécie de antecipação ao que está para vir. Diria que é o mês em que as férias saem do “mapa de férias” afixado no placard dos locais de trabalho e deixam de ser apenas uma ideia, uma perspectiva ou um desejo, passando a algo mais físico e emocional.

Se por um lado o corpo fica mais irrequieto, também começa a ser muito mais fácil a nossa mente sair por aí e iniciar um imenso voo em tons de céu, de verde ou de mar e, num ápice sem tempo nem conta-quilómetros, nos levar àquele lugar que está planeado na agenda, escrito no bilhete de avião real ou electrónico, ou apenas guardado como projecto ou desejo.

Depois… tão naturalmente como partiu, a mente volta à casa-mãe e, com um sorriso invisível leva-nos a pegar novamente na caneta, no teclado do computador ou em qualquer objecto/tarefa que faça parte do nossa actividade diária e pede que continuemos… e nós vamos continuar, certos que o processo se vai repetir… até chegar o primeiro dia de férias!

Digamos que o mês que o antecede, Maio, ainda nos permite estar na quietude do tempo, do espaço e das rotinas que nos envolvem com uma certa tranquilidade. Mas Junho, o irrequieto mês de Junho, é sinónimo de uma agradável inquietude, de um fervilhar e do desejo de outro respirar. E muitas vezes, vontade de outro lugar!

Indiscutivelmente…Junho está comigo!